Reintegração Social: Dificuldades E Possibilidades

Publicado em: 28/07/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 4,569 |

REINTEGRAÇÃO SOCIAL: dificuldades e possibilidades.

                                                             ¹ Valentina Luzia de Jesus

 O retorno à sociedade para aqueles que ficaram segregados num mundo dos “esquecidos.” e que descumpriram as regras, as leis e os valores presentes na sociedade experimentando a força da sociedade sobre ele seria um problema de adaptação bastante dolorosa, principalmente para aquele que internalizou a fenômeno da “prisionização” e que, não recebeu um tratamento penitenciário adequado, não reconhecendo então a sociedade que, são através dos atos que o individuo constroem a própria realidade social é como mostrou Freud citado por Alvino de Sá (1998), a realidade social transforma-se em suporte da realidade psíquica, o outro é ao mesmo tempo um modelo, um objeto, uma sustentação ou de um adversário. A constituição de todo ser humano enquanto sujeito passa por uma relação poliforme com o outro. É através dele que ele se constitui, se reconhece, sente prazer e sofrimento, satisfaz ou não seus desejos e suas pulsões.   O ser humano aparece assim com seu cortejo de racionalidade e de irracionalidade que se encaixa ao mesmo tempo na vida interior e no mundo exterior. Lugar por excelência do imaginário, do inconsciente, de defesas, de processos de identificação, a vida psíquica exerce um papel fundamental no comportamento humano, de ordem individual ou coletiva e não dá importância a essa realidade é condenar-se a uma visão incompleta do homem que pode conduzir a conseqüências patológicas cujos exemplos podem ser encontrados na historia social.  

 Vale ressaltar também, dentro da sociologia de Durkeim (1963), que descreve o fato social que o individuo experimenta que se caracteriza como “coerção social”, isto é, a força que o fato exerce sobre ele, levando-o a conformar-se às regras da sociedade onde vive independente de sua vontade ou escolha. Essa força coercitiva é evidenciada pelas “sanções legais” ou “espontâneas”, é o que o individuo esta sujeito ao rebelar-se contra ela. “Legais” são sanções prescritas pela sociedade, sob forma de leis, nas quais se define a infração e se estabelece a penalidade. Quando este indivíduo pratica algo por pulsão, por defesa, por irracionalidade até mesmo de forma racional ele é expulso do paraíso (a sociedade) para ser encarcerado no inferno (a prisão) E o mais preocupante que estes indivíduos são selecionados para sofrer as sanções impostas pela sociedade, na sua maioria, pobres e negros e ao retorno estarão sofrendo a reação negativa por ter rompido com os valores e princípios, justamente aí em que a Criminologia Clínica Radical critica que a sociedade é quem deve ser transformada. 

Diante disso, Rousseau critica a sociedade e em sua obra Contrato Social, onde, afirma, que a base da vida social estava no interesse comum e no consentimento unânime dos homens em renunciar às suas vontades particulares em favor da coletividade, sempre procurou desvendar a origem das desigualdades sociais e foi um grande partidário de uma sociedade que defendessem princípios igualitários, e que a organização política tivesse uma base livre e contratual, principal tema da Revolução Francesa que se avizinhava, e nas palavras brilhantes de Rousseau (1980, p.45 ), quanto às conseqüências do tal acordo social: “que o homem perde através pelo Contrato Social é a sua liberdade natural e um direito ilimitado a tudo o que tenta e pode alcançar; o que vem a ganhar é a liberdade civil e a propriedade de tudo que passou”.  Enfim para a manutenção da harmonia na sociedade o Estado impôs regras de conduta aos membros do grupo e previu sanções para aqueles que descumprissem as normas. E mais essa sociedade faz com que esses indivíduos se tornem vulneráveis às punições que lhes foram impostas face as transgressões das normas imposta por ela e segundo Zaffaroni, (1991, p.24) 

As pessoas que caem na malhas da lei e são atingidas pelas penas nela previstas são pessoas vulneráveis a todo esse processo de criminalização vigente por força do sistema penal. São “pessoas deteriorada”, são os oprimidos, a vulnerabilidade de personalidade dos condenados é a consciência de um estado deterioração econômica, social e cultural, o que os coloca em situação de bons candidatos para a criminalização”.

 Portanto, uma pessoa arruinada, corrompida,  perde o direito fundamental humano: o direito de nascer para a sociedade e de crescer, dessa forma, os programas de ressocialização não deveria centrar no preso, mas sim na relação entre ele e o meio, entre ele e a sociedade, pois nessa relação pode-se compreender a sua conduta desviada.

  Citando Baratta, (1990, p.141) que diz: reintegração social é todo um processo de abertura do cárcere para a sociedade e de abertura da sociedade para o cárcere e de tornar o cárcere cada vez menos cárcere, na qual a sociedade tem um compromisso, um papel ativo e fundamental.” Nota-se que esse processo de reintegração social é um grande desafio, pois perpassa por todas as questões prisionais, o sistema defende a sociedade daqueles que praticam crime devendo então propiciar a auto reflexão do apenado, sua recuperação e a sua reinserção de forma produtiva, no convívio normal dos cidadãos (se assim são considerados), porém não cumpre o seu papel, pois na defesa da sociedade a prisão serve de base organizacional para o crime contra essa mesma sociedade, na recuperação do apenado não atende efetivamente, pois as falhas existentes, não preparam o preso para o seu retorno ao convívio social, sofrendo então, negativamente a esses processos, principalmente a falta de respeito a sua dignidade humana e consequentemente a sua volta seria difícil. Daí, Rolim, (2003, p. 9) declara: 

Tendo o presente desafio pressupostos pela própria idéia de reintegração social, sustento que é possível revolucionar a instituição prisional se tivermos coragem para tanto, e, sobretudo, uma política definida. Seria preciso ver os internos e condenados, primeiramente, como seres humanos, e, portanto, como sujeitos portadores de direitos, reconhecendo o fenômeno da cidadania. 

Como foi visto, reintegrar um individuo que sofreu o processo da “prisionização” e às suas conseqüências, passa a ser um processo doloroso, pois o aspecto negativo da vida no cárcere deixa marca, estigmatiza o apenado, que não mais se reconhece como cidadão, impossibilitando a reflexão de como pode proceder na sociedade para a sua nova integração, se o processo de ressocialização efetivamente não aconteceu. 

___________________________________________

Pedagoga, psicopedagoga, especialista em Gestão Educacional, em Gestão Prisional e Agente Penitenciário

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/reintegracao-social-dificuldades-e-possibilidades-1077370.html

    Palavras-chave do artigo:

    reintegracao

    ,

    sociedade

    Comentar sobre o artigo

    Trata-se de um estudo sobre a Reintegração de Posse no qual possibilitou, com o advento do Programa de Arrendamento Residencial, o acesso à moradia às pessoas de baixa renda.

    Por: GABRIEL V. S. STEFFENSl Direitol 06/11/2012 lAcessos: 203

    O mundo do trabalho e as implicações que seus processos engendram, certamente afetam diretamente o desenvolvimento da vida dos seres humanos em sociedade, as mudanças ocorridas na sua estrutura, projetam reflexos nas dimensões subjetivas e objetivas do ser social. Nas últimas décadas do século passado e neste início do terceiro milênio, vivenciamos profundas alterações ocorridas nas estruturas do mundo do trabalho, acompanhadas por um momento que se habituou chamar de globalização.

    Por: Cristiano Pinheiro Corrêal Educação> Ensino Superiorl 30/11/2011 lAcessos: 553

    PPP em Minas: preso ficará no mínimo 12h fora da cela, estudando, trabalhando nas oficinas e recebendo atendimento médico-jurídico.

    Por: Cristina toorl Notícias & Sociedade> Polítical 01/02/2013 lAcessos: 22

    O artigo Inclusão: Uma sociedade para todos relata, conceitos, significados, perspectivas e experiência vivenciada na escola regular com a inclusão de alunos portadores de deficiência. A pesquisa procurou descrever as dificuldades e os avanços obtidos ao longo dos anos, além de mudanças ocorridas no comportamento de pessoas que freqüentam o espaço escolar, mudança nas nomenclaturas e opiniões de alguns profissionais da área de educação.

    Por: Silvana Brandão Costa Andradel Educação> Ensino Superiorl 19/05/2012 lAcessos: 915
    JAIR APARECIDO RIBEIRO

    Este estudo se caracteriza como uma pesquisa bibliográfica de revisão de literatura, e também descritiva. Segue-se por uma abordagem descritiva abordando o tema Sistema Penitenciário e a Lei de Execução Penal (LEP), enfocamos a questão do trabalho do apenado com o fator de manutenção dos órgãos públicos, e apresentamos que a atividade de trabalho proporciona o resgate da dignidade e a alto-estima pessoal.

    Por: JAIR APARECIDO RIBEIROl Direito> Legislaçãol 03/04/2012 lAcessos: 374

    RESUMO: Ao contrário dos fins, das funções e dos objetivos alegados, a pena tem cumprido meramente funções ideológicas do sistema penal. Pode-se afirmar que a pena prisional vivencia uma crise de legitimidade, na medida em que os presídios não cumprem de forma eficaz o papel ressocializador. No presente artigo, enunciar-se-ão as teorias da pena e suas funções; abordar-se-á a realidade carcerária; verificar-se-á a aplicabilidade dos institutos jurídicos previstos na LEP; para, em seguida, tratar

    Por: Carla Pereira dos Santosl Direitol 20/11/2009 lAcessos: 3,442 lComentário: 1

    Neste pequeno artigo passo a relatar a grande importância do Agente Prisional como o elo entre o detendo a sociedade, sua formação profissional e de grande valia para a recuperação e reintegração social do apenado, projeto este frente a sua função social, inserido no contexto das politicas e açoes penais da Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização - Ba.

    Por: paulo césar souza argôlol Direito> Legislaçãol 09/09/2011 lAcessos: 405

    O presente artigo tem como objetivo trazer à discussão a questão da aplicação do dolo presumido no Direito Penal brasileiro, uma vez que tal fato consiste, por sua natureza, em contraste com a essência do direito penal, que em seu processo evolutivo busca não somente a vingança, mas sim a pena enquanto medida que possibilite a reintegração do agente à vida social, bem como o cerceamento da liberdade como último recurso do Estado.

    Por: Sérgio Ricardo F. de Azevedol Direitol 09/02/2010 lAcessos: 2,664

    Há diversos meios de ajudar um viciado em drogas a melhorar. A primeira coisa que você pode fazer é esclarecer o assunto: dizer que você sabe do vício dele e que não está lá para julgá-lo, mas para ajudá-lo.

    Por: Mad Maxl Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/02/2013 lAcessos: 47
    edivaldo coelho da silva

    O técnico de segurança do trabalho frente a assistência em processos de insalubridade e periculosidade

    Por: edivaldo coelho da silval Direito> Legislaçãol 18/12/2014

    As normas processuais a respeito da conexão, da continência e da litispendência destinam-se, em primeiro lugar, a evitar o conflito de julgados. A esse respeito, afirma Gomes Júnior (2005) que conexão e a continência, que se caracterizam por serem formas de modificação ou prorrogação legal de competência (pois advêm da lei), evitam que o conflito lógico de julgados possa levar a uma difamação ou descrença no Poder Judiciário.

    Por: Fabiana Zanonl Direito> Legislaçãol 28/11/2014

    O presente trabalho tem como finalidade analisar a consonância do mecanismo da carona no Sistema de Registro de Preços com os princípios constitucionais norteadores da atuação da Administração Pública e com os princípios regentes da licitação contidos na Lei nº 8.666 de 1993. Apresentar-se-á o mecanismo coloquialmente conhecido na doutrina como carona, instituído pela regulamentação do SRP, percorrendo alguns conceitos e definições acerca do instituto, dispondo uma análise apurada do mecanismo.

    Por: DANTE CRISTINOl Direito> Legislaçãol 26/11/2014 lAcessos: 15

    ). Idealizado para viabilizar um maior grau de segurança dentro dos estabelecimentos prisionais, além de coibir a consecução da prática criminosa por indivíduos condenados que já cumpram pena em regime fechado ou que estejam presos cautelarmente, o chamado RDD diverge opiniões, sendo considerado uma afronta a diversos princípios constitucionais regentes do Direito Penal e Processual Penal pátrio por seus opositores. De outra banda, temos os que defendem o referido regime de disciplina carcerária

    Por: Raquel Guerral Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    A adoção por homoafetos é um tema que trás muitas discussões na sociedade brasileira. O setor mais conservador e religioso da sociedade é avesso a essa possibilidade por parte de casais de homossexuais, justificando sua resposta com um embasamento religioso. O fato é que no Brasil ainda não existe uma lei que regule esse ato por parte desses casais.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/11/2014
    Marina Ferreira Pacanhella

    O presente artigo vem tratar sobre o Ativismo Judicial, sendo um produto da Morosidade do Legislativo, que por motivos intrínsecos a própria atividade politica limita a produção eficaz de leis quanto a matérias controversas, que deixam situações desprotegidas. Neste cenário se encontra o Poder Judiciário que por meio das grandes demanda intentadas pela população que clamam seu direitos ainda não normatizados, não sendo possível a omisso do magistrado ao caso concreto dá-se o ativismo judicial.

    Por: Marina Ferreira Pacanhellal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Artigo 306 "dirigir sob a influência de álcool ou substância análoga" Conceitua a legislação, extravagante, lei 9503/97, no seu artigo, 1º " O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, aberta à circulação pública rege-se por este código." Estabelece o artigo 306 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que "dirigir veículo automotor sob a influência de álcool ou qualquer outra substância que cause dependência".

    Por: eugenioluiz de paulal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    A presente pesquisa discorre sobre os impactos negativos causados pelo cyberbullying, especialmente o sofrimento imposto às suas vítimas, que cada vez mais são atingidas por atos acobertados pelo anonimato da internet, principalmente das redes sociais. Essas situações humilhantes, causados pelo cyberbullying, afetam de forma significativa as vítimas, tanto que muitas acabam se isolando do mundo exterior, ficando doentes, levando algumas ao extremo de atentarem contra a própria vida. Assim, no de

    Por: Edinamar Aparecida I. da Costal Direito> Legislaçãol 25/11/2014
    valentina luzia de jesus

    O ser humano ao ir para prisão não perde somente a liberdade, passa também a incorporar as normas e as leis próprias de dentro do sistema prisional, passando então, a lidar com diferentes aspectos da vida na prisão, adquirindo, portanto os efeitos da prisionização.

    Por: valentina luzia de jesusl Direito> Legislaçãol 04/12/2010 lAcessos: 280
    valentina luzia de jesus

    O objetivo da prisão é ressocializar o preso, porém será que a ressocialização é possível pela forma como funciona o sistema prisional?

    Por: valentina luzia de jesusl Direito> Legislaçãol 23/07/2009 lAcessos: 7,532 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast