Relação Entre Chefe E Empregado

Publicado em: 20/10/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 8,521 |

O funcionário popularmente conhecido como "puxa-saco" e o patrão autoritário. Dois clichês que perduram com o passar dos anos nas corporações. Mas será que eles ainda realmente existem? A concepção da relação entre o chefe e empregado vem se alterando no universo corporativo e os profissionais e empresas devem se enquadrar a essa nova realidade, formada pela colaboração entre as partes, comunicação clara e trabalho em equipe.

Qualquer excesso na convivência entre superior e subordinado poderá ser entendido como bajulação. Portanto, a educação e a etiqueta profissional devem prevalecer na interação. "O profissional subordinado deve respeitar seu superior, mas não deve se submeter quando encontrar uma melhor solução. Deve, respeitosamente, apresentar sua opinião e esperar a devolução do seu superior", afirma Fátima Sanchez, gerente de desenvolvimento de pessoal da Personal Service, empresa especializada em Facilities Management e Soluções em Gestão de Recursos Humanos. "O puxa-saco é um bajulador em potencial e é tão presente que até tem dia de comemoração, dia 13 de setembro", completa.

É completamente possível interagir com o chefe sem ser visto como puxa-saco. Isso ocorre a partir do momento em que se coloca a marca pessoal nos trabalhos realizados, conquistando resultados concretos e significativos. É importante um diálogo aberto, levando em contas as opiniões transmitidas e compartilhando as suas. Profissionais com boa relação com seus chefes geram resultados positivos, propiciam desenvolvimento, reconhecimento, diretrizes claras e expectativas alinhadas. "Há pesquisas que apontam que um dos principais motivadores de boas performances dos colaboradores de uma empresa é a qualidade de relacionamento com o líder imediato. Não há melhor contexto de trabalho para o desenvolvimento profissional de um colaborador", explica Priscila Azevedo, psicóloga com especialização em orientação profissional e carreira.

Uma comunicação transparente é ferramenta essencial para essa relação. Para muitos, a maior dificuldade é superar a barreira que, supostamente, existe com o empregador. Um diálogo regado de bom senso e postura profissional podem gerar excelentes resultados, melhorando o relacionamento e a confiança. "É preciso um bom grau de conhecimento do outro para entender os motivos da barreira. Uma boa conversa franca e honesta com o chefe pode valer a pena", explica Fátima Sanchez. Para ela, é necessário saber dos pontos fortes e fracos que impactam na relação sem que haja "puxa-saquismo". Às vezes é isso que incomoda na relação com chefe

Não existe regra para quem deve tomar partido para um diálogo mais livre, a fim de criar um canal mais aberto. Dividir sucessos diários e dificuldades podem ajudar a melhorar o desempenho e permite que o superior tenha mais liberdade de dar feedbacks, por exemplo. "O papel do líder é estimular seu funcionário e desenvolvê-lo. Para isso deve conhecê-lo, saber seus objetivos, sonhos e fatores de motivação. Para que isto ocorra, é imprescindível que o líder se comunique com seus liderados", afirma Luciano Amato, Diretor Executivo da Training People, empresa especializada em treinamentos e palestras gerenciais, comportamentais, de segurança do trabalho e diagnóstico da área de atendimento ao cliente.

O interessante é que o líder possa propiciar um ambiente de facilitação para o diálogo, de forma que seus colaboradores sintam-se à vontade para interagir, perguntar, dividir e confiar. "Para o colaborador, o melhor é não se isolar e compartilhar ideias e iniciativas de valor agregado para a equipe ou para o trabalho com seu superior. Já para o líder, aumentará sua credibilidade e força, e os colaboradores não se sentirão acuados ou negativamente pressionados", aponta Priscila Azevedo.

Luciano Amato apontas falhas clássicas de um profissional sem o devido preparo para cargo de liderança:

- não comunicar claramente as metas para área;

- não dar feedback constante;

- não treinar sucessores por questão de insegurança;

- assumir créditos de idéias de liderados perante seus superiores;

- manter-se distante dos liderados sem criar uma política de portas abertas;

- não estimular a criatividade, autonomia e desenvolvimento tornando os liderados dependentes.

"É importante lembrar a importância do papel do líder nos resultados e retenção de talentos, pois segundo pesquisa do Instituto Gallup, mais de dois terços das pessoas se demite dos ‘chefes' e não das empresas", informa o diretor.

Fonte: Empregos Catho Online

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/gestao-de-carreira-artigos/relacao-entre-chefe-e-empregado-1360412.html

    Palavras-chave do artigo:

    empregos

    ,

    deficientes

    ,

    catho online

    Comentar sobre o artigo

    Está previsto em lei que empresas devem contratar pessoas portadoras de deficiência e, por sinal, esta lei vai fazer 18 anos em 24 de julho. Mesmo prestes a completar a maioridade, empresas ainda encontram muitas dificuldades para cumprirem esta legislação. Por outro lado, os deficientes também esbarram em inúmeros problemas para serem inseridos na sociedade e no mercado de trabalho.

    Por: cathoonlinel Carreira> Gestão de Carreiral 07/10/2009 lAcessos: 264

    O presente texto aborda as dificeis relações entre cultura organizacional e pessoal. As potencialidades e dificuldades administrativas pessoais e profissionais.

    Por: Reginaldo Posol Carreira> Gestão de Carreiral 16/12/2014
    Sandra Turchi

    De maneira geral, coaching é definido como o processo de equipar indivíduos com ferramentas, conhecimentos e oportunidades que eles precisam para se desenvolver e se tornarem mais efetivos. Mais especificamente, o Coaching Executivo é um processo personalizado e centrado no profissional. Mas, o que o Coaching Executivo por fazer por sua empresa?

    Por: Sandra Turchil Carreira> Gestão de Carreiral 15/12/2014
    Newton Paulo Monteiro

    Este texto apresenta o conceito de portfolio career aplicado à área de Letras. Embora ainda pouco mencionado no Brasil, o conceito já é uma prática na Europa, onde tem sido considerado uma alternativa às mudanças do mercado de trabalho e um caminho para realização profissional.

    Por: Newton Paulo Monteirol Carreira> Gestão de Carreiral 11/12/2014
    Newton Paulo Monteiro

    Este artigo apresenta algumas das opções de atuação profissional para graduados em Letras, deixando claro que a área é muito mais ampla do que normalmente se imagina.

    Por: Newton Paulo Monteirol Carreira> Gestão de Carreiral 11/12/2014
    Armando Terribili Filho

    Artigo que aborda alguns métodos de Planejamento e Gestão de Carreira com base em reconhecidos autores espanhóis e brasileiros, com destaque para: Método 4D, Autocoacghing e 5 ferramentas essenciais, respectivamente de autoria de Fabio Gonzalezz H., Perdro Amador e Heitor Bergamini. Planejar a sua carreira é hoje uma necessidade: saber "onde" se quer chegar, conhecer os requisitos necessários de conhecimento, habilidades e networking, estabelecer e monitorar um realista Plano de Ação.

    Por: Armando Terribili Filhol Carreira> Gestão de Carreiral 05/12/2014
    Newton Paulo Monteiro

    Muita gente ignora o valor das humanidades em sua formação. Mas o futuro do trabalho exige formas inovadoras de diferenciação.

    Por: Newton Paulo Monteirol Carreira> Gestão de Carreiral 03/12/2014

    Pessoas criativas têm várias características e qualidades específicas que as diferenciam bastante de indivíduos menos criativos. Conhecendo essas características e desenvolvendo-as conscientemente, todos nós acabaremos incorporando automaticamente esses atributos e habilidades às nossas competências profissionais e pessoais.

    Por: Ernesto Bergl Carreira> Gestão de Carreiral 24/11/2014

    Poucas ferramentas de otimização do uso do tempo são tão vilipendiadas, tão mal utilizadas e conduzidas com tanto despreparo como a reunião. Faça o teste e verifique sua pontuação.

    Por: Ernesto Bergl Carreira> Gestão de Carreiral 10/11/2014

    Desde 2001, o Datafolha realiza anualmente a pesquisa Top of Mind, que revela quais são as marcas mais lembradas pela população brasileira. Para a edição de 2009, o instituto de pesquisa, pertencente ao Grupo Folha, entrevistou 5.667 brasileiros com idade a partir de 16 anos e de diferentes classes sociais e graus de escolaridade, em 161 municípios.

    Por: cathoonlinel Internetl 04/02/2010 lAcessos: 578

    A motivação é o primeiro passo para o sucesso da organização. Funcionários satisfeitos com seu trabalho e que se sentem respeitados e reconhecidos por aquilo que desenvolvem tornam-se parceiros de negócio, fazem muito além do que as suas obrigações e se preocupam com o andamento da empresa. Todos precisam estar motivados!

    Por: cathoonlinel Internetl 27/01/2010 lAcessos: 456

    m 1997, quando a Internet estava surgindo no Brasil, o recém-formado engenheiro de computação Adriano Arruda foi contratado por Thomas Case, fundador da consultoria de Recursos Humanos brasileira Catho para criar o website da empresa. Voltada a recolocação de executivos no mercado de trabalho, a consultoria havia sido criada em 1977 pelo norte-americano que, ao se mudar para o Brasil a trabalho, acabou sendo demitido.

    Por: cathoonlinel Carreiral 14/01/2010 lAcessos: 382

    No mercado de trabalho, o conhecimento é uma das armas mais poderosas para profissionais de todos os níveis e áreas alcançarem seus objetivos de crescimento, seja conseguir uma promoção, seja conseguir uma nova oportunidade no mercado de trabalho. É cada dia mais comum nos depararmos com altos executivos que voltaram aos bancos escolares em busca de aperfeiçoamento e especialização, assim como profissionais que enfrentam concorridos vestibulares para se arriscarem numa nova profissão.

    Por: cathoonlinel Carreira> Gestão de Carreiral 14/01/2010 lAcessos: 340

    Se a sua idéia é arrumar um emprego pela Internet, a primeira coisa a fazer é deixar o curriculum, pronto, à mão, para preencher as fichas virtuais que vai encontrar nos sites dos headhunters e nas home pages das empresas.

    Por: cathoonlinel Carreiral 14/01/2010 lAcessos: 673

    Uma recente pesquisa realizada pelo Grupo Catho, entre os meses de maio e julho deste ano em todo o Brasil, revelou que o período de desemprego para aqueles que procuram uma recolocação no mercado é 26 dias menor quando essa busca é feita pela Internet. O questionário, composto por 348 perguntas, foi respondido por mais de 31 mil profissionais. A pesquisa mostrou também que, por meio de indicações, os candidatos levam quase sete dias a mais para conseguir uma vaga. Já as contratações em regime

    Por: cathoonlinel Carreiral 14/01/2010 lAcessos: 393

    As empresas estão mais criteriosas na escolha de seus profissionais. Ao anunciar uma vaga de emprego, a empresa busca no candidato muitos fatores...

    Por: cathoonlinel Negócios> Gestãol 30/11/2009 lAcessos: 818

    Mês de dezembro: férias, comemorações e também a melhor e mais adequada época para retomar contatos perdidos durante o ano. Mas como o tempo acaba distanciando as pessoas e tornando a reaproximação, muitas vezes, uma tarefa difícil, conversamos com a consultora de etiqueta corporativa Lícia Egger-Moellwald para dar algumas dicas de como manter essa reaproximação sem ser indelicado ou exagerado demais.

    Por: cathoonlinel Carreiral 25/11/2009 lAcessos: 193

    Comments on this article

    1
    cristiano 05/08/2010
    gostei do artigo e tenho uma dúvida : Um chefe de um setor deve chamar seus subordinados de "meus funcionários", sendo que ele não é o propietário da empresa?
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast