Do Testamento Público

Publicado em: 13/11/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 6,161 |

ALCIDES BELFORT DA SILVA

Estudante de Direito – 5º ano

UNAERP – Universidade de Ribeirão Preto – SP.

 

 

 

DO TESTAMENTO PÚBLICO

 

 

 

SUMÁRIO:

 

Introdução.

Do conceito.

Modelo de testamento.

Das vedações.

Da lei regulamentadora.

Das diferenças do Testamento Público e do Particular.

Referências bibliográficas.

 

 

 

INTRODUÇÃO:

 

O testamento público é lavrado no Tabelião, pela pessoa que pretende destinar seu patrimônio, em razão de sua morte.

É um ato solene, e deve será feito na presença de duas testemunhas maiores, que não tenham parentesco com o testador.

A Lei dispõe, que metade do patrimônio do indivíduo fique reservado aos seus herdeiros necessários.

O testamento público é unilateral, não podendo, um casal a exemplo testar no mesmo testamento.

Um dos objetivos desta espécie de testamento é sua característica de publicidade, segurança jurídica, podendo ser revogado a qualquer tempo.

 

 

DO CONCEITO:

 

A Sucessão testamentária é a transmissão hereditária que se faz por meio da última vontade do testador, revestida de solenidade estabelecida pela lei, onde prevalecendo as disposições normativas.

 

 

MODELO DE TESTAMENTO:

 

Escritura pública de testamento:

 

SAIBAM quantos este público instrumento virem, ou deles notícias tiverem, que, aos ___ dias do mês _____ de     de _______, nesta cidade de ___________ Estado de ________. Ao meu Cartório, perante mim, tabelião, que escrevo, e as duas testemunhas idôneas, adiante nomeadas e ao final assinadas, expressam convocadas pelo testador para assistirem este ato, compareceu _______(qualificação completa) e reconhecido de mim pelo próprio que de trato, dou fé, e das mesmas testemunhas, também o meu conhecimento, perante as quais, por ele testador, que se encontra em seu perfeito juízo e entendimento, segundo o meu parecer e das testemunhas  e livre de qualquer coação, me foi dito que desejava fazer o seu testamento, e pediu-me tomasse em minhas notas as suas declarações última vontade, conforme minuta previamente feita e por mim escrita em meu livro de notas, tal como nela se contem e se concretizam nas disposições seguintes:______________(dispor a respeito do patrimônio ou fazer outras disposições); que nomeia testamenteiro o Sr. ___________(qualificar), ao que se pede encarecidamente aceitar essa incumbência, pelo que agradece: que finalmente esperam se cumpram iodos esses dispositivos tão inteira e exatamente como aqui se declaram, por constituírem-lhe o derradeiro e legitimo desejo. Assim o disse, do que dou fé, e me pediu essa escritura, a qual, feita em meu livro de notas, lhe sendo lido em voz alta e pausada, na presença das testemunhas, a aceitou integralmente e assina com as mesmas testemunhas, desistindo da faculdade que lhe confere s lei de fazer ele mesmo a leitura desta disposições. As testemunhas que estiverem presentes a todo o ato, com o testador, desde o inicio até o encerramento, são ___________ (qualificar). Certifico, por fim, e dou fé que foram praticadas em ato contínuo todas as formalidades de que ser fez menção. Eu, __________, tabelião do  Ofício de notas. Escrevi e também assino. (Seguem-se as assinaturas do tabelião, do testador e das testemunhas.)

 

DAS VEDAÇÕES:

 

Não poderão testar publicamente os mudos e os surdos-mudos, por não poderem fazer declarações ao tabelião de viva voz.

 

 

DA LEI REGULAMENTADORA:

 

“Art. 1.864. São requisitos essenciais do testamento público:

 

I - ser escrito por tabelião ou por seu substituto legal em seu livro de notas, de acordo com as declarações do testador, podendo este servir-se de minuta, notas ou apontamentos;

 

II - lavrado o instrumento, ser lido em voz alta pelo tabelião ao testador e a duas testemunhas, a um só tempo; ou pelo testador, se o quiser, na presença destas e do oficial;

 

III - ser o instrumento, em seguida à leitura, assinado pelo testador, pelas testemunhas e pelo tabelião.

 

Parágrafo único. O testamento público pode ser escrito manualmente ou mecanicamente, bem como ser feito pela inserção da declaração de vontade em partes impressas de livro de notas, desde que rubricadas todas as páginas pelo testador, se mais de uma.

 

Art. 1.865. Se o testador não souber, ou não puder assinar, o tabelião ou seu substituto legal assim o declarará, assinando, neste caso, pelo testador, e, a seu rogo, uma das testemunhas instrumentárias.

 

Art. 1.866. O indivíduo inteiramente surdo, sabendo ler, lerá o seu testamento, e, se não o souber, designará quem o leia em seu lugar, presentes as testemunhas.

 

Art. 1.867. “Ao cego só se permite o testamento público, que lhe será lido, em voz alta, duas vezes, uma pelo tabelião ou por seu substituto legal, e a outra por uma das testemunhas, designada pelo testador, fazendo-se de tudo circunstanciada menção no testamento.” Grifos meus

 

 

DAS DIFERENÇAS DO TESTAMENTO PÚBLICO E DO PARTICULAR:

 

O testamento público: a vontade do testador será exposto ao tabelião, e carece de duas testemunhas, sendo o mais seguro, sua fraude é difícil de ocorrer, Testamento é ato personalíssimo, unilateral, gratuito, solene e revogável, pelo qual o testador, segundo norma jurídica, dispõe, no todo ou em parte, de seu patrimônio para após sua morte, destine seu patrimônio, sendo o mais utilizado pela segurança que dispõe. Feito o testamento, deverá o mesmo ser lido, pelo tabelião, ao testador e às duas testemunhas, podendo, caso queira o testador, ser o testamento por ele lido, na presença do tabelião e das duas testemunhas, após a leitura do testamento, deve ele ser assinado pelo tabelião, testador e testemunhas, devendo conter a data, local de sua realização, e a qualificação das partes.

 

O testamento particular: é escrito pelo próprio testador, na presença de três testemunhas, e por elas assinadas, podendo ser escrito em língua estrangeira, contando que as testemunhas as compreendam, caso contrario o testamento será nulo.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

 

 

BRASIL, Lei 10.406/02 Novo Código Civil Brasileiro, Fernando Henrique Cardoso (Presidente da República), 10 de janeiro de 2002.

 

CUNHA, Sérgio Servulo da Silva, Dicionário compacto do direito. – 4. Ed. Rev. E atual. – São Paulo : Saraiva, 2005.

 

DINIZ, Maria Helena, Código Civil anotado – 9. ed. Rev. E atual. De acordo com o novo Código Civil (Lei nº. 10.406 de 10-1-2002). - São Paulo: Saraiva, 2003.

 

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda, Miniaurélio: o minidicionário da língua portuguesa dicionário: coordenação e edição Marina Baird Ferreira: equipe de lexicografia.

 

LEITE, Eduardo de Oliveira. Comentários ao novo Código Civil: do direito das sucessões. Sálvio de Figueiredo Teixeira (Coord.). 2. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

 

MAGALHÃES, Rui Ribeiro de. Direito das sucessões no novo Código Civil brasileiro. São Paulo: Editora Juarez de Oliveira, 2003.

 

MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de direito civil: direito das sucessões. 35 ed. Atualizado por Ana Cristina de Barros Monteiro França Pinto. São Paulo: Saraiva, 2003.

 

PACHECO, José da Silva. Inventários e partilhas na sucessão legítima e testamentária. 17. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2003.

 

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil: direito das sucessões. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/do-testamento-publico-1456909.html

    Palavras-chave do artigo:

    testamento publico

    Comentar sobre o artigo

    O Direito Sucessório Brasileiro, disciplinado pelo Código Civil Brasileiro de 2002, prevê dois tipos de sucessão hereditária que podemos nos deparar quando da abertura da sucessão, qual seja: sucessão legítima e sucessão testamentária, acerca desta, mais especificamente sobre sucessão testamentária na forma pública, que discorremos no presente trabalho.

    Por: Arthur Sarilhol Direito> Doutrinal 28/11/2014 lAcessos: 11

    testamento é a manisfestação de vontade do autor da herança, que dispõe total ou parcial de seu patrimônio após a morte. testamento público é aquele escrito pelo tabelião ou seu substituto legal, no livro de notas, conforme manifestação do testador

    Por: joao flavio de oliveiral Direitol 02/12/2010 lAcessos: 3,789

    Saiba a vantagem e a desventagem de fazer um testamento Publico !

    Por: daniel borgesl Direitol 03/11/2009 lAcessos: 1,637

    Peculiaridades acerca do Testamento na forma pública.

    Por: Nicholas Pereira Carvalhol Direito> Doutrinal 13/06/2010 lAcessos: 1,449
    washington almeida

    Testamento é ato de ultima vontade do individuo. Dentre as varias formas de se testar uma delas é a forma publica feita no cartório de notas oralmente tomada a termo pelo tabelião ou seu substituto.

    Por: washington almeidal Direito> Doutrinal 04/11/2009 lAcessos: 19,000 lComentário: 6

    O Brasil possui 6 tipos de testamento, divididos em dois grupos: Testamento comum a. Público b. Cerrado c. Particular Testamento especial a. Marítimo b. Aeronáutico c. Militar DO TESTAMENTO EM GERAL Art. 1.857. Toda pessoa capaz pode dispor, por testamento, da totalidade dos seus bens, ou de parte deles, para depois de sua morte. § 1o A legítima dos herdeiros necessários não poderá ser incluída no testamento. § 2o São válidas as disposições testamentárias de caráter não patrimonial, ainda q

    Por: Fernando Bartoli de Oliveiral Direito> Legislaçãol 18/11/2014

    O presente artigo tem como objetivo estudar as formas ordinárias de testamento, ambas elencadas no Artigo 1.862 do Código Civil de 2002,

    Por: Marcelo Rodriguesl Direito> Doutrinal 26/11/2014

    QUAIS SÃO E QUAIS AS CARACTERÍSTICAS DO TESTAMENTOS EM NOSSA LEGISLAÇÃO CIVIL.

    Por: João Luiz Morais de Freitasl Direito> Legislaçãol 15/12/2010 lAcessos: 1,199
    Carolina Cintra Barbosa

    Síntese dos tipos de testamento e seus requisitos

    Por: Carolina Cintra Barbosal Direito> Jurisprudêncial 27/11/2010 lAcessos: 1,351
    edivaldo coelho da silva

    O técnico de segurança do trabalho frente a assistência em processos de insalubridade e periculosidade

    Por: edivaldo coelho da silval Direito> Legislaçãol 18/12/2014

    As normas processuais a respeito da conexão, da continência e da litispendência destinam-se, em primeiro lugar, a evitar o conflito de julgados. A esse respeito, afirma Gomes Júnior (2005) que conexão e a continência, que se caracterizam por serem formas de modificação ou prorrogação legal de competência (pois advêm da lei), evitam que o conflito lógico de julgados possa levar a uma difamação ou descrença no Poder Judiciário.

    Por: Fabiana Zanonl Direito> Legislaçãol 28/11/2014

    O presente trabalho tem como finalidade analisar a consonância do mecanismo da carona no Sistema de Registro de Preços com os princípios constitucionais norteadores da atuação da Administração Pública e com os princípios regentes da licitação contidos na Lei nº 8.666 de 1993. Apresentar-se-á o mecanismo coloquialmente conhecido na doutrina como carona, instituído pela regulamentação do SRP, percorrendo alguns conceitos e definições acerca do instituto, dispondo uma análise apurada do mecanismo.

    Por: DANTE CRISTINOl Direito> Legislaçãol 26/11/2014 lAcessos: 15

    ). Idealizado para viabilizar um maior grau de segurança dentro dos estabelecimentos prisionais, além de coibir a consecução da prática criminosa por indivíduos condenados que já cumpram pena em regime fechado ou que estejam presos cautelarmente, o chamado RDD diverge opiniões, sendo considerado uma afronta a diversos princípios constitucionais regentes do Direito Penal e Processual Penal pátrio por seus opositores. De outra banda, temos os que defendem o referido regime de disciplina carcerária

    Por: Raquel Guerral Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    A adoção por homoafetos é um tema que trás muitas discussões na sociedade brasileira. O setor mais conservador e religioso da sociedade é avesso a essa possibilidade por parte de casais de homossexuais, justificando sua resposta com um embasamento religioso. O fato é que no Brasil ainda não existe uma lei que regule esse ato por parte desses casais.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/11/2014
    Marina Ferreira Pacanhella

    O presente artigo vem tratar sobre o Ativismo Judicial, sendo um produto da Morosidade do Legislativo, que por motivos intrínsecos a própria atividade politica limita a produção eficaz de leis quanto a matérias controversas, que deixam situações desprotegidas. Neste cenário se encontra o Poder Judiciário que por meio das grandes demanda intentadas pela população que clamam seu direitos ainda não normatizados, não sendo possível a omisso do magistrado ao caso concreto dá-se o ativismo judicial.

    Por: Marina Ferreira Pacanhellal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Artigo 306 "dirigir sob a influência de álcool ou substância análoga" Conceitua a legislação, extravagante, lei 9503/97, no seu artigo, 1º " O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, aberta à circulação pública rege-se por este código." Estabelece o artigo 306 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que "dirigir veículo automotor sob a influência de álcool ou qualquer outra substância que cause dependência".

    Por: eugenioluiz de paulal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    A presente pesquisa discorre sobre os impactos negativos causados pelo cyberbullying, especialmente o sofrimento imposto às suas vítimas, que cada vez mais são atingidas por atos acobertados pelo anonimato da internet, principalmente das redes sociais. Essas situações humilhantes, causados pelo cyberbullying, afetam de forma significativa as vítimas, tanto que muitas acabam se isolando do mundo exterior, ficando doentes, levando algumas ao extremo de atentarem contra a própria vida. Assim, no de

    Por: Edinamar Aparecida I. da Costal Direito> Legislaçãol 25/11/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast