CRIME DE ABUSO DE CONFIANÇA

Publicado em: 18/01/2011 |Comentário: 1 | Acessos: 5,896 |

O crime de abuso de confiança está previsto no artº 205 do Código Penal, inserido nos crime contra a propriedade. Este tipo de crime consiste na apropriação ilegítima de coisa móvel alheia que o agente detém ou possui em nome alheio. É de realçar um outro elemento que também entra na conformação do bem jurídico tutelado pelo crime de abuso de confiança: a relação de confiança existente entre o agente e o proprietário da coisa ou entre o agente e a própria coisa, e que o agente viola com o crime. O abuso de confiança não protege apenas a propriedade, mas também aquela relação de confiança. Aliás, a importância deste aspecto da confiança foi considerada na escolha do nomen criminis). Neste sentido, Figueiredo Dias chama a atenção para que "o abuso de confiança é um delito especial, concretamente na forma de delito de dever, pelo que o autor só pode ser áquele que detém uma qualificação determinada, resultante da relação de confiança (...) e que fundamenta o especial dever de restituição".
O tipo objectivo de ilícito consiste em o agente "ilegitimamente se apropriar de coisa móvel que lhe tenha sido entregue por título não translativo da propriedade". A conduta típica no crime de abuso de confiança consiste em o agente se apropriar ilegitimamente de coisa que lhe tenha sido entregue por título não translativo da propriedade. O elemento característico do crime de abuso de confiança é, sem dúvida, a existência de um acto de entrega da coisa (objecto da acção) ao agente do crime.
Nos termos do art. 205º, nº 1, para haver abuso de confiança, é necessário que a coisa tenha sido entregue ao agente "por título não translativo da propriedade", ou seja que lhe tenham sido entregues por depósito, locação, mandato, comissão, administração, comodato, ou que haja recebido para um trabalho, ou para uso ou emprego determinado ou por qualquer outro título, que produza obrigação de restituir ou apresentar a mesma coisa recebida ou um valor equivalente


A pena
A pena para o caso de abuso de confiança simples é de prisão até 3 anos ou multa alternativa (art. 205º, nº 1). Só o abuso de confiança de valor elevado é punido com a pena aplicável a prisão até 5 anos ou multa até 600 dias (art. 205º, nº 4, al. a). Para os casos de abuso de confiança qualificado em função de valor consideravelmente elevado ou da especificidade do título da entrega, a pena correspondente será de 1 a 8 anos de prisão, sem possibilidade de ser aplicada pena de multa (art. 205º, nºs 4, al. b), e 5).

O procedimento criminal
O crime de abuso de confiança simples é um crime semi-público, cujo procedimento criminal depende de queixa, podendo mesmo passar a ter a natureza particular nos casos do art. 207º.

Conclusões
1. O bem jurídico protegido pela incriminação do abuso de confiança é a propriedade e também a relação de confiança que intercede entre o agente e o proprietário da coisa ou entre o agente e a própria coisa.
2. O objecto da acção no crime de abuso de confiança é uma coisa móvel alheia.
3. A conduta típica no crime de abuso de confiança consiste em o agente se apropriar ilegitimamente de coisa que lhe tenha sido entregue por título não translativo da propriedade.
4. O crime de abuso de confiança consuma-se quando o agente, que recebeu a coisa por título não translativo da propriedade e para um fim determinado, dela se apropria, actuando como se a coisa fosse sua – adoptando comportamentos concludentes do animus rem sibi habendi.
5. O tipo subjectivo de ilícito no abuso de confiança é apenas o dolo.
6. A tentativa é sempre punível.
7. A pena para o abuso de confiança simples é de prisão até 3 anos ou multa; para o abuso de confiança de valor elevado é de prisão até 5 anos ou multa até 600 dias; e para o abuso de confiança qualificado, em função do valor consideravelmente elevado ou da especificidade do título da entrega, é de prisão de 1 a 8 anos. Estas penas podem ser especialmente atenuadas no caso de restituição ou reparação, nos termos do art. 206º.
8. O crime de abuso de confiança simples é um crime semi-público; nos casos do art. 207º, passa a ter natureza particular.

 

Reginaldo Fernandes

Jornalista

Artigo de opinião

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/crime-de-abuso-de-confianca-4062810.html

    Palavras-chave do artigo:

    crime

    ,

    abuso de confianca

    ,

    se apoderar de uma coisa que nao e sua

    Comentar sobre o artigo

    edivaldo coelho da silva

    O técnico de segurança do trabalho frente a assistência em processos de insalubridade e periculosidade

    Por: edivaldo coelho da silval Direito> Legislaçãol 18/12/2014

    As normas processuais a respeito da conexão, da continência e da litispendência destinam-se, em primeiro lugar, a evitar o conflito de julgados. A esse respeito, afirma Gomes Júnior (2005) que conexão e a continência, que se caracterizam por serem formas de modificação ou prorrogação legal de competência (pois advêm da lei), evitam que o conflito lógico de julgados possa levar a uma difamação ou descrença no Poder Judiciário.

    Por: Fabiana Zanonl Direito> Legislaçãol 28/11/2014

    O presente trabalho tem como finalidade analisar a consonância do mecanismo da carona no Sistema de Registro de Preços com os princípios constitucionais norteadores da atuação da Administração Pública e com os princípios regentes da licitação contidos na Lei nº 8.666 de 1993. Apresentar-se-á o mecanismo coloquialmente conhecido na doutrina como carona, instituído pela regulamentação do SRP, percorrendo alguns conceitos e definições acerca do instituto, dispondo uma análise apurada do mecanismo.

    Por: DANTE CRISTINOl Direito> Legislaçãol 26/11/2014 lAcessos: 15

    ). Idealizado para viabilizar um maior grau de segurança dentro dos estabelecimentos prisionais, além de coibir a consecução da prática criminosa por indivíduos condenados que já cumpram pena em regime fechado ou que estejam presos cautelarmente, o chamado RDD diverge opiniões, sendo considerado uma afronta a diversos princípios constitucionais regentes do Direito Penal e Processual Penal pátrio por seus opositores. De outra banda, temos os que defendem o referido regime de disciplina carcerária

    Por: Raquel Guerral Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    A adoção por homoafetos é um tema que trás muitas discussões na sociedade brasileira. O setor mais conservador e religioso da sociedade é avesso a essa possibilidade por parte de casais de homossexuais, justificando sua resposta com um embasamento religioso. O fato é que no Brasil ainda não existe uma lei que regule esse ato por parte desses casais.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/11/2014
    Marina Ferreira Pacanhella

    O presente artigo vem tratar sobre o Ativismo Judicial, sendo um produto da Morosidade do Legislativo, que por motivos intrínsecos a própria atividade politica limita a produção eficaz de leis quanto a matérias controversas, que deixam situações desprotegidas. Neste cenário se encontra o Poder Judiciário que por meio das grandes demanda intentadas pela população que clamam seu direitos ainda não normatizados, não sendo possível a omisso do magistrado ao caso concreto dá-se o ativismo judicial.

    Por: Marina Ferreira Pacanhellal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Artigo 306 "dirigir sob a influência de álcool ou substância análoga" Conceitua a legislação, extravagante, lei 9503/97, no seu artigo, 1º " O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, aberta à circulação pública rege-se por este código." Estabelece o artigo 306 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que "dirigir veículo automotor sob a influência de álcool ou qualquer outra substância que cause dependência".

    Por: eugenioluiz de paulal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    A presente pesquisa discorre sobre os impactos negativos causados pelo cyberbullying, especialmente o sofrimento imposto às suas vítimas, que cada vez mais são atingidas por atos acobertados pelo anonimato da internet, principalmente das redes sociais. Essas situações humilhantes, causados pelo cyberbullying, afetam de forma significativa as vítimas, tanto que muitas acabam se isolando do mundo exterior, ficando doentes, levando algumas ao extremo de atentarem contra a própria vida. Assim, no de

    Por: Edinamar Aparecida I. da Costal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Projeto de lei apresentado na Assembleia Legislativa foi encaminhado às comissões permanentes

    Por: Reginaldo Fernandesl Notícias & Sociedade> Polítical 01/04/2011 lAcessos: 125

    Portanto se você foi lesado por alguma seguradora Procure imeditamente os seus direitos!

    Por: Reginaldo Fernandesl Finanças> Segurol 10/12/2008 lAcessos: 9,527 lComentário: 17

    Especialista em processos de indenizações de acidente de transito mesmo com autoria desconhcida , Reginaldo Fernandes vem se destacando no mercado com mais de 1000 processos só neste ano aprovado e recebido.

    Por: Reginaldo Fernandesl Direitol 24/10/2008 lAcessos: 13,560 lComentário: 29

    Comments on this article

    1
    silmara 04/08/2011
    pedofilia
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast