Impenhorabilidade do bem de família

Publicado em: 30/07/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 1,102 |

IMPENHORABILIDADE DO BEM DE FAMÍLIA

JURISPRUDÊNCIA COMENTADA

KAROLINI TOKARSKI

 

 

 

 

APELAÇÃO CÍVEL Nº 768512-9, DE FORO CENTRAL DA COMARCA DA

REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - 7ª VARA CÍVEL

APELANTE: BANCO DO BRASIL S/A

APELADOS: ROBES PIERRE DA VEIGA E OUTRO

RELATOR: DES. HAMILTON MUSSI CORRÊA

REVISOR: DES. HAYTON LEE SWAIN FILHO

 

Embargos à execução. Execução de título extrajudicial. Cédula de crédito comercial. Bem de família. Impenhorabilidade. Inviabilidade de desmembramento.             

  1. 1.     É impenhorável o imóvel próprio dos executados onde eles residem (art. 1º da Lei 8.009/90).
  2. 2.     Admite-se o desmembramento de imóvel para penhora, com a consequente redução da área sob proteção do bem de família, apenas quando a medida não descaracterizar o imóvel e não trouxer prejuízo para a área residencial.
  3. 3.     Mantém-se a verba honorária quando compatível com expressão econômica objeto da lide e com o trabalho e tempo exigidos do profissional, em atenção ao disposto no § 4º, do art. 20, do CPC.

 

      Apelação não provida.

 

 

VISTOS, relatados e discutidos estes autos de Apelação Cível nº 768512-9, de Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba - 7ª Vara Cível, em que é Apelante Banco do Brasil S/A, sendo Apelados Robes Pierre da Veiga, Rosi Maria Messias Pereira Veiga e Pierre Comércio de Peças e Acessórios Ltda. ME.

I- Trata-se de apelação contra sentença que julgou procedentes os embargos do devedor opostos pelos apelados à execução de cédula de crédito comercial manejada pelo apelante, "para desconstituir a penhora realizada à f. 51 dos autos da execução em apenso (autos nº 1395/2006), que recaiu sobre o imóvel de f. 30", bem como para condenar o embargado/apelante ao pagamento das custas processual e honorário advocatício fixado em R$ 700,00.

Pretende o apelante a reforma da sentença, argumentando inexistir prova nos autos que sustente o entendimento de que o imóvel penhorado é bem de família, nos termos da Lei nº 8009/90. Em alternativa, pede que seja reconhecida a impenhorabilidade do piso superior do imóvel onde residem os apelados, com a manutenção da penhora sobre o restante do imóvel (piso inferior e adjacências), alegando que "apesar de o imóvel penhorado ser de propriedade dos apelados (pessoas físicas), funciona como sede da empresa executada" e que "deve-se admitir a penhora de parte do imóvel quando possível o seu desmembramento sem descaracterizá-lo". Por fim, pede a redução dos honorários advocatícios.

 

O recurso não foi respondido.

É a breve exposição.

II - VOTO E SUA FUNDA

 

1. Impenhorabilidade.

Aduz o apelante que não há prova nos autos que sustente o entendimento de que o imóvel penhorado é bem de família, nos termos da Lei nº 8.009/90.

Acerca da impenhorabilidade do bem de família, dispõe o art. 1º da Lei 8.009/90 que "o imóvel residencial próprio do casal, ou da entidade familiar, é impenhorável e não responderá por qualquer tipo de dívida civil, comercial, fiscal, previdenciária ou de outra natureza, contraída pelos cônjuges ou pelos pais ou filhos que sejam seus proprietários e nele residam, salvo nas hipóteses previstas nesta Lei."

Para o reconhecimento da impenhorabilidade do bem de família é imprescindível que o imóvel, urbano ou rural, próprio do casal ou da entidade familiar, seja destinado à residência da família, não sendo necessária a comprovação de que o imóvel constritado é o único de propriedade do devedor, ao contrário do que entendeu a sentença, conforme o seguinte julgado:

 

                   "CIVIL IMOVÉL REDENCIAL. BEM DE FAMÍLIA. IMPENHORABILIDADE. 1.Para que seja reconhecida a impenhorabilidade do bem de família, não é necessário que se prove que o imóvel em que reside a família do devedor seja o único.2. Agravo regimental provido."(STJ, AgRg no Ag 1281482/RJ, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, QUARTA TURMA, julgado em  22/06/2010, DJe 01/07/2010)"                      

 

Assim, ao contrário do alegado no apelo, não tem relevância à controvérsia se o apelante possui um único imóvel ou não, pois ainda que tenha mais de um, impenhorável é aquele utilizado como residência pela família ou pela entidade familiar.

Na presente hipótese, os documentos de fs. 31/42 evidenciam que os dois primeiros embargantes Robes Pierre Veiga e sua esposa Rosi Maria Messias Pereira Veiga, residem no imóvel penhorado nos autos de execução nº 1395/2006, situado na Rua Tenente Brigadeiro Francisco A. C. de Mello, nº 115, Jardim das Américas, nesta cidade de Curitiba.

Ademais, conforme bem dispôs a sentença, o endereço do referido imóvel como sendo o do domicílio dos embargantes consta "inclusive na própria inicial da demanda executiva" (f. 133).

Logo, dúvida não pode haver de que os apelados têm como local de residência familiar o referido imóvel e, por estas razões, incensurável a sentença que reconheceu sua impenhorabilidade, julgando procedentes os embargos a fim de desconstituir a penhora.

 

2. Penhora parcial.

 

Em alternativa, pretende o apelante a penhora da parte comercial do imóvel penhorado (piso inferior e adjacências). O fato de que o imóvel pertencente aos apelados tem destinação mista, ou seja, residencial na parte de cima e comercial na de baixo, não basta para afastar a impenhorabilidade da totalidade do imóvel. A possibilidade de desmembramento para fins de penhora só existe quando não implicar na descaracterização do bem. Isto porque, apesar de a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça estar pacificada no sentido de permitir o desmembramento do imóvel, com a consequente redução da área sob proteção do bem de família, exige-se, para tanto que a medida não descaracterize o imóvel e que não traga prejuízo para a área residencial.

No caso, verifica-se que o imóvel é uno e nesta condição se encontra matriculado no Registro Geral de Imóveis da 4ª Circunscrição, como se vê de f. 30. Além disso, não há prova da viabilidade do desmembramento, pois o apelante não demonstrou que tal medida não

descaracterize o imóvel e que não iria causar prejuízo para a área residencial, ônus que lhe competia.

 A propósito:

 

"Civil e processo civil. Recurso especial. Bem de família. Impenhorabilidade. Andar inferior da residência ocupado por estabelecimento comercial e garagem. Desmembramento. (...) A jurisprudência desta Corte admite o desmembramento do imóvel protegido pela Lei 8.009/90, desde que tal providência não acarrete a descaracterização daquele e que não haja prejuízo para a área residencial. - Na presente hipótese, demonstrou-se que o andar inferior do imóvel é ocupado por estabelecimento comercial e por garagem, enquanto a moradia dos recorrentes fica restrita ao andar superior. - Os recorrentes não demonstraram que o desmembramento seria inviável ou implicaria em alteração na substância do imóvel. (...)" (STJ, REsp Documento assinado digitalmente, conforme MP n.° 2.200-2/2001, Lei n.° 11.419/2006 e Resolução n.° 09/2008, do TJPR/OEO Rel. Ministra NANCY ANDRIGHI, TERCEIRA TURMA, julgado em 19/03/2009, DJe 01/04/2009).

 

Observo, ademais, que o pedido alternativo de penhora apenas da parte inferior do imóvel foi formulado apenas agora em sede recursal, sem ter sido objeto de discussão em primeiro grau, onde deveria ser discutida tal possibilidade de desmembramento. Logo, não procede a pretensão recursal neste tópico.

3. Honorários advocatícios.

 

Também não merece prosperar o pedido de redução dos honorários advocatícios, fixados em R$ 700,00, pois a causa, a despeito da relativa singeleza, demandou razoáveis esforços dos patronos dos apelados, que diligentemente instruíram o feito e ofereceram manifestação à impugnação aos embargos. Além disso, o valor atende aos parâmetros determinados no parágrafo quarto do art. 20, do CPC, aplicável às causas em que não há condenação. Assim, devem ser mantidos os honorários advocatícios fixados pela sentença.

 

  1. Conclusão.

Nestas condições, voto em negar provimento ao recurso.

III - DECISÃO:

Diante do exposto, ACORDAM os integrantes da 15ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, por unanimidade de votos, em negar provimento ao recurso, de acordo com o voto do Relator.

O julgamento foi presidido pelo Senhor Desembargador HAYTON LEE SWAIN FILHO, com voto, e dele participou a Senhora Juíza Substituta em Segundo Grau ELIZABETH M. F. ROCHA.

 

Curitiba, 13 de julho de 2.011.

 

 Des. HAMILTON MUSSI CORRÊA – Relator

 

 

O presente acórdão trata-se de execução de título extrajudicial sendo uma cédula de crédito comercial aonde vem incluir bem de família como penhora.

O Art. 1º da Lei nº traz em seu texto que "O imóvel residencial próprio do casal, ou da entidade familiar, é impenhorável e não responderá por qualquer tipo de divida civil, comercial, previdenciária ou de outra natureza, contraída pelos cônjuges ou pelos pais ou filhos que sejam seus proprietários e nele residam, salvo hipóteses previstas nesta lei"  Tal artigo que traz inúmeras discutições que a cada dia surgem novas indagações a respeito tema vejamos alguns dos apontamentos mais discutidos na atualidade.

a) O imóvel residencial que a Lei 8009/90 anuncia como impenhorável é somente aquele pertencente a casal ou entidade familiar; não estendendo-se tal proteção ao imóvel do indivíduo solteiro que more sozinho?

 b) O imóvel misto (residencial e comercial) é em sua integralidade protegido pela norma em evidência?

Apesar da existência de controvérsias acerca da interpretação da lei 8.009/90, a cada julgado firmam-se os conceitos contidos na mesma, com decisões interpretativas de entidade familiar.

 

1. NATUREZA JURÍDICA DO BEM DE FAMÍLIA

 

A natureza jurídica do bem de família consiste na proteção do domicilio onde reside a família, ou seja, bem de família é um instituto jurídico onde alberga o domicilio familiar devendo o mesmo ser protegido pelo Estado, já para o autor AZEVEDO a natureza jurídica é "um patrimônio especial, que se institui por ato jurídico de natureza especial, pelo qual o proprietário de determinado imóvel nos termos da lei, criar um beneficio de natureza econômica, com escopo de garantir a sobrevivência da família, em seu mínimo existencial, como célula indispensável à realização da justiça social [1]

Já para autora MARIA HELENA DINIZ, bem de família é "um instituto originário dos Estados Unidos, que tem por escopo assegurar um lar à família ou meios para o sustento, pondo-a ao abrigo de penhoras por débitos posteriores à instituição, salvo as que provierem de tributos relativos ao prédio, ou de despesas condominiais."  

Dentre os conceitos, indica a lei que o imóvel residencial próprio é aquele que é utilizado por uma família como domicílio, onde a pessoa se estabelece com ânimo definitivo. Com o fundamento de ânimo definitivo entende-se apenas um local, portanto, não podendo ter o devedor várias residências categorizadas como bem de família.

De forma mais reduzida bem de família, nada mais é que um prédio rural ou urbano, instituído pelos cônjuges ou entidade familiar, para servir de domicilio familiar, vedando-se a mudança desta destinação e gozando deste prédio de uma relativa impenhorabilidade.  

O Código Civil regula nos Art.  1.711 e 1.722 o Bem de Família Convencional ou Voluntário, que irá gerar a impenhorabilidade e a inalienabilidade do bem instituído como sendo o lar familiar.

 

 

2. IMPENHORABILIDADE DO IMÓVEL DE FAMÍLIA NOS PRECEITOS DA LEI 8.009/1990 e CÓDIGO CIVIL

 

A proteção concedida pelo Código Civil não era mais suficiente, pois somente poderia instituir bem de família as famílias mais abastadas, contrariando a proteção legal que se pretendia. As pessoas que não possuíam patrimônio suficiente para instituir bem de família ficavam à margem da proteção legal, impedidas de constituir como bem de família se não possuísse outro imóvel.

O bem de família é também impenhorável. O principal feito do ato é isentar de penhora o prédio destinado a ser o lar da família. O art. 70 positiva: é permitido aos chefes de família destinar um prédio para domicílio desta, com a cláusula de ficar isento de execução por dívida, salvo as que provierem de impostos relativos ao mesmo prédio.

Da mesma forma, não prevalece à impenhorabilidade se verifica que a instituição foi feita em fraude ou prejuízo de débito anterior. Dispõe, com efeito, art. 71, para o exercício deste direito é necessário que os instituidores o ato da instituição não tenha dívidas cujo pagamento possa por ele ser prejudicado.

A Lei n. 8.009, de 1.990 introduziu os bens de residência, com o fim de ressalvar da penhora o imóvel da família e os móveis e equipamentos que o guarnecem, preservando a família dos transtornos econômicos ou financeiros, impedindo a extensão da miséria à classe média ou mais baixa, protegendo os seus integrantes. Vale dizer, a Lei acima referida visa proteger a mínima condição de habitabilidade de um imóvel residencial pertencente à família do devedor e utilizado como sua moradia.

Para que se cumpra o disposto na lei mencionada o imóvel deve ser próprio e único, sendo somente o imóvel o qual o proprietário e sua família venham a nele residir sendo tutelado pelo artigo 5º da mesma lei que traz em seu texto; "Na hipótese de o casal, ou entidade familiar, ser possuidor de vários imóveis utilizados como residência, a impenhorabilidade recairá sobre o de menor valor, salvo se outro tiver sido registrado, para esse fim, no Registro de Imóveis e na forma do artigo 70 do Código Civil" [atual artigo 1.711 do Novo Código Civil".

Como mostra o artigo acima mencionado, que vem permitir ao devedor possuir maus de um imóvel utilizado como residência com a proteção contra a penhorabilidade exigindo por si só que a impenhorabilidade recaia sobre o bem de menor valor.

O Novo Código Civil, nos artigos 1.711 a 1.722 dispõe sobre o bem de família voluntário, que assim se constitui por ato de vontade do proprietário. É importante não confundir o bem de família voluntário ou convencional, previsto no Código Civil, com a impenhorabilidade contemplada pela Lei nº 8.009/90, que disciplina o bem de família obrigatório, legal ou involuntário.

Sabe-se que a regra na lei brasileira é a penhorabilidade; a exceção à impenhorabilidade. A lei mencionada retro mencionada protege o imóvel residencial destinado à moradia da família tornando o mesmo impenhorável. Sendo, pois, requisitos necessários, a propriedade do imóvel e que os membros da família nela residam para que a mesma se torne impenhorável. A impenhorabilidade compreende também, os móveis que guarnecem a casa, desde que quitados. Estende-se também à pequena propriedade rural por força do art. 5º, inciso XXVI da CF. No entanto, o devedor tem o poder de aliená-los livremente e converter, por iniciativa própria, em numerário quando bem lhe aprouver e quitar suas obrigações, se assim desejar. A Lei no. 8.009/90 também prevê que a impenhorabilidade é a regra.

No entanto, prevê várias exceções, como a não aplicação aos créditos trabalhistas, crédito decorrente de financiamento de imóvel, créditos alimentares, créditos tributários oriundos do imóvel, crédito hipotecário e crédito de fiança locatícia. O STJ tem firmado posição nesse sentido, apontando que a indicação à penhora de bens de família, não impede o devedor de embargar a execução, alegando sua impenhorabilidade, não resultando em renúncia a qualquer direito, conforme vemos no julgado originário de recurso por nós interposto, adiante transcrito:

O fato de o executado indicar bens à penhora não o impede de vir embargar a execução e alegar a sua impenhorabilidade, pois aquela indicação não significa renúncia a qualquer direito (Resp 178.317/SP, de 29.10.1998). Desse julgado destacamos do voto do Relator, Ministro Ruy Rosado de Aguiar, lembrando que:

"A Lei nº 8.009/90 tem sido interpretado neste Tribunal como sendo de ordem pública, cujo objetivo é proteger a moradia da família do devedor. Sendo assim, a impenhorabilidade que qualifica o prédio residencial, e os móveis que o guarnecem, não se descaracteriza pelo fato de o executado Ter feito deles a indicação para penhora, quando procurado pelo Oficial de Justiça. O normal é que isso aconteça, diante da contingência resultante da apresentação do mandato, sem ter o significado de renúncia a qualquer direito".

Numa visão processualística, as normas de direito material existem para em situações necessárias aplicar coativamente o ordenamento jurídico material. Sendo assim, a Lei 8.009/90 caracteriza-se como de ordem pública e de interesse público. Dado o interesse e ordem pública, poderão ser declarados de ofício impenhoráveis os bens relacionados na lei.

Há ainda discussão que a impenhorabilidade fere o princípio da isonomia, que protegem o devedor nos contratos e na responsabilidade civil por danos, ferindo também o princípio da legalidade. Há os que defendem que os devedores solteiros, divorciados ou separados sem filhos, não estariam abrangidos nas garantias elencadas e, portanto não inseridos nas garantias constitucionais, não sendo categorizados como família. 

Superados aos aspectos polêmicos, o fato é que todos os ramos do Direito devem ser interpretados sob a luz dos princípios constitucionais, preservando a dignidade da pessoa, mesmo que implique em prejuízo material aos credores, pois afinal, o prejuízo material é recuperado, a vida não.

É certo que a Lei de Impenhorabilidade do Bem de Família não pretende, em hipótese alguma, incentivar a inadimplência do devedor, dando-lhe meios para se utilizar do subterfúgio da impenhorabilidade, mas sim, garantir ao devedor e sua família que não sejam privados de sua moradia. A meta principal da Lei nº 8.009/90, ao garantir que o lar da família não será objeto de constrição judicial, é resguardar a entidade familiar e seu equilíbrio, vez que esta é a base da sociedade por determinação constitucional.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                               REFERÊNCIAS

 

 

AZEVEDO, Álvaro Villaça. Bem de Família. 3. ed. São Paulo: RT, 1996

Bem de Família: com comentários à Lei 8.009/90. 5.ed. São Paulo: RT, 2002.

DINIZ, Maria Helena. Código Civil Anotado. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2006

www.tj.pr.gov.br\ consultas\jurisprudências – acesso 20\07\2011

 

[1] AZEVEDO, Álvaro Villaça. Op. cit., 2002, p. 87

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/jurisprudencia-artigos/impenhorabilidade-do-bem-de-familia-5081392.html

    Palavras-chave do artigo:

    bem de familia impenhorabilidade

    Comentar sobre o artigo

    O bem de família ocupa posição importante no Direito Privado Contemporâneo. O instituto recebe, no ordenamento jurídico brasileiro, duplo tratamento legal, tanto na Lei 8.009/1990 quanto no Código Civil de 2002 (Lei nº 10.406/2002).

    Por: João Alós Müllerl Direito> Legislaçãol 25/10/2014 lAcessos: 41
    Felipe Vilela Freitas

    Breve doutrina acerca do instituto jurírico que visa à proteção da família, impedindo a penhora do seu imóvel residencial. São expostos os dois tipos de bem de família, com suas especificações quanto à forma de instituição, objeto, forma de extinção e demais relações, bem como a comparação com o Código Civil revogado.

    Por: Felipe Vilela Freitasl Direito> Doutrinal 19/12/2009 lAcessos: 5,596
    Marcelo Bacchi Corrêa da Costa

    Os inadimplentes com as despesas do condomínio respondem pelo não cumprimento da obrigação, podendo o imóvel ser penhorado para garantia de pagamento da dívida, pois a regra da impenhorabilidade do bem de família não alcança dos débitos condominiais.

    Por: Marcelo Bacchi Corrêa da Costal Direito> Doutrinal 26/09/2013 lAcessos: 48

    O instituto do bem de família, impenhorável por força da lei, foi criado para proteger a entidade familiar das crises econômicas. Em 1991, a Lei nº 8.245, em seu art. 82, introduziu mais uma possibilidade de penhora do bem de família, com precisão no art. 3° da Lei 8.009/90, em que o fiador responde com seu bem de família em razão de contrato de aluguel não cumprido pelo inquilino.

    Por: João Alós Müllerl Direito> Doutrinal 25/10/2014 lAcessos: 12

    O bem de família que tenha finalidade de domicílio familiar, pode ser prédio residencial urbano rural e seus acessórios, é isento de execução por dívidas posteriores à sua instituição, exceto se tiverem relação a tributos do prédio ou despesas de condomínio. Esta isenção existirá enquanto forem vivos os cônjuges, e na falta deles, até que os filhos completem a maioridade.

    Por: PRISCILAMARTINSl Direito> Doutrinal 29/05/2011 lAcessos: 549
    Stella Dalvi

    - CABIMENTO DA DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DO ARTIGO 3º DA Lei 8.009 " Em 1991 a Lei 8.245 acrescentou ao artigo 3º da Lei 8.009 de 1990 o inciso VII, autorizando a penhora o bem de família daquele que assina o contrato de fiança em razão de um contrato de aluguel..."

    Por: Stella Dalvil Direito> Doutrinal 12/12/2011 lAcessos: 301

    O tema a ser abordado, tem como objetivo esclarecer o que é considerado bem de família, o porque de sua existência, quais suas modalidades e os motivos pelo qual ele visa a proteção da moradia da família e sua possível extinção.

    Por: Lorraine Laís Barrosl Direitol 10/06/2011 lAcessos: 961

    Breve conceito sobre o instituto do bem de família.

    Por: Thiago Olivato Venturosol Direito> Doutrinal 23/06/2010 lAcessos: 1,486

    O bem de família brasileiro, está intimamente ligado a dignidade da pessoa humana, como também aborda a problemática da distribuição de terras e a conquista do lar familiar. A evolução humana consiste na evolução social e a transformação dos paradigmas ou dogmas, estamos diante de uma sociedade dinâmica que á cada dia se diferencia em um conceito plural e despida de preconceitos, em um contexto social e uma visão inovadora sobre o direito fundamental familiar.

    Por: Sávia Alves Pereiral Direitol 11/08/2012 lAcessos: 88

    Pesquisa com fins de compreender como o Poder Judiciário e a doutrina valoram o denominado laudo psicológico, ferramenta pericial utilizada pelos magistrados para balizar o mérito dos apenados quando da decisão acerca da possibilidade de progressão de regime carcerário

    Por: Carlos Eduardo Vendraminl Direito> Jurisprudêncial 17/11/2014 lAcessos: 12

    Cada vez que um caso de natureza criminal é amplamente divulgado pela imprensa, surge uma série de debates sobre o processo e de que forma a sociedade espera que o Poder Judiciário atue.

    Por: Central Pressl Direito> Jurisprudêncial 18/08/2014 lAcessos: 19

    O presente artigo tem como objetivo demonstrar a admissibilidade da cumulação do adicional de insalubridade e periculosidade, tendo em vista que não existem fundamentos jurídicos lógicos que sustentem a impossibilidade do recebimento simultâneo dos referidos adicionais. Para o desenvolvimento do tema, será utilizada a pesquisa em doutrinas e jurisprudências. Pelas pesquisas feitas, cumpre observar que é totalmente admissível a cumulação dos adicionais de insalubridade e periculosidade.

    Por: Pablo Ferreira e Silval Direito> Jurisprudêncial 20/06/2014 lAcessos: 29

    No Brasil e em todos os países verdadeiramente democráticos do mundo, para que alguém seja considerado culpado, é indispensável que seja processado e condenado. Não há como ser declarado"criminoso" sem condenação definitiva.

    Por: Central Pressl Direito> Jurisprudêncial 02/06/2014 lAcessos: 26

    Recentemente os jornais divulgaram a notícia de um bebê de nove meses de idade acusado de tentativa de homicídio. Uma das fotos mostra o infante segurando uma mamadeira e, em outra, ele no colo do seu avô colocando a impressão digital num documento perante a autoridade policial.

    Por: Central Pressl Direito> Jurisprudêncial 12/05/2014 lAcessos: 22

    O presente estudo, aliada a uma bibliografia farta e gama de conhecimentos jurídicos visa proporcionar ao leitor uma singela modificação de pensamentos relativos ao tema proposto e uma visão mais dinâmica sem perder o pé do tema. A priori em seu texto introdutório traz ao visitante uma amplitude do proposto e seus diversos entendimentos numa escala nacional, fazendo referencias inclusive no âmbito Internacional e suas diferenças, critérios e modo de aplicação. Como e quando que surgiu e principa

    Por: JULIANO CAMPOSl Direito> Jurisprudêncial 21/04/2014 lAcessos: 44

    Resenha crítica a aprtir da leitura do texto: O PODER NORMATIVO DA JUSTIÇA DO TRABALHO: CONSIDERAÇÕES APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N° 45/04 (de Rubens Fernando Clamer dos Santos Júnior a partir da discução a cerca da alteração do ART 114, §2° da CF pela Emenda Constitucional n° 45/04 teria o poder ou o condão de extinguir o Poder Normativo da Justiça do Trabalho

    Por: Karen Beatris Finkl Direito> Jurisprudêncial 02/04/2014 lAcessos: 36

    Análise de acórdão da área penal sobre a ótica das garantias mínimas esculpidas na constituição federal

    Por: Karen Beatris Finkl Direito> Jurisprudêncial 02/04/2014 lAcessos: 20
    Karolini Tokarski

    Procuro-se analisar as características da obrigação alimentar, bem como do direito a prestação alimentícia, esclarecendo as modalidades de alimentos fixados, bem como seus alimentos através de ação competente e os meios legais para que se possa ser assegurado o seu pagamento, devendo ser tratado como uma prestação devida, ou ainda assistência imposta por lei. Demonstra-se que as exigência legal para que se possa ocorrer a execução e alimentos sob pena de prisão como meio coercitivo.

    Por: Karolini Tokarskil Direito> Doutrinal 31/03/2014 lAcessos: 38
    Karolini Tokarski

    O presente artigo trata de identificar: qual o papel da fidelidade partidária, a qual não consiste apenas em um processo de escolha de governantes pelos governados, mais visa garantir direitos aos cidadãos e criar mecanismos eficientes para assegurar a efetiva participação de toda a sociedade.

    Por: Karolini Tokarskil Direito> Doutrinal 26/07/2011 lAcessos: 598
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast