Apresentação: Como Montar Um Comitê De Ergonomia

Publicado em: 21/09/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 2,250 |

a)      O que é um comitê

       Um comitê é um grupo de pessoas destacadas de um grupo maior (como um partido ou uma associação), geralmente com poderes deliberativos ou executivos, ou seja, com força para tomar decisões em nome dos demais.

      A idéia de comitê difere de uma comissão porque, enquanto esta trata de assuntos e temas específicos e normalmente tem existência por tempo predeterminado, o comitê é um órgão permanente e trabalha gerenciando diversos temas dentro de um grupo. Também difere de conselho por ser, de natureza, um destacamento relativamente pequeno partindo de um grupo maior (o que o conselho não precisa ser necessariamente).

b)      O que é um comitê de ergonomia 

      São grupos estruturados dentro das empresas para atacar os problemas ergonômicos existentes de forma gradativa e sistemática, evitando os esforços isolados. Esses grupos trabalham sob uma coordenação nomeada pela gerência e com o trabalho de secretaria executiva sendo feito pelos profissionais do SESMT. Os problemas críticos são analisados por forças-tarefas, contando com um profissional de Ergonomia, um trabalhador experiente, um técnico da área e da máquina e um supervisor. Esse grupo, após analisar a atividade, estuda em profundidade suas soluções e elabora um Plano de Ação, que é então aprovado pela alta gerência.

c)      Eficácia de um comitê ou “ergotime” 

      A estruturação da Ergonomia sob a forma de um Sistema de Gestão realmente funciona, pois os problemas ergonômicos são abordados na ordem de prioridade: primeiro trabalha-se sobre aqueles causadores de afastamentos e gradativamente vai-se resolvendo os problemas causadores de dor sem afastamento, até se chegar aos problemas causadores de dificuldade e desconforto. Em poucos meses, consegue-se "fechar a torneira" de casos novos.

O segredo da eficácia

São eles: apoio do alto nível de gerência, participação dos trabalhadores, eficácia do serviço médico, treinamento de Ergonomia para todo o pessoal da empresa, estruturação correta dos comitês e revisão constante do processo.

d)      Categoria de problemas

A solução dos problemas

Os problemas ergonômicos geralmente podem ser classificados em cinco categorias:

- Categoria 1- aqueles de solução simples, classificados como pequenas melhorias; por exemplo, elevação da altura da máquina em n centímetros visando corrigir os problemas posturais dos trabalhadores;

- Categoria 2 - aqueles de solução conhecida (embora nem sempre de baixo custo) - por exemplo, adquirir uma paleteira elétrica para movimentar pallets mais pesados que 700 kg; ou uma talha elétrica para movimentar peças de 25 kg.

- Categoria 3 - aqueles que demandam um estudo mais profundo visando esclarecer a melhor solução ou que demandam um detalhamento mais profundo do projeto de melhoria. Enfim, que exigem amadurecimento.

- Categoria 4 - aqueles decorrentes de problemas na organização do trabalho. Por exemplo, falta de mão-de-obra com horas extras e sobrecarga para os existentes; mão-de-obra mal treinada e entrando no processo produtivo sem o devido período de adequação; falta de manutenção em equipamento originando movimentos forçados; material em más condições, vindo do fornecedor sem a devida lubrificação e portanto ocasionando esforço excessivo; falta de material, ocasionando horas extras e jornadas prolongadas quando os mesmos chegam; problemas tecnológicos em determinado processo ocasionando uma série de defeitos ou rebarbas e a conseqüente movimentação excessiva de membros superiores para o retrabalho.

- Categoria 5 - aqueles que não têm solução de engenharia e que demandam apenas uma solução administrativa (como rodízio nas tarefas, pausas, seleção de pessoal, treinamento sobre posturas corretas e ginástica laboral).

O problema categoria 1 (pequenas melhorias) deve ser tratado pelo Comitê de forma simples e rápida, através da conjugação de 4 verbos: ver, agir, validar e documentar.

O problema tipo 2 (soluções conhecidas) deve ser tratado da seguinte forma: nomeia-se uma força de trabalho para estudar a adequação daquela solução à realidade do problema detectado, bem como para fazer o planejamento físico/ financeiro da solução.

Nos problemas de categorias 3, 4 e 5, está indicado que seja aberto um processo de solução ergonômica.

e) Processo de solução ergonômica

O processo de solução ergonômica funciona assim:

1. É montada uma força-tarefa, da qual deverão participar: um trabalhador que execute a tarefa, um técnico ou engenheiro que conheça bem o processo ou a máquina, um supervisor ou facilitador da área e o consultor de Ergonomia. Em certos casos, pode ser necessário alguém da manutenção. Não deve existir mais que 5 pessoas na força-tarefa.

2. É feita a análise ergonômica (ver modelo de formulário em nosso website).

3. A força-tarefa estuda o assunto profundamente, inclusive as alternativas de solução. Cada estudo, cada ação, é registrada, montando-se assim um processo.

4. Uma vez definida a melhor solução, a força-tarefa passa a analisar detalhes da solução. É muito importante que todas as ações sejam documentadas; os pareceres técnicos devem estar documentados.

5. Forma-se, portanto, um processo de solução ergonômica, adicionando-se "peças" ao mesmo, de forma que se oriente para a melhor definição ergonômica para o problema estudado. E de forma a que a solução esteja o mais detalhada possível, facilitando assim o orçamento da mesma e o detalhamento do projeto final.

O resultado final de um processo de solução ergonômica bem feito é a sugestão da melhor solução possível para aquele problema, bem detalhada. De posse dela, a chefia poderá então fazer o seu Plano de Ação (5W-1H-1HM).

É muito importante que a força-tarefa encarregada de encaminhar a solução de um problema ergonômico se debruce sobre ele e o estude profundamente. Não há vantagens em se dar soluções apressadas e mal pensadas para um problema ergonômico. Caso isso ocorra, o Comitê perderá força, pois haverá retrabalho. E caso tenha havido gasto, a gerência passará a desconfiar das ações do Comitê de Ergonomia. 

Passos para elaboração de Comitê de ergonomia para a empresa

1º - Palestra inicial para as diferentes áreas sobre a importância da área de ergonomia.

2º - Escolha e definição de membros das diferentes áreas da empresa: RH, Logística, qualidade, engenharia, manutenção e Sesmt.

3º - Treinamento para os membros do comitê

4º - Reunião de abertura com apresentação da demanda de trabalhos do comitê

5º - Atuação do comitê por ordem de prioridades

6º - Apresentação da analise ergonômica para o comitê

7º - atuação nas situações levantadas pela analise.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/gestao-artigos/apresentacao-como-montar-um-comite-de-ergonomia-1255293.html

    Palavras-chave do artigo:

    ergonomia

    ,

    comite

    ,

    empresa

    Comentar sobre o artigo

    Qual a melhor forma de fazer a ergonomia funcionar na sua empresa, existe uma fórmula para o sucesso. O que a equipe deve fazer para que os resultados a curto, medio e longo prazo possam ocorrer.

    Por: Sivonildo Martins da Silval Saúde e Bem Estarl 21/09/2009 lAcessos: 5,455 lComentário: 1

    Este pré-projeto trata da qualidade de vida no trabalho procura mostrar fatores preponderantes e determinantes da qualidade de vida no trabalho (QVT) do indivíduo e seus reflexos dentro de uma organização, além de mostrar os fatores necessários para a implantação de programas de qualidade de vida nas empresas.

    Por: Ricardol Negócios> Gestãol 04/11/2010 lAcessos: 5,470
    Darci Kops

    O presente artigo questiona a respeito de o diagnóstico do sistema de recursos humanos tratar-se de uma abordagem técnica ou abordagem humanística, e disponibilizando ferramentas de diagnóstico em forma de checks lists, tanto do sistema global como dos subsistemas de RH. O artigo sustenta a importância do mapeamento da realidade organizacional no que se refere à gestão dos recursos humanos

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 07/08/2011 lAcessos: 1,517
    celio paulo de assis pinto

    Este artigo tem a finalidade de apresentar um dos maiores desafios nas organizações nos dias de hoje, a busca pela Qualidade de Vida no Ambiente de Trabalho, que deve ser sustentada a partir da visão integrada das necessidades biológicas, psicológicas e sociais aliada a segurança do trabalho .

    Por: celio paulo de assis pintol Negócios> Gestãol 30/04/2013 lAcessos: 144

    O Brasil parou de crescer. A Europa está em crise. Queda nos investimentos e perspectiva de retração no crescimento da economia. Recessão ou depressão? Peritos nessas questões pregam corte de gastos. Podemos dizer que vem por ai as demissões? É aqui que a Gestão do Fator Acidentário de Prevenção (FAP) se torna estratégica para as organizações, e a explicação é simples já que no contexto atual do país, com sindicatos fortes e acordos coletivos bem estruturados, um benefício acidentário (B91) cons

    Por: Airton Kwitkol Negócios> Administraçãol 17/12/2011 lAcessos: 84

    Segundo SEBRAE e GEA, 70% dos negócios que não prosperam, ocorrem basicamente pelas mesmas causas. Eu ouço isso a pelo menos 30 anos. O que me deixa inconformado, é: Se os entraves à maioria desses negócios residem basicamente no mesmo bloco de atividades, por que os novos empreendedores, tem que trilhar as mesmas vias tortuosas percorridas por todos os que já as tenha vivenciado, tanto os que ultrapassaram as inevitáveis barreiras quanto os que tiveram seus sonhos frustrados pelas mesmas?

    Por: Toni Borierol Negócios> Gestãol 19/12/2014

    Trabalhadores que carregam materiais em fábricas ou até em mudanças de residências são obrigados a erguer materiais com frequência. Além do peso que é apoiado sobre os braços, coluna e pernas do profissional, suas mãos também acabam sendo bastante exigidas, pois o atrito com o objeto acaba machucando a pele.

    Por: Thiago Fonsecal Negócios> Gestãol 19/12/2014

    Profissionais que trabalham manipulando objetos na indústria precisam estar protegidos com um par de luvas adequado à função que está sendo realizada. Existem muitas variações de modelo neste segmento, sendo que neste artigo, iremos analisar 3 diferentes tipos.

    Por: Thiago Fonsecal Negócios> Gestãol 18/12/2014

    O Mapa Estratégico faz parte da metodologia BSC - Balanced Scorecard. A aplicação do método através de suas ferramentas é essencial na consolidação das estratégias. O mapa também representa uma síntese compreensível do planejamento estratégico que é indispensável na transição entre a fase de planejamento para a fase de execução dos projetos estratégicos.

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    O Posicionamento da empresa refere-se à ideia central do negócio. Seus clientes, parceiros e fornecedores reconhecem sua empresa, sua Marca, através da proposta de valor - value proposition - ofertada no seu portfólio de produtos e serviços.

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    As empresas com apetite e foco em resultados contratam e capacitam continuamente seus líderes criando uma cultura de liderança. Eles estão sempre preparados para assumir novas responsabilidades e desafios cada vez mais complexos.

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    A metodologia que se utiliza na matriz SWOT, para orientar o diagnóstico da empresa ,é a mais segura pois possibilita uma justaposição, uma comparação entre duas perspectivas: 1) as forças e fraquezas da empresa 2) as oportunidades e ameaças do mercado

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    Um dos erros comuns que gestores geralmente cometem, refere-se a ausência de mapeamento, observação e acompanhamento do grupo de variáveis do mercado que impactam diretamente o negócio da empresa.

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    Liderar é sem dúvida uma arte, é uma forma de lidar com pessoas como conduzisse uma orquestra a produzir a mais sublime das sinfonias. Não vou entrar no mérito se liderança é algo nato ou que se obtem em função de desenvolvimento, mas as informações estão aí o tempo todo, hoje ao acesso de praticamente todos. Dificil entender o porquê, que alguns gestores de cargos estratégicos tem a dificuldade de colocar em prática tudo que lemos, ouvimos e entendemos como boas práticas de liderança.

    Por: Sivonildo Martinsl Negócios> Gestãol 17/04/2012 lAcessos: 133

    Pontos para tornar a comissão interna de prevenção de acidentes uma organização permanente e atuante dentro da empresa.

    Por: Sivonildo Martinsl Negócios> Gestãol 21/09/2009 lAcessos: 27,676 lComentário: 6

    Comments on this article

    0
    Bianca Dúnia 25/11/2009
    Parabéns!O seu conteúdo está ótimo,isso facilita o iniciante para montar um comitê.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast