Maioridade Penal

Publicado em: 26/05/2008 |Comentário: 1 | Acessos: 2,370 |

Maioridade Penal

Gerson Sanches
" ...É a imputabilidade, que se faz presente quando o sujeito compreende a ilicitude de sua conduta e age de acordo com esse entendimento”.
( Heleno Cláudio Fragoso)
A maioridade penal, conforme o sistema jurídico penal vigente se dá aos dezoito anos de idade e é estabelecida através do critério biológico, em que leva-se em consideração apenas, a idade do agente, deixando de lado outros aspectos como a capacidade física e psíquica.
Importante mencionar que, além do critério biológico, existe o critério biopsicológico que era previsto no Código Penal de 1969, Decreto-lei nº 1.004/69, que não chegou a viger, muito embora já estivesse em período de vacatio legis.
O critério biopsicológico “possibilitava a imposição de sanção penal a menor entre 16 e 18 anos, se este revelasse suficiente desenvolvimento psíquico, bastante para entender o caráter ilícito do fato e de determinar-se de acordo com esse entendimento”.
Consolidado o entendimento de que deve prevalecer o critério biológico na estipulação da maioridade penal, este encontra-se acobertado pelo artigo 27 do Código Penal Brasileiro, in verbis:
“Art. 27. Os menores de 18 (dezoito) anos são penalmente imputáveis, ficando sujeitos às normas estabelecidas na legislação especial.”
A Legislação especial a que faz alusão o dispositivo do código penal, acima citado, é o Estatuto da criança e do adolescente, lei 8.069 de 1990, que prevê sanções especificamente direcionadas ao menor de 18 anos. O referido Estatuto, em seu artigo 104, também prevê o limite de 18 anos para a maioridade penal, in literis:
“Art. 104. São penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às medidas previstas nesta lei.”
A Constituição Federal de 1988 reforça a pacificação do estabelecimento desse limite da maioridade penal, em seu artigo 228, conforme dispõem:
“Art.228. São penalmente inimputáveis os menores de dezoito anos, sujeitos às medidas previstas nesta lei.”
Como se percebe, não há qualquer dúvida, no que tange ao limite do estabelecimento da maioridade penal, entretanto essa é uma questão que suscita muitas discussões.
No que concerne à constitucionalidade ou não da redução da maioridade penal, uma grande parte doutrinária discorda da possibilidade de alteração deste instituto. O argumento base é voltado no sentido de “tratar-se de uma garantia individual, uma vez que, hodiernamente é pacífico o entendimento de que os direitos e garantias individuais não estão afixados exaustivamente, no rol do artigo 5ºda Constituição”.
Entende-se que o indivíduo que possui idade inferior a dezoito anos, não possui uma capacidade plena de discernimento psicológico, a ponto de poder ser responsável por um crime, por uma conduta tão gravosa.
Ocorre que, na prática, o discernimento do que é crime e o que não é, demonstra-se muito claro, não havendo necessidade de uma capacidade de discernimento elevada para se compreender quais condutas são proibidas e quais condutas são permitidas.
O índice de crimes cometidos por menores de dezoito anos tem aumentado assustadoramente. Parece que tanto esses menores criminosos, quanto os criminosos maiores de idade entenderam perfeitamente como é que devem agir para levar vantagem do sistema.

Os criminosos, sendo maiores ou menores, agem num esquema, de forma a deixar os atos executórios para o menor de idade, tendo em vista que são, de certa forma protegidos pela lei brasileira.
Os crimes cruéis, hediondos, são muitos, praticados pelo menor e muitos deles, com planejamento. É o caso, por exemplo, do assassinato de um casal de namorados, há alguns anos atrás, em São Paulo, quando foram seqüestrados, violentados e brutalmente assassinados pelos criminosos. A autoria do crime de homicídio foi atribuída a um menor de idade, por nome de Chambinha.
Esse criminoso, teve o devido discernimento de abordar os jovens, de mantê-los em cárcere privado, violentá-los, assassiná-los. Tudo da forma como ele bem planejou e quis.
Então, fico a indagar: Uma pessoa que possui toda essa frieza, todo esse planejamento, toda a astúcia e esperteza, de forma inclusive, a se esconder e tentar encobertar o crime, não teria a capacidade de simplesmente responder pelo ato que cometeu? Ele não responder de forma proporcional à sua conduta e ao dano que causou é proporcional? É justo, com quem praticou o mesmo crime e é punido de forma mais severa, somente por que é maior de dezoito anos de idade?
Quando somos crianças, aprendemos muitas coisas, dentre elas as que são certas e as que são erradas. Aprendemos inclusive, a não fazer as coisas erradas, pois, desde pequeninos, sabemos que, ao fazermos algo de errado, iremos, fatalmente, arcar com as conseqüências.
Assim, o ser humano cresce, desde o ambiente familiar, consciente de que existem certas restrições, impostas pelo sistema para que possamos conviver bem em sociedade e para que respeitemos o direito do outro, assim como devemos ter os nossos direitos respeitados.
O ser humano é criado, sabendo que para toda ação, haverá uma reação, seja ela positiva ou negativa.
O fato de sermos maiores ou menores de idade deve significar sim que poderemos sofrer determinadas punições. O que não se pode é, praticar-se algo que merece determinada punição e que, na prática, esta não é aplicada.
Dessa forma, abre-se espaço para a impunidade. E impunidade não só no sentido de não sofrer punição alguma, mas também punição menos severa, quando deveria ser aplicada uma sanção proporcional ao dano que um certo indivíduo causa.
Existem países onde a maioridade penal inicia-se aos dezesseis anos, como por exemplo: Argentina, Espanha, Bélgica e Israel. Outros em que a maioridade penal se inicia aos 15 anos, tais como Índia, Egito, Síria, Honduras, Guatemala, Paraguai, Líbano . Já em outros países a maioridade penal é de 14 anos, como a Alemanha e o Haiti e, por incrível que pareça, na Inglaterra, a pessoa é considerada imputável a partir dos dez anos de idade.
Percebe-se que é uma realidade que atende ao contexto social, de que o indivíduo maior de dezesseis e menor de dezoito anos, tem capacidade mais do que suficiente para ser punido de forma integral por tudo aquilo que vier a praticar de errado.
A sociedade não pode deixar de punir esses indivíduos que só vão intensificar cada vez mais suas condutas criminosas, aproveitando-se da apatia da sociedade e, principalmente da inércia do direito brasileiro.
É preciso que se realize, urgentemente, uma reforma no Código Penal, para que muitas situações, demasiadamente prejudiciais à sociedade sejam modificadas, punindo proporcionalmente aqueles indivíduos que incidiram na conduta tipificada como crime.
Uma vez completados 16 anos de idade, a pessoa sujeitar-se-ia às regras do Código Penal e leis esparsas pertinentes.
A fim de corroborar esse ponto de vista, novamente trago à colação a abalizada lição do mestre Miguel Reale, in verbis:
“Tendo o agente ciência de sua impunidade, está dando justo motivo à imperiosa mudança na idade limite da imputabilidade penal, que deve efetivamente começar aos dezesseis anos, inclusive, devido à precocidade da consciência delitual resultante dos acelerados processos de comunicação que caracterizam nosso tempo.”
Neste sentido é o entendimento do juiz de direito do Estado de Goiás, Éder Jorge, in literis:
“É incompreensível a resistência quanto ao rebaixamento da maioridade penal. O discurso politicamente defensável e até romântico, porém completamente divorciado da realidade, se considerarmos o nível de amadurecimento do jovem entre 16 e 18 anos de idade e, ainda, espantosa violência com que costumam agir.”
É incontestável que a realidade em que se vive atualmente, com a globalização, com a internet e o grande acesso às informações, produz um jovem muito mais maduro, envolvido com as questões da sociedade e, inclusive, jovens com ampla capacidade de poder de decisão, envolvimento e participação ativa na sociedade. O jovem dos tempos atuais não é mais aquele jovem inocente de tempos atrás e a realidade social e o direito devem acompanhar essa mudança.
Quando se fala em “maturidade”, para efeitos penais, não se quer dizer que deve-se possuir inteligência superior com capacidade de tomar decisões muito complexas, mas apenas exige-se a obediência aos mínimos valores humanos que nos auxiliam a discernir o que é certo, o que é errado, o que é crime e o que não é. Assim como aprendemos na escola, no ambiente familiar, em todas as fases da nossa vida.
Um indivíduo que não consegue conviver com outro, respeitando os seus direitos e respeitando a sociedade como um todo, não deve estar convivendo em sociedade.
A capacidade deve ser medida com relação a poder ou não conviver em sociedade, a poder ou não respeitar o próximo, a poder ou não usar os valores primordiais que aprendemos desde o início da nossa existência. Afinal, a capacidade de convivência pacífica em grupo é uma característica única dos seres humanos.

Bibliografia

BECCARIA, Cesare. Dos delitos e das penas. São Paulo: Martin Claret, 2001.

HELENO CLÁUDIO FRAGOSO, Lições de direito penal, parte geral, 4ª edição, editora Forense.

JORGE, Éder. Redução da maioridade penal . Jus Navigandi, Teresina, ano 7, n. 60, nov. 2002. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2008.
SILVA, Sônia Maria Teixeira da. Imputabilidade penal e a redução da idade de 18 para 16 anos . Jus Navigandi, Teresina, ano 4, n. 38, jan. 2000. Disponível em: . Acesso em: 24 maio de 2007.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/maioridade-penal-427578.html

    Palavras-chave do artigo:

    maioridade penal

    ,

    imputabilidade

    ,

    seguranca

    Comentar sobre o artigo

    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A ocorrência de crimes bárbaros cometidos por adolescentes toma conta dos noticiários, colocando em debate a redução da maioridade penal. O Brasil é signatário da Convenção dos Direitos da Criança, a qual estabelece que criança seja toda pessoa menor de 18 anos, mas deixa a possibilidade de os países signatários estipularem em suas leis limites menores para a maioridade. A constituição da República oferece proteção à criança e ao adolescente. Estabelece ainda em seu artigo 228 que os menores de

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 13/04/2011 lAcessos: 2,252 lComentário: 2
    APARECIDA DE FÁTIMA GARCIA OLIVEIRA

    Uma reflexão sobre a questão da redução da maioridade penal frente ao ECA.

    Por: APARECIDA DE FÁTIMA GARCIA OLIVEIRAl Direitol 28/05/2009 lAcessos: 4,650 lComentário: 18
    Kleyson Anilton Duarte Marques

    Nossa legislação adotou o sistema biológico, ignorando o desenvolvimento mental do menor, considerando-o inimputável, mesmo tendo capacidade para entender a ilicitude do fato:

    Por: Kleyson Anilton Duarte Marquesl Direito> Doutrinal 23/04/2012 lAcessos: 239
    edivaldo coelho da silva

    O técnico de segurança do trabalho frente a assistência em processos de insalubridade e periculosidade

    Por: edivaldo coelho da silval Direito> Legislaçãol 18/12/2014

    As normas processuais a respeito da conexão, da continência e da litispendência destinam-se, em primeiro lugar, a evitar o conflito de julgados. A esse respeito, afirma Gomes Júnior (2005) que conexão e a continência, que se caracterizam por serem formas de modificação ou prorrogação legal de competência (pois advêm da lei), evitam que o conflito lógico de julgados possa levar a uma difamação ou descrença no Poder Judiciário.

    Por: Fabiana Zanonl Direito> Legislaçãol 28/11/2014

    O presente trabalho tem como finalidade analisar a consonância do mecanismo da carona no Sistema de Registro de Preços com os princípios constitucionais norteadores da atuação da Administração Pública e com os princípios regentes da licitação contidos na Lei nº 8.666 de 1993. Apresentar-se-á o mecanismo coloquialmente conhecido na doutrina como carona, instituído pela regulamentação do SRP, percorrendo alguns conceitos e definições acerca do instituto, dispondo uma análise apurada do mecanismo.

    Por: DANTE CRISTINOl Direito> Legislaçãol 26/11/2014 lAcessos: 18

    ). Idealizado para viabilizar um maior grau de segurança dentro dos estabelecimentos prisionais, além de coibir a consecução da prática criminosa por indivíduos condenados que já cumpram pena em regime fechado ou que estejam presos cautelarmente, o chamado RDD diverge opiniões, sendo considerado uma afronta a diversos princípios constitucionais regentes do Direito Penal e Processual Penal pátrio por seus opositores. De outra banda, temos os que defendem o referido regime de disciplina carcerária

    Por: Raquel Guerral Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    A adoção por homoafetos é um tema que trás muitas discussões na sociedade brasileira. O setor mais conservador e religioso da sociedade é avesso a essa possibilidade por parte de casais de homossexuais, justificando sua resposta com um embasamento religioso. O fato é que no Brasil ainda não existe uma lei que regule esse ato por parte desses casais.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/11/2014
    Marina Ferreira Pacanhella

    O presente artigo vem tratar sobre o Ativismo Judicial, sendo um produto da Morosidade do Legislativo, que por motivos intrínsecos a própria atividade politica limita a produção eficaz de leis quanto a matérias controversas, que deixam situações desprotegidas. Neste cenário se encontra o Poder Judiciário que por meio das grandes demanda intentadas pela população que clamam seu direitos ainda não normatizados, não sendo possível a omisso do magistrado ao caso concreto dá-se o ativismo judicial.

    Por: Marina Ferreira Pacanhellal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Artigo 306 "dirigir sob a influência de álcool ou substância análoga" Conceitua a legislação, extravagante, lei 9503/97, no seu artigo, 1º " O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, aberta à circulação pública rege-se por este código." Estabelece o artigo 306 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que "dirigir veículo automotor sob a influência de álcool ou qualquer outra substância que cause dependência".

    Por: eugenioluiz de paulal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    A presente pesquisa discorre sobre os impactos negativos causados pelo cyberbullying, especialmente o sofrimento imposto às suas vítimas, que cada vez mais são atingidas por atos acobertados pelo anonimato da internet, principalmente das redes sociais. Essas situações humilhantes, causados pelo cyberbullying, afetam de forma significativa as vítimas, tanto que muitas acabam se isolando do mundo exterior, ficando doentes, levando algumas ao extremo de atentarem contra a própria vida. Assim, no de

    Por: Edinamar Aparecida I. da Costal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Comments on this article

    0
    Débora 16/01/2010
    Queridos

    Pensar mais profundamente não dói, pelo contrário, o que dói é o pensamento superficial sobre tal questão. Existem muitos motivos para sermos contra a maioridade penal...basta pensar!!!!
    Maioridade penal, nada mais é que
    - Tirar a responsabilidade dos governantes e responsabilizar as crianças....pela falta de direitos
    (ver constituição), pela falta de saúde e saúde mental, pela falta de
    infância digna, pela falta de educação e cultura, etc...
    - Tirar a responsabilidade dos pais e responsabilizar as crianças...pela falta de planejamento, pela falta de conciência, pela falta de estrutura, pela falta de amor, etc..
    Ou seja....se dermos todas as condições para o desenvolvimento de um ser humano, não necessitamos de maioridade penal, pena de morte, etc... isto é conversa de imediatista, que prefere remediar á prevenir.
    E detalhe...a penalidade seria aplicada (com certeza) somente aos pobres.

    17 de janeiro de 2010 00:05
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast