Coaching: faça dinheiro ajudando pessoas

25/07/2013 • Por • 45 Acessos

Você fez as formações para atuar com coaching. Investiu milhares de reais em cursos com certificações internacionais de nomes complicados. Conheceu treinadores renomados até internacionalmente, tendo a oportunidade de tirar suas dúvidas e até almoçar com eles. Muitas vezes, se deslocou para outras cidades - ou até mesmo outros países -, custeando passagens, hotel e alimentação. Fora a compra de livros, que nem sempre são baratos, mas que ajudam no exercício da profissão.

Se você fez tudo isso, deve estar se dando bem, certo?! Aliás, você fez cursos e estudou bastante. Investiu muitas horas da sua vida para fazer do coaching a sua profissão. Agora que você é um Coach com Certificação Internacional, está pronto para ajudar as pessoas a despertarem o seu mais alto potencial e a realizarem os seus sonhos mais inspiradores.

Caro leitor, vamos ser honestos, ok?! Você se dedicou, mas está frustrado. Por melhor que você seja, o mercado não te enxerga e você está com muitos horários vagos na sua agenda. Não foi isso que você comprou quando resolveu pagar R$5.000,00, mais a estadia, pelo curso com aquele famoso Master Trainer Coach. Você estava comprando realização profissional, independência financeira e, o mais importante, a capacidade de transformar a vida dos seus clientes, despertando o que eles têm de melhor. Mas não foi isso que o curso entregou. Na compra, você só obteve técnicas e ferramentas de coaching. Como resultado, você não consegue se firmar no mercado e acaba se frustrando com a sua escolha.

Muitos coaches acabam se considerando uma farsa e desistindo dos seus sonhos. Aquele investimento acaba indo para o ralo e você fica pensando se não poderia ter aproveitado o seu tempo de uma forma mais produtiva e menos custosa.

Se você se identifica com esta situação, saiba que a maioria dos coaches estão passando por isso. Intuitivamente, diria que 95% acaba desistindo e assumindo outras profissões que, muitas vezes, não tem muito a ver com sua verdadeira vocação.

Agora você já sabe que dominar as ferramentas de coaching não é o suficiente. No entanto, você não precisa continuar sofrendo com essa situação. O que está faltando? Por que a sua vida profissional não vai pra frente? Você domina o coaching e não consegue clientes, o que está errado?

A esmagadora maioria das formações de coaching se preocupa tão somente em transmitir as técnicas necessárias ao exercício da profissão. Os cursos não passam qualquer instrução relevante sobre como garantir o seu lugar no mercado; criar uma base respeitável de clientes; fazer do coaching uma fonte relevante de renda; gerar outras formas de lucro além dos atendimentos individuais... Resumindo, os cursos de coaching NÃO te ensinam a ganhar dinheiro com coaching! Parece um absurdo, mas é isso mesmo o que acontece! Uma coisa é dominar a arte do coaching. Outra, é fazer do coaching uma atividade verdadeiramente rentável. E é disso que falaremos daqui por diante.

Se o caro leitor possui uma boa formação, pode-se dizer que você é competente o suficiente para fazer o seu cliente sair do estado atual e atingir o estado por ele desejado. Se você ainda não sabe fazer isso, precisa voltar para a sala de aula e para os livros, mas continue lendo este artigo. Para o domínio do coaching, você deve desenvolver competências específicas, como escuta ativa, rapport, raciocício rápido para perguntas etc.

Outra coisa é fazer do coaching uma atividade rentável, ou seja, estou me referindo a ganhar dinheiro, ganhar muito e ganhar sempre. E posso apostar que nenhum dos seus instrutores internacionais dedicou algum tempo neste assunto, e, se dedicou, certamente o fez de forma bem superficial. Você pode ser um bom coach e estar apto a atender os seus clientes, mas ainda não desenvolveu as competências para transformar a sua prática e o seu conhecimento em algo verdadeiramente lucrativo.

Quais são as competências de que estou falando? Refiro-me à capacidade de encontrar oportunidades, bem como criar e executar planos para poder aproveitá-las. Sendo mais específico, nos baseando em alguns conhecimentos de marketing, procure fazer o seguinte:

1. Definir o seu nicho de mercado. Se você é um generalista, quando entrar num nicho qualquer, os especialistas que ali dominam vão chutá-lo imediatamente para escanteio. Há muitos públicos-alvo e você deve se especializar em pelo menos um deles para ser visto como um referencial. As pessoas daquele grupo devem ter você em mente quando quiserem resolver seus problemas. Em função das soluções que apresenta, você deve ser uma fonte confiável para elas.

2. Conhecer o seu nicho de mercado. Não basta escolher, você deve saber o que aquelas pessoas estão precisando. Quais são suas maiores frustrações? Quais são os seus maiores problemas? Quais são os seus maiores medos? Quais são os seus maiores desejos? Conheça a fundo o seu público e mostre a eles que você entende a sua dor e pode contribuir com algo valioso.

3. Crie soluções para o seu público. Agora que você conhece o seu público alvo, deve criar soluções que atendam as suas maiores necessidades, que eliminem as suas maiores frustrações e que resolvam os seus maiores problemas. Tenha em mente que você deve criar produtos e serviços que facilite a vida do seu cliente. Se você tem soluções que sejam mais baratas, mais cômodas, mais acessíveis, mais rápidas etc, você terá um negócio em mãos. Escolha qual será o seu diferencial. As suas soluções tem que acertar os problemas do seu público como uma flecha acerta o centro do seu alvo.

4. Mostre ao seu público alvo que você existe e que tem algo valioso para oferecer a eles. Não adianta você ser bom o bastante e as pessoas não saberem que você existe. Interaja com o seu público, frequente as comunidades nas redes sociais; escreva em blogs e em bancos de artigos; frequente os fóruns e responda às dúvidas do seu público; pergunte aos seus amigos se eles conhecem alguém que pode se interessar pelo o que você faz; esteja presente nos eventos frequentados por ele. Não pense que seus clientes simplesmente virão. Eles primeiro precisam saber que você existe.

5. Provar que você é realmente bom. O seu público quer provas da sua competência. Publique os testemunhos dos seus clientes; gere conteúdo gratuito que seja realmente útil; mostre que o cliente vai ter um retorno muito maior que o investimento feito nos seus produtos e serviços.

Meus caros, espero que este texto sirva de ponta-pé inicial para transformar o sonho do coaching em realidade. Busquem desenvolver as competências que estão faltando e sempre tenham o desejo sincero de querer ajudar o seu público-alvo.

Especializar-se cada vez mais em coaching não vai fazê-lo ter sucesso. Você já deve conhecer profissionais menos aptos e que possuem resultados melhores que os seus. Se você já domina a arte do coaching, concentre 70% do seu tempo para aprender como criar um negócio a partir do que você já tem.

Arregace as mangas e comece a agir!

Perfil do Autor

Rodolfo Milfont

Rodolfo Milfont é graduado em Direito e Filosofia. É, também, Master Coach e Master Practitioner em PNL. Trabalha atualmente co...