SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO

Publicado em: 26/11/2010 |Comentário: 2 | Acessos: 12,346 |

SUMARIO

1. Introdução

2. Conceitos

2.1 – Suspensão do Contrato de Trabalho

2.2 – Interrupção do Contrato de Trabalho

3. Situação em Comum na Suspensão ou Interrupção

3.1 – Alteração no Direito às Férias

3.2 – Proporcionalidade no Pagamento do 13º Salário

3.2.1 – Licença Maternidade

3.2.2 - Serviço Militar Obrigatório

3.2.3 - Licença Sem Previsão Legal

3.3 – Contrato Determinado ou Experiência

3.4 - Prazo Para Retorno após a Suspensão ou Interrupção do Contrato de Trabalho

4. Características da Suspensão Contratual

4.1 - Casos Tipificados da Suspensão do Contrato de Trabalho

4.1.2 - Suspensão Imotivado pela Vontade do Empregado

4.1.3 - Suspensão por Motivo Permitido Atribuído ao Empregado 

4.1.4 – Suspensão Não Remunerada a Pedido do Empregado

4.1.5 - Suspensão Por Motivo Censurável Atribuído ao Empregado

4.1.6 - Efeitos da Suspensão do Contrato de Trabalho

5. Características da Interrupção do Contrato de Trabalho

5.1 - Casos Tipificados da Interrupção do Contrato de Trabalho

5.1.1 – Acidente de Trabalho Durante o Aviso Prévio

5.1.2 – Ausência ou Faltas Justificadas

5.2 – Professor Empregado - Ausência ou Faltas Justificadas

5.3 - Efeitos da Interrupção do Contrato de Trabalho

6. Penalidades/Reintegração

  

1. INTRODUÇÃO

O contrato de trabalho poderá sofrer variações na continuidade, pois pode ser suspenso ou interrompido, diante de diversas ocorrências na prestação laboral, porém não perderá o vínculo da relação de emprego, ou seja, o empregado terá as mesmas garantias que tinha antes, conforme previsão dos artigos 471 a 476-A da CLT. Que veremos no decorrer da matéria.

A suspensão e interrupção é a relação que provoca a paralisação total ou parcial do contrato de trabalho deixando de existir vínculo entre as partes temporariamente.

Existem algumas situações que esses efeitos acontecem por diversas causas:

a) o empregado deixa de trabalhar e o empregador não lhe paga o salário;

 b) outras vezes, a obrigação de pagar salário é exigível sem a contraprestação de trabalho.

 

2. CONCEITOS

2.1 – Suspensão Do Contrato De Trabalho

Na suspensão, não há prestação de serviço, nem remuneração, mas o contrato de trabalho continua vigendo, ou seja, não há rompimento do vínculo empregatício entre as partes (empregado e empregador) e também não há a dissolução do respectivo vínculo contratual que lhe formou, porém as obrigações principais não são exigíveis na suspensão.

2.2 – Interrupção Do Contrato De Trabalho

Na interrupção, apesar de não haver prestação de serviço, o empregado continua a perceber sua remuneração habitual. O contrato de trabalho continua vigendo, sendo que as obrigações principais são exigíveis parcialmente na interrupção.

"É a sustação temporária da principal obrigação do empregado (prestação do serviço e disponibilidade perante o empregador) no contrato de trabalho, em virtude de um fato relevante juridicamente, no qual todas as cláusulas contratuais são mantidas. É a interrupção de modo restrito e unilateral".

3. SITUAÇÃO EM COMUM NA SUSPENSÃO OU INTERRUPÇÃO

Suspensão ou interrupção na relação contratual afeta a sua continuidade, produzindo efeitos nas obrigações e direitos estabelecidos em lei, acordo coletivo ou contrato.

Porém a legislação trabalhista através da previsão do artigo 471 da CLT garante:

"Ao empregado afastado do emprego são asseguradas, por ocasião de sua volta, todas as vantagens que, em sua ausência, tenham sido atribuídas à categoria a que pertencia na empresa". 

3.1 – Alteração no Direito às Férias

Os empregados que adquiriram o direito a férias por terem trabalhado os 12 meses do período aquisitivo, ainda que recebam licença remunerada nas possibilidades previstas nos incisos II e III do art. 133 da CLT, não perderão o direito ao gozo das férias. Tal procedimento baseia-se no princípio consagrado na CF, art. 5º, inciso XXXVI, segundo o qual a lei não prejudicará o já direito adquirido.

Ocorre a perda, somente, quanto aos períodos aquisitivos em formação. Iniciando-se, por ocasião do retorno do empregado ao trabalho, novo período aquisitivo, conforme o artigo 133 da CLT:

"ART. 133 - Não terá direito a férias o empregado que, no curso do período aquisitivo:

I - deixar o emprego e não for readmitido dentro dos 60 (sessenta) dias subseqüentes à sua saída;

II - permanecer em gozo de licença, com percepção de salário, por mais de 30 (trinta) dias;

III - deixar de trabalhar, com percepção do salário, por mais de 30 (trinta) dias, em virtude de paralisação parcial ou total dos serviços da empresa; e

IV - tiver percebido da Previdência Social prestações de acidente de trabalho ou de auxílio-doença por mais de 6 (seis) meses, embora descontínuos".

Lembrando que os primeiros 15 (quinze) dias de afastamento são custeados pelo empregador, portanto, a contagem dos seis meses começa a contar a partir do 16º dia. Se o afastamento for superior a seis meses dentro do mesmo período aquisitivo, o empregado perde as férias correspondentes a este período; se for inferior a seis meses, poderá gozá-las na integralidade, desconsiderando-se o período afastado.

Observação: A interrupção da prestação de serviços deve ser anotada na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS).

3.2 – Proporcionalidade no Pagamento do 13º Salário

A licença remunerada não interfere no cálculo e pagamento do 13º salário, visto que é computada no tempo de serviço.

Já a licença não remunerada, se igual ou superior a 15 dias no mês, acarreta a perda de 1/12 avos do 13º salário.

Observação: Durante a suspensão ou interrupção do contrato de trabalho, o empregado que estiver em licença previdenciária, no caso de auxílio doença ou acidente, a Previdência Social irá pagar o 13° salário, conforme a proporcionalidade do afastamento do segurado.

3.2.1 – Licença Maternidade

A Lei nº 10.710/2003 restabeleceu o pagamento do salário-maternidade pela empresa a partir de 1º de setembro de 2003.

O pagamento do 13° salário será pago pelo empregador e o reembolso referente ao período que a empregada estava em licença maternidade, será deduzido na GPS em que recolher a contribuição incidente sobre o 13º Salário, ou seja, competência 13 (treze).

3.2.2 - Serviço Militar Obrigatório

O empregado afastado para o serviço militar obrigatório terá direito ao 13º Salário, correspondente ao período anterior e posterior (se houver) ao afastamento.

O período de ausência não é computado para fins do 13º Salário e para férias.

Importante: É exigível depósito mensal do FGTS correspondente ao período de afastamento, inclusive ao 13º Salário pela sua totalidade, conforme estabelece o artigo 4º, parágrafo único, da CLT (IN SIT n° 84/2010, artigo 6°, inciso I).

3.2.3 - Licença Sem Previsão Legal

O empregador não está obrigado a conceder licenças sem previsão legal, como o caso de licença a pedido do empregado, mas poderá concedê-la, por acordo (escrito), a pedido do empregado.

Na concessão de licença não prevista em lei, ocorrem situações bem distintas, quanto a sua natureza, pois a forma de sua concessão poderá configurar suspensão ou interrupção do contrato de trabalho individual, conforme acordem as partes.

Licença concedida a pedido do empregado, sem previsão na legislação:

a) interrupção do contrato, paga-se salário e conta como tempo de serviço (FGTS, Férias, 13° Salário, etc.);

b) suspensão do contrato, não paga-se salário e não conta como tempo de serviço (FGTS, Férias, 13° Salário, etc.).

3.3 – Contrato Determinado Ou Experiência

A doutrina entende que durante o período de contrato determinado ou experiência, a suspensão ou interrupção não tem efeito, ou seja, mesmo havendo afastamento por auxílio doença, por exemplo, o contrato terminará na data prevista ou determinada pelas partes.

Jurisprudência:

"Gestante - estabilidade provisória - contrato de experiência - O contrato de experiência, modalidade de contrato por prazo determinado (CLT, art. 443, § 2º, letra c), tem como característica o ser celebrado sob condição resolutiva, dependente de avaliação a que tem direito o empregador. Esse direito de avaliação assegura ao empregador, como não poderia deixar de ser, o direito de optar pela não manutenção do vínculo após o término do prazo da experiência. Em assim sendo, não se coaduna, o contrato de experiência, com o direito da empregada gestante à garantia do emprego. Embargos providos." (Acórdão unânime da SBDI-1 do TST- ERR 96712/937 -Rel. Min. Manoel Mendes de Freitas - DJU-1 de 08.11.96, pág. 43.428)

3.4 - Prazo para Retorno após a Suspensão ou Interrupção do Contrato de Trabalho

Com a sustação da causa suspensiva do contrato, deve o empregado retornar ao serviço e dar continuidade ao contrato de trabalho imediatamente.

Caso o empregado não retorne a sua ausência deve ser injustificada, ou seja, ele literalmente desaparece e não explica o motivo de suas faltas.

Ressaltamos que para caracterizar o abandono de emprego são necessárias faltas ininterruptas dentro de determinado período. Se as faltas forem alternadas não caracterizam o chamado abandono de emprego, mas sim a desídia, ou seja, o desleixo do empregado no cumprimento de suas obrigações contratuais.

O prazo de 30 (trinta) dias é um parâmetro utilizado pelos tribunais para caracterização do abandono de emprego após vários julgamentos. Elegeram esse período como prazo razoável para se demonstrar o desinteresse do empregado por seu emprego, pois o artigo 482 da CLT, alínea "i", não dispõe sobre a quantidade de dias.

"Art. 482 da CLT - Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador:

i) abandono de empregos."

Súmula do TST (Tribunal Superior do Trabalho) nº 32 de 2003 - "Presume-se o abandono de emprego se o trabalhador não retornar ao serviço no prazo de 30 (trinta) dias após a cessação do benefício previdenciário nem justificar o motivo de não o fazer".

Jurisprudências:

"ABANDONO DE EMPREGO - Empregada que depois de licença médica começa a faltar, indica outra pessoa para ficar no seu lugar e não aceita convite do empregador para retornar ao trabalho, demonstra intenção de abandonar o emprego, que resta configurado. (TRT/SP - 02101200801702001 - RS - Ac. 11ªT 20090760926 - Rel. Jomar Luz de Vassimon Freitas - DOE 22.09.2009)."

4. CARACTERÍSTICAS DA SUSPENSÃO CONTRATUAL

Uma das características é a sustação da execução do contrato de trabalho permanecendo o vínculo entre as partes (empregado e empregador), ou seja, é uma cessação temporária total do contrato de trabalho, conforme abaixo:

a) não há prestação de serviços;

b) não há pagamento de salário.

Há a preservação da vigência do contrato do trabalho, porém todas as suas cláusulas deixam de vigorar, pois a sustação é ampla e bilateral.

Durante a sustação, as cláusulas contratuais não se aplicam, pois não se paga salários, não se presta serviços, não se computa tempo de serviço, não produz recolhimento e outros. Tendo em vista não serem devidos salários, não há necessidade de recolhimento previdenciário e nem obrigação de depositar FGTS.

Quando cessar o período de suspensão, o contrato de trabalho volta a vigorar normalmente. É assegurado ao empregado, o retorno ao cargo que exercia na época da suspensão, garantindo todas as vantagens que, durante sua ausência, tenham sido atribuídas à categoria a que pertencia o trabalhador.

4.1 - Casos Tipificados da Suspensão do Contrato de Trabalho

4.1.2 - Suspensão Imotivado pela Vontade do Empregado

a) afastamento previdenciário, por motivo de doença, até o 15°, é pago pelo empregador e a partir do 16° é o INSS quem paga o benefício (artigo 476, CLT);

b) afastamento previdenciário, por motivo de acidente do trabalho, até o 15°, é pago pelo empregador e a partir do 16° é o INSS quem paga o benefício (art. 476, CLT; parágrafo único do art. 4º, CLT);

c) o empregado que for aposentado por invalidez, ou seja, aposentadoria provisória por invalidez, terá suspenso o seu contrato de trabalho durante o prazo fixado pelas leis de previdência social para a efetivação do benefício (art. 475 da CLT);

d) para cumprimento do encargo público obrigatório e para prestação de serviço militar (art. 483, parágrafo 1º da CLT; art. 472, CLT).

Jurisprudências:

AUXÍLIO-DOENÇA NO CURSO DE CONTRATO DE EXPERIÊNCIA - SUSPENSÃO - A percepção de auxílio-doença no curso de contrato de experiência, espécie de contrato por prazo determinado, acarreta sua suspensão, conforme previsto no art. 476 da CLT. Não ocorre, contudo, prorrogação. Assim, a data de extinção do contrato de trabalho dá-se no momento da expiração do benefício previdenciário. São devidos ao Reclamante somente saldo salarial, décimo terceiro proporcional, férias proporcionais e respectivo adicional e depósitos do FGTS, até o início da percepção do benefício previdenciário, Autorizada a compensação. Recurso conhecido e parcialmente provido. Invertido o ônus da sucumbência, com isenção do recolhimento das custas. Brasília, 30 de junho de 2004. PROC. Nº TST-RR-14.326/2002-902-02-00.0 Ministra-Relatora Maria Cristina Irigoyen Peduzzi.

AGRAVO DE INSTRUMENTO. SUSPENSÃO DO CONTRATO DE TRABALHO. Considerando que a aposentadoria por invalidez provisória constitui uma das causas de suspensão do contrato de trabalho, tem-se que, enquanto perdurar a condição suspensiva, o contrato de trabalho não poderá ser rescindido. Agravo de instrumento não provido. TST - AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA: AIRR 52101 52101/2002-900-03-00.3

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/suspensao-e-interrupcao-do-contrato-de-trabalho-3739021.html

    Palavras-chave do artigo:

    suspensao

    ,

    e interrupcao

    ,

    do contrato de trabalho

    Comentar sobre o artigo

    Carlos Alberto Lopes

    SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO - II

    Por: Carlos Alberto Lopesl Direito> Legislaçãol 26/11/2010 lAcessos: 3,954
    AGATHA STHEFANINI

    A maioria da doutrina esclarece que na suspensão a empresa não deve pagar salários, há necessidade do pagamento que se encontra afastado. Na interrupção, há necessidade do pagamento dos salários no afastamento do trabalhador e, também a contagem do tempo de serviço.

    Por: AGATHA STHEFANINIl Direitol 02/03/2011 lAcessos: 2,374
    Dr. Marcos Raul de Almeida Souza

    A violencia doméstica no ambito das relações familiares

    Por: Dr. Marcos Raul de Almeida Souzal Direitol 01/11/2009 lAcessos: 983

    O presente trabalho expõe de forma crítica o regime do FGTS em relação aos obreiros que sofreram acidente do trabalho. A relevância social do tema e seu destaque no cenário atual fazem com que o estudioso da matéria busque alternativas para solucionar ou amenizar a situação que ora se impôs, qual seja, a quantidade diária de acidentes do trabalho ocorridos no nosso País. Com o presente estudo, pretendeu-se amenizar a situação do obreiro afetado pelo evento infortunístico.

    Por: diego franco gonçalvesl Direito> Doutrinal 30/09/2010 lAcessos: 4,944 lComentário: 2

    Não é admissível para a sociedade contemporânea o exercício da liberdade de trabalho sem qualquer ponderação da ordem social. O Estado Democrático de Direito em que se funda o Estado brasileiro urge pela sociabilidade das relações sociais, de maneira que embora haja o interesse de se contemplar o interesse privado há a necessária observação de que o mesmo deve se adequar aos anseios coletivos. É o interesse social preponderante sobre o espírito egoístico do individualismo.

    Por: Gustavo Henrichs Faverol Direitol 08/04/2011 lAcessos: 1,085

    Introdução Este papel chave na contratação preocupações e faz as perguntas "O que os proprietários querem? O que eles ganham? "A análise é dada uma definição contratual por referência as Condições do Contrato de EPC Turnkey Projects publicado pela FIDIC, também conhecido como o Livro de Prata. Também se fazia referência ao modelo ICC contrato quando este documento foi inicialmente planejada, embora novo do TPI Modelo de Contrato para grandes projectos que ainda não (Agosto 2007) foi publicado. O

    Por: Sergio Lopes de Souza Juniorl Negócios> Gerêncial 29/09/2009 lAcessos: 2,751

    A Apostila Objetiva - TRT PARÁ Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região é uma apostila digital desenvolvida especificamente para o concurso público de 2010 do TRT 8ª Região do estado para Pará, para o cargo de Técnico Judiciário Área Administrava, de acordo com o edital publicado. A apostila permite construir resumos e/ou anotações. Você faz os resumos, podendo editá-los e imprimi-los. É possível também receber, se necessário, atualizações. Conteúdo completo da apostila para TRT da 8ª Região

    Por: Klaytonl Carreira> Gestão de Carreiral 11/09/2010 lAcessos: 557
    GUSTAVO H FLORENCIO S THEODORO

    O presente artigo reúne elementos que permitem ter a uma idéia quanto à possibilidade dos servidores públicos civis promoverem movimentos grevistas, considerando-se que o art. 37, VII, da Constituição Federal de 1988 exige regulamentação da matéria através de lei específica:Este direito representa uma das maiores conquistas no ramo trabalhista.

    Por: GUSTAVO H FLORENCIO S THEODOROl Direito> Legislaçãol 19/08/2011 lAcessos: 1,032
    Talita F. do Nascimento Weber

    A primeira lei de férias surgiu na Inglaterra em 1872, destinada aos operários da indústria. Na Áustria, em 1919 foi promulgada a primeira lei que concedeu férias a todos os trabalhadores assalariados. Este trabalho tem por escopo detalhar, de forma mais específica, o período aquisitivo e concessivo desse descanso trabalhista.

    Por: Talita F. do Nascimento Weberl Direito> Legislaçãol 25/05/2011 lAcessos: 2,311

    Breve explicação em torno do tema licitações públicas, descrevendo um pouco do seu significado, a legislação utilizada, as modalidades previstas além dos seus tipos.

    Por: Guilhermel Direito> Legislaçãol 21/10/2014

    Durante anos houveram estudos para que fossem criados meios de proteger os homens e mulheres que precisavam de cuidados especiais, principalmente no momento em que chegasse à idade avançada. Estas pessoas durante toda vida trabalharam e buscaram cuidar de seus familiares, e não poderiam nas fases mais avançadas de idade se sentir abandonados e em situação de vida indigna.

    Por: MAIARA NANCI MICHELONl Direito> Legislaçãol 21/10/2014

    Em tempos de eleição, o que mais ouvimos por ai são propostas, que muitos de nos sabemos, muitas vezes caíram num esquecimento por parte dos nossos governantes atuais, ou futuros. O que todos nos brasileiros concordamos, independente de nossos posicionamentos políticos, è que um dos maiores problemas do país sem dúvida é a segurança pública.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 15/10/2014

    Atualmente o Brasil é o país com maior numero de faculdades de direito no mundo, o que significa que ano após ano umas enxurradas de novos profissionais saem ao mercado de trabalho em busca de um lugar ao sol.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 10/10/2014
    Paulo Vitor Urbano dos Santos

    A convivência familiar é um direito da criança. A família é responsável pela proteção e formação da criança, mas nem sempre esses direitos são observados, a criança ou menor pode ser vítima de negligência, exploração, violência ou crueldade, nesses casos o Estado passa a ser responsável pela proteção da criança ou adolescente e o Poder Judiciário pode inclusive, a depender do caso, destituir os genitores do Poder Familiar.

    Por: Paulo Vitor Urbano dos Santosl Direito> Legislaçãol 03/10/2014

    Este arquivo descreve o que seria uma procuração e ajuda o leito com uma linguagem simples e exemplos de quando utilizar uma procuração

    Por: Jose Silveiral Direito> Legislaçãol 29/09/2014
    Marco Peixoto

    Através do Criminal Compliance, a atuação de dirigentes e funcionários das empresas deverão estar alinhados aos valores e objetivos da organização, fixando normas relativas a atuação destes, em consonância com a legislação pertinente a respectiva área de atuação, objetivando a redução de riscos e práticas ilícitas, constituindo desta forma, importante instrumento a prevenção da responsabilidade penal das empresas e seus dirigentes.

    Por: Marco Peixotol Direito> Legislaçãol 16/09/2014
    Dra Ryceli Nóbrega

    Quase um ''Second Life'' (uma vida paralela, na qual se pode ser quem quiser) Jurídico no qual o advogado é seu ''Avatar'' (personagem).

    Por: Dra Ryceli Nóbregal Direito> Legislaçãol 15/09/2014 lAcessos: 12
    Carlos Alberto Lopes

    SUSPENSÃO E INTERRUPÇÃO DO CONTRATO DE TRABALHO - II

    Por: Carlos Alberto Lopesl Direito> Legislaçãol 26/11/2010 lAcessos: 3,954
    Carlos Alberto Lopes

    Empresa é condenada por restringir utilização de banheiro e bebedouro

    Por: Carlos Alberto Lopesl Direitol 09/07/2009 lAcessos: 752
    Carlos Alberto Lopes

    Os atestados médicos têm o objetivo de justificar e/ou abonar as faltas do empregado ao serviço em decorrência de incapacidade para o trabalho motivada por doença ou acidente do trabalho.

    Por: Carlos Alberto Lopesl Direito> Legislaçãol 06/06/2009 lAcessos: 225,044 lComentário: 118

    Comments on this article

    6
    Joselia Ceruti de Liz 20/10/2011
    Sou gestante e já entrei em licenca maternidade dia 18 de outubro. Meu bebe nasce dia 03 de novembro, como sou contratada pela prefeitura de Indaial, meu contrato por tempo determinado, acaba dia 17 de dezembro. Gostaria de saber se tenho direito a receber o restante da licenca, visto que é de 120 dias. Quem deverá me pagar o Inss? Grata...
    4
    rosinea 03/03/2011
    meu filho é empregado aprendiz e trabalha à 02 anos numa empresa, se afastou por 01 ano para o serviço militar, agora retornou ele perde o direito as ferias ?.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast