A necessidade de um Auditor ou Perito Contábil no Meio Empresarial

Publicado em: 07/03/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 381 |

Em alguns trabalhos que realizei, notei que existe certa repulsa em alguns setores do meio empresarial pela palavra "auditor" e "perito". Normalmente as frases que seguem após o conhecimento de que este profissional se encontra na empresa é: "... lá vem aquele que foi contratado para descobrir o que estamos fazendo de errado!".

Com este artigo queremos desmistificar essa lenda do "bisbilhoteiro" e demonstrar a importância e lucratividade que este profissional poderá proporcionar às empresas que o contratarem.

Inicialmente, vamos tratar da diferença entre um perito e um auditor. A semelhança entre as atividades as vezes confunde até os bancos acadêmicos. Vejamos o conceito jurídico sobre esses vocábulos:

 

Auditor: Perito-contador ou técnico de contabilidade incumbido de examinar livros contábeis ou escrituração de um estabelecimento empresarial, dando parecer e atestando sua exatidão, confrontando-os com os documentos comprobatórios dos lançamentos feitos.[1]

 

 

Perito: (...) designado para efetuar exame ou vistoria. (...) auxiliar a administração (...), ajuda a formar o convencimento (...) quando da prova do fato exigir o conhecimento técnico.[2]

 

Após determinar o profissional, partimos para o trabalho. Na concepção das Normas Brasileiras de Contabilidade a Auditoria Interna[3] significa:

 

12.1.1.2 – A auditoria interna é exercida nas pessoas jurídicas de direito público, interno ou externo, e de direito privado.

 

 

12.1.1.3 - A Auditoria Interna compreende os exames, análises, avaliações, levantamentos e comprovações, metodologicamente estruturados para a avaliação da integridade, adequação, eficácia, eficiência e economicidade dos processos, dos sistemas de informações e de controles internos integrados ao ambiente e de gerenciamento de riscos, com vistas a assistir à administração da entidade no cumprimento de seus objetivos.

 

 

12.1.1.4 – A atividade de Auditoria Interna está estruturada em procedimentos, com enfoque técnico, objetivo sistemático e disciplinado, e tem por finalidade agregar valor ao resultado da organização, apresentando subsídios para o aperfeiçoamento dos processos, da gestão e dos controles internos, por meio da recomendação de soluções para as não-conformidades apontadas nos relatórios.[4]

 

Partindo para a perícia, temos como definição:

 

13.1.1 – A perícia contábil constitui o conjunto de procedimentos técnicos e científicos destinados a levar à instância decisória elementos de prova necessários a subsidiar à justa solução do litígio, mediante laudo pericial contábil, e ou parecer pericial contábil, em conformidade com as normas jurídicas e profissionais, e a legislação específica no que for pertinente.

 

13.1.1.1 – O laudo pericial contábil e ou parecer pericial contábil têm por limite os próprios objetivos da perícia deferida ou contratada.

 

13.1.2 – A perícia contábil, tanto a judicial, como a extrajudicial e a arbitral, é de competência exclusiva de Contador registrado em Conselho Regional de Contabilidade.[5]

 

No conceito jurídico encontramos que:

 

Auditoria é o ato de constatar a licitude de títulos jurídicos e das convenções da empresa no âmbito de seu funcionamento ou de suas relações com fornecedores e clientes.[6]

 

 

Perícia é o exame e vistoria. Exame é a apreciação de alguma coisa, por meio de peritos, para o esclarecimento. Vistoria é a mesma operação, porém restrita à inspeção ocular, muito empregada nas questões possessórias, nas demarcatórias e nas referentes aos vícios redibitórios[7].[8]

 

Em síntese, podemos definir que a auditoria é uma comparação entre o que está regrado e o que está explícito. Por exemplo, se analisarmos a Conta Bancos, no Ativo Circulante, teremos que confrontar se o que o sistema da empresa pagou via banco é o que deu a baixa no extrato. Sinteticamente é verificar se o físico (extrato impresso) reflete a realidade (pagamento de contas via banco em determinado período). Após a análise faz-se o parecer, ou seja, se o montante analisado está em conformidade ou não.

Já a perícia, é uma verificação de dados. Aproveitando-nos do mesmo exemplo acima, se fizermos uma perícia nos extratos bancários, nos perguntamos o que seria relevante periciar, talvez os juros pagos pela empresa. Será que o IOF, juros contratuais, tarifas de contas, juros cobrados no saldo, juros e parcelamento de empréstimo realmente são corretos como os negociados e acordados com os bancos? O papel do perito está em verificar se aquilo que foi pago é o que realmente deveria ter sido pago.

Será que conseguimos entender a diferença? Compreendemos a grandeza em contratar essas atividades para o nosso meio empresarial?

É muito comum ainda na atualidade pensarmos em perícias e lembrarmos do judiciário. Contudo, a cada novo dia as organizações têm visto no perito um diferencial de ganho para sua empresa. Vislumbramos um financiamento de um veículo para a organização (sabemos que é difícil uma empresa comprar apenas um veículo), conseguimos visualizar através da perícia se o juro contratado no financiamento é o que realmente está sendo cobrado e caso contrário poderá ser acionado o fornecedor para que refaça os cálculos ou que o mesmo seja acionado judicialmente a cobrar o juro acordado contratualmente. Imagine o ganho que a empresa pode ter em um simples exame como esse?

Falando ainda em perícias, com a adoção do IFRS – Normas Internacionais de Contabilidade, obrigatoriamente todas as contas passarão por um exame pericial e contábil, pois deverá haver um laudo confirmando a realidade atual da empresa. Nesse contexto, percebemos que a auditoria também será fundamental na verificação dos processos até então realizados.

 

ALGUNS BENEFÍCIOS EMANADOS DA CONTRATAÇÃO DE UMA AUDITORIA E PERÍCIA

 

Auditoria

 

  • Confiabilidade na realidade das demonstrações contábeis e financeiras da empresa: O que está escrito é realmente o que a empresa possui. Essa certificação facilita a entrada de novos investidores ou de solicitação de créditos.
  • Exclusão de fraudes e erros: Uma auditoria consegue encontrar os desvios e fraudes que possam estar ocorrendo na empresa. Recentemente a mídia retratou a falência do Banco Panamericano, se voltarmos nossa memória a esse fato, lembraremos que a primeira citação foi: "... como que a auditoria não percebeu?". É justamente questionável, pois um auditor tem a expertise e a técnica para conhecer e ao menos desconfiar de alguns números refletidos na vida empresarial. É claro que se amostra (pois a auditoria trabalha por meio de amostragem) estiver totalmente corrompida é mais difícil de encontrar os erros, mas não impossível.
  • Análise específica dos departamentos: Pode-se analisar se as informações geradas pelos departamentos da empresa são as corretas. Por exemplo, o departamento de Recursos Humanos resolve fazer uma pesquisa de clima e o resultado passado para a direção é que os funcionários estão completamente satisfeitos e felizes na empresa. Contudo, a rotatividade empregatícia a cada mês aumenta. Será que realmente os dados são confiáveis?

 

Perícia

 

  • Revisionais: Rever juros calculados em empréstimos e financiamentos, podendo com isso diminuir ou quitar o valor da parcelas a serem pagas.
  • Auxílio em litígios: Contestar o laudo que o perito judicial nomeado pelo juiz redigiu. Faz-se uma perícia extrajudicial e confrontam-se as duas, podendo o jurídico não aceitar a laudo sentenciado pelo judiciário.
  • Apuração de haveres: Saída ou entrada de sócio, avaliação patrimonial para possibilidades de cisão, fusão ou concordata.

Haveria muitos outros benefícios para serem enumerados, entretanto não é esse o objetivo do artigo escrito, e sim de tornar mais claro esses conceitos e fundamentar o quão lucrativos se tornam em uma sociedade como nossa que as organizações perdem ou ganhar nos detalhes.

Esperamos ter conseguido contribuir para desmitificar as dúvidas sobre essas atividades tão importantes e competitivas e clarear a relevância das mesmas no meio corporativo.

Encerramos essa pequena análise com o pensamento de Samuel Johnson, "Há conhecimento de dois tipos: sabemos sobre um assunto, ou sabemos onde podemos buscar informação sobre ele.".

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

DINIZ, Maria Helena. Dicionário Jurídico Universitário. São Paulo: Saraiva, 2010.

 

 

Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul. ROKEMBACH, Rogério (Coord.). Normas Brasileiras de Contabilidade: Auditoria Independente – Auditoria Interna e Perícia Contábil. 5ª ed. atual e rev., 2009.

 

[1] DINIZ, Maria Helena. Dicionário Jurídico Universitário. São Paulo: Saraiva, 2010, pg.63.

 

[2] Ibidem, pg.452.

[3] Nota da Autora: Percebemos que existe uma sobreposição de conceitos. Para a NBC – Norma Brasileira de Contabilidade, a Auditoria Interna é a realização das auditorias nas organizações, ou seja, dentro da empresa. No meio empresarial entendemos o auditor interno como aquele funcionário da própria organização que é treinado para auditor as contas patrimoniais da empresa, mas que possui o vínculo empregatício e o auditor externo aquele profissional que é contrato externamente do âmbito empregatício. Saliento importante tal diferenciação para que não haja percepções errôneas quanto ao artigo.

 

[4] Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul. ROKEMBACH, Rogério (Coord.). Normas Brasileiras de Contabilidade: Auditoria Independente – Auditoria Interna e Perícia Contábil. 5ª ed. atual e rev., 2009, pg.338.

[5] Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul. Op.cit, pg. 349.

 

[6] DINIZ, Maria Helena. Op.cit, pg.63.

[7] Vícios Redibitórios: Falha ou defeito oculto, existente na coisa alienada. Diz-se que se o vício fosse conhecido pelas partes, talvez ou provavelmente o negócio não se realizaria. (DINIZ, Maria Helena. Op.cit, pg.589). Ex: Doação de uma casa, contudo o doador era inadimplente e estava em processo de falência.

 

[8] DINIZ, Maria Helena. Op.cit, pg.451.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/gestao-artigos/a-necessidade-de-um-auditor-ou-perito-contabil-no-meio-empresarial-4362226.html

    Palavras-chave do artigo:

    auditoria contabil pericia contabil auditor perito revisionais lucratividade auditoria interna e externa pericia judicial e

    Comentar sobre o artigo

    Trabalhadores envolvidos com a construção civil devem sempre estar atentos aos equipamentos de segurança necessários para a realização de uma atividade. Negligenciar seu uso é ficar exposto a riscos evitáveis de diferentes gravidades. Conhecidos pela sigla EPI, os equipamentos de proteção individual aparecem em muitos modelos com as mais variadas funcionalidades.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 29/10/2014

    Saiba quais os mitos relacionados a manter dados corporativos e ERP em cloud computing.

    Por: Priscila Falchi - Sisprol Negócios> Gestãol 28/10/2014 lAcessos: 11

    Seriam os escândalos recentes envolvendo estatais brasileiras equivalentes ao Watergate? Por Cynthia Catlett - Sócia de Forensic Investigations & Dispute Services da Grant Thornton do Brasil-

    Por: Marianal Negócios> Gestãol 22/10/2014 lAcessos: 14

    É muito comum ver eletricistas trabalhando pela cidade para realizar novas instalações ou reparos na fiação elétrica. Este profissional tem um trabalho que exige muita perícia e técnica, precisando também estar equipado com muitos EPIs diferentes: capacete, óculos de proteção, luvas de alta tensão, botas, cinto de segurança e outros.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 17/10/2014
    Elisângela da Silva Pereira

    Quando pensamos em empreendedorismo e liderança muitas palavras imediatamente nos vem à cabeça, não é verdade? E pensando nessa pergunta, elaborei um artigo que tentando responder.

    Por: Elisângela da Silva Pereiral Negócios> Gestãol 17/10/2014

    Sempre acompanhamos em jornais, sites e revistas que o mercado demanda muitos tipos de matérias-primas. Alguns dos mais conhecidos é o petróleo, ferro, minérios, entre outros. Por outro lado, vale destacar que a borracha também é muito presente no fluxo industrial, tendo um aproveitamento muito alto devido sua capacidade de ser moldada para finalidades variadas.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 16/10/2014

    Falando sobre Gestão de Pessoas e Recursos Humanos, podemos de certo modo analisar que o estilo da Geração X está habituada à política de retenção de funcionários por longo tempo. E a Geração Y é mais descolada à cultura da empresa; chega, presta serviço, contribui para o desenvolvimento e crescimento, mas sai e muda no momento em que percebe a necessidade de crescer e buscar novas oportunidades. Os profissionais Y chegam trazendo novas ideias, visões e renovação.

    Por: Peri da Silva Santanal Negócios> Gestãol 15/10/2014 lAcessos: 14

    Infelizmente, ainda ocorrem negligências na indústria quando se trata de segurança. Enquanto não acontece nada ruim, ninguém toma nenhuma providência. Porém, quando alguém se machuca decorrente ao serviço prestado, começa então uma série de investigações e a culpa é jogada de um lado para outro.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 14/10/2014
    Valeska Schwanke Fontana

    Uma abordagem simples e pessoal da percepção de como estão nossas relações com nosso próximo.

    Por: Valeska Schwanke Fontanal Notícias & Sociedade> Cotidianol 01/08/2011 lAcessos: 52
    Valeska Schwanke Fontana

    O artigo mostra a diferença de conceituação entre o perfil do contador gestor e do contador controlador e que benefícios cada um traz para seu meio empresarial.

    Por: Valeska Schwanke Fontanal Negócios> Gestãol 25/03/2011 lAcessos: 185
    Valeska Schwanke Fontana

    O artigo nos remete a identificarmos o novo profissional contábil. Sua ampla necessidade de atualizações e de buscar orientar os clientes nas melhores decisões. Argumenta que há muito o profissional da área contábil deixou de ser um guarda-livro e tornou-se uma peça fundamental para a sobrevivência das empresas.

    Por: Valeska Schwanke Fontanal Negócios> Gestãol 07/03/2011 lAcessos: 146
    Valeska Schwanke Fontana

    O artigo se justifica no entendimento do que são contratos e na sua importância nas relações jurídicas dos sujeitos do direito . Ainda, o mesmo demonstra a necessidade de um contrato comprometido com o seu objetivo de "nascimento", ou seja, seu objeto contratual, para que o mesmo não produza situações tais que desgastem ou mesmo firam a união das partes contratadas.

    Por: Valeska Schwanke Fontanal Direitol 03/03/2011 lAcessos: 578
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast