Prestações sujeitas à Taxa Social Única – Trabalhadores Dependentes

Publicado em: 13/05/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 2,917 |

No caso dos trabalhadores dependentes, a taxa social única aplica-se ao montante constituído pelas seguintes prestações:

- Remuneração base do trabalhador, constituída por prestações pecuniárias e em espécie (v.g. alimentos e habitação);

- Diuturnidades;

- Comissões;

- Prémios (v.g. produtividade e assiduidade) [1];

- Retribuição pelas horas de trabalho suplementar;

- Retribuição pela prestação de trabalho em dias de descanso semanal ou feriados;

- Remuneração referente ao período de férias e respectivos subsídios;

- Subsídio de Natal;

- Subsídio por penosidade, perigo ou outras condições especiais de prestação de trabalho;

- Subsídio para alimentação pago em dinheiro;

- Subsídio de compensação por isenção de horário de trabalho;

- Subsídio de residência ou renda de casa ou outros análogos, desde que com carácter regular;

- Remuneração correspondente ao período de suspensão do trabalhador, com perda de retribuição (sanção disciplinar);

- Quantias pagas periodicamente ao trabalhador no período da sua pré-reforma;

- Indemnização paga por despedimento do trabalhador sem justa causa;

- Indemnização paga pela cessação do contrato de trabalho, sem justa causa, antes de findo o prazo convencionado (contratos a termo e compensação ao trabalhador);

- Subsídio de Páscoa;

- Remuneração pela prestação de trabalho nocturno;

- Gratificações de gerência.

 

Excluem-se desta base de incidência as seguintes prestações:

 

- Indemnização paga ao trabalhador pela não concessão de férias;

- Subsídios concedidos para os estudos dos filhos dos trabalhadores;

- Subsídios eventuais destinados ao pagamento de despesas médicas e hospitalares do trabalhador e família;

- Subsídios de casamento;

- Prémios de antiguidade pagos em dinheiro e com carácter irregular ou outros subsídios análogos desde que não figurem nos contratos de trabalho nem sejam uso consagrado nas empresas;

- Subsídios para frequência de infantários;

- Os valores dos subsídios das refeições tomadas no refeitório da empresa e das senhas de almoço, nos casos em que os trabalhadores não disponham de refeitórios, desde que o seu valor não exceda o montante em vigor para a função pública acrescido de 50%;

- Subsídios de formação profissional.

Exemplo[2]:

Numa determinada empresa existem 3 sócias-gerentes que trabalham até bastante tarde e, em consequência, têm uma sobrecarga de despesas com ATL e apoio à família. As despesas com frequência dos infantários oscilam entre €326,00, €200,00 e €160,00 respectivamente.

Neste caso, pode ser atribuído o Subsídio para frequência de infantário a cada uma das gerentes, nos respectivos valores, não incidindo sobre estes montantes a TSU, apenas ficando sujeitos à tributação em sede de IRS[3].

___________________________

[1] Relativamente aos prémios há que distinguir entre aqueles que são auferidos em virtude de estarem previstos no contrato de trabalho, como complemento de remuneração ou prestação acessória, e aqueles que sejam atribuídos ao trabalhador com carácter regular ou permanente, ou façam parte dos usos ou costumes da empresa – sobre estes incide a TSU.

Extr. e adaptado: BUSTO, Maria Manuel – Processamento de Salários, Porto: E&B Data, Junho 2009, ISBN: 978-972-99817-7-7.v

[2] Extr. e adaptado: BUSTO, Maria Manuel – Processamento de Salários, Porto: E&B Data, Junho 2009, ISBN: 978-972-99817-7-7.v

[3] Este valor pode posteriormente ser deduzido na declaração de rendimentos anual.

Ver artigo

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/prestacoes-sujeitas-a-taxa-social-unica-trabalhadores-dependentes-2364728.html

    Palavras-chave do artigo:

    prestacoes

    ,

    taxa social unica

    ,

    trabalhadores dependentes

    Comentar sobre o artigo

    ALDINEI RODRIGUES MACENA

    A presente pesquisa tem o escopo de analisar lei nº. 8.742/1993 – Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS) – que regulamenta os artigos 203 e 204 da Constituição Federal de 1988. O principal ponto da LOAS a ser debatido é o benefício de Assistência Continuada, cujo valor corresponde a um salário mínimo, pago a idosos e deficientes, independentemente de contribuição para a Seguridade Social, desde que sejam considerados incapazes de sobreviver sem o auxílio do Estado

    Por: ALDINEI RODRIGUES MACENAl Direito> Doutrinal 13/04/2011 lAcessos: 3,673
    ANTONIO GILSON DE OLIVEIRA

    REDUÇÃO DOS IMPOSTOS, DOS JUROS, FAVORECIMENTO DO CRÉDITO AO MICRO EMPRESÁRIO, CANCELAMENTO DO FUNDO SOBERANO, INCENTIVO AO MICRO EMPREGO, SALARIO E RENDA

    Por: ANTONIO GILSON DE OLIVEIRAl Finançasl 29/12/2009 lAcessos: 512 lComentário: 1

    REGIMES DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SONHO OU PESADELO? Segundo as mais recentes pesquisas divulgadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estática), num futuro recente (fala-se em menos de 40 anos), 30% da população brasileira será composta por idosos. Assim, a sobrecarregada Previdência Social brasileira, que já dá sinais de desgastes, com o envelhecimento da população e a consequente diminuição de contribuintes, estará fadada ao caos!

    Por: Marianal Direito> Legislaçãol 09/01/2015
    Sérgio Henrique S Pereira

    A situação brasileira é periclitante. A sociedade brasileira está perdendo a capacidade de perdoar, de amar, de se solidarizar. Qualquer ser humano que cometa crime demonstra que algo de errado está acontecendo na sociedade

    Por: Sérgio Henrique S Pereiral Direito> Legislaçãol 04/01/2015
    Sérgio Henrique S Pereira

    Este artigo é um resumo, diante da esmagadora falta de respeito das operadoras de telecomunicações, aos direitos fundamentais dos consumidores.

    Por: Sérgio Henrique S Pereiral Direito> Legislaçãol 04/01/2015
    edivaldo coelho da silva

    O técnico de segurança do trabalho frente a assistência em processos de insalubridade e periculosidade

    Por: edivaldo coelho da silval Direito> Legislaçãol 18/12/2014

    As normas processuais a respeito da conexão, da continência e da litispendência destinam-se, em primeiro lugar, a evitar o conflito de julgados. A esse respeito, afirma Gomes Júnior (2005) que conexão e a continência, que se caracterizam por serem formas de modificação ou prorrogação legal de competência (pois advêm da lei), evitam que o conflito lógico de julgados possa levar a uma difamação ou descrença no Poder Judiciário.

    Por: Fabiana Zanonl Direito> Legislaçãol 28/11/2014 lAcessos: 23

    O presente trabalho tem como finalidade analisar a consonância do mecanismo da carona no Sistema de Registro de Preços com os princípios constitucionais norteadores da atuação da Administração Pública e com os princípios regentes da licitação contidos na Lei nº 8.666 de 1993. Apresentar-se-á o mecanismo coloquialmente conhecido na doutrina como carona, instituído pela regulamentação do SRP, percorrendo alguns conceitos e definições acerca do instituto, dispondo uma análise apurada do mecanismo.

    Por: DANTE CRISTINOl Direito> Legislaçãol 26/11/2014 lAcessos: 34

    ). Idealizado para viabilizar um maior grau de segurança dentro dos estabelecimentos prisionais, além de coibir a consecução da prática criminosa por indivíduos condenados que já cumpram pena em regime fechado ou que estejam presos cautelarmente, o chamado RDD diverge opiniões, sendo considerado uma afronta a diversos princípios constitucionais regentes do Direito Penal e Processual Penal pátrio por seus opositores. De outra banda, temos os que defendem o referido regime de disciplina carcerária

    Por: Raquel Guerral Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    A adoção por homoafetos é um tema que trás muitas discussões na sociedade brasileira. O setor mais conservador e religioso da sociedade é avesso a essa possibilidade por parte de casais de homossexuais, justificando sua resposta com um embasamento religioso. O fato é que no Brasil ainda não existe uma lei que regule esse ato por parte desses casais.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    Quais são os rendimentos tributáveis em sede de IRS resultantes do trabalho dependente

    Por: Vitor Cunhal Direito> Legislaçãol 30/09/2010 lAcessos: 781

    Quais são os rendimentos da Categoria A (IRS) Segundo o art.º 1.º do CIRS, revisto pela Lei 198/2001, de 3 de Julho, o imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS) incide sobre o valor anual dos rendimentos, divididos em categorias, sendo os rendimentos do trabalho dependente correspondente à categoria A.

    Por: Vitor Cunhal Direito> Legislaçãol 27/09/2010 lAcessos: 1,444

    Dispensa Temporária do Pagamento de Contribuições para a Segurança Social – Desempregados de Longa Duração

    Por: Vitor Cunhal Direito> Legislaçãol 07/09/2010 lAcessos: 507

    Dispensa Temporária do Pagamento de Contribuições para a Segurança Social – Jovens em situação de primeiro emprego

    Por: Vitor Cunhal Direito> Legislaçãol 07/09/2010 lAcessos: 496

    O regime de segurança social dos trabalhadores independentes destina-se a permitir o acesso ao acesso à segurança social das pessoas que exerçam actividade profissional por conta própria.

    Por: Vitor Cunhal Direito> Legislaçãol 31/08/2010 lAcessos: 1,238

    O que é a insolvência, qual a sua finalidade e natureza?

    Por: Vitor Cunhal Direitol 26/08/2010 lAcessos: 2,932

    Base de Incidência Contributiva (BIC) – Princípio de convergência com a base fiscal

    Por: Vitor Cunhal Direito> Legislaçãol 12/05/2010 lAcessos: 656

    Deveres da entidade patronal decorrentes da celebração do contrato de trabalho – Segurança Social

    Por: Vitor Cunhal Direito> Legislaçãol 08/05/2010 lAcessos: 1,813

    Comments on this article

    2
    Isabel Neto 27/05/2010
    Ex.mos Senhores,

    O meu nome é Maria Isabel Neto, sou funcionária administrativa numa firma no ramo da restauração / hotelaria.

    A firma pretende pagar aos trabalhores com filhos em idade escolar uma pequena verba.
    Após leitura do V/ artigo no qual verifiquei que~sobre essa verba não incidirão descontos para a SS, seria possível esclarecerem-me sobre outras dúvidas que tenho a respeito dessa mesma alineas?
    Como já referi, a alínea em questão corresponde aos subsídios concedidos para o estudo dos filhos dos trabalhadores.
    Há algum montante pré definido ou a empresa é livre de estabelecer os valores que pretende dar? Será o mesmo para todos os anos lectivos ou difere? Tem alguma implicação com o abono de família, isto é os filhos dos trabalhadores que venham a beneficiar deste subsídio iram ser prejudicados em relação ao abono de família que estejam a receber do Instituto da Seg. Social? O valor pode ser pago mensalmente? Não tem descontos para efeitos de segurança social e em questão de IRS?

    Sem outro assunto de momento e desde já grata pela atenção prestada, subscrevo-me.

    Atentamente, Isabel Neto
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast