O uso das algemas

Publicado em: 28/05/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 133 |

1. INTRODUÇÃO

            O artigo em tela possui como objetivo vislumbrar um tema que gera ínfimos questionamentos e que na atual conjuntura, devido ao Estado Democrático de Direito, bem como à luz dos diversos princípios existentes na nossa Lei Maior, houve cada vez mais uma necessidade em se limitar o uso das algemas, com o intuito de se preservar o "outro" de uma série de abusos que este vinha sofrendo ao longo do tempo. Contudo, cumpre destacar, que a grande problemática do referido assunto, se encontra justamente neste "outro" que muitas vezes, é gerador de insegurança pública e desordem.

2. DESENVOLVIMENTO

            Há muito se discute sobre a utilização das algemas e de que forma e sob qual prisma, poderiam ser usadas. Nesse sentido, o nosso Código de Processo Penal, regulamenta este uso, em seu art. 284, no momento em que preconiza que:

"Não será permitido o emprego de força, salvo a indispensável no caso de resistência ou de tentativa de fuga do preso".

            Ademais, o art. 292 do mencionado código assevera que:

"Se houver, ainda que por parte de terceiros, resistência à prisão em flagrante ou à determinada por autoridade competente, o executor e as pessoas que o auxiliarem poderão usar dos meios necessários para defender-se ou para vencer a resistência, do que tudo se lavrará auto subscrito também por duas testemunhas."  

Desta forma, diante da regulamentação existente, resta evidenciado a limitação criada pelo legislador, para que o preso não sofra qualquer abuso na sua utilização.

            Como se não bastasse, com a criação da Súmula Vinculante nº 11 do Supremo Tribunal Federal, a qual traz em seu bojo que:

"Só é lícito o uso de algemas em caso de resistência e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia, por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar civil e penal do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou do ato processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado"

O referido uso das algemas se tornou ainda mais restrito e tudo isto com embasamento em princípios como da dignidade da pessoa humana, da proporcionalidade, da presunção de inocência, da integridade física, dentre outros.

            Insta salientar que referidos princípios são de enorme valia, entretanto, o foco se tornou a pessoa que comete o delito e se esqueceram de proteger, em primeiro lugar, e não mais importante, a equipe policial, o profissional de segurança e por esta razão, esta limitação suscita reprovações por grande parte da população que aumenta a complexidade para que se resolva o problema.

            Com a edição desta súmula, nitidamente ficou comprovado que o STF não levou em consideração um dos princípios constitucionais basilares de uma sociedade democrática, quais sejam, o direito à preservação da vida, incolumidade física do policial e de terceiros e ainda o da isonomia, pautado sob a égide de que em situações semelhantes, todos devem ter o mesmo tratamento. No que diz respeito ao âmbito administrativo, o princípio da eficiência e o da responsabilidade do agente, foram de igual modo desconsiderados.

3. CONCLUSÃO    

            Diante do exposto, nítido se perfaz que o entendimento à luz do STF é completamente de cunho político e esvaziado de embasamento teórico, haja vista que opta por alguns princípios em detrimento de outros, ocasionando, como previsto, grandes polêmicas acerca do tema, uma vez que ao invés de solucionar um problema, traz consigo outros, talvez maiores e piores.

Importante lembrar que o conflito do uso de algemas está em condições de receber uma maior atenção diante de soluções judiciais sendo que não pode ficar a mercê, já que falta uma regulamentação séria que abranja tanto os direitos do "outro", da sociedade e da equipe policial.

4. BIBLIOGRAFIA

Supremo Tribunal Federal/ Notícias do STF. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=94467. Acesso em 27 de maio. 2012.

Direito net/ artigos/ O uso de algemas segundo o STF. Disponível em: http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/5217/O-uso-das-algemas-segundo-o-STF. Acesso em: 27 de maio. 2012.

Jus navegandi/ artigo/ O uso de algemas no nosso país está devidamente disciplinado. Disponível em: http://jus.com.br/revista/texto/2921/o-uso-de-algemas-no-nosso-pais-esta-devidamente-disciplinado#ixzz1tMYbXsre. Acesso em: 27 de maio. 2012.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/o-uso-das-algemas-5941008.html

    Palavras-chave do artigo:

    algemas

    Comentar sobre o artigo

    Fábio Araújo de Holanda Souza

    O Brasil sempre regulou o uso das algemas, tácita ou expressamente. O art. 199 da Lei de Execução Penal deixou mais uma lacuna que a Súm. Vinc. 11/08 tentou preencher. Será que o STF atingiu seu intento? Precisa reformular a dicção da Súmula citada?

    Por: Fábio Araújo de Holanda Souzal Direitol 10/05/2009 lAcessos: 2,231

    O presente artigo visa propor uma análise da admissibilidade do uso de algemas dentro do ordenamento jurídico brasileiro.

    Por: Mariana Pereira Moreiral Direitol 10/11/2011 lAcessos: 99

    Paulo Quezado e Jamile Virginio falam sobre o uso de algemas no território nacional. Falam sobre a origem da palavra e sua destinação na época em que foi inventada. Inserem na matéria, alguns comentários jurídicos e nuanças sobre o uso de tal instrumento, no decorrer da história brasileira. Já os senadores brasileiros afirmam veementemente que algema foi feita para uso exclusivo em pobres e pretos. “Crianças” traquinas não podem ter a “primazia” e ser conduzidas com esses apetrechos alçados nos braços. É desonra. Os corruptos brasileiros além de surrupiarem os impostos pagos pelo povo, ainda se dão ao luxo de não serem algemados.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Notícias & Sociedade> Polítical 28/07/2008 lAcessos: 2,138

    Na prisão de vários corruptos, a Polícia Federal teve que fazer uso das algemas. “Foi um Deus nos acuda, visto que “as criancinhas” não queriam aparecer em público algemadas, pois era constrangimento”. Senhores corruptos nós estamos constrangidos, envergonhados com a atitude desonestas de vocês. O ministro Tarso Genro diz que PF vai analisar decisão do STF sobre uso de algemas

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Notícias & Sociedade> Polítical 15/08/2008 lAcessos: 215

    Lula: ex-presidente é escolhido a personalidade mais corrupta de 2012. Eleição foi organizada por movimento contra corrupção.

    Por: Cristina toorl Notícias & Sociedade> Polítical 22/01/2013 lAcessos: 23

    Reflete preocupação do legislador em dotar o ordenamento de medidas excepcionais e necessárias para garantir a segurança da sociedade.

    Por: mario bezerrada silval Direito> Doutrinal 01/11/2008 lAcessos: 7,052
    Nelson José S. Nascimento

    Análise crítica da 11ª Súmula Vinculante do STF

    Por: Nelson José S. Nascimentol Notícias & Sociedade> Polítical 04/04/2010 lAcessos: 66

    Você já se deu conta de que vez por outra algumas notícias teimam em não desaparecer dos noticiários? Foi assim com a garota aparentemente defenestrada pelo pai e sua madrasta Cada um de nós há de se recordar de inúmeros fatos que por dias – e às vezes semanas ou meses – permaneceram em destaque nos noticiários, ofuscando ou empalidecendo outros fatos.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Educação Onlinel 11/07/2008 lAcessos: 405
    Robson de Jesus Costa

    A presente exposição visa analisar as implicações que a edição de uma súmula vinculante pode vir a causar no livre convencimento motivado do magistrado. Busca-se a interação interdisciplinar entre Direito Constitucional, Direito Processual Civil, Princípios Hermenêuticos, Constitucionais e outros com pertinência para a compreensão do tema apresentado. A metodologia de pesquisa realizada foi essencialmente bibliográfica, com fundamento na literatura sobre o tema.

    Por: Robson de Jesus Costal Direitol 10/12/2009 lAcessos: 1,037 lComentário: 2
    edivaldo coelho da silva

    O técnico de segurança do trabalho frente a assistência em processos de insalubridade e periculosidade

    Por: edivaldo coelho da silval Direito> Legislaçãol 18/12/2014

    As normas processuais a respeito da conexão, da continência e da litispendência destinam-se, em primeiro lugar, a evitar o conflito de julgados. A esse respeito, afirma Gomes Júnior (2005) que conexão e a continência, que se caracterizam por serem formas de modificação ou prorrogação legal de competência (pois advêm da lei), evitam que o conflito lógico de julgados possa levar a uma difamação ou descrença no Poder Judiciário.

    Por: Fabiana Zanonl Direito> Legislaçãol 28/11/2014

    O presente trabalho tem como finalidade analisar a consonância do mecanismo da carona no Sistema de Registro de Preços com os princípios constitucionais norteadores da atuação da Administração Pública e com os princípios regentes da licitação contidos na Lei nº 8.666 de 1993. Apresentar-se-á o mecanismo coloquialmente conhecido na doutrina como carona, instituído pela regulamentação do SRP, percorrendo alguns conceitos e definições acerca do instituto, dispondo uma análise apurada do mecanismo.

    Por: DANTE CRISTINOl Direito> Legislaçãol 26/11/2014 lAcessos: 21

    ). Idealizado para viabilizar um maior grau de segurança dentro dos estabelecimentos prisionais, além de coibir a consecução da prática criminosa por indivíduos condenados que já cumpram pena em regime fechado ou que estejam presos cautelarmente, o chamado RDD diverge opiniões, sendo considerado uma afronta a diversos princípios constitucionais regentes do Direito Penal e Processual Penal pátrio por seus opositores. De outra banda, temos os que defendem o referido regime de disciplina carcerária

    Por: Raquel Guerral Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    A adoção por homoafetos é um tema que trás muitas discussões na sociedade brasileira. O setor mais conservador e religioso da sociedade é avesso a essa possibilidade por parte de casais de homossexuais, justificando sua resposta com um embasamento religioso. O fato é que no Brasil ainda não existe uma lei que regule esse ato por parte desses casais.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/11/2014
    Marina Ferreira Pacanhella

    O presente artigo vem tratar sobre o Ativismo Judicial, sendo um produto da Morosidade do Legislativo, que por motivos intrínsecos a própria atividade politica limita a produção eficaz de leis quanto a matérias controversas, que deixam situações desprotegidas. Neste cenário se encontra o Poder Judiciário que por meio das grandes demanda intentadas pela população que clamam seu direitos ainda não normatizados, não sendo possível a omisso do magistrado ao caso concreto dá-se o ativismo judicial.

    Por: Marina Ferreira Pacanhellal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Artigo 306 "dirigir sob a influência de álcool ou substância análoga" Conceitua a legislação, extravagante, lei 9503/97, no seu artigo, 1º " O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, aberta à circulação pública rege-se por este código." Estabelece o artigo 306 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que "dirigir veículo automotor sob a influência de álcool ou qualquer outra substância que cause dependência".

    Por: eugenioluiz de paulal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    A presente pesquisa discorre sobre os impactos negativos causados pelo cyberbullying, especialmente o sofrimento imposto às suas vítimas, que cada vez mais são atingidas por atos acobertados pelo anonimato da internet, principalmente das redes sociais. Essas situações humilhantes, causados pelo cyberbullying, afetam de forma significativa as vítimas, tanto que muitas acabam se isolando do mundo exterior, ficando doentes, levando algumas ao extremo de atentarem contra a própria vida. Assim, no de

    Por: Edinamar Aparecida I. da Costal Direito> Legislaçãol 25/11/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast