A importância do professor no processo de construção do conhecimento

Publicado em: 24/02/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 415 |

A IMPORTÂNCIA DO PROFESSOR NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

Elison Ferreira Alves*

Resumo: O presente artigo visa refletir a importância que o trabalho docente deve ter na sociedade de modo geral, tendo como referência a realidade social, política, econômica e cultural de um determinado contexto histórico no qual o educador participa efetivamente no processo de construção do conhecimento. O valor pedagógico da interação humana é ainda mais evidente, pois, é por intermédio da relação professor - aluno que o conhecimento vai sendo construído. Este apoia-se em teóricos renomados como Candau, Gadotti e entre outros que entendem que o profissional da educação tem um papel relevante na transformação do educando e da sociedade atual, vista que a educação é um direito de todos. A construção de uma nova prática pedagógica está diretamente ligada à concepção de mundo e de conhecimentos que fundamentam as relações cotidianas. Repensar essa prática tendo a sociedade como referência significa criar um movimento constante de construção e desconstrução do saber.

Palavras-chave: Professor. Educação. Sociedade. Educando.

____________________________

*Graduado em Licenciatura Plena em Letras

*Graduado em Licenciatura Ciências da Religião

*Pós-Graduado em Práticas Pedagógicas Aplicadas a Pessoas com Necessidades            

 Educativas Especiais com Ênfase em LIBRAS.

 E-mail: elisonletras@hotmail.com

THE IMPORTANCE OF THE TEACHER IN THE PROCESS OF CONSTRUCTION OF KNOWLEDGE

Abstract: This article aims to reflect the importance that teaching should have in society in general, with reference to the social, political, economic and cultural life of a particular historical context in which the teacher actually participates in the process of knowledge construction . The pedagogical value of human interaction is even more evident, then, is through the teacher - student relationship that knowledge is being built. This is supported by theorists such renowned Candau, Gadotti and among others who understand that professional education has an important role in educating and transforming today's society, a view that education is a right for all. The construction of a new pedagogical practice is directly linked to world view and knowledge that underlie everyday relationships. Rethinking the practice with reference to society as means to create a constant movement of construction and deconstruction of knowledge.

Keywords: Teacher. Education. Company. Educating.

1 INTRODUÇÃO

O presente artigo tem como objetivo abranger a função social do educador ao propiciar o educando a compreensão da realidade e a formação de consciência determinada pelas condições histórico-sociais.

Vive-se um momento de profundas transformações, pois, a sociedade atual encontra-se em crise, a qual nos remete a repensar sobre os valores e atitudes no que diz respeito à educação. Segundo Gadotti (1998), os cursos de formação de professores, mais especificamente o curso de Pedagogia é regulamentado no Brasil desde 1969 (período da ditadura militar). Diante deste fato, se faz pensar em um educador passivo, técnico e sem preocupações sociopolíticas, com um agir totalmente desvinculado da realidade na qual se inseria.

Dessa forma oferece habilitações para supervisão, orientação, administração, inspeção e planejamento com conotações totalmente tecnicista, apoiada no treinamento desses profissionais para atuarem nas escolas com toda a objetividade possível. Não se pode esperar que tal organização brote espontaneamente, mas sim por meio da educação que pode caminhar lado a lado com a prática política. Sendo assim, o profissional da educação assume aqui um papel, sobretudo político.

Ao examinar a história da educação, constata-se que nem sempre se cuidou adequadamente da importância da formação do professor para sua atuação. Este profissional para desenvolver suas atividades deve educar a partir de valores éticos e, tendo em vista uma sociedade melhor. Se o papel social do educador é um ato de ensinar e ensinar é uma práxis, isto supõe uma relação professor- teoria versos prática.

Hoje o professor exerce seu papel como um facilitador da aprendizagem numa sociedade em mutação, onde é preciso educar para o improvável, o novo, a autonomia, a capacidade de crítica e de disciplina.

Desse modo, este trabalho visa contribuir com a comunidade acadêmica e a sociedade em geral para um entendimento sobre a realidade do papel do professor como facilitador no processo de formação de valores em confronto com a realidade e a prática vivida no dia a dia na escola. Pois o desenvolvimento da escola guarda estreita relação com o desenvolvimento da sociedade, e vice-versa. É através do conhecimento que o educando adquire meios para compreender e transformar a realidade em que vive tornando-se apto a exercer seu papel como cidadão.

2  O PAPEL DO PROFESSOR

A atividade docente é fundamentalmente a tarefa de ensinar, tal tarefa, consiste em dirigir, organizar, orientar e estimular a aprendizagem escolar do educando. Mas para que, tal tarefa, seja alcançada o professor não deve restringir o ensino em um espaço que envolva somente a sala de aula. O ensino deve ter como ponto de partida a vida cotidiana do educando, pois, todo educando possui alguma informação sobre qualquer tema abordado em sala de aula, mesmo que seja de forma superficial, este conhecimento prévio pode advir de uma experiência cotidiana ou aprendizagem anterior na escola. A partir daí, o professor estará ajudando-o a transformar sua curiosidade em esforço cognitivo, passando de um conhecimento confuso fragmentado a um saber organizado e preciso.

Ao refletir sobre todo esse processo, o professor deve também se preocupar com o contexto social em que vive o educando. Assim, o mesmo poderá direcionar sua aprendizagem de maneira adequada. O conhecimento é um processo interpessoal que pressupõe uma relação bilateral. Por um lado o educando constrói valores, crenças, conceitos e ideias através do processo interativo, mas o papel do educador nesta relação é de perceber e compreender o mundo do educando ao sondar conhecimentos e habilidades que ele trás de seu ambiente familiar e social.                                      

Assim conhecendo novas formas de concepção de mundo, revendo comportamentos e desfazendo preconceitos, pode-se entender a prática docente.

[...] a atual concepção do educador, deve saber tratar tecnicamente os mecanismos pelos quais um indivíduo (educando, no caso) possa adquirir determinados tipos de conduta com maior facilidade. E, então, o ensino da didática passou a ser um ensino voltado para a aprendizagem dos modos de conseguir, do ponto de vista do "saber fazer", que alguma coisa seja ensinada de tal maneira que o educando aprenda com maior facilidade e, por isso, mais rapidamente. A didática passou a ser uma hipertrofia dos modos de fazer, da discussão do "como" se chega a um determinado fim. (CANDAU, 2005, p.30)

O papel do professor na sociedade não pode ser de mero transmissor de informações para o educando, o mesmo deve garantir-lhe autonomia de pensamento, capacidade de tomar iniciativa e de desenvolver o pensamento crítico, pois, o educador é ferramenta de auxílio no processo de crescimento. A partir deste ponto, o professor com o saber organizado, o conhecimento cientificamente estruturado e com valores formais da sociedade, poderá representar um intercâmbio significativo, tal para ambos.

Neste processo social e na perspectiva dialógica, o professor não se relaciona com o educando como se fosse o único que tem algo para ensinar e nem o vê como ser passivo e receptivo que deve aprender tudo, mas estabelece uma relação de mútuo intercâmbio no processo de ensinar e aprender. O papel social do professor deve assumir uma postura diretiva, pois, o mesmo sabe aonde quer chegar com o ensino e o diálogo. Com essa postura, o professor estimula o educando a captar e a polarizar sua atenção, despertando seu interesse. Gadotti (1998), mostra que educar nessa sociedade é tarefa de partido, isto é, não educa para a mudança aquele que ignora o momento em que vive, aquele que pensa estar alheio ao conflito que o cerca. É tarefa de partido porque não é possível ao educador permanecer neutro. Ou educa a favor dos privilégios ou contra eles, ou a favor das classes dominadas ou contra elas. Aquele que se diz neutro estará apenas servindo aos interesses do mais forte. No centro, portanto, da questão pedagógica situa-se a questão do poder.

Educar em uma sociedade altamente diversificada constitui a atividade principal do docente e, por isso, deve ser compreendida como uma "arte" que envolve aprendizagem contínua e envolvimento pessoal, isto é, o docente ensina, mas não deixa de ser um eterno aprendiz. O docente deve reconhecer que o desenvolvimento pessoal e social é um item importante do currículo, de um ponto de vista mais prático, o ensino na base da cooperação pode fazer com que o educando dependa menos do educador.

3  A ARTE DE EDUCAR

A aprendizagem significativa do docente implica em uma representação interna e pessoal quanto ao seu papel social. Neste processo de construção, modificam-se conhecimentos, cria-se uma nova conceituação e perspectiva. A aprendizagem deixa de ser um processo linear de acumulação de conhecimentos e passa a ser "o saber o que fazer". Ao educador compete refazer a educação, reinventá-la, criar condições objetivas para que a educação seja realmente democrática e que favoreça o aparecimento de um novo tipo de educar.

Os meios de acesso as mais diferentes formas de ensinar, tais como, a tecnologia em seus mais inúmeros recursos, apresentam-se como uma forma estratégica de estimular os alunos e desta forma aprimorar o processo de ensino aprendizagem. A inovação tem como característica a curiosidade e através disso o estimulo que reforça a aprendizagem do educando.

Desta maneira é preciso que o professor saiba usar as estratégias que favoreçam a aprendizagem do aluno, onde o mesmo aluno dispõe de recursos tecnológicos como celulares, notebook e acesso a internet através de sites de relacionamentos como Orkut, Facebook, MSN etc. Tais ferramentas que são usadas para enviar e receber mensagens dispõe do uso da linguagem, que acaba sendo de forma culta ou não, mas que é predominante no momento atual.

Usar essas ferramentas na qual o aluno domina ou até mesmo tem contato em diversos momentos é ampliar as oportunidades de ensino aprendizagem deles, trabalhando de forma conjunta a todos e resgatando o esses aspectos que são de interesse deles no seu dia a dia.

É interessante lembrar Dewey (1978), que nos diz que educar-se:

"... é crescer, não já no sentido puramente fisiológico, mas no sentido espiritual, no sentido humano, no sentido de uma vida cada vez mais larga, mais rica e mais bela, em um mundo cada vez mais adaptado, mais propício, mais benfazejo para o homem" DEWEY, John. Vida e educação. A criança e o programa escolar I, II interesse e esforço. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1978, p 17.

         Portanto, o professor deve ter um olhar mais aberto e perceber que com novas significações podem ajudar não só na aprendizagem do aluno como também em seu estimulo em querer aprender e assim poderá construir novas possibilidades que favoreçam o aluno.

É desta forma que o professor pode trabalhar com o aluno e adaptar essa linguagem onde o aluno passe a utilizar a maneira correta e de fácil entendimento, pois caso contrário, ficará sujeito ao erro constante da forma escrita utilizada pelo aluno.

Rubem Alves sugere algumas indagações

Mas vamos procurar os educadores. Onde poderiam estar? Encontramos professores, muitos... Mas professor é profissão, não é algo que se define por dentro, por amor. Educador, ao contrário, não é profissão; é vocação. E toda vocação nasce de um grande amor, de uma grande esperança... Que terá acontecido com ele, o educador... resta-lhe algum espaço? Será que alguém lhe concede a palavra e lhe dá ouvidos? Merecerá sobreviver? Tem alguma função social ou econômica a desempenhar? (ALVES, 2004, p. 37)

O autor transmite a ideia de aperfeiçoar a prática cotidiana em desenvolver seu trabalho e buscar uma relação estratégica que permita ao aluno e ao educador interagirem-se para uma autoconfiança entre si.

 A ideia de professor como profissão e enquanto educador como vocação. Isso significa dizer que o sentido e a percepção de educador baseiam-se na de superação de desafios que o educador deverá impor para promover oportunidades dos alunos.

Sendo assim, a principal tarefa é fazer novas associações entre o ensinar e o aprender, preparando-nos para conviver com os novos desafios que nos são postos pelas mudanças no meio social.  Uma maneira de oferecermos novos passos para a construção desse processo educativo do século XXI é transformar nossa realidade junto à dos alunos, pois é preciso acompanhar as mudanças que ocorrem em nosso dia a dia e onde seja viável a flexibilidade e as significativas trocas de saberes, ignorâncias e conhecimentos, em dialógica ação entre todos os que participam do processo educativo.

CONCLUSÃO

Portanto, é importante o professor tenha a concepção de que as inovações são ferramentas onde ele poderá auxiliar o processo de ensino aprendizado dos alunos e a contribuição que se traz de forma satisfatória no qual se pode dinamizar e conquistar cada vez mais o interesse do aluno.

Dessa forma fica evidente a influência de que os teóricos que se ocuparam em estabelecer concepções sobre a melhor forma de construir estratégias para o ensino efetivo dos alunos estão na maneira de utilizar as ferramentas, técnicas, métodos etc. Contribuindo assim para o objetivo deste artigo que era justamente demonstrar essa influência em aplicar as inovações que se dispõem para a melhoria do processo de ensino aprendizado de alunos e estimulo pelo interesse em aprender de forma harmoniosa e interessante ao seu ponto de vista e cotidiano.

REFERÊNCIAS

______. O Desejo de Ensinar e a Arte de Aprender . Campinas: Fundação Educar DPaschoal, 2004.

ABNT. NBR 6022: Informação e documentação: artigo em publicação

ALVES, Rubem. A educação como descoberta. Entrevista a Josué Machado. Revista da Língua Portuguesa. São Paulo: Escala, 2006.

CANDAU, Vera Maria.  A didática em questão. 25 ed.- São Paulo: Vozes, 2005.

DEWEY, John. Vida e educação. A criança e o programa escolar I, II interesse e esforço. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1978.

FONTES, Denis S. Qualificação de professores: perspectivas e possibilidades. Porto Alegre: Mediação, 2001.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da práxis. 2 ed.- São Paulo, Cortez, 1998.

GOODSON, F. D. Formação continuada e os desafios da prática docente . São Paulo: EDUSP, 1994.

HILSDORF, T. S. Formação ou capacitação: desafios à atividade do professor. São Paulo: Moderna, 2003. periódica científica impressa: apresentação. Rio de Janeiro, 2003. p. 5

SANTANA, Ana Ribeiro. Rubem Alves: o educador no filósofo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/linguas-artigos/a-importancia-do-professor-no-processo-de-construcao-do-conhecimento-5690658.html

    Palavras-chave do artigo:

    palavras chave professor educacao sociedade educando

    Comentar sobre o artigo

    Simone Liberato Martins

    As normas e condutas no trânsito devem ser compreendidas e assimiladas por todos. E a escola pode contribuir nesse processo.

    Por: Simone Liberato Martinsl Educação> Ensino Superiorl 07/11/2010 lAcessos: 2,494

    Qualquer que seja a definição adotada é possível entender a antropologia como uma forma de conhecimento sobre a diversidade cultural, isto é, a busca de respostas para entendermos o que somos a partir do espelho fornecido pelo "Outro"; uma maneira de se situar na fronteira de vários mundos sociais e culturais, abrindo janelas entre eles, através das quais podemos alargar nossas possibilidades de sentir, agir e refletir sobre o que, afinal de contas, nos torna seres singulares, humanos.

    Por: Carlosl Educação> Ensino Superiorl 18/09/2013 lAcessos: 36
    ALINE E CATIA CILENE

    RESUMO Este artigo está baseado nas experiências construtivas da importância de uma formação continuada através da ação pedagógica, florescendo as competências profissionais tão necessárias ao professor educador contemporâneo. A pesquisa foi resultado das aulas expositivas no curso de pós-graduação em didática do ensino superior destacando a formação docente multicultural e a importância do relacionamento interpessoal no ensino superior.

    Por: ALINE E CATIA CILENEl Educação> Ensino Superiorl 13/08/2010 lAcessos: 784
    Garcia,Alessandra A. de M.

    Este artigo é resultado de uma pesquisa etnográfica voltada para problematizar a educação sexual na educação básica, especialmente com alunos de 3º e 2º Ciclo . Propusemos como objetivo compreender, analisar e interpretar de que modo o sexo e a sexualidade se constituintes da personalidade é tratado no processo de escolarização, observando a idade entre 10 e 14 anos. A coleta de dados foi realizada no ano de 2010 e em uma escola estadual do município de Sinop, Mato Grosso.

    Por: Garcia,Alessandra A. de M.l Educaçãol 15/11/2011 lAcessos: 386

    Pessoas com necessidades especiais, durante muito tempo, consideradas diferentes ao logo do tempo, numa sociedade discriminatória, A conquista e o reconhecimento de direitos das pessoas se às necessidades do alunado, respeitar o ritmo e os processos de aprendizagem, propondo uma pedagogia centrada nas potencialidades humanas, em com deficiência no Brasil tornaram-se componentes integrantes de políticas sociais a partir da metade do século passado.

    Por: CLEA MARCIA PEREIRA CAMARAl Educação> Ensino Superiorl 14/03/2012 lAcessos: 904
    Alinne do Rosário Brito

    A função educativa por ter-se mostrado capaz, em diversos experimentos empíricos realizados, desenvolveM níveis diferentes de experiências pessoais e coletivas e a propiciar novas descobertas, além de contribuir na socialização. Neste trabalho, buscou-se aproximar as representações históricas do jogo, ás teorias que o balizam como atividade rica, prazerosa e motivadora da aprendizagem .

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 18/07/2012 lAcessos: 1,178
    shirleidy de sousa freire

    Elencam-se questões referentes a uma temática bastante polêmica no mundo de hoje. Refere-se à inclusão de alunos com necessidades especiais que estão inclusos no ensino regular. Enfocaram-se algumas infoemações referentes ao histórico da educação especial no contexto brasileitro.

    Por: shirleidy de sousa freirel Educação> Educação Onlinel 25/06/2011 lAcessos: 2,329

    História, Sociedade e Pensamento Educacional – Pedagogia Hospitalar: um breve histórico. Muito se tem falado sobre qualidade de vida. A Pedagogia Hospitalar vem se expandindo no atendimento à criança hospitalizada em uma visão humanística. O nosso trabalho deve estar voltado ao ser global. A Classe Escolar Hospitalar foi implantada no auxílio do tratamento de crianças e adolescentes.

    Por: JEANE PEREIRA MACEDOl Educação> Educação Infantill 13/10/2012 lAcessos: 121
    Regivaldo Cláudio de Freitas

    O objetivo central do trabalho é promover uma discussão estabelecendo paralelos entre a forma como a Matemática é tradicionalmente trabalhada (como forma de exclusão) e a Matemática Libertadora a serviço da transformação social. E, discutir a importância da integração da tecnologia ao currículo. Os principais autores utilizados foram Vygotsky e Ubiratan D' Ambrósio. A metodologia utilizada baseia-se no paradigma hermenêutico cuja pesquisa é de natureza qualitativa.

    Por: Regivaldo Cláudio de Freitasl Educação> Ensino Superiorl 29/01/2012 lAcessos: 771

    O presente artigo tem como objetivo destacar as mudanças que acontecem na língua com o passar do tempo, dando ênfase ao fenômeno do rotacismo, que aborda a transformação do L em R. Com o intuito de evidenciar que as variações do português não padrão têm coerência e não deve ser alvo da ridicularização daqueles não conhecedores dos fenômenos linguísticos. Tendo como objeto de estudo trechos do livro "Os Lusíadas" de Camões, destacando como o rotacismo se tornou influência na língua portuguesa.

    Por: Maria Claudicélia C da Silval Educação> Línguasl 28/03/2014 lAcessos: 16

    Uma das maiores dificuldades dos alunos de ensino fundamental, médio e superior é saber se expressar por meio da escrita. Quando chega o momento de prestar um concurso, a maior parte dos alunos fica ansioso com o momento de fazer a produção textual. Isto porque falta confiança e domínio da arte da escrever. Por meio deste texto, você descobrirá como é possível escrever uma boa produção textual.

    Por: Rosianel Educação> Línguasl 16/03/2014
    Luís Flávio

    Forma de tratamento e seus títulos acadêmicos da palavra "doutor" - "A palavra doutor tem suas raízes mais remotas entre o primeiro e o segundo milênio antes da nossa era, nas invasões indo-européias que nos trouxeram a raiz dok-, da qual provém a palavra latina docere, que por sua vez derivou em doctoris (mestre, o que ensina)...

    Por: Luís Fláviol Educação> Línguasl 13/03/2014

    Ensinar é algo que deve ser fruto de contínuas reflexões é por isso que esse artigo se desdobra na busca em analisar as carências do ensino de Gramática e Língua Portuguesa no nosso País e percorre o trajeto que vai desde o surgimento da primeira gramática na Grécia Antiga e da constituição do nosso idioma até o cenário atual, no contexto nacional. Pretende-se mostrar quão relevante é para o sistema educacional brasileiro que as aulas dessas disciplinas transformem-se em ensinamentos úteis e pra

    Por: Carla Cunhal Educação> Línguasl 28/02/2014
    FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTA

    Este artigo é fruto de um trabalho de mestrado que consistia em fazer um estudo de caso sobre os processos fonológicos que ocorrem na escrita de alunos do Ensino Fundamental de escola pública, analisando como esses processos podem contribuir para o ensino de língua materna, reconduzindo o trabalho de alfabetização sem cair no lugar-comum que considera estes fenômenos como "erros" de escrita. O estudo de caso transformou-se em um Relatório e agora parte dele é transformado em artigo.

    Por: FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTAl Educação> Línguasl 15/02/2014 lAcessos: 65

    Qual será o melhor destino para tirar mais proveito do seu intercâmbio? A sugestão é que a pessoa decida o que é importante para ela e quais países satisfazem as suas necessidades. Quando falamos de intercâmbio para estudar inglês, os Estados Unidos vem logo a cabeça. Atrai muitos intercambistas pela cultura, atrações, compras e principalmente pela qualidade de vida.

    Por: mattos andrecl Educação> Línguasl 06/02/2014

    Domine as palavras mais utilizadas do vocabulário básico do Inglês. Da mesma forma que no português, o vocabulário utilizado na conversação é bem menor do que o encontrado nos textos escritos. Ou seja o mesmo verbo pode ser utilizado em diversas situações como no caso do get (get on the floor, get off my cloud, get up, get down).

    Por: mattos andrecl Educação> Línguasl 06/02/2014
    Manuella Santos da Hora

    O presente trabalho objetiva discutir a organização e a linguagem, em Os sertões (1902), de Euclides da Cunha (1866-1909). A partir desse objetivo, relatam-se algumas das relações que vinculam as narrativas históricas e culturais no corpo da obra citada, destacando a sua organização e linguagem na composição do enredo euclidiano.

    Por: Manuella Santos da Horal Educação> Línguasl 03/02/2014 lAcessos: 23
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast