Guarda Compartilhada

Publicado em: 29/05/2008 |Comentário: 2 | Acessos: 4,069 |

A guarda dos filhos é uma questão amplamente discutida em nossa legislação, sobretudo, no Código Civil e do Estatuto da Criança e do Adolescente. Tal instituto visa determinar a responsabilidade material e legal no cuidado da criança a apenas um dos genitores, a chamada guarda única.

O nosso ordenamento jurídico apresenta somente esse modelo de guarda, prevendo que apenas um dos genitores detém a guarda material (imediatidade física) da criança. Assim, o genitor que não participa a guarda do filho, apesar de detentor do poder familiar, atua apenas como supervisor de sua criação, absorvendo o direito à visitação, mas sem qualquer poder de decisão.

Todavia, pesquisas e estudos realizados por psicólogos demonstram que a guarda única provoca uma quebra das relações familiares, impedindo a criança de conviver com ambos os genitores de forma estreita e saudável, gerando, dessa forma, prejuízos irreparáveis à mesma.

 

Assim, recentemente, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei que dispõe a respeito da guarda compartilhada, onde os genitores dividem igualmente a responsabilidade legal sobre os filhos e compartilham as obrigações pelas decisões importantes relativas à criança.

 

Consoante nos ensina o ilustre jurista Waldyr Grisard Filho em seu artigo Guarda Compartilhada - Quem Melhor para Decidir? (São Paulo: Pai Legal, 2002. Disponível em:

 

"Este modelo, priorizando o melhor interesse dos filhos e a igualdade dos gêneros no exercício da parentalidade, é uma resposta mais eficaz à continuidade das relações da criança com seus dois pais na família dissociada, semelhantemente a uma família intacta. É um chamamento dos pais que vivem separados para exercerem conjuntamente a autoridade parental, como faziam na constância da união conjugal, ou de fato."

 

Até que o Projeto de Lei acima mencionado seja sancionado pelo Presidente da República e entre em vigor, não há, em nosso ordenamento jurídico, qualquer norma que disponha a respeito da guarda compartilhada. Há que se salientar que a nossa Constituição Federal, em seu artigo 5º, inciso I, prevê expressamente a igualdade entre homens e a mulheres, bem como o artigo 226, § 5º que determina a isonomia no exercício da sociedade conjugal e, no § 7º, o exercício da paternidade responsável.

Ainda, o nosso Código Civil, em seu artigo 1634, determina que o exercício do poder familiar deva ser exercido por ambos os genitores em igualdade.

Verificamos, portanto, que a preferência no exercício da guarda pela genitora determinada no artigo 10, § 1º, da Lei 6.515/77 (Lei do Divórcio), não foi recepcionada pela nossa Carta Magna, sendo, inclusive, ignorada pelos próprios magistrados em recentes decisões jurisprudenciais.

 

Sendo assim, concluímos que a sanção do Projeto de Lei que institui a guarda compartilhada em nosso ordenamento jurídico traz um avanço na legislação, acompanhando o desenvolvimento social e familiar.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/guarda-compartilhada-431264.html

    Palavras-chave do artigo:

    guarda

    ,

    compartilhada

    Comentar sobre o artigo

    Manuela Salim Tomicioli Silva

    Principais aspectos da nova guarda, introduzida em nosso ordenamento jurídico pela Lei 11.698/2008.

    Por: Manuela Salim Tomicioli Silval Direitol 09/06/2011 lAcessos: 342

    A guarda compartilhada foi aprovada pela Lei 11.698, de 13 de junho de 2008, e consiste basicamente na possibilidade dos pais e mães dividirem a responsabilidade legal sobre os filhos.

    Por: Patricia Augusta Munhozl Lar e Família> Casamentol 03/11/2010 lAcessos: 204

    Advogado alerta que a nova Lei da Guarda Compartilhada pode abrir precedente da obrigatoriedade da guarda compartilhada de filhos no caso dos pais não chegarem a um acordo

    Por: João Clairl Direito> Doutrinal 23/10/2014 lAcessos: 37
    Isabel Cochlar

    Advogada adverte que a Guarda Compartilhada, como direito da criança,foi suprimida no texto legal anterior, em claro desrespeito ao princípio da dignidade humana

    Por: Isabel Cochlarl Direito> Doutrinal 06/10/2014 lAcessos: 12
    Luís Fabiano Siqueira Gonzaga

    O presente artigo, tende a demonstrar como foi de suma importância a criação da lei 11.698 que cria a guarda compartilhada dos filhos de pais separados. Este tipo de tutela é opcional e poderá ser fixado por escolha do pai e da mãe ou por determinação judicial. Portanto será abordado no intero teor deste artigo, as vantagens da guarda compartilhada, para proteção dos filhos, onde tendo os pais a opção por tal instituto, os filhos e os próprios pais se sentiram mais próximos uns dos outros. Este

    Por: Luís Fabiano Siqueira Gonzagal Direitol 29/09/2009 lAcessos: 2,225 lComentário: 3
    Dr. michel S. Silva

    o presente artigo fala sobre os tipos de guarda existentes em nosso ordenamento juridico até chegar a questão da guarda compartilhada que vem sendo cada vez mais comum em nossos julgados.

    Por: Dr. michel S. Silval Direitol 24/11/2009 lAcessos: 858

    A regra da guarda compartilhada é altamente positiva, sendo o problema do litígio entre os genitores do menor absolutamente contornável através da prévia prática da mediação interdisciplinar, evitando a disputa pelo abuso do poder familiar unilateral.

    Por: André Garcial Direito> Doutrinal 01/06/2011 lAcessos: 650
    Luís Fabiano Siqueira Gonzaga

    O presente artigo, tende a demonstrar como foi de suma importância a criação da lei 11.698 que cria a guarda compartilhada dos filhos de pais separados. Este tipo de tutela é opcional e poderá ser fixado por escolha do pai e da mãe ou por determinação judicial.

    Por: Luís Fabiano Siqueira Gonzagal Direitol 29/09/2009 lAcessos: 955 lComentário: 1

    A Guarda Compartilhada veio para solucionar os grandes problemas causados na vida de uma criança decorrente da separação de seus pais. Em um divórcio a vida de uma criança vira de “cabeça para baixo”, pois ela esta acostumada a conviver com seus pais dentro da mesma residência, e ocorrendo a mais temida separação vem a seguinte pergunta na cabeça da criança: Com quem vou morar agora?

    Por: Fernanda Pazotti Cortossil Direito> Legislaçãol 17/10/2009 lAcessos: 433
    edivaldo coelho da silva

    O técnico de segurança do trabalho frente a assistência em processos de insalubridade e periculosidade

    Por: edivaldo coelho da silval Direito> Legislaçãol 18/12/2014

    As normas processuais a respeito da conexão, da continência e da litispendência destinam-se, em primeiro lugar, a evitar o conflito de julgados. A esse respeito, afirma Gomes Júnior (2005) que conexão e a continência, que se caracterizam por serem formas de modificação ou prorrogação legal de competência (pois advêm da lei), evitam que o conflito lógico de julgados possa levar a uma difamação ou descrença no Poder Judiciário.

    Por: Fabiana Zanonl Direito> Legislaçãol 28/11/2014

    O presente trabalho tem como finalidade analisar a consonância do mecanismo da carona no Sistema de Registro de Preços com os princípios constitucionais norteadores da atuação da Administração Pública e com os princípios regentes da licitação contidos na Lei nº 8.666 de 1993. Apresentar-se-á o mecanismo coloquialmente conhecido na doutrina como carona, instituído pela regulamentação do SRP, percorrendo alguns conceitos e definições acerca do instituto, dispondo uma análise apurada do mecanismo.

    Por: DANTE CRISTINOl Direito> Legislaçãol 26/11/2014 lAcessos: 20

    ). Idealizado para viabilizar um maior grau de segurança dentro dos estabelecimentos prisionais, além de coibir a consecução da prática criminosa por indivíduos condenados que já cumpram pena em regime fechado ou que estejam presos cautelarmente, o chamado RDD diverge opiniões, sendo considerado uma afronta a diversos princípios constitucionais regentes do Direito Penal e Processual Penal pátrio por seus opositores. De outra banda, temos os que defendem o referido regime de disciplina carcerária

    Por: Raquel Guerral Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    A adoção por homoafetos é um tema que trás muitas discussões na sociedade brasileira. O setor mais conservador e religioso da sociedade é avesso a essa possibilidade por parte de casais de homossexuais, justificando sua resposta com um embasamento religioso. O fato é que no Brasil ainda não existe uma lei que regule esse ato por parte desses casais.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/11/2014
    Marina Ferreira Pacanhella

    O presente artigo vem tratar sobre o Ativismo Judicial, sendo um produto da Morosidade do Legislativo, que por motivos intrínsecos a própria atividade politica limita a produção eficaz de leis quanto a matérias controversas, que deixam situações desprotegidas. Neste cenário se encontra o Poder Judiciário que por meio das grandes demanda intentadas pela população que clamam seu direitos ainda não normatizados, não sendo possível a omisso do magistrado ao caso concreto dá-se o ativismo judicial.

    Por: Marina Ferreira Pacanhellal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Artigo 306 "dirigir sob a influência de álcool ou substância análoga" Conceitua a legislação, extravagante, lei 9503/97, no seu artigo, 1º " O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, aberta à circulação pública rege-se por este código." Estabelece o artigo 306 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que "dirigir veículo automotor sob a influência de álcool ou qualquer outra substância que cause dependência".

    Por: eugenioluiz de paulal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    A presente pesquisa discorre sobre os impactos negativos causados pelo cyberbullying, especialmente o sofrimento imposto às suas vítimas, que cada vez mais são atingidas por atos acobertados pelo anonimato da internet, principalmente das redes sociais. Essas situações humilhantes, causados pelo cyberbullying, afetam de forma significativa as vítimas, tanto que muitas acabam se isolando do mundo exterior, ficando doentes, levando algumas ao extremo de atentarem contra a própria vida. Assim, no de

    Por: Edinamar Aparecida I. da Costal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Considerações a respeito da entrevista concedida a Revista Veja pelo argentino Adolfo Perez Esquivel

    Por: IGNEZ SILVEIRA FECCHIOl Notícias & Sociedade> Meio Ambientel 08/12/2009 lAcessos: 464

    Trata da legislação que tipifica a falsificação de anilhas emitidas pelo IBAMA como crime.

    Por: IGNEZ SILVEIRA FECCHIOl Direitol 22/10/2009 lAcessos: 1,189

    Atendimento Clínico-cirúrgico de Animais Silvestres por Médicos Veterinários em clínicas particulares.

    Por: IGNEZ SILVEIRA FECCHIOl Direitol 06/09/2009 lAcessos: 449

    Legislação referente a Aposentadoria Especial para Médicos Veterinários.

    Por: IGNEZ SILVEIRA FECCHIOl Direitol 06/09/2009 lAcessos: 2,053

    Regulamentação da profissão Lei nº 11.901/09 Ao regulamentar a profissão o legislador definiu, em seu artigo 2º, que "Considera-se Bombeiro Civil aquele que, habilitado nos termos desta Lei, exerça, em caráter habitual, função remunerada e exclusiva de prevenção e combate a incêndio, como empregado contratado diretamente por empresas privadas ou públicas, sociedades de economia mista, ou empresas especializadas em prestação de serviços de prevenção e combate a incêndio".

    Por: IGNEZ SILVEIRA FECCHIOl Direito> Legislaçãol 04/02/2009 lAcessos: 63,968 lComentário: 73

    Projeto de Lei que determina estabilidade provisória ao empregado cuja esposa ou companheira se encontre gestante.

    Por: IGNEZ SILVEIRA FECCHIOl Direito> Doutrinal 22/12/2008 lAcessos: 41,373 lComentário: 84

    Inovações para Empresas optantes pelo Simples Nacional

    Por: IGNEZ SILVEIRA FECCHIOl Direito> Direito Tributáriol 07/12/2008 lAcessos: 5,517

    CONTRIBUIÇÃO SOCIAL PARA A SAÚDE Antes de qualquer coisa cabe esclarecer o conceito dado a Contribuição Social para a Saúde, a denominada CSS. Segundo a enciclopédia livre Wikipédia, a CSS é "um tributo que está sendo discutido no Brasil em 2008, cujo projeto prevê que sua arrecadação será destinada a ajudar a financiar a saúde"

    Por: IGNEZ SILVEIRA FECCHIOl Notícias & Sociedade> Polítical 01/08/2008 lAcessos: 740

    Comments on this article

    1
    IGNEZ SILVEIRA FECCHIO 23/09/2009
    Iolanda, me passa seu e-mail para conversarmos a respeito do seu caso. É um pouco complexo e gostaria de explicar direitinho o que deve fazer. Meu e-mail é ignez@aasp.org.br. Entre em contato comigo.
    Att.
    Ignez
    0
    Iolanda 22/09/2009
    Preciso com urgência de uma informação por parte da advogada da vara da família.Há 5 anos atrás faleceu a mãe de uma menininha parente de meu marido.Fato é que o mesmo,por ela ter ficado órfã de mãe solteira e avós velhos,com pouca condição de criá-la,a trouxe para nós tomarmos conta da menina,a qual foi recebida aos 3 anos de idade com muito amor por mim, meu marido e meus filhos.Tenho 43 anos,sou casada há 24 anos,graças à DEUS.Tenho uma vida estável, 4 filhos maravilhososs e loucos pela menina,os dois mais velhos fazendo faculdade,uma filha casada e os outros no ensino fundamental.Também já tenho uma netinha.Bom...apesar dessa criança órfã ter vindo muito doentinha ficou sob nossos cuidados durante 3 anos,sempre envolvida,claro,com a avó,que cuidava durante a semana e nos feriados férias e finais de semana conosco,que era seu referencial seguro.Até que sua avó adoeceu,me entregou definitivamente a menina,que só a nós confiava,considerando que ela era louca por todos nós,pela nossa casa.Morreu a avó depois de 3 meses,ficando ela conosco,com muita vontade própria e até feliz a pequena pór saber que viveria pra sempre com a nossa família..Andei indo a Fortaleza para ensinar durante uns dias na semana,essa criança a gosto do meu marido,envolvido com uma irmã mãe solteira que queria ficar com a menina,para fazer companhia a outra filha dela menor 2 anos(nos esclarecendo sempre que não gostava da menina)acabou por convencer meu marido a deixá-la lá pelo resto do ano passado,que ela me daria esse apoio enquanto eu retornava.Ficou na casa dela,que mora com a mãe idosa,para me entregar no final do ano passado.Combinamosa tudo,e prometemos a criança que estaria conosco no final do ano,a que ficou desesperada chorando e implorando para não se afastar de nós.Seria um semestre apenas,enquanto eu voltava,por que a mesma estava na alfabetização,para não termos que mudá-la de escola.Sofri,sofremos muito eu e meus filhos,principalmente a mais nova que era super apegada à ela.Quando cheguei meu marido ja estava trabalhado a deixar a menina lá,e me roubaram a menina,a cidadã minha cunhada,proibiu da menina falar comigo,sob ameaça de apanhar,e cortou o laço que tínhamos com ela,que é verdadeiro.Sofri muito,sofremos muito,mas não podia me separar e meu marido estava apoiando a irmã.Acontece que a menina tem pavor a ela,chora sempre que me vê,faz cartas já fugiu de lá uma vez e quer morar conosco.Prometeu amim da ultima vez que nos vimos,que irira fugir de lá assim que tivesse chance.|Me preocupei.Meu marido agora quer a menina,porque contei pra ele o que estava acontecendo também me confessou que estava sendo usado e me via sofrer.Quero saber que direito eu tenho sobre essa criança,o que devo fazer para tê-la de volta.URGENTE.Ela está sofrendo muito.Ela tem 8 ANINHOS AGORA.Me passe uma informação logo.Amo essa menina,a ANA BEATRIZ.Amamos todos aqui em casa.Essen final de semana ela me trouxew o diário para eu ver as confissões dela e cartas pra mim datadas,que só expressam a vontade de voltar pra nós, a insatisfação e sofrimento dentro de seu coração.E me contou revoltada que não aguenta mias v´-las dizer que não gosto dela,que abandonei ela,e que minto.Estou realmente chateada e que ro reaver a posse dessa criança que é nossa.Me passe um email e diga o que fazer.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast