Imunidade Parlamentar

Publicado em: 29/05/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 527 |

Imunidade parlamentar são garantias funcionais, geralmente dividas em material e formal, são admitidas em face do direito comum para o livre desempenho dos membros do poder legislativo no exercício de suas funções, protegendo-os contra abusos e violações por parte do poder executivo e judiciário.

A imunidade material extingue a responsabilidade penal, civil, disciplinar e política, ou seja, qualquer um que venha a cometer os chamados crimes de opinião ou crime da palavra, contra honra ou apologia ao criminoso, exclui o tipo penal nos crimes cometidos. Então, nos casos admitidos, o fato típico deixa de constituir crime, pois a norma constitucional afasta a incidência da norma penal.

Se cometido o fato no exercício de sua função, diante da imunidade penal, os deputados e os senadores ficam livres do inquérito policial e do processo criminal. O fato que se identifica a imunidade material é de que, os membros do poder legislativo têm uma ampla manifestação de liberdade podendo usar as palavras, discutir, debater ou votar, sem que seja processado, devido à imunidade que está estabelecida na cláusula de responsabilidade funcional.

A imunidade material, porém, só protege o membro, se, estas palavras ou votos forem proferidos no exercício de sua função.  Pois a prática passa a ser imputável ao exercício do mandato legislativo, desde que exercida ratione muneris. Ressalta-se que antes da sumula 4 do STF ser revogada, era possível que houvesse a manutenção da imunidade, entretanto, a imunidade é irrenunciável, diante disso se o parlamentar exercer algum cargo na administração pública, ele vem a perder o direito a essa prerrogativa.

Diferente da imunidade material, a imunidade formal compreende a imunidade processual e prisional, pois ela garante ao parlamentar o direito de sustar ou evitar o andamento do processo criminal, mesmo que venham a ser cometidos após a diplomação. Há algum tempo atrás era impossível se processar um parlamentar sem a prévia licença de sua Casa. Porém, a história hoje é outra, não há mais necessidade da prévia autorização da casa legislativa, no caso, o Senado ou a Câmara para instaurar um processo criminal contra o membro parlamentar. O processo pode ser instaurado pelo STF após a denúncia ocorrida durante o mandado, onde o mesmo deverá comunicar a Casa legislativa, e pode vir a ser sustado por iniciativa de algum partido político e pelo voto da maioria de seus membros.

A instauração e a suspensão do inquérito policial contra o congressista não são impedidas pela imunidade formal, pois se trata de mera atividade preparatória de acusação, como acontece em qualquer atuação do Ministério Público, isto deve ocorrer normalmente, pois não há necessidade de contraditório. O STF entende que só é obrigatório na fase judicial do processo criminal.

Há um foro especial denominado de competência originaria que atribui a alguns órgãos superiores de jurisdição a competência de processar e julgar os membros parlamentares por determinados crimes cometidos durante o mandado.  Normalmente está dividida em: STF, que processa e julga os deputados e senadores e o Tribunal de Justiça Estadual, onde os deputados estaduais e vereadores são processados e julgados.

O parlamentar somente pode ser preso em flagrante por crime inafiançável, pois eles estão protegidos contra a prisão civil e a prisão criminal. Caso venham a ser presos é necessário que a Casa legislativa seja comunicada, onde ocorrerá, por maioria absoluta em votação aberta, a analise da necessidade da manutenção da medida prisional.

É nítida a necessidade de uma diferenciação dos parlamentares, a própria Constituição Federal admite que os diferentes devam ser tratados de uma maneira diferenciada para que assim possam se igualar aos outros. Pode-se considerar que os membros do poder legislativo enquadram-se neste cenário. Contudo, essas prerrogativas deveriam ser usadas mediante e somente para a proteção dos parlamentares brasileiros, mas o que acontece é que nem sempre estas são usufruídas corretamente, pois a corrupção torna-se o centro, tratando-se também de proteger as condutas delituosas cometidas por esses parlamentes e escondendo ‘por baixo dos panos' o que de fato não deveria ocorrer.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/imunidade-parlamentar-4832637.html

    Palavras-chave do artigo:

    imunidade parlamentar

    ,

    direito

    ,

    poder legislativo

    Comentar sobre o artigo

    DIEGO DA SILVA RAMOS

    Trata-se de uma singela contribuição ao estudo do Direito Municipal, demonstrando, em breves linhas, os limites e o alcance da imunidade material dos Vereadores, bem como as implicações em caso de não incidência desta prerrogativa

    Por: DIEGO DA SILVA RAMOSl Direito> Doutrinal 30/11/2009 lAcessos: 1,498 lComentário: 1
    EVILAZIO RIBEIRO

    Um panorama da atual estrutura das Comissões Parlamentares de Inquérito, apontar suas principais deficiências e, principalmente, analisar a ingerência do Supremo Tribunal Federal sobre os atos nelas praticados, assim como o impacto das decisões judiciais, tanto nos procedimentos investigatórios quanto na mídia e na sociedade

    Por: EVILAZIO RIBEIROl Literatura> Crônicasl 05/11/2010 lAcessos: 263 lComentário: 1

    A vinculação dos poderes durante determinada época difundia-se com a figura soberana do rei, sendo este o líder soberano e supremo. Havia uma relação de governo, mas até então concentrada na figura do rei. A organização dos poderes difundiu-se através dos tempos e hoje contamos com uma Constituição Federal dispõe sobre a divisão dos poderes.

    Por: Sávia Alves Pereiral Direito> Doutrinal 04/09/2013 lAcessos: 38
    JEFFERSON LABORDA DA SILVA

    Devido às freqüentes confusões que acometem não só os estudantes, mas também os operadores do Direito não-familiarizados com a tecnologia tributária é que o presente artigo busca, na medida do possível, estabelecer as principais diferenças entre os institutos da imunidade, isenção, remissão e anistia. Tais institutos estão relacionados à competência tributária posta na Carta Constitucional, que, por sua vez, traçou, quer direta, quer indiretamente as diretrizes dos tributos. Por conseguinte, faz

    Por: JEFFERSON LABORDA DA SILVAl Direito> Direito Tributáriol 28/08/2010 lAcessos: 1,889 lComentário: 1
    EVILAZIO RIBEIRO

    Antes de discuti-las, porém, vamos a uma explicação que nos ajudara a entender porque as regras políticas são tão difíceis de mudar, configurando-se, na prática, quase como cláusulas pétreas de um acordo tácito. Podemos dizer que, o direito eleitoral é o único em que o legislador é destinatário exclusivo da norma

    Por: EVILAZIO RIBEIROl Literatura> Crônicasl 14/11/2010 lAcessos: 23
    ANTONIO GILSON DE OLIVEIRA

    SAIBA COMO A CRISE FINANCEIRA MUNDIAL DE 2008 / 2009 FOI COMBATIDA. QUEM É O AUTOR DA REDUÇÃO DOS JUROS - IMPOSTOS - EMPRESTIMOS AOS MICRO EMPREENDEDORES - CONTROLE FINANCEIRO DOS BANCOS - DA RESPONSABILIDADE E CONTROLE DOS GASTOS

    Por: ANTONIO GILSON DE OLIVEIRAl Direito> Direito Tributáriol 20/01/2010 lAcessos: 183

    AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO E SUSPENÇÃO DAS ELEIÇÕES DEVIDO AO EXAGERADO NÚMERO DE "FICHAS SUJAS", CORRUPTOS

    Por: CEUCERTO DELEGACIA DO CONSUMIDORl Direito> Jurisprudêncial 14/12/2009 lAcessos: 149
    Artur Victoria

    A autoridade do tribunal - nem dominada pelo dinheiro nem pela espada - assenta fundamentalmente na confiança pública das suas sanções morais. Felix Frankfurter

    Por: Artur Victorial Educaçãol 29/07/2009 lAcessos: 306

    O presente estudo visa a analisar a norma prevista no artigo 40, § 21, da Constituição Federal. Tal norma garante, uma vez preenchidos os seus requisitos, imunidade de contribuição previdenciária a proventos de aposentadoria e pensão de portadores de doenças incapacitantes que não ultrapassem o dobro do limite máximo estabelecido para os benefícios do regime geral da previdência social. Nesse sentido, far-se-á uma análise da viabilidade de utilização, de forma analógica, para fins de contribuiçã

    Por: João Teixeiral Direito> Direito Tributáriol 13/06/2014 lAcessos: 27
    edivaldo coelho da silva

    O técnico de segurança do trabalho frente a assistência em processos de insalubridade e periculosidade

    Por: edivaldo coelho da silval Direito> Legislaçãol 18/12/2014

    As normas processuais a respeito da conexão, da continência e da litispendência destinam-se, em primeiro lugar, a evitar o conflito de julgados. A esse respeito, afirma Gomes Júnior (2005) que conexão e a continência, que se caracterizam por serem formas de modificação ou prorrogação legal de competência (pois advêm da lei), evitam que o conflito lógico de julgados possa levar a uma difamação ou descrença no Poder Judiciário.

    Por: Fabiana Zanonl Direito> Legislaçãol 28/11/2014

    O presente trabalho tem como finalidade analisar a consonância do mecanismo da carona no Sistema de Registro de Preços com os princípios constitucionais norteadores da atuação da Administração Pública e com os princípios regentes da licitação contidos na Lei nº 8.666 de 1993. Apresentar-se-á o mecanismo coloquialmente conhecido na doutrina como carona, instituído pela regulamentação do SRP, percorrendo alguns conceitos e definições acerca do instituto, dispondo uma análise apurada do mecanismo.

    Por: DANTE CRISTINOl Direito> Legislaçãol 26/11/2014 lAcessos: 15

    ). Idealizado para viabilizar um maior grau de segurança dentro dos estabelecimentos prisionais, além de coibir a consecução da prática criminosa por indivíduos condenados que já cumpram pena em regime fechado ou que estejam presos cautelarmente, o chamado RDD diverge opiniões, sendo considerado uma afronta a diversos princípios constitucionais regentes do Direito Penal e Processual Penal pátrio por seus opositores. De outra banda, temos os que defendem o referido regime de disciplina carcerária

    Por: Raquel Guerral Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    A adoção por homoafetos é um tema que trás muitas discussões na sociedade brasileira. O setor mais conservador e religioso da sociedade é avesso a essa possibilidade por parte de casais de homossexuais, justificando sua resposta com um embasamento religioso. O fato é que no Brasil ainda não existe uma lei que regule esse ato por parte desses casais.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/11/2014
    Marina Ferreira Pacanhella

    O presente artigo vem tratar sobre o Ativismo Judicial, sendo um produto da Morosidade do Legislativo, que por motivos intrínsecos a própria atividade politica limita a produção eficaz de leis quanto a matérias controversas, que deixam situações desprotegidas. Neste cenário se encontra o Poder Judiciário que por meio das grandes demanda intentadas pela população que clamam seu direitos ainda não normatizados, não sendo possível a omisso do magistrado ao caso concreto dá-se o ativismo judicial.

    Por: Marina Ferreira Pacanhellal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Artigo 306 "dirigir sob a influência de álcool ou substância análoga" Conceitua a legislação, extravagante, lei 9503/97, no seu artigo, 1º " O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, aberta à circulação pública rege-se por este código." Estabelece o artigo 306 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que "dirigir veículo automotor sob a influência de álcool ou qualquer outra substância que cause dependência".

    Por: eugenioluiz de paulal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    A presente pesquisa discorre sobre os impactos negativos causados pelo cyberbullying, especialmente o sofrimento imposto às suas vítimas, que cada vez mais são atingidas por atos acobertados pelo anonimato da internet, principalmente das redes sociais. Essas situações humilhantes, causados pelo cyberbullying, afetam de forma significativa as vítimas, tanto que muitas acabam se isolando do mundo exterior, ficando doentes, levando algumas ao extremo de atentarem contra a própria vida. Assim, no de

    Por: Edinamar Aparecida I. da Costal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    O presente artigo traz um resumo sobre os Planos Econômicos brasileiros, como a economia do país vem mudando desde o Brasil Colônia até o Plano Real. Traz, além disso, uma crítica sobre os planos e por fim, como devem acontecer estes planjemantos econômicos para que sejam realmente efetivos.

    Por: Lívia de Melo Batistal Direito> Doutrinal 04/06/2012 lAcessos: 563
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast