Fatores na Análise Estratégica do Ambiente Externo

Publicado em: 17/09/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 1,133 |

Todos sabemos que não se pode reduzir uma análise estratégica a considerações sobre o ambiente externo em que está inserido o seu empreendimento, mas seria muita inocência, para não dizer falta de profissionalismo, abstrair aspectos ambientais em uma análise deste tipo.

A intenção, numa análise estratégica do ambiente, é, antes de mais nada, descobrirmos como as variáveis ambientais podem mudar e, em seguida, quais as implicações destas mudanças em nossa empresa.

 

Mas, quais fatores ambientais?

As variáveis ambientais, conforme as encaremos, podem ser classificadas de diversas maneiras. Para efeitos de uma análise macro, podemos agrupá-las em 4 grandes grupos, segundo Grieve Smith (2005):

  • Econômicas;
  • Social e demográficas;
  • Políticas; e
  • Tecnológicas.

FATORES ECONÔMICOS

Nos ECONÔMICOS incluem-se aqueles que tratam das economias nacional e internacional, bem como os específicos para um determinado tipo de indústria. Contrações e expansões econômicas mundiais como a que ainda ocorre em função da crise de 2008, são exemplos típicos deste contexto. As empresas, neste sentido, foram atingidas não apenas pelo nível geral de demanda na economia, mas também em função de aspectos financeiros particulares como taxas de câmbio, taxas de juros (LIBOR, EURIBOR, etc.). Nessa dimensão, ainda, note-se que há dificuldade em se fazer projeções porque há aqui duas situações: a primeira diz respeito ao fato de que temos de presumir que as condições gerais serão do mesmo tipo e, a segunda, diz respeito ao que se convencionou chamar "descontinuidades", ou seja, mudanças de paradigma. A possibilidade de se efetuar vendas pela internet é  exemplo, bem como a inserção poderosa da China na OMC.

FATORES SOCIAL E DEMOGRÁFICO

Sob os aspectos SOCIAL e DEMOGRÁFICO, temos várias situações. Uma das mais notáveis (e louváveis) foi a entrada das mulheres no mercado de trabalho. Há pelo menos 40 anos as mulheres vêm se inserindo no universo de atividades remuneradas e esse processo é irreversível. Muito se tem debitado esta mudança em função do deslocamento da vida produtiva dos campos para as cidades, o que é fato, mas também podemos debitar essa evolução social na conta da ampliação da educação e dos meios de informação. Aliás, no que diz respeito a Educação, o fato de não haver mais reprovações nas séries primárias do ciclo de educação de nossas crianças ainda trará efeitos nefastos para o Brasil.

FATORES POLÍTICOS

Já no que tange ao grupo de aspectos POLÍTICOS, não raramente há mudanças que alteram totalmente as relações entre empresas, governos, cidadãos e instituições sociais basilares como Congresso, Cortes de Justiça e Agências Reguladoras, entre outras. Se tomarmos o próprio Brasil pré-Collor como exemplo, certamente iremos nos lembrar que havia grandes dificuldades alfandegárias e mesmo de relação cambial, as quais impediam, em termos práticos, a obtenção de bens de consumo estrangeiros. Pior ainda, tal fato emperrava sobremaneira a evolução da indústria nacional a qual, em não podendo acessar maquinários modernos a preços competitivos, perdia cada vez mais e mais espaço no mercado internacional de produtos de valor agregado. Não por acaso, ainda hoje nos valemos das assim chamadas commodities, que, via de regra, são de baixíssimo valor agregado. No entanto, após 1990, com a abertura de nosso mercado aos bens importados a partir de uma diretriz presidencial, especialmente no setor de automotivos, houve um aumento substancial da qualidade e competitividade de nossa indústria.

FATORES TECNOLÓGICOS

Os fatores tecnológicos afetam as empresas de duas grandes maneiras: a)dando a oportunidade de se produzir novos produtos ou formas de produção; ou b) alterndo o ambiente no qual a firma opera, levando a uma competição desenfreada para se produzir produtos equivalentes àqueles que lideram uma mudança. Neste aspecto, inclusive, há uma decisão estratégica importante, que diz respeito à inovação: trata-se de decidir se é o caso de se arcar com os custos de ser um líder inovador no mercado em que se atua. Obviamente, ao se  optar por ser um líder inovador, assume-se um risco maior, tanto no desenvolvimento, quanto na introdução do item no mercado. Por outro lado, em obtendo-se o sucesso, garante-se um monopólio virtual naquele produto. Em contrapartida, ser uma empresa que segue simplesmente a "onda" do mercado é uma opção mais segura, mas há o preço de se estar "sempre atrás", com margens de lucro e fatias de mercado menores.

 

CONCLUSÃO

Como se vê, ao se juntar os diversos fatores ambientais externos nos grupos supra mencionados, consegue-se vislumbrar melhor as variáveis que podem influenciar os movimentos estratégicos no contexto em que se insere a empresa analisada.

Além disso, ao se tomar desta forma os grupos de fatores e procedendo-se às análises pertinentes, pode-se tomar medidas corretivas de rumo, inclusive com realinhamentos estratégicos decorrentes.

Por fim, conforme se observa, não há que se temer os fatores ambientais, mas, sim, mapeá-los e acompanhá-los, estando sempre pronto para eventuais ajustes necessários.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

(Artigo também disponível em http://www.brasiladmin.com)

Bibliografia citada:

SMITH, John Grieve; "Business Strategy -  An Introduction", The Economist Publications, 1985.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/gestao-artigos/fatores-na-analise-estrategica-do-ambiente-externo-3288256.html

    Palavras-chave do artigo:

    fatores

    ,

    analise

    ,

    estrategica

    Comentar sobre o artigo

    No fechamento desta curta série de três artigos, apresento uma síntese do conceito estratégico desenvolvido pelo general prussiano Carl von Clausewitz. A edição que utilizo do livro Da Guera (na verdade uma compilação de seus escritos e disciplinas ministradas para os oficiais da Prússia na primeira metade do século XIX) é a da editora Martins Fontes (São Paulo), lançada em 1996. O texto se desenvolve, como já é de costume, na definição de conceitos operacionais.

    Por: Lisandra Arezil Notícias & Sociedade> Polítical 30/10/2009 lAcessos: 261 lComentário: 1

    Neste segundo artigo, abordo as razões conceituais pelas quais me vi obrigado a estudar um intelectual e operador da direita brasileira, como é o caso de Golbery do Couto e Silva e a dedicação ao tema do estudo estratégico como estruturante da análise política. Conforme iniciei a argumentação no primeiro artigo, afirmo que cheguei neste objetivo e vontade através da prática da militância política motivada e fundamentada pelos estudos de rigor.

    Por: Lisandra Arezil Notícias & Sociedade> Polítical 23/10/2009 lAcessos: 100

    O planejamento estratégico gera um constante desafio aos gestores na busca da efetividade na organização. O planejamento estratégico conhecido e utilizado hoje é resultado da contribuição de inúmeros precursores que, no decorrer dos tempos, foram desenvolvendo e divulgando suas descobertas, estudos e práticas. Muitos desses precursores são autores preocupados com a solidificação do embasamento que justifique a prática do planejamento estratégico nas organizações.

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Ger. de Projetosl 15/10/2009 lAcessos: 6,977 lComentário: 2
    Bruno Lima Rocha

    Nesta semana, concluímos esta série de difusão científica da análise estratégica em seu sentido pleno trabalhando a partir da incidência política. Vale comentar que este texto é mais um guia, um extrato de pensamento aplicável, derivado de múltiplas origens (algumas bem singelas, e por isso mesmo, práticas), mas todas elas atravessadas pela Matriz Libertária de Pensamento e em particular por sua leitura Estruturalista.

    Por: Bruno Lima Rochal Notícias & Sociedade> Polítical 21/07/2010 lAcessos: 76
    antonio domingos araujo cunha

    A idéia de gerência de problemas como processo, vem acompanhada da necessidade de impor mudanças, por ora acompanhadas de resistência. No entanto se as expectativas podem ser superadas , na tentativa de produzir resultados e almejá-los no bojo das organizações obtendo delas o exato perfil para o desenvolvimento ordenado de tarefas e rotinas, capazes de garantir a eficácia e eficiência do processo produtivo parece ainda ser questão a ser discutida e analisada na ótica objetiva da Administração E

    Por: antonio domingos araujo cunhal Negócios> Administraçãol 06/08/2009 lAcessos: 2,273

    Novos tempos influenciam relações que favorecem empreendedor e sociedade, onde coloca a administração como forma de sustentação nas ações comerciais. Proporciona uma visão voltada as inclusões sociais, onde a diversidade expande nas mais diversas classes sociais. A Teoria da Evolução e da Revolução como fator de expansão de novos métodos, coloca a Missão como suprimento de uma visão voltada ao desenvolvimento organizacional.

    Por: Hélio Pereira da Silval Negócios> Administraçãol 23/03/2011 lAcessos: 579
    Valdec Romero Castelo Branco

    O objetivo deste artigo é caracterizar as inter-relações entre gestão ambiental, o papel e a importância da administração estratégica de Recursos Humanos como agente fomentador da educação ambiental. O tema abordado é significativamente amplo, complexo e polêmico, visto que envolvem uma série de variáveis sócio-econômico, cultural, ambiental, entre outras. As empresas estão conscientes da realidade ambiental, do papel e da importância do departamento de Recursos Humanos.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Educação> Ensino Superiorl 22/12/2010 lAcessos: 1,665

    O presente artigo aponta um estudo de caso sobre os procedimentos adotados por um banco para análise da viabilidade de conceder crédito a uma empresa correntista deste intermediário financeiro. As etapas da avaliação são realizadas de acordo com a política de crédito da instituição define como meio correto de se avaliar a credibilidade, idoneidade e autenticidade de seus clientes. O analista de crédito deve obedecer a Instrução Normativa da Instiuição para realizar a avaliação.

    Por: Luis Felipe Weber de Azevedol Finanças> Créditol 08/12/2011 lAcessos: 1,936
    Múcio Morais

    A análise de S.W.O.T., onde você avalía suas forças, fraquezas, oportunidades, e ameaças, é uma boa ferramenta no processo do planejamento é igualmente poderoso nas vendas e na tomada de decisão do marketing.

    Por: Múcio Moraisl Negócios> Vendasl 06/03/2008 lAcessos: 57,018

    Todas as vantagens de ter implementado numa empresa, independentemente que seja uma grande média ou pequena, um software de gestão. Como, com uma simples e completa ferramenta, se pode tirar o máximo partido das capacidades de uma empresa e dos que lá trabalham.

    Por: marial Negócios> Gestãol 16/09/2014
    Stile Embalagens

    A sacola plástica Boca de Palhaço PEBD é maleável, translúcida e brilhante, uma sacola que não não faz barulho e ainda valoriza a impressão. Por ser brilhante, quando a logomarca é impressa nas sacolas, ganha o brilho natural do plástico, e, consequentemente, ganha mais vida.

    Por: Stile Embalagensl Negócios> Gestãol 12/09/2014
    Jonatha Fernandes Machado

    Uma grande dúvida que a grande maioria dos empresários tem é como escolher um bom escritório contábil para assessorar a sua empresa. A concorrência no mercado contábil tem aumentado significativamente nos últimos tempos e o número de profissionais da área contábil tem ganhado uma grande remessa a cada semestre que passa e a cada prova que o conselho federa oferece para a aprovação destes profissionais. Vejamos os principais meios de escolha: Indicação A grande maioria dos empresários segue o i

    Por: Jonatha Fernandes Machadol Negócios> Gestãol 02/09/2014
    Leandro A da Silva

    Um campo chave para a análise sobre as classes desfavorecidas economicamente é averiguar quais aptidões são necessárias para as corporações empresariais identificarem, desenvolverem e ganharem com as oportunidades nesta classe

    Por: Leandro A da Silval Negócios> Gestãol 29/08/2014 lAcessos: 43

    A venda de uma indústria as vezes é uma coisa complexa. Quando você publica um anúncio: vendo empresa, significa que gostaria de vender uma indústria. Indústria é o tipo de negócio, em que você pode encontrar sozinho um investidor ou contratar um broker de negócios ou conselheiro M&A.

    Por: Marcos da Costal Negócios> Gestãol 25/08/2014
    Leandro A da Silva

    As estratégias colaborativas de concepção de valor representam o envolvimento da evidência histórica na produção como empenho causador de valor da economia capitalista para a demanda e consumo.

    Por: Leandro A da Silval Negócios> Gestãol 24/08/2014 lAcessos: 39
    Leandro A da Silva

    O Capitalismo é um dinâmico sistema conduzido pela maximização dos lucros onde a história demonstra distintas fases de desenvolvimento e renovação dos métodos de geração de valor. Na medida em que se expande, modificam-se as relações para que estas sejam ajustadas as suas próprias exigências.

    Por: Leandro A da Silval Negócios> Gestãol 24/08/2014 lAcessos: 41
    Leandro A da Silva

    A ausência de criatividade que permaneceu presente durante os últimos anos na maioria das estratégias delineadas pelas corporações multinacionais para os mercados emergentes, não modificou a grandeza dessa oportunidade que é verdadeiramente muito maior do que se idealizou.

    Por: Leandro A da Silval Negócios> Gestãol 24/08/2014 lAcessos: 45
    Diógenes Lima Neto

    De acordo com a Lei 8666/93, a Administração está autorizada a pedir, de seus fornecedores potenciais, algumas formas de garantias. A idéia é que a capacidade de prover tais garantias, juntamente com outras abordagens, funcione como um "dado objetivo de comprovação da qualificação econômico-financeira dos licitantes e para efeito de garantia ao adimplemento do contrato a ser ulteriormente celebrado", conforme consta do Art.31, § 2º, da citada lei. Mas há alguns aspectos que devem ser realçados.

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 23/08/2011 lAcessos: 529
    Diógenes Lima Neto

    Após a crise financeira de 2008-2009, de efeitos nefastos em nível global, muito se tem discutido e implementado em termos de formas de se aumentar o acompanhamento e controle societário sobre as empresas, o que acabou por ressuscitar e reforçar uma idéia não tão nova: a Governança Corporativa. Mas, afinal, o que seria isso? Tal é aplicável em Administração Pública? O governo brasileiro pratica isso? Veja e se surpreenda!

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 08/03/2011 lAcessos: 256
    Diógenes Lima Neto

    Qual a relação entre as diferentes perspectivas sobre a racionalidade com os diferentes modelos de tomada de decisão propostos por acadêmicos da área disciplinar da Administração Pública?

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 18/12/2010 lAcessos: 1,000
    Diógenes Lima Neto

    1. Simon criticou os trabalhos anteriores em ciência da administração e procurou estabelecer novos elementos necessários para uma teoria científica da administração. Será que conseguiu? 2. Quais as razões pelas quais Herbert Simon é apontado como o autor que rompe com a ortodoxia (Weber, Taylor, Wilson, etc) no estudo da Administração Pública? 3. De que forma é que poderemos considerar Simon (r)evolucionário?

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 16/12/2010 lAcessos: 1,559
    Diógenes Lima Neto

    Todos sabemos, em termos psicológicos, do peso da palavra Burocracia em nossas mentes. Morosidade, má gestão, mal atendimento, lentidão, filas, enfim, toda uma miríade de sensações e idéias ruins nos ocorrem ao pensar nessa palavra. Mas será que a idéia por trás da Burocracia sempre foi essa? Ou a deturpamos violentamente ao long dos anos? Fizemos algo para matá-la? Conseguimos? Veja nesse interessante artigo, o porque ela não vai morrer tão cedo...

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 18/10/2010 lAcessos: 192
    Diógenes Lima Neto

    Não faz muito tempo, um internauta nos questionou acerca da possibilidade (ou não) de se realizar licitações sigilosas. A questão girava em torno de um ponto que colocamos em uma de nossas apresentações postadas no Scribd, a saber: "uma licitação, por definição, não pode ser sigilosa, mas detalhes técnicos de seu objeto podem". E a pergunta de nossa colega era, exatamente, onde estava a sustentação legal para tal afirmação.

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Gestãol 17/09/2010 lAcessos: 1,245
    Diógenes Lima Neto

    O planejamento hoshin kanri ou Gerenciamento pelas Diretrizes (GDP), ou Desdobramento das Diretrizes, tem suas origens no Statistical Quality Control, sendo um dos fundamentos do Total Quality Management - TQM. Até por esta razão, torna-se um sistema para o controle da qualidade e para as atividades de melhoria contínua.

    Por: Diógenes Lima Netol Negócios> Administraçãol 17/09/2010 lAcessos: 1,769
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast