Crimes contra o Sistema de Seguridade Social

Publicado em: 12/06/2011 | Acessos: 228 |

Crimes contra o Sistema de Seguridade Social

Introdução

O legislador instituiu normas penais tendo como principal objetivo atingir á aqueles que não cumprem as obrigações previdenciárias tendo como intuito coibir tal atitude.

Tendo em vista que a responsabilidade criminal e sua tipificação penal visam á pessoas físicas encarregadas pelo adimplemento das obrigações previdenciárias, e não as necessariamente as pessoas jurídicas. O direito previdenciário não abarca a responsabilização penal da empresa, mas somente de seus responsáveis.

Contudo, até promulgação da Lei n° 9.983 de 14 de julho de 2000, em quase sua totalidade, as condutas criminosas eram tipificadas no artigo 95 da Lei n° 8.212/91. Assim, após a publicação do referido diploma legal, o artigo 95 foi revogado (com
exceção de seu §2°) passando a constar no Código Penal brasileiro, os ilícitos penais previdenciários. A seguir, vamos analisá-los um a um.

I. Apropriação Indébita Previdenciária

A apropriação indébita está devidamente tipificada no Código Penal Brasileiro, no artigo 168 – A, com a seguinte redação:


Deixar de repassar à previdência social as contribuições recolhidas dos contribuintes, no prazo e forma legal ou convencional: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.

§ 1o Nas mesmas penas incorre quem deixar de: I - recolher, no prazo legal, contribuição ou outra importância destinada à previdência social que tenha sido descontada de pagamento efetuado a segurados, a terceiros ou arrecadada do público; II - recolher contribuições devidas à previdência social que tenham integrado despesas contábeis ou custos relativos à venda de produtos ou à prestação de serviços; III - pagar benefício devido a segurado, quando as respectivas cotas ou valores já tiverem sido reembolsados à empresa pela previdência social.

§ 2o É extinta a punibilidade se o agente, espontaneamente, declara, confessa e efetua o pagamento das contribuições, importâncias ou valores e presta as informações devidas à previdência social, na forma definida em lei ou regulamento, antes do início da ação fiscal.

§ 3o É facultado ao juiz deixar de aplicar à pena ou aplicar somente a de multa se o agente for primário e de bons antecedentes, desde que: I - tenha promovido após o início da ação fiscal e antes de oferecida a denúncia, o pagamento da
contribuição social previdenciária, inclusive acessórios; ou II - o valor das contribuições devidas, inclusive acessórios, seja igual ou inferior àquele estabelecido pela previdência social, administrativamente, como sendo o mínimo para o ajuizamento de suas execuções fiscais.

1.1. Formas de Realização do delito

As formas de caracterização do crime de apropriação indébita e da realização do delito são:

a) deixar de repassar à previdência social as contribuições recolhidas dos contribuintes, no prazo e na forma legal ou convencional;

b) recolher, no prazo legal, contribuição ou outra importância destinada à previdência social que tenha sido descontada de
pagamento efetuado a segurados, a terceiros ou arrecadada do público;

c) recolher contribuições devidas à previdência social que tenham integrado despesas contábeis ou custos relativos
à venda do público; e

d) pagar benefício devido a segurado, quando as respectivas cotas ou valores já tiverem sido reembolsados à empresa pela previdência social.

2.2. Características do delito

As características do delito de apropriação indébita são:

a) Conduta omissiva própria (jurisprudência majoritária, apesar de alguns doutrinadores optarem pela conduta mista caracterizada pela comissão — comportamento ativo que consiste em recolher as contribuições dos contribuintes
— e omissão — deixar de repassar ou deixar de recolher ou deixar de pagar);

b) Não é cabível a forma tentada;

c) Exige o dolo: para que o crime se configure é necessário a intenção de deixar de repassar, recolher, ou pagar as contribuições á previdência social,nele não existe a modalidade culposa.

c) Crime formal: segundo Luís Flávio Gomes e Fábio Zambitte Ibrahim: "Usualmente, este crime (o de apropriação indébita) é caracterizado como formal, pois o resultado não é necessário para a sua caracterização, sendo, ainda, omissivo próprio, pois prevê uma omissão por parte do agente."

d) Ação penal pública incondicionada: ou seja, é aquela que de acordo com Tourinho Filho: "Não depende, portanto, de prévia manifestação de qualquer pessoa para ser iniciada. É mesmo irrelevante a manifestação do ofendido", nesse caso, ela será proposta pelo Ministério Público Federal, sendo permitida a assistência do INSS.

e) Sujeito passivo: o sujeito passivo, ou seja, aquele que é prejudicado com a caracterização do delito, nesse caso será o Estado, na figura da Previdência Social Pública.

f) Sujeito ativo: o sujeito ativo é aquele que pratica as ações tipificadas no artigo 168 – A do Código Penal, ou seja, nesse caso, o agente do crime será o responsável, dentro da empresa, pelos atos gerenciais previstos nas hipóteses típicas.

2.3. Extinção da punibilidade

Pode assim exprimir o seguinte:

A lei, com o objetivo de estimular o pagamento, traz caso de extinção da punibilidade, ao prever, no § 2°, que esta será extinta se o agente, espontaneamente, declarar, confessar e efetuar o pagamento das contribuições, importâncias ou valores e prestar as informações devidas a Previdência Social, antes do início da ação fiscal.

No entanto, para que a mesma aconteça são necessários requisitos que a estabeleçam:

a)é necessária uma conduta espontânea e

b)a declaração, confissão e pagamento das contribuições, importâncias, valores e prestação das informações devidas à previdência social, devendo esta ser feita antes do início da ação fiscal.

Entretanto, quanto ao parcelamento referente à extinção da punibilidade, é imprescindível que aconteça antes do início da ação fiscal. Todavia, não poderão ser objeto de parcelamento as contribuições sociais descontadas: de empregados, domésticos, de trabalhadores avulsos, daqueles decorrentes de sub-rogação e das importâncias retidas na forma do art. 31 da Lei 8.212, de 24 de julho de 1991. Assim, segundo a professora Cleonice Neves o STJ havia firmado o entendimento de que o parcelamento feito antes do recebimento da denúncia tinha o efeito extintivo da punibilidade. Entretanto, para os delitos posteriores a Lei 9.983/00 o efeito extintivo do parcelamento ocorrerá exclusivamente quando concretizado antes do
início da ação fiscal.

2.4. Perdão Judicial Ou Aplicação somente da pena de multa (faculdade do juiz)

Ainda no artigo 168 – A, temos dois casos de perdão judicial, pois é facultada ao juiz deixar de aplicar a pena ou aplicar somente a de multa, se o agente for primário e de bons antecedentes, e tenha promovido,após o início da ação fiscal
e antes de oferecida a denúncia , o pagamento da contribuição social previdenciária,inclusive acessórios.Ou, ainda, se o valor das contribuições devidas,inclusive acessórios ,seja igual ou inferior aquele estabelecido pela Previdência Social,administrativamente,como sendo o mínimo para ajuizamento de suas execuções fiscais, o que está limitado como R$10.000,00.

Contudo, para que o indivíduo seje detentor do perdão judicial ou da aplicação de pena de multa, é necessário que: a) o agente seja réu primário, para tanto, não reincidente; b) que tenha bons antecedentes e c) que o mesmo deve estar
enquadrado dentro de uma das situações: ter após o início da ação fiscal e antes do oferecimento da denúncia, efetuado os pagamentos das contribuições sociais previdenciárias, inclusive acessórios e ser o valor das contribuições previdenciárias iguais ou menores àquele estabelecido pela Previdência Social.

Sendo assim, cabe somente ao juiz a faculdade de deixar de efetuar a pena, ou aplicar apenas a pena de multa.

 

II. Sonegação de Contribuição Previdenciária

O crime de sonegação de contribuição previdenciária está devidamente tipificado no Código Penal Brasileiro, no artigo 337 – A, com a seguinte redação:

Suprimir ou reduzir contribuição social previdenciária e qualquer acessório, mediante as seguintes condutas:

I - omitir de folha de pagamento da empresa ou de documento de informações previsto pela legislação previdenciária segurados empregado, empresário, trabalhador avulso ou trabalhador autônomo ou a este equiparado que lhe prestem serviços;

II - deixar de lançar mensalmente nos títulos próprios da contabilidade da empresa as quantias descontadas dos segurados ou as devidas pelo empregador ou pelo tomador de serviços;

III -omitir, total ou parcialmente, receitas ou lucros auferidos, remunerações pagas ou creditadas e demais fatos geradores de contribuições sociais previdenciárias: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.

§ 1o É extinta a punibilidade se o agente, espontaneamente, declara e confessa as contribuições, importâncias ou valores e presta as informações devidas à previdência social, na forma definida em lei ou regulamento, antes do início da ação fiscal.

§ 2o A facultado ao juiz deixar de aplicar a pena ou aplicar somente a de multa se o agente for primário e de bons antecedentes, desde que:

I - (VETADO) ;

II - o valor das contribuições devidas, inclusive acessórios, seja igual ou inferior àquele estabelecido pela previdência social, administrativamente, como sendo o mínimo para o ajuizamento de suas execuções fiscais.

§ 3º Se o empregador não é pessoa jurídica e sua folha de pagamento mensal não ultrapassa R$ 1.510,00 (um mil, quinhentos e dez reais), o juiz poderá reduzir a pena de um terço até a metade ou aplicar apenas a de multa.

§ 4o O valor a que se refere o parágrafo anterior será reajustado nas mesmas datas e nos mesmos índices do reajuste dos benefícios da previdência social.

2.1. Formas de realização do delito

As formas de realização do crime de sonegação de contribuição previdenciária terão eficácia com: a supressão ou redução de contribuição previdenciária e qualquer acessório, mediante as seguintes condutas: a omissão de folha de pagamento da
empresa ou de documento de informações previsto pela legislação previdenciária, segurados, empregado, empresário, trabalhador avulso ou trabalhador autônomo ou a este equiparado que lhe prestem serviços.

Quanto aos empregados e contribuintes individuais, o crime é caracterizado quando o mesmo:

a) deixar de lançar mensalmente nos títulos próprios de contabilidade as quantias descontadas dos segurados ou as devidas pelo empregador ou tomador de serviços;

b) quando omitir receitas ou lucros auferidos, remunerações pagas ou creditadas e demais fatos geradores de contribuições sociais previdenciárias.

2.2. Características do delito

As características do crime de sonegação de contribuição previdenciária são:

a) Conduta omissiva própria;

b) Não é cabível a forma tentada;

c) Crime material: Segundo Fábio Zambitte Ibrahim: "Neste caso, tem-se crime material, já que o resultado compõe o tipo, pois é necessária a supressão ou redução de contribuição social para a sua materialização. Não obstante, as condutas são omissivas, assim, como na apropriação indébita previdenciária.";

d) Exige o dolo: nesse caso, não existirá a modalidade culposa. Todavia, o dolo deve ser caracterizado, sob pena de exclusão da antijuricidade, caso o mesmo não exista.

e) Ação penal pública incondicionada: deve ser proposta pelo Ministério Público Federal, sendo permitida a assistência do INSS;

f) Sujeito passivo: é o Estado, na figura da Previdência Social Pública;

g) Sujeito ativo: é quem tem a obrigação legal de cumprir as condutas acima descritas.

Contudo, Luiz Flávio Gomes qualifica o crime como próprio, pelo fato de não ser qualquer pessoa que pode cometê-lo. Exige-se uma especial qualidade do sujeito ativo.

2.3. Extinção da punibilidade (antes da ação fiscal) Não requer o PAGAMENTO

Ainda neste entendimento, também a caso de extinção da punibilidade, que ocorre se o agente, espontaneamente, declara e confessa as contribuições, importâncias ou valores e presta as informações devidas á previdência social, antes do
início da ação fiscal.

No entanto, para que aconteça a extinção da punibilidade são necessários requisitos que a estabeleçam: a) que o indivíduo tenha uma conduta espontânea e b) que o indivíduo declare e confesse as contribuições, importâncias, valores e preste
as informações devidas à previdência social, antes do início da ação fiscal.

Assim, terá início com a ciência do contribuinte da notificação fiscal de lançamento do débito – NFLD, ou documento similar, a partir de quando se marca o prazo para oferecimento de defesa do débito. Corrigida a conduta, restará mero inadimplemento.

2.4. Perdão Judicial ou Aplicação somente da pena de multa (faculdade do juiz)

No entanto, para que o indivíduo obtenha o perdão judicial ou a pena de multa será necessário que:

a) agente seja réu primário e não reincidente;

b) que tenha bons antecedentes e

c) que o valor das contribuições previdenciárias seja igual ou menor àquele estabelecido pela Previdência Social.

III. Falsidade Documental Previdenciária

O crime de falsidade documental previdenciária está devidamente tipificado no Código Penal Brasileiro, no artigo 297, com a seguinte redação:

Falsificar, no todo ou em parte, documento público, ou alterar documento público verdadeiro: Pena - reclusão, de dois a seis anos, e multa.

§ 1º - Se o agente é funcionário público, e comete o crime prevalecendo-se do cargo, aumenta-se a pena de sexta parte.

§ 2º - Para os efeitos penais, equiparam-se a documento público o emanado de entidade paraestatal, o título ao portador ou transmissível por endosso, as ações de sociedade comercial, os livros mercantis e o testamento particular.

§ 3º Nas mesmas penas incorre quem insere ou faz inserir:

I - na folha de pagamento ou em documento de informações que seja destinado a fazer prova perante a previdência social,
pessoa que não possua a qualidade de segurado obrigatório;

II - na Carteira de Trabalho e Previdência Social do empregado ou em documento que deva produzir efeito perante a
previdência social, declaração falsa ou diversa da que deveria ter sido escrita;

III - em documento contábil ou em qualquer outro documento relacionado com as obrigações da empresa perante a previdência social, declaração falsa ou diversa da que deveria ter constado.

§ 4o Nas mesmas penas incorre quem omite nos documentos mencionados no § 3o, nome do segurado e seus dados pessoais, a remuneração, a vigência do contrato de trabalho ou de prestação de serviços.

3.1. Formas de realização do delito

As formas de realização do delito de falsidade documental previdenciária se caracteriza em inserir ou fazer inserir documento falso nos seguintes itens:

a) na folha de pagamento ou em documento de informações que seja destinado a fazer prova perante a previdência social, pessoa que não possua qualidade de segurado obrigatório;

b) na CTPS do empregado ou em documento que deva produzir efeito perante a Previdência Social, declaração falsa ou diversa da que deveria ter sido escrita;

c) em documento contábil ou em qualquer outro documento relacionado com as obrigações da empresa perante a Previdência Social, declaração falsa ou diversa
da que deveria ter constatado;

d) omitir, nos documentos mencionados anteriormente, nome do segurado e seus
dados pessoais, a remuneração, a vigência do contrato de trabalho ou prestação
de serviço.

3.2. Características do delito

As características do crime de falsidade documental previdenciária são:

a) Comissivas: uma vez que, cabe a tentativa quando o verbo núcleo do tipo for
inserir ou fazer inserir;

b) Omissivas próprias: quando o verbo do núcleo do tipo for omitir, não caberá
a forma tentada;

c) Crime material: será quando a conduta descrita acarretar como resultado a
supressão ou redução das contribuições previdenciárias;

d) Exige o dolo: ou seja, a intenção de prejudicar, não cabendo a modalidade
culposa;

e) Ação penal pública incondicionada: ou seja, independe da manifestação de
qualquer pessoa, sendo a mesma proposta pelo Ministério Público Federal,
permitida a assistência do INSS;

f) Sujeito passivo: é o Estado, na figura da Previdência Social Pública;

g) Sujeito ativo: pode ser qualquer pessoa. Não precisa ser funcionário
público.

IV. Inserção de dados falsos em Sistema de Informações

O crime de inserção de dados falsos em sistema de informações está devidamente
tipificado no Código Penal Brasileiro, no artigo 313 - A, com a seguinte
redação:

Inserir ou facilitar, o funcionário autorizado, a inserção de dados falsos,
alterar ou excluir indevidamente dados corretos nos sistemas informatizados ou
bancos de dados da Administração Pública com o fim de obter vantagem indevida
para si ou para outrem ou para causar dano: Pena - reclusão, de 2 (dois) a 12
(doze) anos, e multa.

Contudo, trata-se de crime próprio, formal e comissivo. Somente o funcionário
público dotado de senha para inclusão de dados no sistema poderá praticá-lo.

Entretanto, Fábio Zambitte Ibrahim explica que:

Além disso, tal crime é formal e comissivo, pois decorre de uma ação do agente
e não carece de resultado para a sua consumação, embora o dolo seja específico,
já que o fim visado pelo agente deve ser vantagem indevida para si ou para outrem
ou ainda para causar dano.

Assim, o crime de inserção de dados falsos em sistema de informações se
caracteriza, quando funcionário autorizado, insere dados falsos, altera ou
exclui indevidamente dados corretos nos sistemas informatizados ou bancos de
dados da Administração Pública com o intuito de obter vantagem indevida para si
ou para outrem ou para causar dano.

V. Modificação ou alteração não autorizada de Sistema de Informações

O crime de modificação ou alteração não autorizada de sistema de informações
está devidamente tipificado no Código Penal Brasileiro, no artigo 313 - B, com
a seguinte redação:

Modificar ou alterar, o funcionário, sistema de informações ou programa de
informática sem autorização ou solicitação de autoridade competente: Pena -
detenção, de 3 (três) meses a 2 (dois) anos, e multa.

Parágrafo único. As penas são aumentadas de um terço até a metade se da
modificação ou alteração resulta dano para a Administração Pública ou para o
administrado.

O crime supracitado ocorre quando funcionário público modifica ou altera
sistema de informações ou programa de informática sem autorização ou
solicitação de autoridade competente.

Todavia, Fábio Zambitte Ibrahim entende que: "O resultado da conduta do agente
somente mostra-se relevante para a aplicação da qualificadora do parágrafo
único, caso haja efetivo prejuízo para o Estado ou o beneficiário."

Assim, o crime é próprio, ou seja, só se caracteriza quando praticado por funcionário
público, e não tem dolo específico.

VI. Estelionato

O crime de estelionato está devidamente tipificado no Código Penal Brasileiro,
no artigo 171, com a seguinte redação:

Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo
ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio
fraudulento: Pena - reclusão, de um a cinco anos, e multa.

§ 3º - A pena aumenta-se de um terço, se o crime é cometido em detrimento de
entidade de direito público ou de instituto de economia popular, assistência
social ou beneficência.

Contudo, Fábio Zambitte Ibrahim discorre que:

É crime contra o patrimônio da seguridade social, sendo delito material, pois
sua concretização toma lugar com a obtenção da vantagem indevida, como o
recebimento de benefício, oriundo de ardil praticado perante o INSS. É
estelionato qualificado, apesar de a qualificadora do

§ 3° não
mencionar expressamente a previdência social, conforme verbete n° 24 da Súmula
de jurisprudência do STJ.

Todavia, segundo Luiz Flávio Gomes: "No estelionato previdenciário (fraude na
obtenção de benefício dessa natureza) a lesão ao bem jurídico (patrimônio do
INSS) não se prolonga continuamente (sem interrupção) no tempo. Trata-se de
lesão instantânea (logo, delito instantâneo: cf. TRF 3ª Região, AC
1999.03.99.005044-5, rel. André Nabarrete, DJU de 10.10.00, Seção 2, p. 750)."

Assim, o crime de estelionato ocorre quando qualquer pessoa obtém, para si ou
para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém
em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.

Referências Pessoais e Bibliográficas

IBRAHIM, Fábio Zambitte. Curso de Direito Previdenciário, 16. Ed. – Rio de
Janeiro: Impetus, 2011

http://www.professoramorim.com.br/amorim/texto.asp?id=151. Acessado em 10/06/2011.

http://www.planalto.gov.br/ccivil/decreto-lei/Del2848.htm).Acessado em 10/06/2011.

http://jus.uol.com.br/revista/texto/8991/estelionato-previdenciario.Acessado
em 10/06/2011.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/crimes-contra-o-sistema-de-seguridade-social-4896336.html

    Palavras-chave do artigo:

    inss previdencia

    Comentar sobre o artigo

    Guilherme P. F. Camargo

    O Instituto Nacional do Seguro Social – INSS inviabiliza ou torna propositalmente difícil e burocrática a concessão do leque de benefícios previstos aos segurados ou seus dependentes.

    Por: Guilherme P. F. Camargol Direito> Doutrinal 19/02/2013 lAcessos: 55
    Guilherme P. F. Camargo

    As perícias do INSS historicamente têm-se caracterizado como verdadeiros campos de concentração, mantendo segurados reféns numa via sacra de humilhação e desgostos até a resposta administrativa sobre os benefícios requeridos.

    Por: Guilherme P. F. Camargol Direito> Legislaçãol 01/04/2013 lAcessos: 38

    A previdência complementar tem crescido muito nos últimos anos, devido principalmente à crise da previdência social, cada vez mais deficiente e deficitária. As entidades fechadas de previdência complementar têm como objetivo receber as contribuições previdenciárias e investir os recursos arrecadados para fazer os pagamentos de benefícios de caráter previdenciário. O objetivo é demonstrar o funcionamento da Previdência Complementar Aberta, dando ênfase na Fechada.

    Por: Antonio Marcos Almeida, Alexandre Augusto Coimbral Finanças> Segurol 01/12/2008 lAcessos: 12,706

    Trata-se de uma abordagem completa dos crimes caracterizados como crimes contra a previdência social, como: APROPRIAÇÃO INDÉBITA e SONEGAÇÃO DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA, FALSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS PÚBLICO, INSERÇÃO DE DADOS FLASOS EM SISTEMA DE INFORMAÇÕES, MODIFICAÇÃO OU ALTERAÇÃO NÃO-AUTORIZADA DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES ESTELIONATO. Através da evolução histórica desta lei específica que sofreu diversas mudanças ao longo do tempo, seguida pela classificação dos crimes e suas divergências.

    Por: Andréia Patrícia Holandal Direito> Doutrinal 11/06/2011 lAcessos: 749
    Deny

    Você que é aposentado do INSS e escuta falar sobre a DATAPREV mas não sabe o que significa e para que serve, confira o que é o Dataprev e saiba quais consultas você pode fazer através dessa empresa parceira da Previdência Social.

    Por: Denyl Notícias & Sociedade> Cotidianol 16/04/2012 lAcessos: 111

    Nesta página está disponível a consulta à Instrução Normativa 28, que concentra todas as normas referentes ao empréstimo consignado para aposentados e pensionistas do INSS. É possível, ainda, a consulta às taxas de juros oferecidas por todas as instituições financeiras conveniadas com o INSS, para operar o crédito consignado. Atualmente, as taxas máximas são de 2,5% ao mês, para o empréstimo, e 3,5% ao mês, para o cartão consignado. O beneficiário deverá ficar atento, pois a taxa contempla todos

    Por: wolney corretor de imoveisl Negócios> Vendasl 15/05/2010 lAcessos: 993
    Dr. Adriano Martins Pinheiro

    Tratamos temas a respeito de aposentadoria por idade, aposentadoria por invalidez, aposentadoria por tempo de contribuição, aposentadoria proporcional, aposentadoria especial e pensão por morte. Todos, separados por tópicos a fim de facilitar a consulta, conforme o interesse.

    Por: Dr. Adriano Martins Pinheirol Direitol 23/07/2009 lAcessos: 4,081 lComentário: 10

    : Este trabalho tem como objetivo analisar o Fator Previdenciário como um sistema que busca manter o equilíbrio da previdência social brasileira, haja visto que atualmente a previdência social se encontra em desequilíbrio, devido a taxa de natalidade ser menor do que a taxa de expectativa de vida. Através da análise do Fator Previdenciário à luz do Princípio da Solidariedade, buscar-se-á uma melhor forma de contrabalancear a saúde financeira da Previdência Social no Brasil.

    Por: Gustavo Cangussu Lidóriol Direito> Doutrinal 01/09/2014 lAcessos: 18
    Erickson Augusto de Carvalho

    Previdência privada, também chamado de Previdência complementar, é uma forma de seguro contratado para garantir uma renda ao comprador ou seu beneficiário. Os valores dos prêmio é aplicado pela entidade gestora, que com base em cálculos atuariais, determina o valor do benefício. No Brasil pode ser do tipo aberta ou fechada.

    Por: Erickson Augusto de Carvalhol Finanças> Investimentosl 28/03/2011 lAcessos: 348
    NATAL MORO FRIGI

    NÃO INCIDÊNCIA DE INSS SOBRE OS 15 PRIMEIROS DIAS DE ATESTADO MÉDICO, AVISO PRÉVIO INDENIZADO, 13º SOBRE AVISO PRÉVIO INDENIZADO, 1/3 CONSTITUCIONAL DE FÉRIAS E SALÁRIO MATERNIDADE.

    Por: NATAL MORO FRIGIl Direito> Direito Tributáriol 02/12/2012 lAcessos: 38
    Marco Peixoto

    Através do Criminal Compliance, a atuação de dirigentes e funcionários das empresas deverão estar alinhados aos valores e objetivos da organização, fixando normas relativas a atuação destes, em consonância com a legislação pertinente a respectiva área de atuação, objetivando a redução de riscos e práticas ilícitas, constituindo desta forma, importante instrumento a prevenção da responsabilidade penal das empresas e seus dirigentes.

    Por: Marco Peixotol Direito> Legislaçãol 16/09/2014
    Dra Ryceli Nóbrega

    Quase um ''Second Life'' (uma vida paralela, na qual se pode ser quem quiser) Jurídico no qual o advogado é seu ''Avatar'' (personagem).

    Por: Dra Ryceli Nóbregal Direito> Legislaçãol 15/09/2014

    Marca é a representação simbólica de uma entidade. Ela Identifica no mercado os produtos ou serviços de uma empresa, distinguindo-os dos de outras empresas. Basicamente ela serve para distinguir os produtos, mercadorias ou serviços de outros idênticos, semelhantes ou afins, pertencentes a outros produtores ou prestadores de serviço.

    Por: adminl Direito> Legislaçãol 12/09/2014
    Taciana Dos Santos Chines

    Esclarecer dúvidas sobre o beneficio e fazer entender a importância da existência do mesmo.

    Por: Taciana Dos Santos Chinesl Direito> Legislaçãol 30/08/2014

    O presente artigo trata sobre a regulamentacao da lei n.o 12.305/10, da politica nacional de residuos solidos, que se deu atraves do decreto n.o 7.404/10, abordando, de uma forma geral, os diversos aspectos que envolvem os residuos solidos.

    Por: Guilherme Anderson Caneppelel Direito> Legislaçãol 18/08/2014
    Dra Ryceli Nóbrega

    Por uma questão de igualdade, o homem deve receber o salário maternidade em algumas situações pontuais, é o que veremos.

    Por: Dra Ryceli Nóbregal Direito> Legislaçãol 17/08/2014
    Dra Ryceli Nóbrega

    O Auxílio Acidente deve ser pago ao Empregado Doméstico mesmo que a legislação diga o contrário, com base no Princípio da Igualdade, direito Constitucional.

    Por: Dra Ryceli Nóbregal Direito> Legislaçãol 17/08/2014
    Dra Ryceli Nóbrega

    AUXÍLIO DOENÇA E quando o INSS não paga e nem a EMPRESA aceita o retorno?

    Por: Dra Ryceli Nóbregal Direito> Legislaçãol 17/08/2014

    Com a dissolução da conjugalidade, restará comunicável, então – e por isso passível de partilha entre os cônjuges que se afastam – o acervo dos bens comuns, ficando excluídos, dessa partilha, os bens ressalvados pelos arts. 1659 e 1661 do novo Código Civil, dispositivos esses que repetem as mesmas exclusões já anteriormente previstas pelos arts. 269 e 272 do Código Civil de 1916. Excluídos estavam, e permanecem, então, os bens que cada cônjuge já possuir ao casar, e os que lhe sobrevierem, ....

    Por: Klausl Direito> Doutrinal 21/06/2011 lAcessos: 505
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast