Endomarketing Como Ferramenta Estratégica De Valorização Do Cliente Interno

Publicado em: 24/08/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 3,571 |

5.1 Breve histórico do endomarketing

De acordo com BRUM (1998, p. 11), “endo” provém do grego e quer dizer “ação interior ou movimento para dentro”.  Então, entende-se como endomarketing o “marketing para dentro” ou “marketing interno”.

Em outras palavras, é a utilização de ferramentas do marketing dirigidas ao público interno das organizações e está diretamente ligada à comunicação interna, aliando técnicas de marketing a conceitos de recursos humanos.

De acordo com CUNHA (2007, p. 10), o endomarketing pode ser considerado uma nova área da administração e tem o objetivo de adaptar estratégias e elementos do marketing tradicional, normalmente utilizado no meio externo às empresas, para o uso no ambiente interno das corporações.

Com base nesses conceitos, podemos dizer que o marketing interno, ou endomarketing, é o conjunto de ações utilizadas por uma organização para vender sua própria imagem aos funcionários, encontrando as mais diversas maneiras de se comunicar com o público interno, e envolve temas como motivação, comunicação, comprometimento, valores e satisfação dos colaboradores.

5.2 Estratégias do endomarketing

Existem duas estratégias básicas relacionadas ao endomarketing. BRUM (1998, p. 13) afirma que a primeira focaliza a empresa, a visão, propósitos e objetivos gerais da organização e a segunda focaliza a tarefa, pois diz respeito à comunicação de questões específicas relacionadas ao trabalho.

A primeira estratégia tem relação com os programas voltados para mudança da cultura organizacional, que comunicam nova visão da empresa e visam modificar determinadas atitudes dos colaboradores, resultando no compromisso e lealdade destes para com a organização.

A segunda estratégia não inclui apenas a comunicação sobre a tarefa a ser realizada, como também a coleta de opiniões dos colaboradores sobre como melhorar seu próprio desempenho, e idéias sobre como adotar novos métodos de trabalho. Neste caso, estas tarefas estão relacionadas à melhoria da eficiência e eficácia dos serviços ou processos relacionados à produção.

Tais estratégias, concentradas na administração ou nas tarefas, podem mascarar problemas mais sérios com os quais muitas empresas se deparam em seu dia a dia.

5.2.1 Cenários de mudança

A realidade de toda e qualquer empresa hoje está na mudança, seja ela qual for. Somente num clima favorável é possível gerar novas idéias e descobertas, estruturas e dimensões sociais.

Muitos empresários estão preocupados em estabelecer um clima organizacional favorável em que os colaboradores estejam empenhados em ajudá-los a fazer o necessário para adaptação e sobrevivência, já que os cenários de mudanças são muitos e, a compreensão de que o que quebra uma empresa é a incapacidade das pessoas a se adequar a ela e não a mudança propriamente dita.

Este contexto vai de encontro ao que BRUM (1998, p. 13) descreve:

Dentro desse espírito, o caminho é buscar a sinergia do grupo – a inteligência grupal que tem mantido tantas empresas prosperando e conquistando mercados até então nunca imaginados. Ao mesmo tempo, é preciso buscar o equilíbrio para administrar o fato de as pessoas, principalmente as mais humildes, não estarem preparadas para enfrentar o fator mudança em suas vidas profissionais.

Neste sentido, existem algumas situações que são consideradas comuns a um grande número de empresas. São elas:

Quando uma empresa está sem energia. Existem empresas nas quais crenças e ideais estão enfraquecidos. Isso tende a tornar a cultura da organização equivocada e distante do pensamento de seus dirigentes.

De acordo com SILVA (2003, p. 1), “(...) a energia é o que estimula o indivíduo a dar um passo extra quando precisa enfrentar uma carga de trabalho pesada e cumprir prazos apertados”.

É nesse tipo de cenário que o orgulho de pertencer à empresa convive com um baixo nível de informação e despreparo das chefias intermediárias para conduzir processos de mudança. Ao mesmo tempo, os colaboradores tendem a valorizar o passado, e a direção da empresa em valorizar o futuro.

Então surgem as seguintes questões: como resgatar as pessoas para o momento atual e que conceitos precisam ser trabalhados para que todos os colaboradores tenham uma visão compartilhada da empresa, dos objetivos e do papel de cada um para alcançar esses objetivos?

Neste contexto, a estratégia deve ser a valorização em todos os níveis: da empresa, da direção, do colaborador e do trabalho que este desenvolve, de forma a assimilar a idéia de que todos são capazes de vencer.

Para isso, é preciso a aproximação da direção da empresa com o colaborador para desmistificar a figura de que eles não são responsáveis pelo reerguimento da empresa sozinhos, fazendo com que a melhoria do clima organizacional torne-se desafio do grupo como um todo.

Portanto, é preciso encontrar no ambiente interno os valores da empresa que foram deixados de lado, e trazê-los à tona revitalizados, assim como a motivação de cada um, conforme afirma BRUM (1998, p. 14):

Quanto maior o comprometimento dos funcionários com os princípios da organização, maior a aceitação por todos dos objetivos a serem atingidos, e mais coerentes e homogêneas serão as suas atitudes perante os diversos públicos.

Quando uma empresa foi comprada por outra. Outro cenário muito comum é determinado pela compra de empresas por outras que trazem uma nova cultura, resultando em choque de valores, crenças, costumes etc.

Na maior parte das vezes, os colaboradores da empresa que está sendo comprada concordam com as críticas feitas pela nova direção ao passado, acreditam que o modelo anterior realmente estava fadado ao fracasso, tanto que foi necessária a venda da empresa, aceitam a mudança como algo benéfico, mas sentem-se humilhados ao ouvir referências à estrutura do qual fizeram parte.

Quando isso acontece, é necessário trabalhar a informação sem esquecer que uma estrutura empresarial precisa ser democrática para ganhar a confiança dos colaboradores, trabalhando a comunicação com foco em benefícios e em ganhos para cada indivíduo, de forma a cicatrizar feridas decorrentes desta mudança.

Algumas empresas têm iniciativas para que fusões e aquisições tenham um impacto positivo aos colaboradores, conforme CARVALHO (2008, p. 2) cita:

As principais atitudes são: estabelecer as prioridades e criar um sentimento positivo e de disciplina, promover nos colaboradores um nível de comprometimento necessário, bem como o engajamento e a confiança para que os trabalhadores possam enfrentar esse período de transição e inspirar um sentimento de propósito, de coerência e de responsabilidade para que todos permaneçam focados e engajados no trabalho.

Concordando com a citação de CARVALHO, aqui, a estratégia é permitir que os colaboradores conheçam as implicações e benefícios para a empresa. Isso significa mostrar o que está sendo mudado, por que está sendo mudado e como isso reflete no mercado.

Neste tipo de cenário, é importante trabalhar a mudança em nível comportamental através da difusão dos princípios da empresa que está chegando, do reconhecimento do trabalho e do esforço de cada colaborador no processo de mudança e em oferecer apoio psicológico, a fim de que os menos corajosos sejam incentivados a fazer parte do processo

Quando uma empresa muda radicalmente seu jeito de ser. Este é outro cenário bastante comum. É quando a organização, que sempre tratou seus colaboradores com indiferença, de repente percebe a importância dos recursos humanos em seus processos e determina o início de um programa de endomarketing. Então, partem do nada para a implementação de um programa arrojado, se esquecendo que se trata de um grande desafio e que deve ser encarado de forma consciente.

A estratégia neste caso deve mostrar uma empresa que deseja se fazer mais próxima das pessoas com a intenção de agregar valor à organização a partir de uma evolução “saudável” do relacionamento empresa-funcionário, levando em consideração, principalmente, a valorização do elemento humano.

Esta estratégia significa fazer com que o colaborador sinta-se mais motivado em todos os sentidos: como pessoa, como membro de uma família e de uma sociedade, como profissional, como trabalhador, mas, principalmente, na valorização do sentimento e do toque pessoal que emprega a cada ação que desenvolve, sendo essa voltada para a empresa ou não.

Para tanto, o esforço do endomarketing deve acontecer quando houver a superação das expectativas dos colaboradores, demonstrando a compreensão da organização com a demanda de trabalho de cada um, ou seja, o entendimento da diversidade humana.

Esse é o tipo ideal de estratégia para a empresa que nunca teve um programa de aproximação das pessoas que nela trabalham, pois valoriza o elemento humano de todas as formas e agrega valor às pessoas que trabalham com a marca da empresa durante todo o seu dia.

5.2.2 Conquista de desafios

Algumas organizações participam de programas e desafios internos que exigem maior comprometimento por parte de seus colaboradores, por exemplo, algum tipo de certificação.

Quando a empresa decide participar deste tipo de desafio, deve ter em mente que o esforço de todas as pessoas, principalmente as que estão mais abaixo na pirâmide, será imprescindível. Esse tipo de processo acaba sendo imposto como um tipo de “missão” não sendo motivacional, mas falando apenas ao cérebro do colaborador como mais uma tarefa importante.

Segundo BEZERRA (2004, p. 3), um dos maiores desafios das organizações em conseguir motivar seus colaboradores a enfrentar desafios, é resgatar o máximo de aproveitamento de seu capital intelectual e de seus talentos, para mantê-los motivados a usar e multiplicar ao máximo seus conhecimentos com outros colegas, de forma a manter a organização em um alto nível de competência e performance para que todos tenham o mesmo objetivo em mente.

Então, o programa de endomarketing terá o objetivo de preparar a todos para a conquista, considerando o fato de que, quando uma pessoa está emocionalmente envolvida pode dar o melhor de si e não somente o necessário.

Deverá haver também campanhas internas que visam mostrar a importância do desafio que está diante de cada colaborador, para que ele sinta que depende da vitória para que a conquista seja completa.

5.2.3 Criação de canais oficiais de comunicação interna

A comunicação interna é um fator estratégico para o sucesso das organizações, porque atua principalmente em três frentes: é fundamental para os resultados do negócio, é um fator humanizador das relações de trabalho e consolida a identidade da organização junto aos seus públicos.

Tem um papel fundamental nos processos de mudança, pois depende diretamente do envolvimento do público interno e indiretamente de uma boa comunicação entre a organização e seus colaboradores. E é nesse sentido que a comunicação tem um papel fundamental, pois são as informações que vão nortear os funcionários a respeito dos rumos da organização.

É imprescindível que as organizações estabeleçam canais oficiais de comunicação interna, pois combatem a famosa “rádio corredor” ou “rádio peão”. De acordo com BRUM (1998, p. 17), já foi cientificamente comprovado que à medida que um programa de endomarketing é desenvolvido, os boatos tendem a cair.

Algumas empresas desenvolvem determinados programas somente para reorganizar sua estratégia de comunicação interna, mesmo não tendo processos mais complexos de mudança de cultura, o que se caracteriza como uma atividade de endomarketing extremamente saudável.

5.3 Ações e instrumentos

As ações e instrumentos são itens importantíssimos num programa de endomarketing, pois trabalham repassando ao colaborador os conceitos necessários para o sucesso de qualquer desafio ou processo de mudança.

Por sua eficiência e aceitação ao público interno, os instrumentos transformam-se em canais oficiais dentro a empresa, despertando nos colaboradores a idéia de que se lerem tudo o que puderem, saberão de tudo o que acontece na organização. Além disso, esses instrumentos oferecem um nível de informação suficiente para que não haja boatos e são uma maneira de educar os colaboradores a lerem e observarem tudo ao seu redor.

Outro dado importante, conforme BRUM (1998, p. 35) cita em seu livro, é que o aprendizado se dá:

  • 3,5% pelo paladar;
  • 4,0% pelo tato;
  • 5,5% pelo olfato;
  • 12,0% pela audição; e
  • 75,0% pela visão.

Este é o motivo pelo qual a grande parte dos instrumentos de comunicação interna está sob a forma escrita ou têm algum apelo visual.

A seguir, serão apresentadas algumas ações e instrumentos utilizados em um programa de endomarketing, sempre buscando demonstrar a idéia de uma contínua e sistemática busca de excelência para qualquer organização que tenha o objetivo de incorporar este programa como ferramenta importante na valorização de seu cliente interno.

5.3.1 Manual e vídeo de integração à empresa

Existem dois instrumentos básicos de informação e integração a um novo funcionário para o qual se apresenta a cultura da empresa no qual vai trabalhar: o manual e o vídeo.

Conforme cita BUENO (2005, p. 1), a integração ao novo colaborador, com ferramentas como o manual e o vídeo é importante, pois há a preocupação da organização com a sua inserção em um novo contexto e em auxiliá-lo na descoberta de um mundo desconhecido.

Normalmente, o conteúdo destes dois instrumentos apresenta o histórico da empresa com missão, visão, valores, princípios, em que nível a empresa representa-se local, estadual e nacionalmente, o que a mantém, qual o negócio, qual ou quais os produtos, quem trabalha na empresa etc. Além disso, destaca-se a importância de se ter informações sobre os benefícios concedidos aos funcionários e o que se espera deles. Todas essas informações devem ser apresentadas ao novo colaborador em uma espécie de “manual”, em que este possa ter em mãos sempre que houver alguma dúvida, no dia de sua integração na empresa.

Após receber o manual, o novo funcionário deve passar por uma sessão de vídeo (onde poderão ser apresentados os vídeos mercadológicos da empresa), seguido de uma breve visita às instalações e apresentação aos seus futuros colegas.

5.3.2 Material de acompanhamento do programa

Para que possam ser acompanhadas e discutidas todas as etapas do programa de endomarketing, é importante que se tenha um veículo de comunicação, como um folder que acompanha um kit de instrumentos de comunicação interna.

De acordo com TEIXEIRA et. al. (2002, p. 30): “Todo programa de endomarketing necessita de veículos de comunicação como o folder (...) para que os colaboradores possam acompanhar e discutir as etapas, passando a idéia de um esforço planejado”.

Este kit contém, na maioria das vezes materiais que serão utilizados em alguma campanha interna no qual há vários folders com informações, cupons para serem preenchidos como forma de participação do colaborador, um vídeo com explicações sobre o programa etc.

Outra forma de acompanhamento é um tipo de jornal. Normalmente este material é utilizado quando o programa de endomarketing está planejado para durar mais de um ano, então, este veículo pode ser mensal e deve contemplar apenas notícias relacionadas às atividades e eventos de endomarketing ocorridas ou que ocorrerão na empresa.

5.3.3 Revistas de histórias em quadrinhos

Esta é uma forma descontraída de se trabalhar algum tipo de informação. Neste caso, são utilizados um ou mais personagens que se identifiquem com a empresa e seus funcionários e que representem alguma história educativa, mostrando o objetivo da organização, por exemplo, aonde quer chegar e quais os caminhos para que isso aconteça, trabalhando o conteúdo de forma séria e esclarecedora em relação à meta global da empresa.

Um fator muito importante relacionado à história em quadrinhos é que, o colaborador tem uma tendência muito grande de levá-lo para casa e mostrá-lo à sua família, desenvolvendo um fator de maior tempo de vida à informação, já que ele sempre será lembrado do fato quando chegar em casa.

5.3.4 Encarte da área de RH no jornal interno

A informação mais preciosa para o colaborador é sem dúvida àquela relacionada à remuneração. Em segundo plano, informações sobre benefícios e planos de incentivos.

Portanto, juntamente com o jornal interno, é válida a veiculação de um tipo de encarte da área de recursos humanos que aborde com clareza estas informações que muitas vezes são entendidas de forma incorreta ou consideradas tabu.

Concordamos com BRUM (1998, p. 37) quando afirma que, para que haja liberdade de expressão dentro das empresas, um assunto tão importante quanto salários é preciso ser desmistificado. É preciso deixar claro ao colaborador qual a política adotada pela empresa em relação ao seu plano de cargos e salários e o quanto valoriza o talento humano não deixando este assunto entrelinhas.

Esta ação servirá para mostrar uma gestão transparente, além de diminuir boatos e comentários indevidos nos corredores, pois permitirá que a organização dissemine informações íntegras e confiáveis que evidenciem suas verdadeiras intenções.

5.3.5 Jornal de parede

O jornal de parede tem alta visibilidade, pois trata-se de um painel afixado na parede. Pode ser escrito e ter animações de acordo com as metas do programa de endomarketing e com a filosofia organizacional existente.

Este instrumento tem o objetivo de abordar assuntos gerais da empresa, novos produtos, novas campanhas, informações sobre departamentos, grupos de trabalho, enfim, tudo o que possa ser notícia que sirva de estímulo ao público interno.

O jornal de parede deve ser colocado nos principais pontos de acesso à empresa e toda segunda-feira pela manhã deve ser trocado por novas informações antes da chegada do público interno.

O jornal de parede tem sido implantado com grande sucesso, conforme afirma BRUM (1998, p. 38), por se tratar de uma informação rápida e disponível ao colaborador sem que ele realize nenhum esforço, uma vez que esse jornal deve estar disposto em cada área da empresa, incluindo áreas de lazer, corredores próximos ao cartão-ponto, toaletes, ambientes de descanso, restaurante etc.

5.3.6 Cartazes motivacionais

Pelo fato de serem de fácil memorização e por, na maioria das vezes, a mensagem escrita ser reforçada por desenhos, figuras, forma e cores, as empresas têm optado por este instrumento para apoiar processos de renovação de conceitos e de mentalidade do público interno, sempre com o objetivo de passar novas informações para a equipe interna, de acordo com MEIRA et. al. (2004, p. 8).

Neste tipo de instrumento, é importante que o foco seja o apelo visual, que torna-se maior quando as imagens refletem momentos do cotidiano, seja ele profissional ou familiar, tendo como referência a afetividade.

Conceitos mais sérios como qualidade, competitividade, assiduidade e segurança podem ser tratados de forma leve e descontraída, atingindo o “emocional” das pessoas, transformando um simples conceito numa identificação de cada colaborador com o novo momento da empresa.

Esse instrumento deve atingir todos os níveis de público interno, além de mostrar ao público externo que visita a empresa, sua preocupação com o elemento humano.

5.3.7 Palestras internas

Este é um dos instrumentos mais importantes para um programa de endomarketing de sucesso. É imprescindível que as empresas incentivem e realizem palestras internas, dividindo com os colaboradores, principalmente os que ocupam um cargo mais baixo, todos os conhecimentos que adquirem em programas de treinamento dos quais participam, encontrando formas didáticas de repassar aquilo que aprendeu.

O mais importante é que aconteça a democratização do conhecimento, e não apenas da informação. Quando uma organização tem seu foco no aprendizado contínuo, o repasse de conhecimentos adquiridos deve ser uma constante.

5.3.8 Grife interna

São as camisetas, bonés, botons, sacolas de viagem, adesivos, chaveiros e uma variedade de outros artigos que ajudam a disseminar o orgulho que o colaborador tem de pertencer àquela empresa.

Esta grife pode utilizar sua marca e o slogan do programa de endomarketing ou ter uma marca própria, refletindo o sentimento do público interno em relação ao futuro, seus sonhos e expectativas. Da mesma forma, esta grife pode ser utilizada para identificar representantes de uma empresa em eventos e feiras.

5.3.9 Datas festivas e aniversário dos funcionários

As datas festivas normalmente comemoradas pelas empresas são: Páscoa, Dia das Mães, dos Pais, da Criança, Natal, Ano Novo e aniversário da empresa. Nestes dias, é extremamente importante que o colaborador sinta-se envolvido com o acontecimento.

Cartazes e painéis motivacionais devem dar lugar a instrumentos com mensagens comemorativas e é sempre importante que a empresa dê uma lembrança ou homenageie seu colaborador não se esquecendo de expor nesta lembrança a assinatura da direção como forma de lembrar o colaborador a sua importância.

Da mesma forma, o aniversário de cada funcionário deve ser lembrado através de uma mensagem no jornal interno, um cartão assinado pela direção ou uma pequena festa no departamento.

5.3.10 Intranet

A intranet é o que existe de mais recente em nível de comunicação interna. É um sistema que permite às pessoas o acesso rápido às mais diversas informações sobre a empresa no qual trabalham e permite o “marketing para dentro” no verdadeiro sentido da expressão, quando um departamento pode divulgar ao restante da empresa aquilo que está fazendo, seus resultados e o que pretende implementar em nível de melhorias.

Podem ser consideradas internets em miniatura, podendo oferecer muitos dos serviços encontrados na rede de forma eficiente e adaptada à realidade local.

Quando bem implantada, a intranet envolve todos os funcionários de uma mesma empresa, possibilitando a troca de conhecimentos profissionais e até pessoais numa aproximação entre pessoas de todos os níveis.

A intranet representa toda uma mudança cultural que faz das organizações organismos sintonizados com seus diversos públicos.


5.4 Princípios de gestão no endomarketing

5.4.1 Motivação

A motivação do funcionário é um processo global que busca o comprometimento de todos com as causas e objetivos da empresa, melhorando a integração à cultura organizacional e está relacionada ao desejo que o ser humano possui de sentir-se realizado em seu ambiente de trabalho. Para isso, é necessário aprimorar o desempenho do funcionário por meio de sua valorização e satisfação.

Quando motivado, o indivíduo é capaz de inovar, criar e ser pleno naquilo que se dispõe a fazer, e é necessário que ele se sinta envolvido com seu próprio trabalho e conheça bem a área que atua.

ROBBINS (2000, p. 342) esclarece o termo motivação como “a disposição de exercitar um nível persistente e elevado de esforço na direção de metas organizacionais, condicionada pela capacidade do esforço de satisfazer certa necessidade individual”.

Já para COBRA (1992, p. 221), a motivação surge a partir de forças conscientes ou inconscientes e levam as pessoas à ação. Sendo assim, uma das tarefas do endomarketing é proporcionar meios para que o colaborador se sinta motivado a trabalhar para o crescimento da organização.

Isso nos leva a idéia que, mostrando ao funcionário o que se espera dele e entregando desafios em suas mãos, conseguimos motivá-lo a alcançar as metas propostas.

É muito importante que a motivação torne-se uma reação em cadeia, onde a alta administração deve estar motivada e comprometida com os objetivos da empresa, fazendo com que os colaboradores sintam a mesma vontade de cumprir as metas e objetivos propostos, pois estar motivado não depende somente de um esforço unilateral. Sendo assim, a empresa precisa tratar o funcionário como um aliado em seus projetos, sonhos e previsões.

Conseqüentemente os funcionários estarão motivados, e quanto maior a motivação, maior o esforço, e um maior esforço leva à satisfação da necessidade e ao equilíbrio, com isso, a motivação é reduzida, pois sem necessidades não existem desafios. Este processo pode ser melhor entendido através do ciclo motivacional.

O organismo humano permanece em estado de equilíbrio psicológico até que um estímulo o rompa e crie uma necessidade. Essa necessidade provoca um estado de tensão em substituição ao antigo equilíbrio. A tensão conduz a um comportamento ou ação capaz de atingir alguma forma de satisfação da necessidade. Se a necessidade for satisfeita, o organismo retorna ao seu estado inicial de equilíbrio, até que outro estímulo surja. Mas nem sempre a satisfação acontece, pode existir uma barreira impedindo. Toda a vez que a satisfação é bloqueada por alguma barreira, ocorre frustração. Havendo frustração, a tensão existente não é liberada e mantém o estado de desequilíbrio.

5.4.2 Comunicação

A comunicação é um processo que envolve troca de informações e que exige um feedback. Os melhores sistemas de informação utilizados pelas empresas não garantem por si só a comunicação. A comunicação envolve o processo de ouvir, de assimilar idéias e de participação.

A informação advém da comunicação e se estabelece na relação empresa/funcionário além de consistir numa via de mão dupla que interessa a ambas as partes. Empresas e funcionários trocam informações, que no final, beneficiarão o cliente externo.

Um programa de comunicação interna utiliza-se de inúmeras ações e desenvolve-se através de um prazo. Os instrumentos de informação devem conter tudo aquilo que os colaboradores precisam para se sentirem parte da empresa. Existem também os instrumentos de integração, que são aqueles que exigem contato pessoal entre os funcionários, como a comemoração do alcance de metas, mostrando vitórias coletivas.

O que caracteriza um sistema de informações dentro de uma empresa é o conjunto de veículos escolhidos para transmitir determinadas mensagens. No sentido de complementar a informação, deve haver feedback. Podemos acrescentar o que diz MATOS (2004, p. 42): "esse retorno da informação recebida é o principal elemento que caracteriza e dinamiza o processo da comunicação”.

É preciso verificar a consistência da informação e quais impactos ela terá na tomada de decisão e no comportamento dos grupos sociais que terão acesso a ela. É necessário que a informação seja direta e objetiva, gerando um entendimento e participação de todos, principalmente da liderança e/ou da equipe de staff.

É bom enfatizar que dentro da organização é necessário que ocorra interação entre os departamentos, e para que ela aconteça de forma organizada tem que haver uma sinergia, entre eles.

A comunicação interna de acordo com KUNSCH (2001): "deixa de ser uma área periférica e alia-se aos demais setores, tornando-se assim uma ferramenta imprescindível para a obtenção de resultados”.

Para MARCHIORI (2001), a busca da valorização da comunicação interna deve ser entendida como estratégia básica dos empresários que desejam a efetividade de sua organização. É por meio da comunicação que uma organização recebe, oferece, canaliza informação e constrói conhecimento, tomando decisões mais acertadas.

Sendo assim, percebemos que não basta apenas transmitir a informação, mas fazê-la ser compreendida, pois, do contrário, a comunicação terá sido em vão, podendo gerar prejuízos para a organização. Conforme BUENO (2004, p. 2):

Funcionários descontentes e mal informados geram prejuízos imensos às organizações porque podem expressar, com mais autenticidade do que outros públicos, os valores positivos ou negativos da cultura organizacional. Fica fácil acreditar no que eles dizem porque, afinal de contas, eles estão vivendo lá dentro. Como sabemos, a imagem e a reputação se formam assim, a partir de pequenas vivências e convivências e os públicos internos têm papel fundamental neste processo.

Ao longo dos anos, os desejos e as necessidades dos funcionários e das empresas mudaram, a comunicação ficou mais sofisticada para cumprir seu papel. As pessoas dentro das organizações já não são mais vistas como meros empregados, mas sim como uma importante fatia do sucesso empresarial.

Para obter sucesso, os empresários devem, antes de qualquer coisa, posicionar suas atenções para as necessidades de comunicações de seus colaboradores.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/gestao-artigos/endomarketing-como-ferramenta-estrategica-de-valorizacao-do-cliente-interno-1157405.html

    Palavras-chave do artigo:

    endomarketing

    ,

    motivacao

    ,

    comunicacao

    Comentar sobre o artigo

    Motivar as pessoas e fazer com que todas olhem na mesma direção passa a ser uma tarefa de sobrevivência. Adaptar-se a processos de mudanças exige um processo emergencial de comunicação, visando alinhar e desenvolver um sentimento de comprometimento de todos nas novas estratégias e diretrizes ditadas pelo mercado. O Endomarketing surge a partir do momento que o bom desempenho das empresas está diretamente relacionado à mobilização de seus funcionários e o grau de importância a eles atribuída. Vol

    Por: Viviane Carnevallil Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 30/06/2008 lAcessos: 49,229
    Kívia Bueno

    Este projeto se propõe a tratar das ações do Endomarketing que têm como objetivo valorizar e conquistar o público interno e consequentemente fidelizá-lo, tornando-o meio fundamental e participativo necessário para conquista de novos mercados e resultados positivos no que se refere a uma instituição, além de proporcionar um maior envolvimento e alinhamento entre a empresa e seus diversos públicos, através de estratégias de comunicação interna, criatividade e motivação.

    Por: Kívia Buenol Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 14/06/2011 lAcessos: 1,258
    Fabiani Seibel Stock

    A comunicação interna e a sua relação com a motivação dos profissionais, qual a interferência do endomarketing na emoção das pessoas no ambiente profissional. Como podemos engajar os colaboradores dentro da missão e valores da empresa através da comunicação.

    Por: Fabiani Seibel Stockl Carreira> Recursos Humanosl 13/07/2010 lAcessos: 1,551
    Rogério Ferreira Leite

    Pretende este trabalho inserir o leitor no universo do Marketing de forma bastante sutil, não exigindo grandes conhecimentos. Busca mostrar as diversas facetas de um assunto que, à primeira vista, pode parecer cansativo e enfadonho, mas que no decorrer da leitura descobre-se interessante e envolvente, tanto para leigos quanto para expertos. Esse artifício foi utilizado para, juntamente com os fatos reais narrados, despertar o desejo de descobrir a novidade representada pelo "Efeito cata-vento".(PARTE 2)

    Por: Rogério Ferreira Leitel Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 16/07/2010 lAcessos: 1,283

    Este artigo visa entender como a motivação e a criatividade dos funcionários podem gerar crescimento para a organização através das estratégias de endomarketing. Procura mostrar a importância de saber aplicar o endomarketing nas organizações de maneira inteligente e, com isso, gerar vantagem competitiva no atual cenário.

    Por: André Coelhol Negócios> Gestãol 27/10/2008 lAcessos: 36,630 lComentário: 2

    A importância do endomarketing se torna evidenciada no mundo do marketing Contemporâneo. Trabalhar toda a mentalidade das pessoas, que às vezes não tem noção de cultura, educação, satisfação pessoal, na maioria das vezes preocupada apenas com valores financeiros e que passam por inúmeros problemas que são desconhecidos pela maioria, é essencial. Fazê-las entender que esse é um processo que beneficiará a todos e que a participação delas é fundamental para o sucesso é uma tarefa bem complicada. Na verdade é importante fazer com que essas pessoas, com características de pouco conhecimento e pouca noção de cultura, se interessem pela colaboração num procedimento tão intenso como o endomarketing e se mobilizem em função do aumento de competitividade organizacional em empresas prestadoras de serviços.

    Por: Davi do Carmo Moreiral Negócios> Administraçãol 27/10/2008 lAcessos: 14,784 lComentário: 3

    A partir de uma revisão de literatura que possui como objeto de estudo a motivação e a mudança, este artigo científico pretende abordar o processo de mudança organizacional à luz dos aspectos motivacionais e de comunicação organizacional, tendo como base a percepção dos autores acadêmicos e a opinião de pessoas envolvidas, no intuito de indicar quais as ações que deveriam ser adotadas por uma Instituição de modo a facilitar o processo de mudança e estimular a adesão dos servidores .

    Por: Carlos Coutol Negócios> Gestãol 19/03/2012 lAcessos: 1,784

    Este artigo pretende demonstrar como os Recursos Humanos podem ser fonte de lucratividade para as empresas, com ênfase no varejo de pequeno porte. Apresenta-se uma exposição sobre a importância do Endomarketing no mundo corporativo. O Endomarketing visa à valorização do colaborador, através do entendimento do novo consumidor e de estratégias de diferenciação e inovação diante da concorrência. Além disso, o Endomarketing abre portas para a inserção do marketing nas empresas de pequeno porte em pr

    Por: JUCILENE CRISTINE DE OLIVEIRAl Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 28/10/2008 lAcessos: 8,830
    Roberto Pierre Rigaud

    No ambiente interno, a comunicação destina-se a manter o quadro de pessoal sempre informado do que ocorre na empresa, como um fator de motivação e participação. Desde o momento em que se contrata um novo funcionário, ele deve se familiarizar com o ambiente de trabalho, a filosofia e os objetivos da empresa.

    Por: Roberto Pierre Rigaudl Carreira> Recursos Humanosl 09/07/2009 lAcessos: 1,507

    Seriam os escândalos recentes envolvendo estatais brasileiras equivalentes ao Watergate? Por Cynthia Catlett - Sócia de Forensic Investigations & Dispute Services da Grant Thornton do Brasil-

    Por: Marianal Negócios> Gestãol 22/10/2014 lAcessos: 12

    É muito comum ver eletricistas trabalhando pela cidade para realizar novas instalações ou reparos na fiação elétrica. Este profissional tem um trabalho que exige muita perícia e técnica, precisando também estar equipado com muitos EPIs diferentes: capacete, óculos de proteção, luvas de alta tensão, botas, cinto de segurança e outros.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 17/10/2014
    Elisângela da Silva Pereira

    Quando pensamos em empreendedorismo e liderança muitas palavras imediatamente nos vem à cabeça, não é verdade? E pensando nessa pergunta, elaborei um artigo que tentando responder.

    Por: Elisângela da Silva Pereiral Negócios> Gestãol 17/10/2014

    Sempre acompanhamos em jornais, sites e revistas que o mercado demanda muitos tipos de matérias-primas. Alguns dos mais conhecidos é o petróleo, ferro, minérios, entre outros. Por outro lado, vale destacar que a borracha também é muito presente no fluxo industrial, tendo um aproveitamento muito alto devido sua capacidade de ser moldada para finalidades variadas.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 16/10/2014

    Falando sobre Gestão de Pessoas e Recursos Humanos, podemos de certo modo analisar que o estilo da Geração X está habituada à política de retenção de funcionários por longo tempo. E a Geração Y é mais descolada à cultura da empresa; chega, presta serviço, contribui para o desenvolvimento e crescimento, mas sai e muda no momento em que percebe a necessidade de crescer e buscar novas oportunidades. Os profissionais Y chegam trazendo novas ideias, visões e renovação.

    Por: Peri da Silva Santanal Negócios> Gestãol 15/10/2014 lAcessos: 11

    Infelizmente, ainda ocorrem negligências na indústria quando se trata de segurança. Enquanto não acontece nada ruim, ninguém toma nenhuma providência. Porém, quando alguém se machuca decorrente ao serviço prestado, começa então uma série de investigações e a culpa é jogada de um lado para outro.

    Por: Thiago Castriottol Negócios> Gestãol 14/10/2014

    Este artigo tem o propósito de orientar o empresário que estiver com a intenção de vender a sua empresa para seguir algumas providências no sentido de facilitar o processo de negociação e, por consequência, agilizar a transação de venda.

    Por: Paulo Strelczukl Negócios> Gestãol 14/10/2014 lAcessos: 13
    Victor Hugo Oliveira dos Anjos

    A tramitação dos Projetos de Lei ou só PL's parece bem simples, no que diz respeito à sua aprovação, ou seu veto. Um PL aprovado na Câmara dos Deputados, por exemplo, deve passar primeiramente nas comissões da casa para aprovação e, em seguida, deve ser enviado para a revisão dos Senadores, e vice-versa.

    Por: Victor Hugo Oliveira dos Anjosl Negócios> Gestãol 13/10/2014 lAcessos: 13
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast