A Solução Para A Entrega De Encomendas Na Data Prevista

Publicado em: 21/05/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 1,245 |

INTRODUÇÃO

Moura (2007) define que logística pode ser amplamente definida como a "ciência de lidar com suprimentos, manutenção e transporte dos materiais entre as instalações da cadeia de abastecimento". Verlangieri (2001) ao descrever logística, inicia seu estudo com a dados sobre a criação do termo. Ele utiliza o  "Dicionário Log" do Guia Log que define a logística como sendo o sistema de administrar qualquer tipo de negócio de forma integrada e estratégica, planejando e coordenando todas as atividades, otimizando todos os recursos disponíveis, visando o ganho global no processo no sentido operacional e financeiro. Desta maneira, pode-se reconhecer que este termo serve para ser utilizado em qualquer ramo de atividade e não somente para transportes, distribuição e produção, como muitos pensam.

Diante desde dados, entende-se a logística de uma maneira integrada, quando querem dizer que está agindo na empresa em vários setores. Na verdade, dizer logística integrada é redundante, pois a logística tem como característica principal de ser integradora. O importante é que cada vez mais seu conceito tem sido compreendido e utilizado, fazendo com que seja o grande diferencial de performance para o sucesso das empresas.

Carrera (2007) advoga que o setor de Logística vem evoluindo no Brasil, e está acompanhado de incrementos tecnológicos, que vem possibilitando novas oportunidades de crescimento para as empresas que se preocupam em otimizar sua logística. E refere que os principais ganhos que as empresa podem ter são: entregas mais rápidas de acordo com a demanda; redução dos custos operacional; aumento da produtividade; aumento no giro de mercadorias e redução de estoques; redução de perdas; melhor aproveitamento da área interna da empresa e compartilhamento dos dados de venda com toda a rede.

Lourenço (2002) lembra que o Brasil representa menos de 1% do comércio mundial e, para sair dessa situação nada cômoda, precisa cada vez mais apostar no crescimento dos serviços logísticos. É verdade que o mercado de logística tem assinalado taxas de crescimento ao redor de 25% ao ano, mas esse número é ainda irrisório para um país de dimensões continentais como o nosso. Em países mais desenvolvidos, esse sistema logístico pode reduzir os custos de uma operação em mais de 15%. Mas para que esse quadro mude no Brasil, é preciso também que as empresas que ainda não utilizam plenamente os operadores logísticos entendam a importância do segmento. E não continuem a encarar a palavra logística apenas como uma jogada de marketing, mas sim como uma solução eficiente para a movimentação, transporte, armazenamento e distribuição de suas mercadorias. Ou seja, é imprescindível que se crie no país uma cultura logística.

Moura (2007) complementa que a globalização da economia fez com que a logística deixasse de ser mais um departamento isolado dentro da empresa, mas sim, um desafio holístico. As alternativas de sistemas adaptados para satisfazer as necessidades específicas são implementadas na base de conceitos de cooperação e parceria. Além disso, também é um indicativo de que a logística desempenha um importante papel. Baixos custos de transportes e fluxos eficientes de informações também são fatores essenciais de influência.
Em termos das necessidades dos produtos e atividades empresariais, isto se traduz em como tornar o local tanto necessário e global quanto possível.

Este artigo tem como objetivo indicar uma logística de operacionalização para a empresa Transmóveis para que possa efetuar suas entregas de encomendas na data prevista.

Com o aumento da complexidade no ambiente e nas organizações implica na busca por um processo de tomada de decisão mais sistemático, baseado em ferramentas e técnicas que possam justificar explicitamente as decisões individuais. Na área de Logística, os ganhos obtidos com conhecimentos gerenciais e a utilização de ferramentas e técnicas quantitativas podem representar a diferença entre o sucesso e o fracasso do empreendimento. Diante deste exposto a utilização de uma estratégia de logística irá requalificar os serviços da empresa Transmóveis, pois, ela está apresentando dificuldades no prazo de entrega de suas encomendas de móveis, visto que ela é uma empresa com sede na cidade de Campo Grande/MS e seu campo de ação  é a região Centro Oeste do Brasil.

DESENVOLVIMENTO

Logística

O termo logística está se tornando uma ferramenta que proporciona a empresa, quando bem utilizada, vantagem competitiva e conseqüentemente uma fatia maior do mercado, onde somente os inovadores e arrojados, conseguem alcançar os seus objetivos em sua totalidade. Além de estar ligada à agilidade com que ela irá manusear, armazenar, deslocar, adquirir, controlar seus produtos e reduzir seus custos. Mas, o seu principal objetivo encaminha-se na direção de agregar a tudo isto às necessidades dos clientes, que podem ser diferenciadas, sejam elas para repor o estoque regulador, seja para produção imediata ou para atender a um pedido especial de algum consumidor.  Esta visão está relacionada à satisfação daqueles que são parte fundamental dentro do processo de comercialização, proporcionando a empresa perspectivas de aumento de receitas de vendas e margens de lucro.

Logística, na sua origem, teve como conceito estar ligada às operações militares A história conta que a logística teve origem militar, designando estratégias de abastecimento aos exércitos enquanto nos campos de guerras, visando suprir as necessidades de armamentos, munições, medicamentos, alimentos, vestuários adequados, nas quantidades certas e no momento certo, evitando que o exército no campo de batalha fique sem suprimentos suficientes para manter as estratégias de guerra (NOVAES, 2004). No início de 1991, o mundo presenciou um exemplo prático e dramático da importância da logística. Como preparativos para a Guerra do Golfo, dos Estados Unidos e seus aliados (GARCIA; GARCIA, 2007).

O conceito de logística só foi efetivamente desenvolvido na década de 80 do século XX, quando vários outros conceitos gerenciais ligados à função de operações como, just in time, qualidade total, produção enxuta, foram discutidos e implementados em quase todos os países industrializados de economia de mercado (FLEURY et al., 2000).

A logística engloba as questões de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e eficaz de matérias primas, estoque em processo, produtos acabados e informações relativas desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o propósito de atender as exigências dos clientes. (DORNIER et al, 2000).

E segundo Council of Logistics Management, descrita por Filho ( 2001:3):

Logística é a parte do processo da cadeia de suprimento que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo e estocagem de bens, serviços e informações relacionadas, do ponto de origem ao ponto de consumo, visando atender aos requisitos dos consumidores.

Pela definição do termo, a função da logística é, principalmente, ser o elo de ligação em um processo que pode começar com um fornecedor e encerrar com um cliente em outra ponta da "cadeia".

Ballou (1993, p.24) descreve:

A logística empresarial trata de todas atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável.

Para o gerenciamento de negócios destaca-se que as empresas não mais estão competindo individualmente como entidades autônomas, mas sim através de cadeias de suprimento. O gerenciamento dos negócios entrou em uma era de competição entre redes, e o sucesso de uma empresa irá depender da sua habilidade de "tecer" intrincadas redes de relacionamento ao longo de sua cadeia logística (DRUCKER, 1998).

Nos anos 90 do século XX surgiu o Supply Chain Management (SCM) ou Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. O SCM pode ser considerado como uma simples extensão do conceito de logística integrada, ou seja, uma ampliação da atividade logística para além das fronteiras organizacionais, na direção do cliente e fornecedores na cadeia de suprimentos (FLEURY et al., 2000).

Garcia; Garcia (2007) relatam que a gestão do processo logístico tem sido hoje grande diferencial competitivo, pois com o passar dos tempos os consumidores tornaram-se também mais exigentes com relação a qualidade dos produtos, tempo de produção e ciclo de vida dos produtos, prazo de entrega e mais recentemente, com o índice de inovações tecnológicas incorporados aos produtos. O que no passado eram pequenos incômodos do consumidor, tornaram-se hoje em rotina de preocupação para as organizações.

Estoque e cadeias de suprimentos

CORRÊA et al (2000, p.45) conceitua estoques como "acúmulos de recursos materiais entre fases específicas de processos de transformação". Mas, podemos entender que esta definição está voltada muito mais para empresas industriais, onde se concebe a transformação de uma matéria-prima qualquer em um produto, todavia, existem também os estoques de mercadorias para revenda, que também podem ter tratamentos diferenciados.

Moura (2007) relata que a Gestão de Estoques trata da administração de estoques em empresas que buscam a competitividade, abordando temas chave, para desenvolver o leitor em estratégias empresariais. Onde descreve os conceitos básicos, definindo os diversos tipos de demandas e estoques, além dos indicadores relacionados à administração dos estoques que servirão de ferramentas para o desenvolvimento dos trabalhos. Traz os modelos de lote econômico de compras, estimulando a criação de conceitos em cima dos já existentes.

A existência dos estoques segundo CORREA et al (2000) são a impossibilidade ou inviabilidade de coordenar suprimento e demanda, quer por incapacidade, pelo alto custo de obtenção ou por restrições tecnológicas; com fins especulativos, pela escassez ou pela oportunidade; com a finalidade de gerenciar incertezas de previsões de suprimento e/ou demanda, na formação de estoque de segurança.

No que se refere à distribuição de mercadorias para os canais de comercialização, a logística se assemelha à cadeia de suprimentos do varejo. Hoek (2003) identificou cinco pressões que irão afetar esta cadeia. Estas pressões são: pedido de reabastecimento mais freqüente; pedidos de suprimento 24 horas por dia, sete dias na semana; cross-docking; rastreamento de produtos e melhor utilização e menor movimentação dos caminhões. Estas pressões farão com que cada vez mais sejam estabelecidas alianças e parcerias ao longo da cadeia de suprimentos, migrando do estágio 1 para o estágio 4 de integração, conforme identificado por Stevens (apud GHEMAWAT, 2000), visualizado a seguir.

Compras Recepção Produção Vendas Distribuição

Estágio 1: Baseline

Fluxo de Materiais                                                              Serviço ao Cliente

Compra     recepção     produção        vendas      distribuição

Estágio 2: Integração Funcional

Fluxo de Materiais                                                              Serviço ao Cliente

  1. Ger. Materiais                Ger. Manufatura             Serviço ao cliente

Estágio 3: Integração Interna

Fluxo de Materiais                                                              Serviço ao Cliente

  1. Ger. Materiais                Ger. Manufatura             Distribuição

Estágio 4: Integração Externa

Fluxo de Materiais                                                              Serviço ao Cliente

Fornecedores                Supply Chain Interno             Clientes

Do ponto de vista da logística, decisões que envolvem estoques são de alto risco e de alto impacto (BOWERSOX, 1994). O estoque excessivo gera aumento dos custos e reduz a lucratividade, em razão da imobilização de capital de giro, custos de manuseio, seguro e obsolescência.

Segundo Ballou (1993), a informação tem sido usada para substituir estoques através da utilização de troca eletrônica de informações (EDI), sistemas de identificação por rádio freqüência, extranets, sistema de gerenciamento de armazém (WMS – Warehouse Management System) e outros.

A redução do nível de estoque é um dos fatores que elevam o retorno sobre o patrimônio líquido (RSPL) de uma empresa, de acordo com o modelo estratégico de lucro. Este modelo representa o retorno sobre o capital do acionista e permite avaliar a relação entre o estoque e os indicadores financeiros. O RSPL é resultado do retorno sobre ativo (RSA) multiplicado pela alavancagem financeira da empresa (FIGUEIREDO et al., 2003).

A vantagem competitiva fornecida pela logística é a disponibilidade do produto no

mercado a um custo baixo. A logística apóia a competitividade da cadeia de suprimento como um todo, atendendo à demanda do cliente final por meio do suprimento do que é necessário na forma que for necessária, e quando for necessário a um custo competitivo. Desta forma, existem cinco maneiras de competir por meio da logística: qualidade, velocidade, tempestividade, flexibilidade e custo (HOEK, 2003).

A qualidade é o aspecto mais visível da cadeia de suprimento. A indisponibilidade do

produto, bem como defeitos e entregas atrasadas são sintomas de problemas de qualidade nos processos da cadeia de suprimento. O fator tempo pode ser utilizado para conseguir pedidos de empresas que aprenderam que alguns clientes não querem esperar e estão dispostos a pagar um pouco mais para obter o que desejam o mais rápido possível.

A questão tempo não envolve apenas rapidez, envolve também o cumprimento do que foi prometido. As empresas que não oferecem disponibilidade instantânea precisam dizer ao cliente quando o produto ou serviço será entregue. A tempestividade da entrega mede o sucesso da organização em cumprir essas promessas. Uma cadeia de suprimento precisa também ser responsiva a novos produtos e mercados e a mudar a demanda do cliente. Isso significa que ela precisa ser capaz de modificar o que está feito, ou seja, sua logística deve ser flexível. Baixos custos se traduzem em vantagens no mercado em termos de preços baixos ou margens altas ou um pouco de cada.

Transporte: modal rodoviário

A cadeia logística de infra-estrutura de transporte de carga no Brasil está quase toda sustentada pelo modal rodoviário, que é o que tem maior participação na matriz de transporte no Brasil. Apesar da necessidade de readequação desta matriz de transporte, com aumento da participação dos outros modais, o modal rodoviário necessita de medidas urgentes de reestruturação e melhorias. Ao optar-se por um ou mais modais de transporte deve levar em consideração, o tipo de mercadoria, a quantidade, o preço do transporte e o destino envolvido, uma vez que ele parte de um ponto de fronteira e atinge outro ponto de fronteira. (KEEDI, 2001).

São comuns os centros produtores não possuírem indústrias de processamento por perto, ou, a produção de uma indústria ter como clientes empresas de uma região bem distante. Então, para que indústria, comércio e consumidor fiquem satisfeitos com as mercadorias, lucratividade e preço final são necessários o desenvolvimento de um produto adequado, armazenamento correto, controle de estoques, transporte, distribuição e assistência técnica de acordo com o desejado por seus consumidores, e, para que aconteçam todos estes itens é necessária a implantação de uma estratégia de logística. Assim, o transporte de mercadorias, onde se garanta a integridade da carga, no prazo combinado e a baixo custo exige o que se chama "logística de transporte".

O mercado de transporte rodoviário de cargas está organizado pelas Empresas de Transporte de Carga (ETC) que são pessoas jurídicas legalmente constituídas e cuja atividade consiste em transportar cargas para terceiros, o mercado ainda conta com Carreteiros (TCA), Empresas de Carga Própria (ECP) e transportadores individuais.

A frota nacional é composta dos tipos de veículos para o transporte rodoviário de cargas nas estradas nacionais. E os tipos de veículos constam de um trabalho realizado pelo DNER em 1976. No transporte de longa distância são mais comuns, nas estradas brasileiras:

- caminhão trator (conhecido como cavalo mecânico) com semi-reboque.(O conjunto é conhecido como carreta) - capacidade ± 28 t

- caminhão com eixo duplo na carroceria (conhecido como truck) - capacidade ± l5 t

- caminhão com eixo simples na carroceira (conhecido como toco) - capacidade ± 8t

Surgiu, há alguns anos, um novo tipo de carroceria quanto ao material utilizado nas laterais do baú (conhecida como Sider) confeccionada com lona plástica que funciona como cortinas que se deslocam horizontalmente. A vantagem que essa inovação oferece, consiste na possibilidade de carregar o veículo pelas laterais com carga paletizada, acelerando assim as operações de carga e descarga nas extremidades do percurso. Há, no entanto, a necessidade de se disporem de terminais especialmente adaptados, com baias que permitam respectivamente o carregamento e descarrega-mento laterais em cada ponta da viagem.

A tecnologia e a Logística

Moura (2007) retrata que a tecnologia de informação e de software de distribuição são dois fatores adicionais que levaram as empresas a se tornarem mais interessadas em administração da logística. A evolução da microinformática permite às pessoas gerenciarem a logística de maneira bem mais eficiente e eficaz. A utilização de técnicas mais sofisticadas como MRP, MRP II, Just in Time para as atividades de programação e controle da produção e controle de estoques só foi possível graças a maior velocidade dos computadores e pelo barateamento da tecnologia.

Dentre estes recursos disponíveis no mercado pode-se citar diversos, os quais abrangerão as necessidades de todos os tipos de usuários como:

-         Consultoria e treinamento (Assessoria, projetos, palestras e eventos);

-         Recursos de movimentação e armazenagem (Balanças, revestimentos de pisos, demarcações, faixas, portas especiais, cortinas, escadas, rampas, produtos de segurança, alimentadores, redutores e imóveis);

-         Estruturas de estocagem (Armazéns, galpões, reservatórios, tanques, silos mezaninos, pontes rolantes, transelevadores, armários modulares, gaveteiros, carrosséis verticais e horizontais e sistemas de estocagem).

-         Serviços de logística (Operadores logísticos, armadores, desembaraço aduaneiro, terminais diversos, armazéns gerais, motoboys, distribuição física, transportes marítimos, aéreo, ferroviário, rodoviário, terceirização de mão-de-obra para movimentação, gestão de embalagens retornáveis, seguros e escoltas de cargas;

-         Identificação e automação industrial e comercial (Código de barras (etiquetas impressoras, coletores, scanners, terminais de radiofreqüência, software), softwares (WMS, estoque, ERP, MRP, SCM, de simulação, sistemas logísticos e otimização de cargas, de transporte e frota, rastreadores);

-         Transportadores contínuos (correias, correntes, canecas, elevadores, assessórios para transportadores contínuos, carregadores, transportadores diversos);

-         Embalagens, recipientes e utilizadores (Racks, caçambas, paletes e acessórios, estrados, caixas engradados, aplicadores diversos, cantoneiras para reforço de embalagens, estabilizadores de caixas, embalagens (impressoras, máquinas para fechamento, separadores)

-         Veículos e máquinas industriais (Empilhadeiras, carrinhos, carretas, caminhões, carros elétricos, escavadeiras, guindastes, pás-carregadeiras, retroescavadeiras, guinchos, rebocadores, tratores).

A combinação desses aplicativos conduz para a otimização do sistema logístico e melhora o processo de gestão integrada dos diversos componentes, ou seja, estoques, armazenagem, transporte, processamento de pedidos, compras e manufatura.

FERREIRA FILHO (2000) complementa que para suporte ao planejamento logístico estratégico nas cadeias de abastecimento globais, os sistemas integrados de gerência da informação vem sendo reconhecidos como instrumentos estratégicos viáveis para aumentar o nível de serviço nas relações entre parceiros e clientes intermediários e finais nas cadeias, a competitividade e para propiciar economias de escala nas operações logísticas multiregionais e transnacionais das empresas. Esses sistemas apoiam a tomada de decisões e o controle dos processos de negócio e devem ter conectividade, compartilhando informação, com os de gestão empresarial.

A contribuição da logística para a estratégia de uma empresa é que ela pode proporcionar uma fonte de vantagem competitiva, ou seja, uma posição de superioridade duradoura sobre os concorrentes, em termos de preferência do cliente (CHRISTOPHER, 1996).

O desenvolvimento de uma estratégia logística envolve a integração de 10 áreas-chave: serviço ao cliente, desenho do canal, estratégia de rede, desenho de armazém e operações, administração de transporte, administração de materiais, sistemas de informação, políticas e processos, instalações e equipamentos e organização e gerenciamento da mudança (LAMBERT, 1998). E para cada uma das áreas-chave, perguntas correspondentes são elaboradas de forma a auxiliar no processo de confecção da estratégia logística. Estas perguntas são:

1. Quais são as exigências quanto ao serviço para cada segmento de cliente?

2. Como a integração operacional pode ser atingida dentre os vários membros do canal?

3. Qual é o sistema de distribuição que melhor minimiza os custos e fornece níveis competitivos de serviço?

4. Quais tecnologias de movimentação / armazenagem de materiais facilitarão o cumprimento dos objetivos de serviço com níveis de investimentos ótimos em instalações e equipamentos?

5. Há oportunidades de redução de custos com transporte no curto e longo prazos?

6. Os atuais procedimentos de administração de estoques suportam demandas mais rigorosas de serviços?

7. Quais sistemas de informação são necessários para obter a máxima eficiência nas

operações logísticas?

8. Quais mudanças nos métodos operacionais são necessárias para atingir um desempenho melhor?

9. Como poderíamos introduzir mudanças em nossa rede e em nossas instalações?

10. Como os recursos deveriam ser organizados para atingir os objetivos de serviço e

operações?

Para RAO (1994) o Processo de Planejamento Estratégico pode ser assim retratado:

Missão

Objetivos

Análise da Indústria

Escolhas estratégicas

Sub-estratégias

Planos de Ação

Elementos da Estratégia                                      Estratégias Funcionais

Linhas de Negócio                                                        Finanças

Escopo Geográfico                                                     Operações

Estratégia de Crescimento                                         Marketing

Compromissos com Stakeholders                           Recursos Humanos

Competências Principais                                                 Logística

Habilidades Principais                               Pesquisa & Desenvolvimento

Estratégia Logística

Plano Hierárquico                                       Elementos da Estratégia Logística

Serviço ao Cliente / Desenho da malha                      Níveis de serviço ao cliente

Otimização da rede logística                        Localização da facilidades / alocação

Planejamento do Fluxo de produtos                                   Estoques

Sistemas transacionais                                                  Transportes

Gerenciamento da Informação

Organização

Para Figueiredo (2003), uma estratégia de posicionamento logístico é composta por cinco categorias de decisões que devem ser articuladas e coerentes entre si ao longo do tempo, e modo a permitir que uma empresa alcance seus objetivos de custo e nível de serviço.

· Coordenação do fluxo de produtos: o fluxo de produtos deve ser puxado, ou seja, acionado pelo elo que está mais próximo ao consumidor final ou coordenado pelo elo que está mais próximo do fornecedor inicial.

· Política de "produção": o foco deve ser no estoque com base em previsões de vendas futuras ou deve-se atender contra-pedido, atendendo sempre a demanda real apenas no momento que o cliente coloca o pedido.

· Alocação de estoques: os estoques devem ser centralizados em um único local ou descentralizados por vários depósitos.

· Dimensionamento da malha logística: quantos depósitos a empresa deve ter, qual a localização de cada um, que produtos e mercados devem ser atendidos por cada depósito?

· Escolha dos modais de transportes: que tipo de modais de transporte a empresa irá utilizar – mais lentos e baratos como o ferroviário e o marítimo, ou mais rápidos e caros como o rodoviário e o aéreo.

Software de Suporte às Decisões em Logística

Para de desenvolver um software de suporte para decisões logísticas algumas definições são necessárias, descrevendo as funções principais do software para o gerenciamento da empresa, a partir de uma agregação das atividades da logística a que se destina apoiar, que são:

(a) Processamento de Pedidos: o processamento começa quando o pedido é recebido e geralmente termina quando esse foi embarcado para a entrega. Em geral, a entrada de pedidos é on line e o software fornece preço e disponibilidade de estoque a vários clientes simultaneamente. Muitas vezes, tem interface com o de cobrança, permitindo a alocação de estoques, de preços e os processamentos anteriores aos pedidos além de outras particularidades.

(b) Controle de Estoques: visa manter a oportunidade de venda e a precisão das informações relativas aos estoques. Inclui relatórios do nível de estoques, a atualização das quantidades, os ajustes necessários ao estoque e relatórios de exceções.

(c) Planejamento de Estoques e Previsões: determina o nível apropriado de estoque para manter um desejado nível de serviço. Pode incluir funções de previsão, simulação, utilizando algoritmos específicos para o reposicionamento de estoques e a definição de lead times.

(d) Planejamento dos Recursos da Distribuição: varia de nível de sofisticação. Geralmente calcula a demanda dependente por centro de distribuição com base na previsão nos pontos de venda, com ênfase à sincronização de atividades, a distribuição e a determinação do tamanho mantido dos estoques.

(e) Planejamento das Necessidades de Materiais: conjunto de procedimentos lógicos e regras de decisão para planejar as necessidades líquidas de estoques, com base na programação mestre de produção. Listas de materiais são geradas a partir dos componentes de fabricação dos produtos, relativas aos itens mantidos em estoque.

(f) Compras: apoio aos pedidos de compra feitos, fornecendo as estatísticas de desempenho dos vendedores, e assegurando economias de escala e a periodicidade na recepção de materiais.

(g) Localização de Estoques e Paletes: visa determinar a melhor localização dos estoques ou paletes em armazéns, podendo fazer uso de modelos de localização.

(h) Desempenho da Mão de Obra: apoio à determinação da escala de funcionários e a análise de seu desempenho e produtividade.

(i) Manuseio de Materiais: visa melhorar a habilidade na interface homem-tecnologia, especificamente no controle de atividades de manuseio de materiais por equipamento (empilhadeiras, correias transportadoras, equipamentos automáticos de armazenagem e recuperação de mercadorias, robôs, ¼).

(j) Análise do Transporte: permite aos administradores monitorar custos e serviços fornecendo dados históricos dos indicadores-chave relativos, por exemplo, ao desempenho individual dos transportadores, as modalidades utilizadas, a utilização das linhas de tráfego, a frequência de uso de transporte premium e o seu desempenho.

(k) Roteamento e Escalonamento de Veículos: fornece e analisa informações relativas à sequência e a sincronização das paradas dos veículos, determinação de rotas, programação de embarques e disponibilidade de veículos.

(l) Auditoria e Administração das Taxas de Frete: esse tipo de sistema mantém uma base de dados de taxas de frete a serem alocadas aos carregamentos e/ou para efetuar auditorias nas contas, permitindo comparar a contabilidade relativa a fretes realizados com aquela computada utilizando as mais baixas taxas aplicáveis. Pode ter sido definido também para pagar, autorizar pagamentos ou relatar eventualidades.

(m) Manutenção dos Veículos: características comuns existentes nesse tipo de software incluem a determinação de escalas para manutenção dos veículos e os relatórios de ocorrências.

(n) Modelagem de Sistemas de Distribuição Física: esse tipo de software utiliza várias técnicas seja para efetuar estudos de localização de armazéns, determinação de layout dos armazéns, realizar o planejamento das capacidades das redes, ou para apoiar a programação de rotas e o escalonamento de veículos. Podem ser utilizadas para isso as técnicas de simulação ou uma ou mais técnicas de otimização.

(o) Eletronic Data Interchange (EDI): apóia a comunicação entre computadores. Permite aos vendedores receberem pedidos sem contato presencial, como também transmitirem as faturas quando aqueles forem enviados, por exemplo.

(p) Gerência de Armazéns: apóia o controle e a movimentação dos estoques no armazém. Pode incluir as funções de coleta de mercadorias, utilizando algoritmos específicos para sua programação, além de funções como as de recebimento e confirmação de mercadoria recebida.

(q) Promoções e Negócios: entre suas características incluem-se a identificação dos estabelecimentos, as escalas, os cálculos e os diferentes tipos de promoções e negociações por ponto de venda. Interage com o software de processamento de pedidos, para determinar os preços adequados dos produtos e indicar onde e quando devem ser feitas promoções.

METODOLOGIA

A metodologia adotada é classificada quanto aos fins como uma pesquisa explicativa. Segundo Vergara (2000), a pesquisa explicativa tem como principal objetivo tornar algo inteligível e justificar-lhe os motivos. Visa, então, a esclarecer quais fatores contribuem para ocorrência de determinado fenômeno. Assim, pretendeu-se indicar uma logística de operacionalização para a empresa Transmóveis para que possa efetuar suas entregas de encomendas na data prevista, visto que, esta empresa possui sua sede na cidade de Campo Grande/MS e tem filiais nas principais cidades do Estado de Mato Grosso do Sul.

Quanto aos meios de investigação, a pesquisa é classificada como bibliográfica, pois foram consultados livros-texto de logística, além de artigos em diversos sites da internet.

RESULTADOS ESPERADOS

Espera-se que com a implantação de estratégias logísticas na empresa Transmóveis as seguintes melhorias:

· Entrega Direta aos grandes varejistas

· Estratégia de Postergação

· Diferenciação no nível de serviço entre os canais de venda

· Planejamento Integrado

· Integração com os operadores logísticos, clientes e fornecedores

· Gestão de Estoques

Onde:

Entrega Direta aos grandes varejistas: a entrega direta deve ser estimulada dentro dos limites legais (devido à troca de notas fiscais) já que possibilita menores custos de estocagem, manuseio e perda. Este procedimento exigirá uma aproximação maior com os fornecedores, pois ficará a cargo dos mesmos o envio para o varejista – é provável que ocorra um aumento do custo do transporte devido a maior pulverização de entrega – além do manuseio e troca de embalagem.

Estratégia de Postergação: Isto implica maior centralização dos estoques com a redução do número de centros de distribuição. Obviamente esta redução somente poderá ser efetuada se houver uma consolidação das empresas que a empresa possui, sob o risco dos impostos inviabilizarem esta consolidação.

Diferenciação do nível de serviço entre os canais de venda: atualmente, as lojas de revenda não possuem diferenciação do nível de serviço entre os canais de venda. Sob a ótica exclusiva de tempo de entrega, todas se orgulham de entregar entre 1 a 2 dias, sem ao menos saber se este nível de serviço é requerido pelos canais atendidos. Para entender as necessidades dos canais, seria recomendável realizar uma pesquisa para saber se um tempo maior de entrega é aceito e também detectar quais outras variáveis devem ser consideradas no nível de serviço. O foco do nível de serviço está somente no tempo de entrega, mas outros itens são importantes, como pedidos recebidos completos, erros na nota fiscal, mercadoria avariada, dentre outros. Talvez um canal de vendas possa abrir mão de receber em 1 dia em troca da melhoria nestes outros itens, fazendo com que o custo de entrega seja reduzido ao mesmo tempo que são atendidas as necessidades do canal.

Planejamento Integrado: o planejamento integrado pode ser melhorado com a utilização de mais indicadores, principalmente aqueles relacionados com a integração da cadeia logística. Além disto, a implantação de softwares que facilitem a interligação com fornecedores, clientes e operadores logísticos dará maior subsídio para as decisões tomadas nas reuniões de planejamento integrado. Outro ponto a ser observado durante o planejamento integrado é a maior consolidação dos pedidos de compra produtos da empresa Transmóveis.

Integração com os operadores logísticos, clientes e fornecedores: esta é uma oportunidade com grande potencial a ser explorada. O grau de integração dos fornecedores com seus parceiros comerciais é muito baixo, tanto no nível de processos quanto no nível de sistemas. Ferramentas como a extranet e os sistemas ERP e WMS podem ser utilizados para capturar informações online sobre o comportamento da demanda, modificações nos pedidos de compra de mercadorias por parte dos fornecedores, inserção dos pedidos de venda por parte dos clientes e acionamento automático dos operadores logísticos para movimentação de produtos. Não somente a integração via sistemas é importante, a aproximação da área logística com clientes e fornecedores se dá também através de visitas quando o nível de serviço de ambos os lados é avaliado e discutido.

Gestão de Estoques: a melhoria na gestão dos estoques é obtida por 2 caminhos simultâneos: um caminho é a execução das outras oportunidades de melhoria citadas anteriormente, principalmente a entrega direta, a implementação da estratégia de postergação e do planejamento integrado atrelado a maior colaboração com os fornecedores. Todas estas oportunidades levam a uma redução do estoque necessário para atender a demanda por aparelhos Outro caminho é atuar sobre os indicadores de giro ou cobertura da empresa na distribuição de encomendas.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/gestao-artigos/a-solucao-para-a-entrega-de-encomendas-na-data-prevista-929959.html

    Palavras-chave do artigo:

    logistica transportes empresa

    Comentar sobre o artigo

    Este trabalho tem como discussão a apresentação de uma nova modalidade de transporte, onde podemos vislumbrar um crescimento na distribuição logística com mais segurança e rapidez, para um modal até então pouco conhecido, mas, com um potencial grande, ferecendo possibilidades de cumprir missões de busca e salvamento, vigilância aérea, patrulha, hospital aeromóvel, plataforma de telecomunicações, pesquisas, extrativismo responsável, apoio em calamidade pública, transporte de pessoal e material,

    Por: Eduardo S. Theodorol Negócios> Gestãol 19/12/2012 lAcessos: 1,473

    Definição de logística. Pode-se dizer que logística está associada ao controle e gestão de responsabilidade de bens, informação e outros recursos, incluindo até energia e pessoas. A logística é a parte especializada na condução do bem de um ponto inicial a outro ponto final, também chamados de ponto de origem e ponto de consumo. Este serviço de transporte geralmente inclui passos essenciais para grandes empresas, como a informação, transporte, inventário, cuidados com guarda e manuseio do produto, pacote e também a segurança. O transporte de bens e produtos vem crescendo ultimamente, principalmente devido à especialização de outros serviços, assim, uma empresa não necessite de um sector de logística porque, intermediando este serviço, temos competitividade e responsabilidade maiores.

    Por: Danielal Negóciosl 30/04/2009 lAcessos: 15,141

    As cargas de projetos, aquelas que possuem dimensões ou peso acima do permitido para embarque em contêineres, e que exigem equipamentos especiais para todas as etapas da logística, passam a contar com um transporte considerado inédito na cabotagem brasileira realizado pela Aliança Navegação e Logística.

    Por: Flávia Gaviolil Press Releasel 07/04/2014 lAcessos: 26

    Enquanto a logística tradicional trata do fluxo de saída dos produtos, a Logística Reversa tem que se preocupar com o retorno de produtos, materiais e peças ao processo de produção da empresa. Devido a legislações ambientais mais severas e maior consciência por parte dos consumidores, as empresas estão não só utilizando uma maior quantidade de materiais reciclados como também tendo que se preocupar com o descarte ecologicamente correto de seus produtos ao final de seu ciclo de vida.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Administraçãol 16/10/2009 lAcessos: 20,411 lComentário: 1

    As empresas de transporte rodoviário com a crescente concorrência do mercado e a necessidade de melhorar a qualidade de seus serviços perceberam a necessidade de investir em sistemas de rastreamento de veículos (GPS – Global Positioning System) para diminuir a incidência de roubo de cargas e entregar pontualmente o produto em local previamente acordado ao menor custo possível. O objetivo deste artigo é demonstrar os benefícios que o GPS traz a estas empresas.

    Por: Brunol Negócios> Administraçãol 22/05/2010 lAcessos: 1,070

    Discorremos a respeito da importancia da atividade de armazenagem dentro da logistica, ferramentas de auxilio à correta gestão do estoque e estratégias para melhorar a eficiencia da armazenagen e distribuição de produtos, com o objetivo de dar ao leitor uma noção geral dos assuntos, importantissimos na busca de maior lucratividade e fixação de uma imagem de qualidade e eficiencia da empresa junto ao consumidor.

    Por: Adilson Kochl Negócios> Administraçãol 07/12/2008 lAcessos: 69,662 lComentário: 10

    "Aquele que trabalha provendo recursos para a execução de todas as atividades de uma empresa"Fonte: Dicionário Michaelis

    Por: Cesarl Negócios> Administraçãol 23/04/2010 lAcessos: 4,627 lComentário: 1

    A DHL Supply Chain foi a grande vencedora da 13ª edição do Prêmio Ilos, que reconhece os principais prestadores de serviços logísticos do Brasil. As melhores empresas são indicadas através de pesquisa realizada com executivos que votam com base em critérios como transporte, armazenagem, cross-docking, controle de inventário, operações integradas, logística reversa, TI e sustentabilidade.

    Por: Flávia Gaviolil Press Releasel 04/11/2013 lAcessos: 16

    Premiação elegeu as transportadoras parceiras que obtiveram melhores resultados na prestação de serviços

    Por: Flávia Gaviolil Press Releasel 27/09/2010 lAcessos: 42
    Hélio Meirim

    Procuramos levar o leitor a refletir sobre as principais funções da Logística

    Por: Hélio Meiriml Negócios> Gestãol 31/05/2008 lAcessos: 3,959 lComentário: 2

    Trabalhadores envolvidos com a construção civil devem sempre estar atentos aos equipamentos de segurança necessários para a realização de uma atividade. Negligenciar seu uso é ficar exposto a riscos evitáveis de diferentes gravidades. Conhecidos pela sigla EPI, os equipamentos de proteção individual aparecem em muitos modelos com as mais variadas funcionalidades.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 29/10/2014

    Saiba quais os mitos relacionados a manter dados corporativos e ERP em cloud computing.

    Por: Priscila Falchi - Sisprol Negócios> Gestãol 28/10/2014 lAcessos: 11

    Seriam os escândalos recentes envolvendo estatais brasileiras equivalentes ao Watergate? Por Cynthia Catlett - Sócia de Forensic Investigations & Dispute Services da Grant Thornton do Brasil-

    Por: Marianal Negócios> Gestãol 22/10/2014 lAcessos: 14

    É muito comum ver eletricistas trabalhando pela cidade para realizar novas instalações ou reparos na fiação elétrica. Este profissional tem um trabalho que exige muita perícia e técnica, precisando também estar equipado com muitos EPIs diferentes: capacete, óculos de proteção, luvas de alta tensão, botas, cinto de segurança e outros.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 17/10/2014
    Elisângela da Silva Pereira

    Quando pensamos em empreendedorismo e liderança muitas palavras imediatamente nos vem à cabeça, não é verdade? E pensando nessa pergunta, elaborei um artigo que tentando responder.

    Por: Elisângela da Silva Pereiral Negócios> Gestãol 17/10/2014

    Sempre acompanhamos em jornais, sites e revistas que o mercado demanda muitos tipos de matérias-primas. Alguns dos mais conhecidos é o petróleo, ferro, minérios, entre outros. Por outro lado, vale destacar que a borracha também é muito presente no fluxo industrial, tendo um aproveitamento muito alto devido sua capacidade de ser moldada para finalidades variadas.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 16/10/2014

    Falando sobre Gestão de Pessoas e Recursos Humanos, podemos de certo modo analisar que o estilo da Geração X está habituada à política de retenção de funcionários por longo tempo. E a Geração Y é mais descolada à cultura da empresa; chega, presta serviço, contribui para o desenvolvimento e crescimento, mas sai e muda no momento em que percebe a necessidade de crescer e buscar novas oportunidades. Os profissionais Y chegam trazendo novas ideias, visões e renovação.

    Por: Peri da Silva Santanal Negócios> Gestãol 15/10/2014 lAcessos: 14

    Infelizmente, ainda ocorrem negligências na indústria quando se trata de segurança. Enquanto não acontece nada ruim, ninguém toma nenhuma providência. Porém, quando alguém se machuca decorrente ao serviço prestado, começa então uma série de investigações e a culpa é jogada de um lado para outro.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 14/10/2014

    Artigo que teve como objetivo identificar a importância da ergonomia dentro de uma unidade empresarial para evitar atos de acidente de trabalho. A ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o trabalho, e que procura resolver os problemas que acontecem nesse relacionamento. Um dos principais aspectos estudados são os acidentes de trabalho, sejam eles físicos ou psíquicos e a meta da implantação da ergonomia em uma empresa é uma melhor produtividade, sem acidentes, invalidez ou morte.

    Por: Thyago Batistotel Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 18/01/2011 lAcessos: 4,820 lComentário: 1

    Estudo de caso que tem como objetivo identificar as dificuldades do transporte do leite in natura nas regiões atendidas pelo Laticínio xxxx e apontar estratégias de cunho logístico para o transporte do leite in natura (do produtor a indústria). Buscou-se responder quais estratégias poderiam ser adotadas para reduzir os custos do transporte entre o produtor e o laticínio, mantendo-se a qualidade, prazo estipulado e preço satisfatório. A temática aqui apresentada é de extrema importância.

    Por: Thyago Batistotel Negócios> Gestãol 07/09/2009 lAcessos: 1,867 lComentário: 3

    Este trabalho tem como objetivo relatar a importância de um empreendedor estratégico dentro de uma empresa, visto que, as empresas atualmente estão inseridas em uma realidade completamente competitiva, daí a necessidade de uma pessoa especialista nesta área. Pois, existem constatações que a falta de planejamento estratégico por grande parte das empresas, tanto brasileiros como o de outros países, eleva a taxas de mortalidade destas.

    Por: Thyago Batistotel Negóciosl 08/08/2009 lAcessos: 3,853 lComentário: 3

    O presente artigo tem como objetivo caracterizar a atual conjuntura de alta mundial dos preços do petróleo, no que respeita à identificação das razões que conduziram a esta situação e o impacto resultante ao nível econômico de toda a humanidade. O petróleo sempre mobilizou politicamente a sociedade mundial desde o século XIX e assim continua a fazê-lo nesse começo de século. Trata-se de um combustível fóssil e, portanto, de uma fonte de energia não-renovável, suas reservas estão sendo esgotadas gradativamente. Apesar dos sérios impactos causados ao meio ambiente, sua alta viabilidade econômica faz com que ele continue sendo explorado, por muitas razões, entre elas a de seu alto valor estratégico para a economia dos países e para o desenvolvimento das nações. Passam os anos, mas não se alteram muito as posturas dos grupos que entre si se opõem relativamente às formas de exploração e de produção do petróleo no país.

    Por: Thyago Batistotel Finançasl 17/03/2009 lAcessos: 838 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast