Reintegração Social: Dificuldades E Possibilidades

Publicado em: 28/07/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 4,525 |

REINTEGRAÇÃO SOCIAL: dificuldades e possibilidades.

                                                             ¹ Valentina Luzia de Jesus

 O retorno à sociedade para aqueles que ficaram segregados num mundo dos “esquecidos.” e que descumpriram as regras, as leis e os valores presentes na sociedade experimentando a força da sociedade sobre ele seria um problema de adaptação bastante dolorosa, principalmente para aquele que internalizou a fenômeno da “prisionização” e que, não recebeu um tratamento penitenciário adequado, não reconhecendo então a sociedade que, são através dos atos que o individuo constroem a própria realidade social é como mostrou Freud citado por Alvino de Sá (1998), a realidade social transforma-se em suporte da realidade psíquica, o outro é ao mesmo tempo um modelo, um objeto, uma sustentação ou de um adversário. A constituição de todo ser humano enquanto sujeito passa por uma relação poliforme com o outro. É através dele que ele se constitui, se reconhece, sente prazer e sofrimento, satisfaz ou não seus desejos e suas pulsões.   O ser humano aparece assim com seu cortejo de racionalidade e de irracionalidade que se encaixa ao mesmo tempo na vida interior e no mundo exterior. Lugar por excelência do imaginário, do inconsciente, de defesas, de processos de identificação, a vida psíquica exerce um papel fundamental no comportamento humano, de ordem individual ou coletiva e não dá importância a essa realidade é condenar-se a uma visão incompleta do homem que pode conduzir a conseqüências patológicas cujos exemplos podem ser encontrados na historia social.  

 Vale ressaltar também, dentro da sociologia de Durkeim (1963), que descreve o fato social que o individuo experimenta que se caracteriza como “coerção social”, isto é, a força que o fato exerce sobre ele, levando-o a conformar-se às regras da sociedade onde vive independente de sua vontade ou escolha. Essa força coercitiva é evidenciada pelas “sanções legais” ou “espontâneas”, é o que o individuo esta sujeito ao rebelar-se contra ela. “Legais” são sanções prescritas pela sociedade, sob forma de leis, nas quais se define a infração e se estabelece a penalidade. Quando este indivíduo pratica algo por pulsão, por defesa, por irracionalidade até mesmo de forma racional ele é expulso do paraíso (a sociedade) para ser encarcerado no inferno (a prisão) E o mais preocupante que estes indivíduos são selecionados para sofrer as sanções impostas pela sociedade, na sua maioria, pobres e negros e ao retorno estarão sofrendo a reação negativa por ter rompido com os valores e princípios, justamente aí em que a Criminologia Clínica Radical critica que a sociedade é quem deve ser transformada. 

Diante disso, Rousseau critica a sociedade e em sua obra Contrato Social, onde, afirma, que a base da vida social estava no interesse comum e no consentimento unânime dos homens em renunciar às suas vontades particulares em favor da coletividade, sempre procurou desvendar a origem das desigualdades sociais e foi um grande partidário de uma sociedade que defendessem princípios igualitários, e que a organização política tivesse uma base livre e contratual, principal tema da Revolução Francesa que se avizinhava, e nas palavras brilhantes de Rousseau (1980, p.45 ), quanto às conseqüências do tal acordo social: “que o homem perde através pelo Contrato Social é a sua liberdade natural e um direito ilimitado a tudo o que tenta e pode alcançar; o que vem a ganhar é a liberdade civil e a propriedade de tudo que passou”.  Enfim para a manutenção da harmonia na sociedade o Estado impôs regras de conduta aos membros do grupo e previu sanções para aqueles que descumprissem as normas. E mais essa sociedade faz com que esses indivíduos se tornem vulneráveis às punições que lhes foram impostas face as transgressões das normas imposta por ela e segundo Zaffaroni, (1991, p.24) 

As pessoas que caem na malhas da lei e são atingidas pelas penas nela previstas são pessoas vulneráveis a todo esse processo de criminalização vigente por força do sistema penal. São “pessoas deteriorada”, são os oprimidos, a vulnerabilidade de personalidade dos condenados é a consciência de um estado deterioração econômica, social e cultural, o que os coloca em situação de bons candidatos para a criminalização”.

 Portanto, uma pessoa arruinada, corrompida,  perde o direito fundamental humano: o direito de nascer para a sociedade e de crescer, dessa forma, os programas de ressocialização não deveria centrar no preso, mas sim na relação entre ele e o meio, entre ele e a sociedade, pois nessa relação pode-se compreender a sua conduta desviada.

  Citando Baratta, (1990, p.141) que diz: reintegração social é todo um processo de abertura do cárcere para a sociedade e de abertura da sociedade para o cárcere e de tornar o cárcere cada vez menos cárcere, na qual a sociedade tem um compromisso, um papel ativo e fundamental.” Nota-se que esse processo de reintegração social é um grande desafio, pois perpassa por todas as questões prisionais, o sistema defende a sociedade daqueles que praticam crime devendo então propiciar a auto reflexão do apenado, sua recuperação e a sua reinserção de forma produtiva, no convívio normal dos cidadãos (se assim são considerados), porém não cumpre o seu papel, pois na defesa da sociedade a prisão serve de base organizacional para o crime contra essa mesma sociedade, na recuperação do apenado não atende efetivamente, pois as falhas existentes, não preparam o preso para o seu retorno ao convívio social, sofrendo então, negativamente a esses processos, principalmente a falta de respeito a sua dignidade humana e consequentemente a sua volta seria difícil. Daí, Rolim, (2003, p. 9) declara: 

Tendo o presente desafio pressupostos pela própria idéia de reintegração social, sustento que é possível revolucionar a instituição prisional se tivermos coragem para tanto, e, sobretudo, uma política definida. Seria preciso ver os internos e condenados, primeiramente, como seres humanos, e, portanto, como sujeitos portadores de direitos, reconhecendo o fenômeno da cidadania. 

Como foi visto, reintegrar um individuo que sofreu o processo da “prisionização” e às suas conseqüências, passa a ser um processo doloroso, pois o aspecto negativo da vida no cárcere deixa marca, estigmatiza o apenado, que não mais se reconhece como cidadão, impossibilitando a reflexão de como pode proceder na sociedade para a sua nova integração, se o processo de ressocialização efetivamente não aconteceu. 

___________________________________________

Pedagoga, psicopedagoga, especialista em Gestão Educacional, em Gestão Prisional e Agente Penitenciário

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 5 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/reintegracao-social-dificuldades-e-possibilidades-1077370.html

    Palavras-chave do artigo:

    reintegracao

    ,

    sociedade

    Comentar sobre o artigo

    Trata-se de um estudo sobre a Reintegração de Posse no qual possibilitou, com o advento do Programa de Arrendamento Residencial, o acesso à moradia às pessoas de baixa renda.

    Por: GABRIEL V. S. STEFFENSl Direitol 06/11/2012 lAcessos: 163

    O mundo do trabalho e as implicações que seus processos engendram, certamente afetam diretamente o desenvolvimento da vida dos seres humanos em sociedade, as mudanças ocorridas na sua estrutura, projetam reflexos nas dimensões subjetivas e objetivas do ser social. Nas últimas décadas do século passado e neste início do terceiro milênio, vivenciamos profundas alterações ocorridas nas estruturas do mundo do trabalho, acompanhadas por um momento que se habituou chamar de globalização.

    Por: Cristiano Pinheiro Corrêal Educação> Ensino Superiorl 30/11/2011 lAcessos: 479

    PPP em Minas: preso ficará no mínimo 12h fora da cela, estudando, trabalhando nas oficinas e recebendo atendimento médico-jurídico.

    Por: Cristina toorl Notícias & Sociedade> Polítical 01/02/2013 lAcessos: 20

    O artigo Inclusão: Uma sociedade para todos relata, conceitos, significados, perspectivas e experiência vivenciada na escola regular com a inclusão de alunos portadores de deficiência. A pesquisa procurou descrever as dificuldades e os avanços obtidos ao longo dos anos, além de mudanças ocorridas no comportamento de pessoas que freqüentam o espaço escolar, mudança nas nomenclaturas e opiniões de alguns profissionais da área de educação.

    Por: Silvana Brandão Costa Andradel Educação> Ensino Superiorl 19/05/2012 lAcessos: 789
    JAIR APARECIDO RIBEIRO

    Este estudo se caracteriza como uma pesquisa bibliográfica de revisão de literatura, e também descritiva. Segue-se por uma abordagem descritiva abordando o tema Sistema Penitenciário e a Lei de Execução Penal (LEP), enfocamos a questão do trabalho do apenado com o fator de manutenção dos órgãos públicos, e apresentamos que a atividade de trabalho proporciona o resgate da dignidade e a alto-estima pessoal.

    Por: JAIR APARECIDO RIBEIROl Direito> Legislaçãol 03/04/2012 lAcessos: 356

    RESUMO: Ao contrário dos fins, das funções e dos objetivos alegados, a pena tem cumprido meramente funções ideológicas do sistema penal. Pode-se afirmar que a pena prisional vivencia uma crise de legitimidade, na medida em que os presídios não cumprem de forma eficaz o papel ressocializador. No presente artigo, enunciar-se-ão as teorias da pena e suas funções; abordar-se-á a realidade carcerária; verificar-se-á a aplicabilidade dos institutos jurídicos previstos na LEP; para, em seguida, tratar

    Por: Carla Pereira dos Santosl Direitol 20/11/2009 lAcessos: 3,403 lComentário: 1

    Neste pequeno artigo passo a relatar a grande importância do Agente Prisional como o elo entre o detendo a sociedade, sua formação profissional e de grande valia para a recuperação e reintegração social do apenado, projeto este frente a sua função social, inserido no contexto das politicas e açoes penais da Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização - Ba.

    Por: paulo césar souza argôlol Direito> Legislaçãol 09/09/2011 lAcessos: 375

    O presente artigo tem como objetivo trazer à discussão a questão da aplicação do dolo presumido no Direito Penal brasileiro, uma vez que tal fato consiste, por sua natureza, em contraste com a essência do direito penal, que em seu processo evolutivo busca não somente a vingança, mas sim a pena enquanto medida que possibilite a reintegração do agente à vida social, bem como o cerceamento da liberdade como último recurso do Estado.

    Por: Sérgio Ricardo F. de Azevedol Direitol 09/02/2010 lAcessos: 2,637

    Há diversos meios de ajudar um viciado em drogas a melhorar. A primeira coisa que você pode fazer é esclarecer o assunto: dizer que você sabe do vício dele e que não está lá para julgá-lo, mas para ajudá-lo.

    Por: Mad Maxl Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/02/2013 lAcessos: 37
    Marco Peixoto

    Através do Criminal Compliance, a atuação de dirigentes e funcionários das empresas deverão estar alinhados aos valores e objetivos da organização, fixando normas relativas a atuação destes, em consonância com a legislação pertinente a respectiva área de atuação, objetivando a redução de riscos e práticas ilícitas, constituindo desta forma, importante instrumento a prevenção da responsabilidade penal das empresas e seus dirigentes.

    Por: Marco Peixotol Direito> Legislaçãol 16/09/2014
    Dra Ryceli Nóbrega

    Quase um ''Second Life'' (uma vida paralela, na qual se pode ser quem quiser) Jurídico no qual o advogado é seu ''Avatar'' (personagem).

    Por: Dra Ryceli Nóbregal Direito> Legislaçãol 15/09/2014

    Marca é a representação simbólica de uma entidade. Ela Identifica no mercado os produtos ou serviços de uma empresa, distinguindo-os dos de outras empresas. Basicamente ela serve para distinguir os produtos, mercadorias ou serviços de outros idênticos, semelhantes ou afins, pertencentes a outros produtores ou prestadores de serviço.

    Por: adminl Direito> Legislaçãol 12/09/2014
    Taciana Dos Santos Chines

    Esclarecer dúvidas sobre o beneficio e fazer entender a importância da existência do mesmo.

    Por: Taciana Dos Santos Chinesl Direito> Legislaçãol 30/08/2014

    O presente artigo trata sobre a regulamentacao da lei n.o 12.305/10, da politica nacional de residuos solidos, que se deu atraves do decreto n.o 7.404/10, abordando, de uma forma geral, os diversos aspectos que envolvem os residuos solidos.

    Por: Guilherme Anderson Caneppelel Direito> Legislaçãol 18/08/2014
    Dra Ryceli Nóbrega

    Por uma questão de igualdade, o homem deve receber o salário maternidade em algumas situações pontuais, é o que veremos.

    Por: Dra Ryceli Nóbregal Direito> Legislaçãol 17/08/2014
    Dra Ryceli Nóbrega

    O Auxílio Acidente deve ser pago ao Empregado Doméstico mesmo que a legislação diga o contrário, com base no Princípio da Igualdade, direito Constitucional.

    Por: Dra Ryceli Nóbregal Direito> Legislaçãol 17/08/2014
    Dra Ryceli Nóbrega

    AUXÍLIO DOENÇA E quando o INSS não paga e nem a EMPRESA aceita o retorno?

    Por: Dra Ryceli Nóbregal Direito> Legislaçãol 17/08/2014
    valentina luzia de jesus

    O ser humano ao ir para prisão não perde somente a liberdade, passa também a incorporar as normas e as leis próprias de dentro do sistema prisional, passando então, a lidar com diferentes aspectos da vida na prisão, adquirindo, portanto os efeitos da prisionização.

    Por: valentina luzia de jesusl Direito> Legislaçãol 04/12/2010 lAcessos: 264
    valentina luzia de jesus

    O objetivo da prisão é ressocializar o preso, porém será que a ressocialização é possível pela forma como funciona o sistema prisional?

    Por: valentina luzia de jesusl Direito> Legislaçãol 23/07/2009 lAcessos: 7,487 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast