O TRABALHO DO SOCIÓLOGO

08/08/2010 • Por • 8,472 Acessos

Excelentíssimo prof. Dr. Enio Waldir da Silva (UNIJUÍ-RS); Ilustríssima prof. Ana Lúcia Guimarães (IEB); Ilustríssima prof. Ana Cláudia Barreto (FACE); Colegas Sociólogos e amados familiares aqui presentes. É com imensurável satisfação que os reencontro neste auditório para compartilharmos mais uma vitória – a DIPLOMAÇÃO.

 

O Trabalho do Sociólogo

 

O campo de trabalho do engenheiro civil é a obra, é a construção. O campo de trabalho do professor é a sala de aula; o do médico é o consultório, ambulatório, hospital; o do cantor é o palco; o do artista plástico é o atelier; enfim, cada profissional resume o seu tempo de efetivo trabalho às horas em que está desempenhando as funções inerentes à sua formação.

 

E o Sociólogo? Onde está o seu campo de trabalho?...

 

Ora, desde que acorda, o Sociólogo entra em contato com o seu campo de trabalho e ao mirar-se no espelho vê um dos seus objetos de pesquisa. O Sociólogo é o pesquisador que, ao mesmo tempo, é o seu próprio objeto de pesquisa: eis o diferencial que faz do Sociólogo o profissional que não distingue o seu efetivo labor dos diversos papéis que o Ser Humano representa no seu dia-a-dia como ator social. Enquanto chefe de família, no seio do seu lar, o(a) Sociólogo(a) exerce as suas funções como um profissional de fato. Durante um rito religioso, o(a) Sociólogo(a) não é um fiel como os demais, pois o seu olhar tem um veio fatídico. Na prática do esporte, o(a) Sociólogo(a) busca em si e no outro o porquê da repetição daquele erro ou acerto. Na empresa para a qual presta consultoria, o(a) Sociólogo(a) não se limita a analisar situações a partir do que lhe foi solicitado, pois, apesar de não ser percebido, o seu olhar é crítico e percorre os ambientes a 360 graus, identificando seres inanimados, mas, principalmente, procurando pessoas, seus gestos, movimentos, suas falas, interrelações, sua cultura.

 

O profissional das Ciências Sociais (Antropólogo, Cientista Político, Sociólogo) é um produtor incessante de argumentos (dialéticos, compreensivos ou analíticos) resultantes da observação dos efeitos dos conflitos, ações e fatos sociais. Para ilustrar, basta lembrar que, num simples diálogo ocorrido na esquina, no restaurante, no mercado, na igreja, na praia, na escola, em casa ou no trabalho, a(o) Socióloga(o) modifica a realidade da pessoa com quem ela(e) conversa. O discurso positivo enleva o ouvinte na medida em que conjuga atitudes que valorizam a coletividade local e incentivam a troca de conhecimentos. Portanto, o Sociólogo produz a todo momento, desde que se pronuncie de forma justa e ética.

 

Imagine, agora, uma grande área de relva tenra (grama nova), pontilhado de arvoredos e cortado sinuosamente por um rio de águas límpidas, sobre o qual se vê uma pequena ponte romana que dá acesso a uma singela, porém bonita casa. Mas algo está errado nesse lugar... não se vêem pessoas. A sua curiosidade sociológica dirige seu olhar para aquela casa, ao longe, querendo revelar como vivem seus integrantes, como se relacionam entre si e com aquele ambiente.

 

Ah! Se a todo e qualquer lugar aonde vai o(a) Sociólogo(a), este(a) desempenha o seu papel como tal, durante 24 horas por dia, então é o mundo o campo de trabalho do(a) Sociólogo(a); e a vida humana, o seu objeto geral de pesquisa.

 

São as Teorias Sociológicas que nos permitem interpretar situações como a imaginada há pouco. Teorias Sociológicas nos ajudam a compreender melhor a sociedade em que vivemos e fornecem elementos para a nossa ação prática, que pode levar a mudanças sociais e ao nosso engajamento em movimentos políticos.

 

Para Karl Marx, economista e Sociólogo alemão, o objeto da sociologia é a luta de classe, em que uma minoria (burguesia) sobrepõe-se a uma maioria (proletariado).

 

Para Max Weber, Sociólogo alemão, o objeto da sociologia é a ação social, quando os indivíduos orientam-se através das ações dos demais atores sociais.

 

Para Èmile Durkheim, fundador da Escola de Sociologia francesa, o objeto de estudo da Sociologia são os fatos sociais, ou seja, as regras impostas pela sociedade: leis, normas e costumes, que são passados de geração a geração.

 

Nos dias atuais, início do terceiro milênio, pesquisar o mercado, mídia e opinião; assessorar governos através de pesquisas sociais, meio-ambiente, processos excludentes, planejamento urbanístico, violência, política científica; assessorar sindicatos, trabalhadores rurais e ONG's por intermédio de intervenções sociais; dar suporte a partidos políticos e empresas, principalmente na parte de desenvolvimento social, relações de trabalho e mediação de conflitos constituem as principais oportunidades de trabalho para o Sociólogo. Mas o topo desta lista está sendo ocupado, em curva ascendente, pelo Licenciado em Sociologia, que pode lecionar nos cursos do ensino Médio e pelo Mestre ou Doutor em Ciências Sociais, habilitado para ministrar aulas e/ou coordenar cursos no ensino superior, além de realizar pesquisas de alto nível em universidades.

 

Sociólogo(a)s! Temos uma missão muitíssimo importante: dar manutenção à Sociedade, de forma que ela caminhe em ordem e em evolução constante.

 

Muito obrigado por terem emprestado seus tímpanos a este simplório e curto pronunciamento.

 

 

José Augusto de Pinho Barbosa

Sociólogo

Zeubarbosa1@gmail.com.br

 

 

 

Discurso proferido em 07 de agosto de 2010, em Valença-Ba, na Diplomação de 80 Bacharéis em Sociologia, que Colaram Grau em 13.03.2010 na UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Perfil do Autor

ZÉU BARBOSA

Zéu Barbosa: Bacharel em Sociologia pela UNIJUÍ - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.