Voto direto e secreto

Publicado em: 01/07/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 818 |

voto direto e secreto

Antes de adentramos ao tema proposto, vale ressaltar que à vista da realização das eleições municipais, que acontecerão em todo território brasileiro, em 07 de outubro deste ano, no primeiro turno, e em 28 de outubro em segundo turno, para as cidades que possuem mais de 200.000 eleitores, caso nenhum dos candidatos alcancem maioria absoluta dos votos na primeira votação, ou seja, no dia 07 de outubro, nosso estudo será focado especialmente nas eleições municipais.

A Constituição Federal de 1988 garante que o voto será direto e secreto, com valor igual para todos (Art. 14, caput). O voto é direto quando é dado pelo eleitor, sem intermediação, escolhendo ele mesmo o candidato que quiser, podendo votar em branco ou anular o seu voto.  Contudo, o voto secreto assegura ao eleitor o direito de escolher o seu candidato, mantendo o sigilo de sua escolha, sendo facultativa sua declaração.

Para melhor compreensão, vamos classificar os direitos políticos em ativo e passivo. O direito politico ativo é o poder que o eleitor tem de votar, enquanto o passivo é o poder de ser votado. O direito de votar é assegurado a todos os brasileiros, maiores de 16 anos, inclusive analfabetos, desde que sejam alistados como eleitores.

Os direitos políticos possibilitam a seu titular: promover seu alistamento eleitoral; votar em eleições, plebiscitos e referendos; organizar um partido político; filiar-se a um partido político; candidatar-se a disputa para cargos eletivos; prover determinados cargos públicos não eletivos; iniciar projeto de lei pela via da iniciativa popular; a legitimação ativa para propositura da ação popular e outros.

Todavia, numa democracia, os direitos políticos constituem-se de votar e ser votado. O eleitor é cidadão, é titular de cidadania. A cidadania política é atributo jurídico-politico que o nacional obtém desde o momento em que torna eleitor.

O voto deve resultar da manifestação da vontade do eleitor, não sendo permitida qualquer interferência alheia, pois seu sigilo garante a lisura do processo eleitoral e consequentemente a consagração da democracia participativa. Ele goza de igualdade, pois, possui o mesmo peso político para todos os eleitores.

O voto secreto é uma garantia fundamental da democracia brasileira. Por meio dele fica assegurada a livre manifestação da vontade do eleitor, que não deve sofrer qualquer constrangimento, e, ao mesmo tempo, fica afastada a possibilidade de compra do voto.

Dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto  e para conseguir ou prometer, ainda que a oferta não seja aceita, tipifica-se tais atos, crimes eleitorais, que podem ser punidos com reclusão e pagamento de multa, conforme disposto na lei nº. 4.737, de 15 de julho de 1965, Código Eleitoral Brasileiro.

Entretanto, é um pressuposto do voto secreto a absoluta liberdade de quem vota, ou seja, direito conferido ao cidadão, para livre exercício de seus direitos políticos. O Código Eleitoral, no capítulo II, dos crimes eleitorais, tipifica como crime embaraçar ou fraudar o exercício do voto, punido qualquer sujeito que praticar tais atos:

"Promover, no dia da eleição, com o fim de impedir, embaraçar ou fraudar o exercício do voto a concentração de eleitores, sob qualquer forma, inclusive o fornecimento gratuito de alimento e transporte coletivo: Pena: reclusão de quatro a seis anos e pagamento de duzentos a trezentos dias-multa". (Art. 302, Código Eleitoral).

A Resolução nº. 23.363, de 17 de novembro de 2011, do Tribunal Superior Eleitoral – TSE, que dispõe sobre a apuração dos crimes eleitorais, estabelece em seu Art. 3º, que "qualquer pessoa que tiver conhecimento da existência de infração penal eleitoral deverá, verbalmente ou por escrito, comunicá-la ao Juiz Eleitoral".

Vale salientar que, caso a autoridade policial tome conhecimento de alguma prática de infração eleitoral, deve informar imediatamente ao Juiz Eleitoral, para que seja tomadas as medidas legais cabíveis, podendo também, se necessário, adotar as medidas acautelatórias previstas no Art. 6º do Código de Processo Penal. No caso de encontrar alguém em flagrante delito pela prática de infração eleitoral, as autoridades policiais deverão prender o infrator, comunicando imediatamente o fato ao Juiz Eleitoral, ao Ministério Público Eleitoral e à família do preso ou a pessoa por ele indicada (Código de Processo Penal, art. 306).

Assim, o voto direto e secreto é um direito constitucionalmente assegurado a todo eleitor brasileiro, sendo seu exercício compulsório, ou seja, o voto é obrigatório para os brasileiros de um ou outro sexo, e o não exercê-lo incorre ao eleitor a multa de três a dez por cento sobre o salário mínimo da região, sem prejuízo de outras penalidades.

Hernando Fernandes da Silva

Advogado e Professor

[email protected]

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/legislacao-artigos/voto-direto-e-secreto-2762938.html

    Palavras-chave do artigo:

    voto

    ,

    eleicao

    ,

    prefeito

    Comentar sobre o artigo

    Maglon Ribeiro

    Comportamento do eleitor da cidade de Barreiras no processo eleitoral municipal de 2012.As tendências de voto do eleitorado, a análise dos candidatos,a exposição do programa eleitoral gratuito e a influência na decisão de voto.O mapa eleitoral do município.

    Por: Maglon Ribeirol Notícias & Sociedade> Polítical 29/08/2012 lAcessos: 97
    Sullyvan Andrade

    A maioria dos candidatos sempre pergunta sobre o investimento por voto na época eleitoral; isso é fato. Entre as perguntas mais frequentes estão: qual é a média de investimento necessária para se eleger? Onde deve ser o maior investimento na campanha? No material impresso? Na gasolina? Com os cabos eleitorais? Com o especialista em marketing político?

    Por: Sullyvan Andradel Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 09/05/2011 lAcessos: 666
    SERGIO FRANCISCO FURQUIM

    O candidato não tem o controle junto aos eleitores para que estes não pratiquem crime eleitoral tais como: compra de votos

    Por: SERGIO FRANCISCO FURQUIMl Direito> Doutrinal 09/07/2010 lAcessos: 275
    Miriam de Sales

    O voto obrigatório,instituído pela Constituição de 1946,para mim,não passa de um voto de cabresto,uma indignidade que coloca o cidadão no mesmo patamar dos incapazes,como eram antigamente os índios e as mulheres.

    Por: Miriam de Salesl Notícias & Sociedade> Polítical 11/10/2012 lAcessos: 73
    Alexandre Arrenius Elias

    Um voto produtivo e pouco valorizado no Brasil é o voto nulo. Reflita você sobre ele, sobre o papel que o voto obrigatório na verdade exerce sobre a massa deste país.

    Por: Alexandre Arrenius Eliasl Notícias & Sociedade> Polítical 11/11/2009 lAcessos: 225 lComentário: 1

    Em campanha junto aos municípios fluminenses, Picciani protagonizou uma crise institucional com o Tribunal de Contas em 2009 e 2010 com tentativas de enfraquecimento do setor de fiscalização. Os deputados chegaram a propor a criação de outro tribunal de contas só para fiscalizar os municípios, ficando o atual TCE responsável pela fiscalização dos entes estaduais. Obviamente, a proposta não vingou em face da péssima repercussão causada junto à opinião pública.

    Por: José Serranal Notícias & Sociedade> Polítical 05/07/2011 lAcessos: 218
    Guilherme P. F. Camargo

    O processo eleitoral em Campinas tem sido marcado pela discussão sobre a possibilidade ou não da eleição indireta ao cargo de prefeito no final do segundo biênio da administração da coligação PDT & PT.

    Por: Guilherme P. F. Camargol Direito> Legislaçãol 07/02/2012 lAcessos: 259
    lidson tomass

    Direito Eleitoral. Sistema Eleitoral. Reforma Politica. I - Eleições majoritárias e proporcionais. II - Voto Distrital. a) O que é; b) Distrital Misto e Puro; c) Efeitos e vantagens; d) Países que o adotam; e) Crítica ao Voto Proporcional. III - Lista Fechada. IV - Eleição direta Suplente de Senador e deputado do mercosul. V - Representação por Pessoa. VI - Democracia nos Partidos. VII - Foro Privilegiado. VIII - Ampliar Ficha Limpa; IX - Fim de Privilégios Politicos. X - Financiamento Publico.

    Por: lidson tomassl Direito> Doutrinal 30/09/2010 lAcessos: 1,717 lComentário: 1
    Johnny Bernardo

    Há fortes indícios de que o próximo papa poderá ser um cardeal brasileiro. Com a eleição do polonês Karol Wojtyla, em 1978, tinha fim uma hegemonia italiana de 458 anos – desde 1520 apenas cardeais italianos ocuparam a presidência mundial do Catolicismo Romano.

    Por: Johnny Bernardol Religião & Esoterismo> Religiãol 11/02/2013 lAcessos: 54

    A violência contra a mulher é um tema que vem sendo muito combatidos em nosso país. Recentemente com a homologacão da lei Maria da Penha, as mulheres receberam um maior respaldo jurídico o que triplicou o número de denuncias contra a violencia domestica que muitas vezes ficavam obsoletas.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 26/03/2015
    cristiano pereira da silva

    O trabalho em questão visa, descrever sobre a história do processo eleitoral no Brasil e principalmente, lançando considerações acerca das criações de leis que regulam as eleições democráticas no Brasil, como a Lei Complementar 64/90 que, em atenção a preceito constitucional, trata de questões de inelegibilidades. E ainda, tecendo comentários acerca das inovações trazidas pela Lei Complementar nº 135/2010 (Lei do Ficha Limpa), afim de levar à reflexão das práticas e condutas que o cidadão que as

    Por: cristiano pereira da silval Direito> Legislaçãol 19/03/2015 lAcessos: 34

    No dia 06 de janeiro de 2015, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) editou a resolução 368, que estabelece normas para estímulo do parto normal e a consequente redução de cesarianas tidas por desnecessárias na saúde suplementar (planos de saúde). A partir daí, algumas questões podem ser levantadas, merecendo o tema várias reflexões e debates

    Por: Rennie Parol Direito> Legislaçãol 16/03/2015 lAcessos: 15

    Desde que foi estabelecido, o exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) se tornou um filme de terror para muitos bacharéis recém-graduados e uma lenda de sofrimento para muitos estudantes de direito recém-chegados ao mundo universitário.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 12/03/2015

    Separação, divorcio... Para muitas pessoas essas são palavras que trazem uma serie de medos e preocupações. Hoje em dia a vida em casal ganhou um prazo de validade. Evidente que ainda existem casais que conseguem superar as estatísticas e manter-se casados e vivendo umas vidas felizes juntos. Mas o fato é, o numero de separações e divórcios cresceram gradativamente nos últimos anos, especialmente em nosso país.

    Por: Bruno Souzal Direito> Legislaçãol 05/03/2015
    Matheus Barbanti

    Esse artigo trata basicamente das garantias necessárias à terceira idade. Evidenciando o dever de toda sociedade em amparar os entes nesta fase tão importante de sua vida.

    Por: Matheus Barbantil Direito> Legislaçãol 03/03/2015 lAcessos: 13
    Cláudio Amorim Jr.

    A Divergência do Artigo 285-A do Código de Processo Civil, a luz da Constituição Federal do Brasil

    Por: Cláudio Amorim Jr.l Direito> Legislaçãol 02/03/2015
    Cláudio Amorim Jr.

    O assunto trata da Lei 13.058 de 22/12/2014 que trouxe inovações na área do Direito de Família no que tange a guarda dos filhos menores.

    Por: Cláudio Amorim Jr.l Direito> Legislaçãol 27/02/2015 lAcessos: 47
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast