Segredos da boa comunicação

Publicado em: 23/06/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 207 |

Comunicamos-nos o tempo inteiro por meio da linguagem verbal e não-verbal. Quando transmitimos uma mensagem, em nosso modo de ver, falamos claro e objetivo e, por isto mesmo, podemos nos sentir ofendidos quando a outra pessoa interpreta de forma contrária a intenção colocada em palavras, sentimentos e ação.

As diferentes percepções têm a ver com as experiências pessoais que acumulamos ao longo da vida. Um dos pressupostos da Programação Neurolinguística é que "As pessoas respondem a sua experiência, não a realidade em si", em outras palavras "o mapa não é o território", significa que as respostas estão embasadas em crenças e valores. São referências que utilizamos para decifrar o que o outro quer transmitir e também, para formularmos a resposta.

Recebemos estímulos externos por meio do que vemos, ouvimos, degustamos e sentimos. Esses eventos passam pelos filtros universais da experiência: eliminação, generalização e distorção. Consequentemente formam-se memórias, informações, crenças, valores e instintos que geram pensamentos. Tais pensamentos criam representações internas que acessam os sentimentos e provocam alterações na fisiologia, desencadeando, então, o comportamento que impulsiona a resposta. Veja como é complexa a comunicação e apesar disso, nós conseguimos nos comunicar. 

A má interpretação da mensagem advém do fato de omitirmos partes importantes da história, deixamos lacunas e a outra pessoa as preenche de acordo com suas próprias experiências. Para evitarmos distorções dessa natureza, devemos entender "o mapa da realidade" do interlocutor. Isto pode ser feito usando a técnica de perguntar o que especificamente a pessoa quer dizer.

Perguntas esclarecem significados, extraem informações e aumentam as possibilidades de respostas. A pergunta inteligente amplia o campo de escolhas, enriquece o diálogo e melhora sensivelmente a comunicação. Podemos afirmar que é uma poderosa ferramenta na comunicação.

A chave para o bom diálogo é dar evidências, criar quadros com referências comuns entre as pessoas que receberão a mensagem. Usar palavras sensoriais que afetam os diferentes perfis: visual, auditivo e cinestésico. 

Pessoas visuais apreciam a beleza, a luminosidade. Uma das características desse perfil é a organização. Podem aprender pela observação. O visual diria: "a explicação está clara". Já os auditivos têm facilidade para aprender o que escutam. São capazes de ouvir uma música pela primeira vez e sair cantarolando. São eloquentes, falam com cadência e podem imitar facilmente outras pessoas.  Poderiam pronunciar: "a explicação fez eco em meus ouvidos". E os cinestésicos gostam de sentir, tocar, saborear. São movidos pelo sentimento, gostam de abraçar e olhar diretamente nos olhos. Aprendem com a prática. O cinestésico verbalizaria: "sinto-me satisfeito com a explicação". A simplicidade no uso da linguagem é o segredo da boa comunicação.

E eu estou aqui a me perguntar, será que atingi o objetivo de explicar a causa da interpretação distorcida da mensagem?

 "O significado da comunicação não é simplesmente aquilo que você pretende, mas também a resposta que obtém".

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/gestao-artigos/segredos-da-boa-comunicacao-6004223.html

    Palavras-chave do artigo:

    comunicacao

    ,

    visual

    ,

    auditivo

    Comentar sobre o artigo

    Armando Terribili Filho

    A comunicação visual pode ser uma aliada do Gerente de Projetos em suas comunições. Deve-se lembrar que conteúdo e formato nunca estão dissociados. Ademais, a quantidade de pessoas "visuais" e "cinestésicas" vem se mostrando crescente, sobretudo pelos estímulos atuais e pela redução da leitura no dia a dia dos jovens.

    Por: Armando Terribili Filhol Negócios> Ger. de Projetosl 16/09/2011 lAcessos: 180

    Evento é um fato que inconseqüentemente desperta a tenção de todos e a Comunicação Visual é um fator que determina total harmonia em qualquer tipo de trabalho. Dando ênfase e unindo estes dois fatores teremos a mensagem visual que todo “olhar” gostaria de observar com mais profundidade. Assim, como estamos falando em Comunicação Visual em Eventos nada mais do educarmos um alfabeto visual para que quando olhada e observada será facilmente decifrada em qualquer mensagem diária.

    Por: Juliana de Ávila Ulguiml Marketing e Publicidadel 16/04/2009 lAcessos: 5,819 lComentário: 6

    As conseqüências da velhice podem ser muitas, iremos citar algumas: deficiência visual, deficiência auditiva, problemas de destreza manual e alterações na saúde geral. Entre todas as privações sensoriais, a deficiência auditiva é a que produz maior impacto na comunicação, levando o indivíduo ao isolamento, fazendo-o evitar situações de comunicação que lhe pareçam constrangedoras.

    Por: VivaSom Aparelhos Auditivosl Saúde e Bem Estar> Medicinal 02/12/2010 lAcessos: 361

    O presente artigo buscou discutir tais experiências partindo do pressuposto que inclusão só se faz mediante um novo pensar e agir da sociedade comprometida e aberta para tal, bem como também levantamos algumas dificuldades encontradas.

    Por: Marcela Cristina Linhares Pereiral Educaçãol 11/11/2012 lAcessos: 134

    A inclusão de deficientes auditivos no cenário educacional é um tema bastante complexo, no qual a situação necessita ser analisada como um todo, a partir da realidade de cada meio. Para conseguir analisar a situação largamente, é necessário conhecer melhor o universo dos surdos, levando em consideração sua situação cotidiana de inclusão/exclusão no meio social como um todo, discutir e repensar práticas e teorias tomando como base uma questão sociocultural (não apenas audiológica).

    Por: Robson Silva dos Santosl Educaçãol 07/06/2009 lAcessos: 771

    O presente artigo, fruto de pesquisa desenvolvida em nível de mestrado junto PPGE da FACED/UFBA, tem como foco principal à ação pedagógica na área de Educação Especial, fazendo um recorte sobre as possibilidades e perspectivas da capoeira para pessoas com deficiência visual. Neste sentido apresentamos algumas reflexões e diálogos com autores da área, que apontam para as nuances da temática de investigação, a partir da analise do ritual da capoeira.

    Por: Jean Adriano Barros da Silval Educação> Ciêncial 28/09/2008 lAcessos: 1,538 lComentário: 1
    Leandro Rhein

    Quando nascemos, nosso sistema visual não está totalmente desenvolvido, as estruturas estão prontas, mas não aptas as suas funções completas; importantes mudanças quantitativas e qualitativas serão evidenciadas nos primeiros anos da vida, mas que se concluem antes de finalizada a puberdade. Aprenda o passo a passo.

    Por: Leandro Rheinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/10/2010 lAcessos: 558
    Diego Berro

    Antenado a essas novas descobertas das últimas décadas, as empresas de publicidade tem elaborado campanhas de marketing com mensagens direcionadas a atingir com eficácia, 100% dos clientes em potencial. Como as decisões dos consumidores são mais emocionais, a estratégia é influenciar os sentidos, de preferência todos eles ao mesmo tempo. Trabalhando todos os canais de comunicação em uma só mensagem, é possível despertar o mesmo interesse em todas as pessoas com o mesmo grau de eficácia e ...

    Por: Diego Berrol Negócios> Vendasl 25/07/2009 lAcessos: 2,788 lComentário: 1

    O presente artigo tem como proposta trazer temas questionadores e atualizados com relação á Deficiência Auditiva. No passado, costumava-se achar que a surdez era acompanhada por algum tipo de déficit de inteligência. Entretanto, com a inclusão dos surdos no processo educativo, compreendeu-se que eles, em sua maioria, não tinham a possibilidade de desenvolver a inteligência em virtude dos poucos estímulos que recebiam e que isto era devido à dificuldade de comunicação entre surdos e ouvintes.

    Por: LUCIANA DE SOUSA SANTOSl Educação> Ensino Superiorl 01/11/2012 lAcessos: 281

    Qual o valor que estaria disponível para pagar por uma solução de gestão, adaptada às necessidades da sua empresa, à sua forma de trabalhar e ao seu sector de actividade?

    Por: Inforestilol Negócios> Gestãol 10/04/2015
    Consultório do Varejo

    Para produzir vitrines criativas, é preciso conhecimento, liberdade, transpiração e ousadia. Mas como conjugar todas essas características ao mesmo tempo? "Ser alegre é a melhor coisa que existe… Mas para fazer um samba com beleza é preciso um bocado de tristeza…" Vinícius de Moraes.

    Por: Consultório do Varejol Negócios> Gestãol 08/04/2015
    Consultório do Varejo

    A Arquitetura de Varejo precisa estar atenta aos tetos nos projetos de lojas. O que antes era estrutural, hoje é um potencial formador de opinião.

    Por: Consultório do Varejol Negócios> Gestãol 08/04/2015
    Consultório do Varejo

    O Planograma é com frequência uma aborrecida porém necessária mistura de trabalho inventado pelos gnomos do marketing, que emergem de suas cavernas com dados, algoritmos sagrados obtidos por pesquisas de mercado na frente das prateleiras.

    Por: Consultório do Varejol Negócios> Gestãol 08/04/2015
    Consultório do Varejo

    O ritmo das mudanças sem precedentes no setor de varejo está produzindo uma crescente divisão entre aqueles que atuam e os que esperaram para ver. Varejistas inovadores respondem aos comportamentos de consumo dos consumidores mais exigentes, o que irá atrair um maior número de novos clientes, enquanto os retalhistas que procrastinam vão involuntariamente se tornar a fonte da perda de clientes e incorrer em uma deterioração de negócios inevitável.

    Por: Consultório do Varejol Negócios> Gestãol 08/04/2015
    Paulo Bandeira de Mello

    O Lean Six Sigma é amplamente utilizado como ferramenta de alavancagem da produtividade nas empresas ao redor do planeta. Ainda há, entretanto no Brasil, bolsões de resistências, principalmente em empresas de capital nacional e de porte médio. Trato, aqui, do que entendo ser uma necessidade de certa dose de"tropicalização" do método se quisermos vê-lo universalizado na cultura organizacional brasileira. Já se vê alguns artigos acadêmicos sobre esse tema e isso fortalece essa tese.

    Por: Paulo Bandeira de Mellol Negócios> Gestãol 07/04/2015
    Walter Gassenferth

    Este início de milênio trouxe uma sensível aceleração ao ritmo das mudanças para uma geração que tende a viver até os 100 anos. Por quantas inovações e por quantas mudanças de paradigma passarão estas pessoas das chamadas gerações Y e Z, durante suas vidas?

    Por: Walter Gassenferthl Negócios> Gestãol 06/04/2015 lAcessos: 102

    Poucos profissionais que ocupam cargos de liderança se preocupam com a avaliação de desempenho de seus liderados. Em muitos casos a avaliação é vista como sinonimo de bronca! Na verdade, ela é a mais eficaz ferramenta de motivação e desempenho profissional.

    Por: José Carlos Maron Jr.l Negócios> Gestãol 30/03/2015
    Noscilene Santos

    Começando pela Soberba relativa ao orgulho. Refere-se àquele que julga ser melhor que os outros. O orgulhoso torna-se individualista, evita pedir ajuda, pois ele próprio se basta. É o centro do universo. Numa equipe, esse perfil de liderança impediria o crescimento de seus colaboradores, por sua intolerância com erros e, até mesmo, desrespeito às ideias e opiniões.

    Por: Noscilene Santosl Carreira> Gestão de Carreiral 29/03/2015 lAcessos: 18
    Noscilene Santos

    "Conheça-te a ti mesmo". Ter consciência das próprias escolhas elimina diversas muletas colecionadas ao longo da vida, por exemplo aquele chavão: "conseguiu ser promovido em meu lugar porque é um puxa-saco".

    Por: Noscilene Santosl Carreira> Recursos Humanosl 20/01/2014 lAcessos: 42
    Noscilene Santos

    No início do século XXI, estudos realizados por Hersey & Blanchard, deram origem a liderança situacional, baseado em modelos já conhecidos como a teoria de Maslow, Hetzberg, Douglas Mcgregor e muitos outros. Para os autores, a ação do líder deve estar relacionada ao grau de maturidade do colaborador, que consiste na capacidade de estabelecer objetivos, aceitar responsabilidades e na habilidade em desempenhar tarefas, mantendo em foco as diretrizes estabelecidas pela empresa.

    Por: Noscilene Santosl Negócios> Gerêncial 30/11/2013 lAcessos: 43
    Noscilene Santos

    Reter talentos é essencial para estabelecer a tranquilidade na hora de realizar o processo de sucessão. O banco de futuros líderes, deve ser monitorado com regularidade, assim a fase de transição será mais rápida, eficaz e motivadora já que estará valorizando o profissional interno.

    Por: Noscilene Santosl Carreira> Gestão de Carreiral 08/10/2013 lAcessos: 44
    Noscilene Santos

    Qual foi a história mais significativa em sua trajetória profissional? Quem foi o herói que influenciou em sua formação? A quem você serviu de referencia?

    Por: Noscilene Santosl Negócios> Administraçãol 26/07/2013 lAcessos: 42
    Noscilene Santos

    O feedback, enquanto instrumento de comunicação, nos permite compreender se as mensagens emitidas são decodificadas pelo receptor de acordo com o retorno da resposta por ele formulada. A experiência tem nos mostrado que o domínio dessa ferramenta é o diferencial em liderança, por conduzir as pessoas à reflexão construtiva, à ação e à superação.

    Por: Noscilene Santosl Negócios> Gestãol 28/04/2013 lAcessos: 75
    Noscilene Santos

    No processo de coaching a comunicação, em suas variadas dimensões: verbal e não verbal, determina o sucesso do coachee. Comparando as funções do líder com as do Coach, podemos perceber similaridades como o apoio e a orientação em direção aos resultados almejados e é nesse sentido que referendamos o coaching como ferramenta extremamente eficaz na liderança.

    Por: Noscilene Santosl Negócios> Gestãol 02/03/2013 lAcessos: 97
    Noscilene Santos

    Um líder, preocupado com o desempenho de sua equipe, se deu conta de que tratava seus colaboradores como se todos fossem iguais a ele. Seu perfil profissional era daqueles que ao receber uma tarefa, com poucas palavras, já compreendia a missão e partia para a ação. Não precisava de muitos detalhes. Então, ao delegar atividades à sua equipe, ele agia da mesma maneira, transmitia informações que, em sua visão, seriam suficientes. A consequência desse comportamento era a insatisfação.

    Por: Noscilene Santosl Negócios> Gestãol 02/03/2013 lAcessos: 64
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast