Cemig Multou, Mas Energia Elétrica Não Pode Ser Cortada Nem Pode Haver Inscrição Em Cadastro De Devedor Antes Do Final Da Ação Judicial

Publicado em: 03/02/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 4,019 |

O fornecimento de energia elétrica é essencial e, portanto, não pode ser interrompido em razão de débito do consumidor. Além disso, não é permitida a inscrição em cadastro de devedores por dívida ainda discutida na Justiça. O entendimento é da 21ª Câmara Cível do TJRS, que confirmou liminar deferida em 1º Grau em julgamento ocorrido dia 23/9.

No Agravo interposto, a CEEE sustentou que foi constatada a existência de irregularidades no medidor de energia elétrica e, a seguir, elaborado cálculo de recuperação de consumo, fixado em R$ 6.011,91. Uma vez que o consumidor não pagou esse valor, defendeu a concessionária, é possível a interrupção do serviço, bem como sua inscrição em cadastro de inadimplentes. Alegou ainda que a multa diária fixada pelo descumprimento da decisão, arbitrada em ½ salário mínimo, é excessiva.


Na avaliação do Desembargador Francisco José Moesch, relator, é incabível o corte de luz, por se tratar de serviço de utilidade pública “indispensável à vida e à saúde das pessoas”, devendo ser fornecido de forma contínua. Enfatizou que, em caso de dívida, há meios legais para sua cobrança sem a suspensão, que, na avaliação do magistrado, “além de expor o consumidor ao ridículo e ao constrangimento, é forma insidiosa de coação (…)”

Apontou a inviabilidade de inscrição em cadastro de inadimplentes antes da sentença definitiva, porque a ação em andamento discute não apenas o valor do débito, mas também sua existência. Manteve, ainda, o valor da multa por considerar seu valor razoável e proporcional ao que se destina proteger, salientando que a medida tem por finalidade compelir o devedor ao cumprimento da determinação.

Acompanharam o voto do relator os Desembargadores Liselena Schifino Robles Ribeiro e Genaro José Baroni Borges.

Proc. 70031426463

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/jurisprudencia-artigos/cemig-multou-mas-energia-eletrica-nao-pode-ser-cortada-nem-pode-haver-inscricao-em-cadastro-de-devedor-antes-do-final-da-acao-judicial-1817629.html

    Palavras-chave do artigo:

    cemig multou

    ,

    multa cemig

    ,

    gato energia

    Comentar sobre o artigo

    O abandono afetivo relacionado diretamente e comprovado traz ao paciente da ação um prejuízo em relação ao contexto inserido no que se diz respeito a falta de interação quando uma das partes é prejudicada diretamente.

    Por: Lívia Santosl Direito> Jurisprudêncial 25/11/2014

    A afetividade no sentido de filiação prevê que, o descendente, sobre a guarda em caráter judicial ou não, é um ato liberal e intrínseco, que obtendo a particularidade de ter em suma o ideal psicológico de carinho, amor e respeito

    Por: Lívia Santosl Direito> Jurisprudêncial 25/11/2014

    Com o decorrer do tempo as relações familiares sofreram inúmeras mudanças, sendo uma delas uma nova visão no que tange a introdução da família sócio-afetiva em nosso ordenamento jurídico, que não se prende apenas aos critérios sanguíneos e sim ao laço de afetividade construído.

    Por: Lívia Santosl Direito> Jurisprudêncial 25/11/2014
    Nayani Lima

    Há três anos que não se conversa em outra coisa a não ser na possibilidade de se monitorar o detento (ressocializando) eletronicamente via satélite no Brasil. Acontece que desde o dia 16 de junho de 2010, a Lei 12.258 foi sancionada pelo presidente Lula e entrou em vigor na data de sua publicação. Daí o corre-corre começou para que todos os estados dessem início ao funcionamento do tão debatido sistema.

    Por: Nayani Limal Direito> Jurisprudêncial 24/11/2014

    Pesquisa com fins de compreender como o Poder Judiciário e a doutrina valoram o denominado laudo psicológico, ferramenta pericial utilizada pelos magistrados para balizar o mérito dos apenados quando da decisão acerca da possibilidade de progressão de regime carcerário

    Por: Carlos Eduardo Vendraminl Direito> Jurisprudêncial 17/11/2014 lAcessos: 23

    É evidente que em toda mudança que se efetua advêm conflitos, com a organização da sociedade, através dos tempos, não foi diferente, surgiram problemas relacionados ao convívio dos seres que compunham aquela sociedade, ou seja, os grupos sociais tornaram-se complexos e os conflitos foram tomando vulto ao ponto de ser necessária uma intervenção através da criação de um órgão absolutamente imparcial e estável e que promovesse a justiça criminal.

    Por: Francisco Gustavo Munizl Direito> Jurisprudêncial 07/10/2014 lAcessos: 20

    Cada vez que um caso de natureza criminal é amplamente divulgado pela imprensa, surge uma série de debates sobre o processo e de que forma a sociedade espera que o Poder Judiciário atue.

    Por: Central Pressl Direito> Jurisprudêncial 18/08/2014 lAcessos: 21

    O presente artigo tem como objetivo demonstrar a admissibilidade da cumulação do adicional de insalubridade e periculosidade, tendo em vista que não existem fundamentos jurídicos lógicos que sustentem a impossibilidade do recebimento simultâneo dos referidos adicionais. Para o desenvolvimento do tema, será utilizada a pesquisa em doutrinas e jurisprudências. Pelas pesquisas feitas, cumpre observar que é totalmente admissível a cumulação dos adicionais de insalubridade e periculosidade.

    Por: Pablo Ferreira e Silval Direito> Jurisprudêncial 20/06/2014 lAcessos: 30
    João Firmino Vieira Júnior

    A Lei 11.941, editada em 28 de maio de 2009 (conversão da MP 449/2008) instituiu um novo programa de parcelamento e de quitação de débitos tributários com remissão, redução de juros e anistia de multas, total ou parcialmente. Tal programa abrange os débitos com a Receita Federal, Procuradoria Nacional e INSS. As principais características são a possibilidade de os débitos vencidos até 30/11/2008 serem parcelados em até 180 (cento e oitenta) vezes ou sua quitação à vista, em ambos os casos com benefícios, e a remissão (perdão) de débitos de até R$ 10.000,00 vencidos até 31/12/2007. A lei foi regulamentada pelo Governo Federal em 23/07/2009 e já está produzindo efeitos. A partir de 17 de agosto, os contribuintes já poderão optar pelo parcelamento e pelo pagamento a vista. A consolidação dos débitos e as opções pelo número de parcelas e pelos débitos que serão parcelados deverão ser liberadas somente após o término do prazo de adesão.

    Por: João Firmino Vieira Júniorl Direito> Direito Tributáriol 07/11/2009 lAcessos: 6,171 lComentário: 1

    Comments on this article

    2
    rogerio 27/09/2011
    estou passando pelo mesmo problema,não fui na ceee ainda,tenho 29 dias mas sei que farão de tudo para eu pagar a conta de luz esta no nome de minha companheira e eu sou soropositivo mas isso não vem ao caso o problema é:não temos como pagar a conta que é de 9.645,34 como devo proceder,tem como não pagar essa dívida ou minorizar o montante cobrado?tenho 3 filhos de 10 anos,6 anos e um de 4 meses não posso ficar sem luz pois sou asmatico e uso nebulizador toda madrugada,espero que me de um conselho,uma aJUDA,OBRIGADO
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast