Mães E Filhos - Entenda A Relação Entre Mães E Filhos Nos Tempos Atuais

12/08/2009 • Por • 6,660 Acessos

Já se foi o tempo em que a relação entre mães e filhos era apenas determinada pela imposição de regras disciplinares, castigos e imposições de todo o tipo. Atualmente a relação entre mães e filhos é muito mais intensa e marcante do ponto de vista emocional e afetivo. A disciplina é passada como uma forma de orientação e não imposição bruta e regada a espancamentos. As mães, hoje, desempenham um importante papel de amigas e companheiras dos filhos. Isso é claro, quando as necessidades incessantes do trabalho e da vida profissional permitem.

As crianças de hoje dispõem de mais abertura e mais oportunidades para mostrarem o que pensam e o que esperam de suas mães e pais. Mesmo compreendendo a importância que essa abertura e essa liberdade possam ter; faz-se mister que as mães não confundam liberalização com desrespeito e permissão com permissividade. Antes de qualquer coisa, a relação entre pais e filhos deve ser a de educadores que impõem limites e educam suas crianças para um correto comportamento social. Permitir que seus filhos se imponham ou que desempenhem papéis dominantes nessa relação; fará deles adultos irascíveis e cheios de “não me toques”, o que muito provavelmente os tornará infelizes e frustrados.

Acima de tudo, as mães de hoje devem entender que a autoridade pertence unicamente a elas. Mesmo que as tarefas profissionais se interponham entre elas e a vida doméstica; é de fundamental importância que sejam elas a tomarem a frente (em conjunto com os maridos) da educação dos filhos. Assim, seu filho perceberá noções de hierarquia e de autoridade e saberá instintivamente, que seus desejos não poderão ser soberanos e um direito divino.

Outro aspecto importante da relação entre mães e filhos hoje é a constante estimulação da criança. É importante que a mães seja a fomentadora da descoberta da criança para suas potencialidades e para a sua capacidade de desenvolver habilidades e de ser um ser humano autônomo e independente. Claro que esse entendimento deve ser estimulado respeitando-se as limitações impostas pela idade física e pelo desenvolvimento mental de cada criança. Essa “autonomia vigiada” é que será a responsável pela formação de futuros adultos confiantes e capazes de fazer frente às exigências de uma sociedade que exige alto nível de competição e rendimento.

Mesmo dentro de uma relação de profunda amizade com os filhos, as mães devem impor limites sempre. O maior erro que se pode cometer é deixar suas crianças tomarem decisões baseadas numa pseudo confiança que apenas esconde o desinteresse ou o medo de “bater de frente” com os filhos geniosos. Ensine seu filho a negociar e o esclareça da necessidade da imposição de horários e demais limites. Mostre a ele a real necessidade e o objetivo pelos quais eles foram criados e impostos. Dê informação aos seus filhos. Não os impeça de exprimir sentimentos e não dê recompensas ou tente comprar favores deles. Trate-os com respeito e amor, mas não descuide da disciplina. Afinal de contas, quem ama protege e proteger é também disciplinar e mostrar os perigos que envolvem a violação de regras.

mãe e filho

A relação entre mães e filhos é, nos dias atuais, muito melhor e mais intensa do que no passado. As mães devem amar ser corromper o sentido de individualidade e sem provocar uma dependência anormal nas crianças. A relação entre mães e filhos deve ser sempre pautada pelo respeito e pelo amplo aprendizado e entrega total.

Perfil do Autor

Beatriz Gonzales

Adepta de uma alimentação saudável e apaixonada por maquiagem e estética. Dona do blog: http://www.saudebeleza.org/