Como Vencer a Concorrência

Publicado em: 13/04/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 2,341 |

“Contaram-me que os peixes não se importam de serem pescados, pois têm o sangue frio e não sentem dor. Mas não foi um peixe que me contou isso.”
(Heywood Broun)


Não sejamos hipócritas. Esta estória de que concorrência é saudável porque estimula o desenvolvimento e combate o imobilismo é filosoficamente bela, mas não retrata a realidade.

Frédéric Bastiat, economista francês do século XIX e grande defensor do livre comércio, dizia: “Destruir a concorrência é matar a inteligência”. Pois então que morra, neste caso, a inteligência! Qualquer empresário ou gestor há de concordar que concorrência boa, é concorrência morta.

É por isso que o mundo corporativo tem sido marcado por fusões e aquisições, com a formação de grandes grupos econômicos. Tome-se como exemplo o setor bancário. Chama menos atenção a redução do número de instituições financeiras, o que não seria uma medida estatisticamente adequada, mas a concentração do patrimônio líquido, dos depósitos e do crédito entre os quinze maiores bancos do país.

As grandes companhias buscam o caminho dos ganhos de escala e da redução de custos operacionais, princípios econômicos legados da Era Industrial. É uma forma de debelar a concorrência absorvendo-a (aquisição) ou aliando-se a ela (fusão). Mas fica a pergunta: e quanto às pequenas empresas?

Firmas de pequeno e médio porte têm uma natural vocação autofágica. Em outras palavras, digladiam-se por um pedaço de osso como se fosse carne de primeira. Chegam até mesmo a praticar dumping (vender abaixo do preço de custo) para evitar que o vizinho ganhe o pedido. Cooperativismo e associativismo são palavras ausentes do vocabulário – e do dicionário – da maioria dos empresários. É uma questão cultural alicerçada num modelo mental ultrapassado: cada um que cuide de seu terreiro.

Houve uma época em que bastava produzir o que fosse para surgir um comprador. Outro economista francês, este no final do século XVIII, Jean-Baptiste Say, cunhou uma lei de mercado que dizia: “Toda oferta cria sua própria demanda”. Sua assertiva teve vida longa, a ponto de Henry Ford declarar no auge da produção de seu veículo Modelo T: "Você pode ter o carro da cor que quiser, contanto que ele seja preto".


Mas os tempos áureos sucumbiram em 1929 com a Grande Depressão. O impacto econômico foi tamanho que, nos Estados Unidos, a taxa de desemprego saltou de 9% para 25% em apenas três anos.

Hoje vivemos um período de comoditização ampla, geral e irrestrita. Os produtos são todos muito parecidos em funcionalidade. E os consumidores dão as cartas, reinando no trono da infidelidade e com elevado poder de barganha.

O sofrimento é ainda maior no comércio que na indústria. Basta caminhar em São Paulo, por exemplo, pela Teodoro Sampaio dos instrumentos musicais, a Consolação dos lustres, a Santa Ifigênia dos eletrônicos ou simplesmente as praças de alimentação de qualquer shopping center para sentir na pele e na veia a ferocidade da concorrência. O que fazer?

1. Cuide do visual. O jogo começa na aparência que conduz à sedução. É o marketing de percepção. Você precisa captar a atenção do cliente para que ele escolha, entre as inúmeras alternativas, o seu ponto. Isso envolve a fachada, o letreiro e até mesmo o nome do estabelecimento. Os trajes dos atendentes, a pintura das paredes, a limpeza do piso, o índice de luminosidade, a organização dos produtos expostos e a facilidade de acesso a eles. Perceba que as mesmas regras aplicam-se a uma loja virtual. Neste caso, falamos de um site de fácil navegação, com diagramação e cores agradáveis, ágil na transição de páginas, amigável na busca por produtos.

2. Treine seu pessoal. Considerando-se que os produtos são similares e, portanto, facilmente comparáveis, o único canal possível de diferenciação é o da prestação de serviços. A palavra de ordem agora é “atendimento”. Não apenas um atendimento bom, mas sim um excepcional, prestado por uma força de vendas que antes de tudo conhece em profundidade o que está ofertando. É a chamada “venda consultiva” que compreende necessidades, orienta sobre tipos e modelos, instrui com foco na adequação e assiste através do pós-venda promovendo a fidelização.

3. Tenha o produto disponível. Parece óbvio, mas esta é uma das grandes falhas de gerenciamento no ponto de venda. Imagine ter atraído o consumidor para sua loja e tê-lo presenteado com um atendimento exemplar. Após analisar todas as possibilidades ele escolhe um produto que está esgotado. Era o modelo perfeito de calçado, mas não na cor desejada. Era o prato ideal para o almoço, mas sem o molho preferido. Você terá o desprazer de ver seu cliente, igualmente frustrado, sair pela porta afora de mãos vazias – mas agora seguro do que pretende comprar, evidentemente em seu concorrente. Portanto, mantenha um estoque de segurança. E se você não dispõe de espaço ou capital para tê-lo, é preferível reduzir a gama de produtos oferecidos ou especializar-se em um grupo específico. Se você não é o primeiro e nem o maior, seja o melhor no que se propõe a fazer.

4. Crie diferenciais. Além do excelente atendimento, seja criativo nos detalhes e tenha a inovação como lema. Promova campanhas e concursos, crie bônus por fidelidade, escute e surpreenda seus clientes com novas soluções integradas. Propicie condições variadas de pagamento estabelecendo, por exemplo, parceria com instituições financeiras. Vivemos uma onda de crédito abundante e facilitado, ainda que caro, mas que permite adquirir bens para pagamento em longo prazo mediante suaves prestações mensais. Você não precisa assumir o ônus dos riscos do financiamento. Não é este o seu negócio. Mas uma financeira fará este papel com todo prazer.

5. Diga não à guerra de preços. Venda benefícios associados aos produtos, desviando o foco do preço. A regra é vender valor e não preço. Por isso a importância do atendimento, inclusive no pós-venda, além da oferta de acessórios, de assistência técnica permanente e de condições diferenciadas de pagamento, conforme já mencionado.

6. Em guerra deflagrada, lute para ganhar. Jamais se esqueça de que você está em guerra permanente com seus concorrentes. Esteja, pois, preparado. Conheça bem, e de perto, seus concorrentes. Visite-os ou coloque alguém para visitá-los. Telefone para monitorar a qualidade do atendimento. Pesquise preços. Descubra seus pontos fortes e os copie. Descubra seus pontos fracos e guarde as cartas na manga. Contrate seus melhores funcionários. E, fundamentalmente, inove. Torne-se único a ponto de tornar a concorrência irrelevante. Mas lembre-se: eles podem estar fazendo exatamente o mesmo em relação a você.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 10 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/gestao-artigos/como-vencer-a-concorrencia-385960.html

    Palavras-chave do artigo:

    concorrencia

    ,

    estrategia

    ,

    gestao

    Comentar sobre o artigo

    A crescente desarticulação entre a definição de políticas, formas e meios de implementação das mesmas, é uma realidade facilmente constatável. Por outro lado, a também crescente aposta na desintervenção do Estado na economia e na sua demissão das responsabilidades sociais, que constituem a sua razão de ser, conduzem-nos a um novo modelo de Gestão Pública que importa analisar. Se um novo modelo de Estado implica um novo modelo de Gestão Pública, como definir e caracterizar o novo gestor público e

    Por: candida marreirosl Negócios> Administraçãol 29/03/2011 lAcessos: 758

    Este paper propõe uma discussão sobre necessidade e importância do composto estratégico e o marketing nas instituições de ensino particulares (IEP) em um mercado altamente competitivo, onde a oferta se multiplica e a demanda apresenta nítidos sinais de retração, forçando as instituições a buscarem alternativas e estratégias de sobrevivência. Assim, pretende-se refletir sobre a necessidade do estabelecimento de competências técnicas dos gestores das escolas em relação à construção estratégica.

    Por: admir borgesl Negócios> Gestãol 05/07/2011 lAcessos: 183

    Este artigo pretende demonstrar como os Recursos Humanos podem ser fonte de lucratividade para as empresas, com ênfase no varejo de pequeno porte. Apresenta-se uma exposição sobre a importância do Endomarketing no mundo corporativo. O Endomarketing visa à valorização do colaborador, através do entendimento do novo consumidor e de estratégias de diferenciação e inovação diante da concorrência. Além disso, o Endomarketing abre portas para a inserção do marketing nas empresas de pequeno porte em pr

    Por: JUCILENE CRISTINE DE OLIVEIRAl Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 28/10/2008 lAcessos: 8,847
    Nelson B. Sousa

    Com base em alguns artigos e matérias, vamos definir e compreender o que é estratégia para que não se confunda com o que são técnicas de Gestão. Para isso há a necessidade de alguns esclarecimentos.

    Por: Nelson B. Sousal Negócios> Gestãol 04/11/2008 lAcessos: 1,290

    O trabalho a seguir apresentado tem como objetivo explanar conceitos e a importância da Gestão Financeira dentro de qualquer empresa independente do porte envolvendo Planejamento, Controle e Análise da conjuntura financeira das empresas com o objetivo de melhorar os resultados financeiros.

    Por: Janaina de Paula Souzal Finanças> Investimentosl 28/11/2014 lAcessos: 19

    O objetivo deste estudo foi descrever sobre as estratégias de marketing para os chamados ciclos de vida do produto que compreendem no lançamento ou introdução, o crescimento, a maturidade e o declínio. Para cada ciclo de vida é importante a empresa traçar estratégias especificas para que o produto ou serviço esteja sempre em evidencia perante á concorrência. O desenvolvimento do artigo foi feito com base em uma pesquisa bibliográfica e as fontes partiram da análise de textos já publicados, retir

    Por: marcio valentel Marketing e Publicidadel 29/11/2011 lAcessos: 1,420

    Este artigo realizou um estudo exploratório da utilização da Gestão de Projetos na Internacionalização de Empresas. Buscou-se analisar o que significam os dois conceitos através de visões de vários autores. O objetivo foi trazer à tona a utilidade e a correlação entre dois saberes do conhecimento que, atualmente, fazem parte do cotidiano das empresas. Analisou-se o planejamento correto e os riscos positivos e negativos de uma empresa estar fora do país. Foram trazidos conceitos propostos pela Ge

    Por: Quintiliano Campomoril Negócios> Ger. de Projetosl 19/05/2011 lAcessos: 668

    Conduzir as organizações no mercado competitivo é um trabalho complexo e desafiador. A busca da excelência organizacional exige análise de instrumentos que facilitem a decisão e criem estratégias competitivas no mercado. Com isso, o planejamento estratégico se torna vital às organizações por definir metas e objetivos visando alcançar vantagem competitiva sobre os concorrentes. É a estratégia que define o rumo da organização. Entretanto, o planejamento estratégico não é aplicado na maioria das em

    Por: Danielel Negócios> Gestãol 18/11/2010 lAcessos: 1,708
    Túlio César de Souza

    Desenvolver um bom planejamento estratégico é um fator de suma importância para as organizações nos dias atuais. Para realizar o acompanhamento os gestores possuem diversos modelos de gestão para auxiliá-los. Neste presente trabalho analisa o Balanced Scorecard e o modelo de gestão economica – GECON, procurando compreender e descrever sua estrutura suas v

    Por: Túlio César de Souzal Finanças> Finanças Pessoaisl 24/08/2010 lAcessos: 1,508

    Profissionais que trabalham manipulando objetos na indústria precisam estar protegidos com um par de luvas adequado à função que está sendo realizada. Existem muitas variações de modelo neste segmento, sendo que neste artigo, iremos analisar 3 diferentes tipos.

    Por: Thiago Fonsecal Negócios> Gestãol 18/12/2014

    O Mapa Estratégico faz parte da metodologia BSC - Balanced Scorecard. A aplicação do método através de suas ferramentas é essencial na consolidação das estratégias. O mapa também representa uma síntese compreensível do planejamento estratégico que é indispensável na transição entre a fase de planejamento para a fase de execução dos projetos estratégicos.

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    O Posicionamento da empresa refere-se à ideia central do negócio. Seus clientes, parceiros e fornecedores reconhecem sua empresa, sua Marca, através da proposta de valor - value proposition - ofertada no seu portfólio de produtos e serviços.

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    As empresas com apetite e foco em resultados contratam e capacitam continuamente seus líderes criando uma cultura de liderança. Eles estão sempre preparados para assumir novas responsabilidades e desafios cada vez mais complexos.

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    A metodologia que se utiliza na matriz SWOT, para orientar o diagnóstico da empresa ,é a mais segura pois possibilita uma justaposição, uma comparação entre duas perspectivas: 1) as forças e fraquezas da empresa 2) as oportunidades e ameaças do mercado

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    Um dos erros comuns que gestores geralmente cometem, refere-se a ausência de mapeamento, observação e acompanhamento do grupo de variáveis do mercado que impactam diretamente o negócio da empresa.

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    Uma das principais negligências dos gestores responsáveis por marketing e vendas está relacionada a falta de compreensão dos fatores críticos de sucesso pela perspectiva do cliente. Na prática, isso significa identificar e monitorar suas expectativas e suas "dores" de forma sistêmica através de pesquisas conduzidas por institutos experientes.

    Por: Nori Lucio Jrl Negócios> Gestãol 16/12/2014

    Numa discussão cada um dos oponentes sai com a sua posição mais reforçada. Ninguém ganha!

    Por: Eduardo Santos Paival Negócios> Gestãol 14/12/2014
    Tom Coelho

    Não importa a ocasião ou a duração de um encontro. Uma única palavra, em um mero instante, pode influenciar as decisões e o destino de outrem.

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 15/12/2013 lAcessos: 21
    Tom Coelho

    Empreender no Brasil é tarefa para obstinados que precisam superar entraves à competitividade para escapar das elevadas taxas de mortalidade empresarial.

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 15/12/2013
    Tom Coelho

    A origem e a característica de seus problemas dizem muito sobre o rumo de sua própria vida.

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 01/12/2013 lAcessos: 12
    Tom Coelho

    Reflexões decorrentes do projeto fotográfico de Gabriele Galimberti retratando crianças de várias partes do mundo com seus brinquedos.

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 13/10/2013 lAcessos: 26
    Tom Coelho

    Estamos tão culturalmente habituados a postergar decisões que perdemos o senso de urgência.

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 29/09/2013 lAcessos: 29
    Tom Coelho

    Veja nesse artigo três lições que aprendi após ter o celular furtado e como passei a viver sem ele.

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 29/09/2013 lAcessos: 35
    Tom Coelho

    Duas iniciativas exemplares (Ministério Público/Sebrae-AC e Tribunal de Justiça da Bahia) para demonstrar como é possível prestar serviço público de qualidade.

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 29/09/2013 lAcessos: 30
    Tom Coelho

    Para a logoterapia de Viktor Frankl, a busca do indivíduo por um sentido na vida é a força motivadora para o ser humano

    Por: Tom Coelhol Notícias & Sociedade> Cotidianol 15/09/2013 lAcessos: 27
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast