Nova Lei De Adoção

Publicado em: 10/11/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 1,749 |

Nova lei de adoção

 

A nova lei de adoção sancionada em agosto deste ano, já entrou em vigor, com alguns impasses.

Dentre as mudanças vale ressaltar que, a partir de agora o prazo para ajuizamento de ação de destituição do poder familiar, em casos onde houver abandono ou violência, poderá ser de até dois anos. Outro fato de grande relevância é que a mesma lei, determina que o prazo máximo de permanência em casa de abrigo, seja de dois anos, situação que será avaliada pela justiça a cada seis meses.

Destaque também, que o plano individual aos abrigados, contara com uma equipe de interprofissionais, que analisaram os problemas que afetam as crianças e buscara atender essas necessidades. A intenção é permitir que quando um adolescente for desabrigado, aos 18 anos, ele possa ter suporte para a vida.

Em relação à adoção direta, a pessoa que pretende adotar uma criança já conhecida, não mais será possível, ou seja, ela terá que entrar na fila da adoção.

Essa mesma lei ainda determina que, a idade mínima para ser pai ou mãe adotiva baixou de 21 anos para 18 anos independente do estado civil. Já no caso de adoção conjunta, exige que, os adotantes sejam casados ou tenham união estável.

Antes da referida lei, os juizes esgotavam as possibilidades de reinserir a criança ou adolescente, no seu âmbito familiar, enquanto a família tentava se reestruturar, e na maioria dos casos como a família não mudava, a mesma passava anos no abrigo. Agora o juiz se utilizara desse argumento para facilitar o processo de adoção, vez que se em dois anos não houver mudança, a criança ira ser disponibilizada para adoção.

A adoção por casais com união homoafetiva permanece proibida, embora maiores de 18 anos possam adotar, independentemente do estado civil.

A partir de agora crianças acima de 12 anos passaram a serem ouvidas no processo de adoção.

Hoje o conselho tutelar fica proibido de levar a criança direto ao abrigo, e o único que poderá determinar a medida é o juiz. A gestante que demonstrar interesse em entregar seu filho a adoção, devera agora receber orientações de assistentes sociais e psicólogos, e as pessoas na fila de espera, também deveram passar por preparação psicológica sobre a adoção, incentivando-as a adotar crianças mais velhas.

Devera haver por parte dos abrigos um relatório semestral, encaminhando a justiça, condições de adoção, ou de retorno à família.

As pessoas registradas no cadastro nacional, o qual foi criado há dois anos, terá a preferência para adoção. Crianças e adolescentes de instituições também passaram a ser cadastradas, e não somente os aptos a serem adotados. Na visão da Associação dos Magistrados Brasileiros, esse cadastro seria uma saída para evitar o comercio, a intermediação indevida e a exploração, garantindo assim o direito a convivência familiar de cada criança.

 A intenção é fazer com que o processo acelere. O processo de adoção e a aptidão para adotar uma criança levam em torno de quatro meses. Em regra a criança que está nascendo hoje e for para adoção vai levar três anos e meio para ser adotada. Como 80% das famílias querem crianças de zero a um ano, as mais velhas não iram ter pretendentes e infelizmente ficaram nos abrigos à mercê da sociedade.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/lar-e-familia-artigos/nova-lei-de-adocao-1439584.html

    Palavras-chave do artigo:

    art 39 e 40 eca

    Comentar sobre o artigo

    O presente trabalho é um estudo criterioso acerca da lei de alienação parental. Resumidamente, ocorre alienação parental quando um dos genitores incute na mente do filho ideias depreciativas a respeito do outro genitor, aproveitando-se da dificuldade acerca da percepção da realidade, buscando turbar a formação da percepção social da criança ou do adolescente. A lei de alienação parental foi instituída pela Lei nº 12.318/2010. Contudo, anteriormente ao seu advento, a alienação parental já era rec

    Por: Ana Paula Kapplerl Direitol 11/11/2014 lAcessos: 29

    Esta pesquisa apresenta uma análise sobre atuação do assistente social na Base Aérea de Boa Vista-BABV , tem como objetivo geral compreender a prática, as perspectiva e desafios do profissional Assistente Social na BABV, por meio deste foi definido três objetivos específicos, sendo desvelar os aspectos da história do Serviço Social no Brasil; Relatar a respeito da Força Aérea Brasileira: Espaço Sócio Ocupacional de atuação do assistente social e conhecer sua prática do profissional na BABV.

    Por: tamires almeidal Educação> Ensino Superiorl 21/08/2014 lAcessos: 264

    O Estatuto guardião completou 18 anos de vigência. Uma análise fria nos leva a meditar sobre os avanços efetivos que resultaram de sua implantação. Não poderemos atirar pedras, mas também não iremos aplaudir. Ainda há muito o que fazer.

    Por: Wagner Adilson Toninil Direitol 04/07/2009 lAcessos: 1,368

    A sobrevivência humana depende de incontáveis de fatores externos ao indivíduo sujeitando-o, por vezes, à prática de atos que não são as almejadas, porém necessárias à perpetuação no planeta. Nesse prisma, nasce a necessidade do homem trabalhar para a manutenção de sua vida e de sua família. Com isso, diversos mecanismos foram criados para regular essa relação social existente entre os homens, para possibilitar em convivência harmônica entre os indivíduos da sociedade, a proteção legal ao menor.

    Por: Fabio Mendonça de Oliveiral Direito> Doutrinal 21/08/2010 lAcessos: 4,724
    Soraya Mendonça

    LDB PASSO A PASSO – 3ª EDIÇÃO ATUALIZADA ATUALIZAÇÕES ATÉ 31/AGOSTO/2009 Legislação e Comentários Nota da Editora: Os acréscimos de texto no livro em relação à 3ª edição atualizada estão grafados aqui em vermelho, respeitando a ordem cronológica de publicação das leis. PÁG. 86: LEI Nº 11.525 DE 25 DE SETEMBRO DE 2007 Acrescenta § [...]

    Por: Soraya Mendonçal Educação> Educação Infantill 23/02/2011 lAcessos: 10,958 lComentário: 1

    O polietileno é tão utilizado na fabricação das telas de proteção, para se ter uma ideia, esse material é usado em cordas para a prática de rapel e nos para – quedas, cintos de segurança pela tamanha resistência.

    Por: Fernando Navarrol Lar e Famílial 03/11/2014 lAcessos: 16

    As telas de proteção servem para proteger, e também podem fornecer outros benefícios. Primeiramente, elas podem prevenir que pessoas, especialmente crianças e animais se machuquem ou morram ao cair de uma sacada ou janela.

    Por: Fernando Navarrol Lar e Famílial 31/10/2014 lAcessos: 18

    Muitas empresas têm surgido para oferecer instalações de redes e telas de proteção, mas cuidado é preciso ter experiência no ramo. Se você quer proteger seu ente querido de forma segura, o ideal é contratar uma empresa séria ou considerar algumas indicações.

    Por: Fernando Navarrol Lar e Famílial 27/10/2014 lAcessos: 12

    Utilização das Telas de proteção residencial é de extrema importância, porque além de suportar grande peso é a maneira mais eficiente de proteger a família e amigos.

    Por: Fernando Navarrol Lar e Famílial 17/10/2014

    Nossos Aplausos vai hoje para as redes de proteção, além de tomar o lugar das grades que modificavam a fachadas dos apartamentos, as redes de proteção garantem segurança e qualidade no quesito proteção de guarda corpos.

    Por: Fernando Navarrol Lar e Famílial 16/10/2014
    buffet villalegre

    Desde decoração, que é a parte mais delicada, até o tapete, caso for usar, desse modo ao contratar os serviço de buffet infantil o contratante está deixando a parte mais complicada da festa nas mãos de quem entende, ficando apenas com a melhor parte que é a diversão.

    Por: buffet villalegrel Lar e Famílial 23/09/2014 lAcessos: 11

    O uso abusivo de drogas é uma questão que preocupa toda a sociedade a nível mundial pelo fato de ter apresentado um aumento significativo nas últimas décadas do século XX, O crescente aumento do uso de substâncias psicotrópicas demonstra claramente que os mecanismos usados no combate a esse fenômeno, não têm surtido os efeitos esperados.

    Por: Jania Gasques bordonil Lar e Famílial 07/09/2014 lAcessos: 24

    Cresceu, nos últimos anos, o número de brasileiros conscientes de uma expressão muito importante: planejamento familiar.

    Por: Julianal Lar e Famílial 30/08/2014 lAcessos: 22

    A nova Lei foi publicada no dia 13 de julho de 2010, através de uma Proposta de Emenda Constitucional. A emenda dá uma nova redação ao parágrafo 6º do artigo 226 da Constituição Federal, que dispõe sobre a dissolubilidade do casamento civil pelo divórcio. A nova legislação visa desburocratizar o fim do laço matrimonial, dispensando a prévia separação judicial do casal, bem como a exigência de se aguardar 01 (um) ano da separação formal ou 02 (dois) anos da separação de fato para pedir o divórcio

    Por: Patricia Augusta Munhozl Lar e Família> Divórciol 08/11/2010 lAcessos: 5,466

    A guarda compartilhada foi aprovada pela Lei 11.698, de 13 de junho de 2008, e consiste basicamente na possibilidade dos pais e mães dividirem a responsabilidade legal sobre os filhos.

    Por: Patricia Augusta Munhozl Lar e Família> Casamentol 03/11/2010 lAcessos: 204

    Comments on this article

    0
    helena 20/01/2010
    e quem entrou no abrigo antes da lei que já fez um ano .CONTA DESDE AGORA OU NÃO
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast