União Estavel para o Codigo Civil Brasileiro

Publicado em: 20/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 2,177 |

UNIÃO ESTÁVEL

  1. 1.   INTRODUÇÃO

União de facto ou união estável é o instituto jurídico que estabelece legalmente a convivência entre duas pessoas sem que seja necessária a celebração do casamento civil .

No Brasil esta convivência é tratada de duas formas: união estável, quando duas pessoas convivem sem que haja impedimento de se casarem e o concubinato , quando homem e mulher convivem juntos, mas pelo menos um dele tem impedimento para se casar. No dia 5 de maio de 2011 o Supremo Tribunl Federa brasileiro reconheceu a possibilidade do estabelecimento da união estável entre casais homossexuais.

                               

  1. 2.   CONCEITO

 

É a convivência não adulterina nem incestuosa, duradoura, publica e contínua, sem vinculo matrimonial, convivendo como se casados fossem, sob o mesmo teto ou não, constituindo assim sua família de fato.

 

 

  1. 3.   EVOLUÇÃO HISTÓRICA

 

Em 1994 foi feita a primeira Lei de nº. 8.971, de 29 de dezembro, que regulamentou a União Estável, protegendo o concubinato puro, os casais que convivam juntos sem que tivesse impedimento para se casarem, definindo-os como "companheiros". Os requisitos para sua aplicação eram; o casal precisaria manter união estável comprovada por no mínimo 5 anos, na qualidade de solteiros, separados judicialmente, divorciados ou viúvos.

Em 1996, foi aprovada a 2ª Lei de nº. 9.278, de 10 de maio de 1996, sobre União estável que passa a ser chamada de Entidade Familiar, a convivência duradoura, publica e continua. Nessa Lei, já não precisara ter prazo, basta assim, ter o intuito de formar família. Usou-se a expressão "conviventes" em substituição de "companheiros".

 

 

 

  1. 4.   UNIÃO ESTÁVEL NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

 

Art. 1.723. É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família.

§ 1º A união estável não se constituirá se ocorrerem os impedimentos do art. 1.521; não se aplicando a incidência do inciso VI no caso de a pessoa casada se achar separada de fato ou judicialmente.

§ 2º As causas suspensivas do art. 1.523 não impedirão a caracterização da união estável.

 

A união estável é a relação convivencial more uxório que possa ser convertida em casamento, ante ausência de impedimentos do art. 1521. As causas suspensivas doo art. 1523 não impedem sua caracterização de entidade familiar. Pelo novo Código Civil, a união estável poderá ser configurada mesmo que, um de seus membros seja casado, desde de que antes de iniciar o Homem e mulher configurada na convivência publica, duradoura e continua com objetivo de constituir família.

 

 

Art. 1.724. As relações pessoais entre os companheiros obedecerão aos deveres de lealdade, respeito e assistência, e de guarda, sustento e educação dos filhos.

 

Nas relações pessoais entre os companheiros dever-se-á ter: a) lealdade, reveladora da intenção de vida comum, para constituir entidade familiar. A quebra de lealdade pode implicar injuria grave, motivando a separação dos conviventes, gerando em intenção à boa-fé de um deles indenização por dano moral, e no que couber os efeitos jurídicos da sociedade de fato; b) assistência mútua material e imaterial; c) responsabilidade de ambos pela guarda, sustento e educação dos filhos.

 

 

Art. 1.725. Na união estável, salvo contrato escrito entre os companheiros, aplica-se às relações patrimoniais, no que couber, o regime da comunhão parcial de bens.

 

Aplicar-se-á, no que couber, o regime legal de parcial de bens entre os companheiros se esses não fizerem contrato por escrito a respeito. Por esse regime haverá comunicabilidade dos bens adquiridos onerosamente durante a convivência, podendo retroagir ao início do relacionamento se disposto em contrato.

 

 

Art. 1.726. A união estável poderá converter-se em casamento, mediante pedido dos companheiros ao juiz e assento no Registro Civil.

 

Os companheiros poderam a qualquer tempo, de comum acordo, converter a união estável em casamento, requerendo ao juiz perante oficial do Registro Civil da circunscrição de seu domicílio.

 

 

Art. 1.727. As relações não eventuais entre o homem e a mulher, impedidos de casar, constituem concubinato.

 

O concubinato impuro dar-se-á quando se apresentarem relações não eventuais entre homem e mulher, em que um deles, ou ambos, forem impedidos de casar. Nesse caso, não constitui união estável.

 

 

CONCLUSÃO

No Brasil a união de fato, entre duas pessoas que não têm impedimento de se casarem, recebe o nome de "união estável", regulamentando a convivência entre duas pessoas sem que seja oficializado o casamento civil.

Tendo os companheiros direitos recíprocos o estabelecimento de um regine de comunhão parcial de bens, pensão e partilha de bens. Desde que tenham uma relação estavel com intuito de contituir família.

 

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

http://pt.wikipedia.org/wiki/União_de_fato. Acesso em 19 de maio de 2011.

http://www.boletimjuridico.com.br/doutrina/texto.asp?id=696. Acesso em 19 de maio de 2011.

http://www.consumidorbrasil.com.br/consumidorbrasil/textos/familia/uniao.htm. Acesso em 19 de maio de 2011.

DINIZ, MARIA HELENA, Córigo Civil anotado, 14ª Edição, 2009, pag. 1220, Editora Saraiva.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/uniao-estavel-para-o-codigo-civil-brasileiro-4930548.html

    Palavras-chave do artigo:

    uniao estavel

    Comentar sobre o artigo

    O direito sucessório é parte do direito que regula a distribuição dos bens da pessoa que falece, sendo que os beneficiados desta lei são os sucessores. Neste estudo, pretende-se descrever os direitos sucessórios dos companheiros, quando este torna-se o único herdeiro a suceder a totalidade dos bens, sejam esses bens adquiridos de forma onerosa na vigência da União Estável, sejam bens particulares.

    Por: GISELE ELISE BLUMEl Direito> Doutrinal 29/07/2014 lAcessos: 34

    O presente trabalho tem o escopo de discorrer a respeito das semelhanças e discrepâncias no que tange ao Casamento e a União Estável à luz do Código Civil Brasileiro de 2002.

    Por: Danielly Ferlinl Direito> Doutrinal 20/04/2011 lAcessos: 1,558

    Visa analisar brevemente a evolução da entidade união estável, desde se seus primórdios, passando por seu reconhecimento pela Constituição de 1988 chegando até o reconhecimento da união entre pessoas do mesmo sexo, recentemente aprovada pelo STF.

    Por: Cinthia Paes Lemmil Direitol 09/06/2011 lAcessos: 658

    O estudo desse trabalho é verificar como se configura a União Estável, como ela surgiu e sua aplicabilidade aos dias atuais.

    Por: Ticianil Direito> Doutrinal 03/04/2011 lAcessos: 1,305

    Breve conceito sobre união estavél e seus requisitos

    Por: Murilol Direito> Doutrinal 20/06/2010 lAcessos: 990

    O instituto da união estável vem sendo objeto de muita discussão desde os tempos da Roma antiga. Hoje, protegido pelo Direito de Família, veremos como o Direito Civil Brasileiro aborda essa matéria em seus artigos.

    Por: Rafaela Pompolol Direitol 05/12/2009 lAcessos: 789

    O Superior Tribunal de Justiça entendeu que o namoro qualificado, que é aquele em que os amantes convivem sob o mesmo teto, não enseja o direito de partilha dos bens adquiridos nesse período por um dos pares, como ocorre na vigência do casamento e da união estável, pela ausência de affectio maritalis.

    Por: JOSÉ CARLOS MAIA SALIBA IIl Direito> Jurisprudêncial 27/03/2015
    Adriana Wanderley

    Considerando que o número de casais vivendo nestas circunstâncias era cada vez maior, o direito passou a se preocupar com as conseqüências jurídicas desses relacionamentos, mormente no que diz respeito à formação de um patrimônio comum e sua posterior sucessão, tanto intervivos, por ocasião da separação, como também em razão da morte de um dos companheiros.

    Por: Adriana Wanderleyl Direito> Doutrinal 11/08/2011 lAcessos: 455

    No presente estudo, faremos uma breve consideração sobre esse instituto, percorrendo traços marcantes de sua evolução, conseqüências essas, da dinamização das relações sociais e afetivas do ser humano. Hoje, amparada pelo Direito, a União Estável é sem dúvida uma forma de constituição de família.

    Por: FABÍOLA MARIA GARCIAl Direito> Legislaçãol 20/06/2011 lAcessos: 172

    A violência contra a mulher é um tema que vem sendo muito combatidos em nosso país. Recentemente com a homologacão da lei Maria da Penha, as mulheres receberam um maior respaldo jurídico o que triplicou o número de denuncias contra a violencia domestica que muitas vezes ficavam obsoletas.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/03/2015
    cristiano pereira da silva

    O trabalho em questão visa, descrever sobre a história do processo eleitoral no Brasil e principalmente, lançando considerações acerca das criações de leis que regulam as eleições democráticas no Brasil, como a Lei Complementar 64/90 que, em atenção a preceito constitucional, trata de questões de inelegibilidades. E ainda, tecendo comentários acerca das inovações trazidas pela Lei Complementar nº 135/2010 (Lei do Ficha Limpa), afim de levar à reflexão das práticas e condutas que o cidadão que as

    Por: cristiano pereira da silval Direito> Legislaçãol 19/03/2015 lAcessos: 31

    No dia 06 de janeiro de 2015, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) editou a resolução 368, que estabelece normas para estímulo do parto normal e a consequente redução de cesarianas tidas por desnecessárias na saúde suplementar (planos de saúde). A partir daí, algumas questões podem ser levantadas, merecendo o tema várias reflexões e debates

    Por: Rennie Parol Direito> Legislaçãol 16/03/2015 lAcessos: 13

    Desde que foi estabelecido, o exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) se tornou um filme de terror para muitos bacharéis recém-graduados e uma lenda de sofrimento para muitos estudantes de direito recém-chegados ao mundo universitário.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 12/03/2015

    Separação, divorcio... Para muitas pessoas essas são palavras que trazem uma serie de medos e preocupações. Hoje em dia a vida em casal ganhou um prazo de validade. Evidente que ainda existem casais que conseguem superar as estatísticas e manter-se casados e vivendo umas vidas felizes juntos. Mas o fato é, o numero de separações e divórcios cresceram gradativamente nos últimos anos, especialmente em nosso país.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 05/03/2015
    Matheus Barbanti

    Esse artigo trata basicamente das garantias necessárias à terceira idade. Evidenciando o dever de toda sociedade em amparar os entes nesta fase tão importante de sua vida.

    Por: Matheus Barbantil Direito> Legislaçãol 03/03/2015 lAcessos: 11
    Cláudio Amorim Jr.

    A Divergência do Artigo 285-A do Código de Processo Civil, a luz da Constituição Federal do Brasil

    Por: Cláudio Amorim Jr.l Direito> Legislaçãol 02/03/2015
    Cláudio Amorim Jr.

    O assunto trata da Lei 13.058 de 22/12/2014 que trouxe inovações na área do Direito de Família no que tange a guarda dos filhos menores.

    Por: Cláudio Amorim Jr.l Direito> Legislaçãol 27/02/2015 lAcessos: 42
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast