União Estavel para o Codigo Civil Brasileiro

Publicado em: 20/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 2,072 |

UNIÃO ESTÁVEL

  1. 1.   INTRODUÇÃO

União de facto ou união estável é o instituto jurídico que estabelece legalmente a convivência entre duas pessoas sem que seja necessária a celebração do casamento civil .

No Brasil esta convivência é tratada de duas formas: união estável, quando duas pessoas convivem sem que haja impedimento de se casarem e o concubinato , quando homem e mulher convivem juntos, mas pelo menos um dele tem impedimento para se casar. No dia 5 de maio de 2011 o Supremo Tribunl Federa brasileiro reconheceu a possibilidade do estabelecimento da união estável entre casais homossexuais.

                               

  1. 2.   CONCEITO

 

É a convivência não adulterina nem incestuosa, duradoura, publica e contínua, sem vinculo matrimonial, convivendo como se casados fossem, sob o mesmo teto ou não, constituindo assim sua família de fato.

 

 

  1. 3.   EVOLUÇÃO HISTÓRICA

 

Em 1994 foi feita a primeira Lei de nº. 8.971, de 29 de dezembro, que regulamentou a União Estável, protegendo o concubinato puro, os casais que convivam juntos sem que tivesse impedimento para se casarem, definindo-os como "companheiros". Os requisitos para sua aplicação eram; o casal precisaria manter união estável comprovada por no mínimo 5 anos, na qualidade de solteiros, separados judicialmente, divorciados ou viúvos.

Em 1996, foi aprovada a 2ª Lei de nº. 9.278, de 10 de maio de 1996, sobre União estável que passa a ser chamada de Entidade Familiar, a convivência duradoura, publica e continua. Nessa Lei, já não precisara ter prazo, basta assim, ter o intuito de formar família. Usou-se a expressão "conviventes" em substituição de "companheiros".

 

 

 

  1. 4.   UNIÃO ESTÁVEL NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

 

Art. 1.723. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família.

§ 1º A união estável não se constituirá se ocorrerem os impedimentos do art. 1.521; não se aplicando a incidência do inciso VI no caso de a pessoa casada se achar separada de fato ou judicialmente.

§ 2º As causas suspensivas do art. 1.523 não impedirão a caracterização da união estável.

 

A união estável é a relação convivencial more uxório que possa ser convertida em casamento, ante ausência de impedimentos do art. 1521. As causas suspensivas doo art. 1523 não impedem sua caracterização de entidade familiar. Pelo novo Código Civil, a união estável poderá ser configurada mesmo que, um de seus membros seja casado, desde de que antes de iniciar o Homem e mulher configurada na convivência publica, duradoura e continua com objetivo de constituir família.

 

 

Art. 1.724. As relações pessoais entre os companheiros obedecerão aos deveres de lealdade, respeito e assistência, e de guarda, sustento e educação dos filhos.

 

Nas relações pessoais entre os companheiros dever-se-á ter: a) lealdade, reveladora da intenção de vida comum, para constituir entidade familiar. A quebra de lealdade pode implicar injuria grave, motivando a separação dos conviventes, gerando em intenção à boa-fé de um deles indenização por dano moral, e no que couber os efeitos jurídicos da sociedade de fato; b) assistência mútua material e imaterial; c) responsabilidade de ambos pela guarda, sustento e educação dos filhos.

 

 

Art. 1.725. Na união estável, salvo contrato escrito entre os companheiros, aplica-se às relações patrimoniais, no que couber, o regime da comunhão parcial de bens.

 

Aplicar-se-á, no que couber, o regime legal de parcial de bens entre os companheiros se esses não fizerem contrato por escrito a respeito. Por esse regime haverá comunicabilidade dos bens adquiridos onerosamente durante a convivência, podendo retroagir ao início do relacionamento se disposto em contrato.

 

 

Art. 1.726. A união estável poderá converter-se em casamento, mediante pedido dos companheiros ao juiz e assento no Registro Civil.

 

Os companheiros poderam a qualquer tempo, de comum acordo, converter a união estável em casamento, requerendo ao juiz perante oficial do Registro Civil da circunscrição de seu domicílio.

 

 

Art. 1.727. As relações não eventuais entre o homem e a mulher, impedidos de casar, constituem concubinato.

 

O concubinato impuro dar-se-á quando se apresentarem relações não eventuais entre homem e mulher, em que um deles, ou ambos, forem impedidos de casar. Nesse caso, não constitui união estável.

 

 

CONCLUSÃO

No Brasil a união de fato, entre duas pessoas que não têm impedimento de se casarem, recebe o nome de "união estável", regulamentando a convivência entre duas pessoas sem que seja oficializado o casamento civil.

Tendo os companheiros direitos recíprocos o estabelecimento de um regine de comunhão parcial de bens, pensão e partilha de bens. Desde que tenham uma relação estavel com intuito de contituir família.

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

http://pt.wikipedia.org/wiki/União_de_fato. Acesso em 19 de maio de 2011.

http://www.boletimjuridico.com.br/doutrina/texto.asp?id=696. Acesso em 19 de maio de 2011.

http://www.consumidorbrasil.com.br/consumidorbrasil/textos/familia/uniao.htm. Acesso em 19 de maio de 2011.

DINIZ, MARIA HELENA, Córigo Civil anotado, 14ª Edição, 2009, pag. 1220, Editora Saraiva.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/uniao-estavel-para-o-codigo-civil-brasileiro-4930548.html

    Palavras-chave do artigo:

    uniao estavel

    Comentar sobre o artigo

    O direito sucessório é parte do direito que regula a distribuição dos bens da pessoa que falece, sendo que os beneficiados desta lei são os sucessores. Neste estudo, pretende-se descrever os direitos sucessórios dos companheiros, quando este torna-se o único herdeiro a suceder a totalidade dos bens, sejam esses bens adquiridos de forma onerosa na vigência da União Estável, sejam bens particulares.

    Por: GISELE ELISE BLUMEl Direito> Doutrinal 29/07/2014 lAcessos: 13

    O presente trabalho tem o escopo de discorrer a respeito das semelhanças e discrepâncias no que tange ao Casamento e a União Estável à luz do Código Civil Brasileiro de 2002.

    Por: Danielly Ferlinl Direito> Doutrinal 20/04/2011 lAcessos: 1,537

    Visa analisar brevemente a evolução da entidade união estável, desde se seus primórdios, passando por seu reconhecimento pela Constituição de 1988 chegando até o reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo, recentemente aprovada pelo STF.

    Por: Cinthia Paes Lemmil Direitol 09/06/2011 lAcessos: 646

    O estudo desse trabalho é verificar como se configura a União Estável, como ela surgiu e sua aplicabilidade aos dias atuais.

    Por: Ticianil Direito> Doutrinal 03/04/2011 lAcessos: 1,287

    Breve conceito sobre união estavél e seus requisitos

    Por: Murilol Direito> Doutrinal 20/06/2010 lAcessos: 982

    O instituto da união estável vem sendo objeto de muita discussão desde os tempos da Roma antiga. Hoje, protegido pelo Direito de Família, veremos como o Direito Civil Brasileiro aborda essa matéria em seus artigos.

    Por: Rafaela Pompolol Direitol 05/12/2009 lAcessos: 781
    Adriana Wanderley

    Considerando que o número de casais vivendo nestas circunstâncias era cada vez maior, o direito passou a se preocupar com as conseqüências jurídicas desses relacionamentos, mormente no que diz respeito à formação de um patrimônio comum e sua posterior sucessão, tanto intervivos, por ocasião da separação, como também em razão da morte de um dos companheiros.

    Por: Adriana Wanderleyl Direito> Doutrinal 11/08/2011 lAcessos: 444

    No presente estudo, faremos uma breve consideração sobre esse instituto, percorrendo traços marcantes de sua evolução, conseqüências essas, da dinamização das relações sociais e afetivas do ser humano. Hoje, amparada pelo Direito, a União Estável é sem dúvida uma forma de constituição de família.

    Por: FABÍOLA MARIA GARCIAl Direito> Legislaçãol 20/06/2011 lAcessos: 166

    O presente artigo consiste em uma breve exposição sobre o instituto jurídico da união estável e seu regime de bens à luz do Código Civil de 2002.

    Por: Najla Pinheirol Direito> Doutrinal 04/12/2009 lAcessos: 6,321

    As normas processuais a respeito da conexão, da continência e da litispendência destinam-se, em primeiro lugar, a evitar o conflito de julgados. A esse respeito, afirma Gomes Júnior (2005) que conexão e a continência, que se caracterizam por serem formas de modificação ou prorrogação legal de competência (pois advêm da lei), evitam que o conflito lógico de julgados possa levar a uma difamação ou descrença no Poder Judiciário.

    Por: Fabiana Zanonl Direito> Legislaçãol 28/11/2014

    O presente trabalho tem como finalidade analisar a consonância do mecanismo da carona no Sistema de Registro de Preços com os princípios constitucionais norteadores da atuação da Administração Pública e com os princípios regentes da licitação contidos na Lei nº 8.666 de 1993. Apresentar-se-á o mecanismo coloquialmente conhecido na doutrina como carona, instituído pela regulamentação do SRP, percorrendo alguns conceitos e definições acerca do instituto, dispondo uma análise apurada do mecanismo.

    Por: DANTE CRISTINOl Direito> Legislaçãol 26/11/2014 lAcessos: 14

    ). Idealizado para viabilizar um maior grau de segurança dentro dos estabelecimentos prisionais, além de coibir a consecução da prática criminosa por indivíduos condenados que já cumpram pena em regime fechado ou que estejam presos cautelarmente, o chamado RDD diverge opiniões, sendo considerado uma afronta a diversos princípios constitucionais regentes do Direito Penal e Processual Penal pátrio por seus opositores. De outra banda, temos os que defendem o referido regime de disciplina carcerária

    Por: Raquel Guerral Direito> Legislaçãol 26/11/2014

    A adoção por homoafetos é um tema que trás muitas discussões na sociedade brasileira. O setor mais conservador e religioso da sociedade é avesso a essa possibilidade por parte de casais de homossexuais, justificando sua resposta com um embasamento religioso. O fato é que no Brasil ainda não existe uma lei que regule esse ato por parte desses casais.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/11/2014
    Marina Ferreira Pacanhella

    O presente artigo vem tratar sobre o Ativismo Judicial, sendo um produto da Morosidade do Legislativo, que por motivos intrínsecos a própria atividade politica limita a produção eficaz de leis quanto a matérias controversas, que deixam situações desprotegidas. Neste cenário se encontra o Poder Judiciário que por meio das grandes demanda intentadas pela população que clamam seu direitos ainda não normatizados, não sendo possível a omisso do magistrado ao caso concreto dá-se o ativismo judicial.

    Por: Marina Ferreira Pacanhellal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    Artigo 306 "dirigir sob a influência de álcool ou substância análoga" Conceitua a legislação, extravagante, lei 9503/97, no seu artigo, 1º " O trânsito de qualquer natureza nas vias terrestres do território nacional, aberta à circulação pública rege-se por este código." Estabelece o artigo 306 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro) que "dirigir veículo automotor sob a influência de álcool ou qualquer outra substância que cause dependência".

    Por: eugenioluiz de paulal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    A presente pesquisa discorre sobre os impactos negativos causados pelo cyberbullying, especialmente o sofrimento imposto às suas vítimas, que cada vez mais são atingidas por atos acobertados pelo anonimato da internet, principalmente das redes sociais. Essas situações humilhantes, causados pelo cyberbullying, afetam de forma significativa as vítimas, tanto que muitas acabam se isolando do mundo exterior, ficando doentes, levando algumas ao extremo de atentarem contra a própria vida. Assim, no de

    Por: Edinamar Aparecida I. da Costal Direito> Legislaçãol 25/11/2014

    A presente pesquisa discorre sobre os impactos negativos causados pelo cyberbullying, especialmente o sofrimento imposto às suas vítimas, que cada vez mais são atingidas por atos acobertados pelo anonimato da internet, principalmente das redes sociais. Essas situações humilhantes, causados pelo cyberbullying, afetam de forma significativa as vítimas, tanto que muitas acabam se isolando do mundo exterior, ficando doentes, levando algumas ao extremo de atentarem contra a própria vida. Assim, no de

    Por: Edinamar Aparecida I. da Costal Direito> Legislaçãol 25/11/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast