Planejamento estratégico, de curto, médio e longo prazo

10/02/2009 • Por • 35,561 Acessos

Se já é difícil entender uma língua que não se conhece ou domina, mais grave é entender de uma forma difusa expressões muito usadas em nossa própria língua, com um significado para uns e outro para outros.

Muitos usam Estratégia com o sentido de longo prazo. Assim quando se fala em Planejamento Estratégico pensam se tratar de planejamento em longo prazo. Planejamento de Longo Prazo é algo que você começa hoje para terminar algum tempo, digamos, quatro anos depois, num cenário sem mudanças que alterem sua decisão. Uma obra, um curso, um programa, um governo etc. Planejamento de Longo Prazo é algo que virou quase uma lenda nas empresas. Pode até existir, mas a maior parte dos profissionais nunca viu.

Drucker repetia sempre que "O planejamento estratégico não trata de decisões futuras. Trata do que haverá no futuro com base nas decisões do presente”. Estratégico é um futuro incerto e que os elementos e indicações do presente permitem que se especule, se desenhem cenários, se faça previsões. Em relação ao futuro e se atue em função disso, operacionalmente naquela direção. E no caminho se mantenha, corrija, ou se ajuste o cenário projetado. O estratégico é o incerto, sobre o qual se quer antecipar. É a mobilização de todos os recursos da empresa no âmbito global visando atingir objetivos definidos previamente. É uma metodologia gerencial que permite estabelecer o caminho a ser seguido pela empresa, visando elevar o grau de interações com os ambientes interno e externo.

Num mundo como o de hoje, onde a inovação se dá a qualquer momento e em qualquer campo e onde a obsolescência não tem prazo, chegar na frente é ser mais competitivo que os demais. Nesse sentido pensar estrategicamente é o diferencial. O conhecimento da organização, da sua arquitetura, de seus processos e a organização como um sistema gerador de bens e serviços, fornecerá a base para o planejamento.

As decisões existem somente no presente. O problema enfrentado por quem toma decisões não é o que a sua organização deve fazer amanhã. É o que devemos fazer hoje para estarmos preparados para a incerteza do amanhã? Já que qualquer plano para o futuro depende das ações efetivadas no presente. As ações passam primeiramente pela analise da Arquitetura Empresarial (EA) e da simulação dos Processos (BPA), hoje ferramentas (softwares) sofisticadas fornecem dados e apóiam a tomada de decisões.

Planejamento Estratégico é pensar um futuro incerto, definir objetivos baseados em cenários desenhados (As is), cenários projetados (To be) e investir nessa direção.

Os únicos limites das nossas realizações de amanhã são as nossas dúvidas e hesitações de hoje”. Roosevelt.

Wlademir Pinto da Silva - consultor - www.sofge.com.br

 

 

Perfil do Autor

Wlademir Pinto da Silva

Consultor de negócios, Gestão de Processos, Custeio baseado em atividade ABC