A incerteza e a prática escolar

Publicado em: 07/11/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 510 |

 

A incerteza e a prática escolar

 

O presente artigo tem como principal objetivo analisar e repensar a prática escolar à luz da teoria dos "sete saberes", de Edgar Morin, detendo-se na incerteza.Para isso, falaremos um pouco de cada saber e, em seguida, nos aprofundaremos no aspecto da incerteza, já o situando com a sala de aula. Morin afirma que os setes saberes são "buracos negros" que descobriu na educação após uma análise profunda e generalizada desta. E que estes funcionam como base (pilares) da educação considerada ideal nos dias de hoje.

 

O conhecimento é o primeiro buraco negro. A educação, que naturalmente ensina conhecimentos, não se detém no conhecimento. Edgar Morin diz que o ser humano, equivocadamente, toma as ideias pela realidade, esquecendo que todo conhecimento não passa da impressão, tradução e reconstrução da realidade em si. Em vista disso, é imprescindível que a educação se encarregue de mostrar os pressupostos do conhecimento, os riscos, erros e ilusões que este encerra em si. Da mesma forma, deve buscar e auxiliar seus alunos na busca de suas origens.

 

O conhecimento pertinente é o segundo buraco negro. Sua composição é a ação de dar contexto ao saber, de dar-lhe situação global, geográfica e historicamente. A escola deve ensinar através de disciplinas que interajam entre si, no intuito de não atrofiar os alunos na habilidade de assimilar o que aprendem com o mundo em que vivem e suas necessidades.

 

A condição humanaé o terceiro buraco negro. Para estudar o homem de modo fragmentado temos as mais diversas áreas do conhecimento. Porem ignora-se a identidade do homem como um ser total. As áreas encontram-se totalmente desintegradas entre si, e por maior que seja sua profundidade de estudo, a questão maior continua a ficar sem resposta. O homem se esquece que é um ser social e animal, simultaneamente e que deve estudar-se nesses dois aspectos, não de modo aleatório, mas do modo que é. Para que conheça sua identidade o ser humano dispõe das artes, da literatura, que o auxilia na difícil tarefa de conhecer-se, encontrar sua identidade e definir sua condição humana.

 

A compreensão humana é o quarto buraco negro. Morin afirma, enfático, que não se ensina compreendermos uns aos outros. O mundo moderno está extremamente carente de compreensão e esta é de fundamental importância para o desenvolvimento e progresso do homem.

 

A incerteza é o quinto buraco negro, do qual falaremos logo em seguida.

 

A era planetária é o sexto buraco negro. Nesse aspecto, o objetivo é fazer com que o homem entenda que o mundo hoje não se separa mais em partes, mas que há uma grande pátria e isso tem tendência de crescer. Ao longo da História, a Terra foi se transformando pela ação do homem e se tornando um grande lugar sem fronteiras. E a ideia mais difundida hoje é a de uma pátria terrestre.

 

A antropoética é o sétimo buraco negro. A ética em escala humana faz exigências ao homem quanto a se conhecer e realizar em suas diferentes condições e concepções. Apesar de seus diferentes aspectos serem antagônicos, completam-se entre si, afirmando sua natureza complexa.

 

O quinto buraco negro da educação, segundo Edgar Morin, parece-nos bastante importante e digno de uma análise e atenção especiais, dada sua contribuição inegável na construção do saber. A incerteza é uma das maiores conquistas da consciência, visto que a aventura humana sempre teve caráter desconhecido ao homem. A própria ciência já nos mostrou que existem coisas que não podemos saber precisamente. No entanto sempre foram ensinadas as certezas, em detrimento das incertezas. O que é um erro gritante, pois a História nos mostra que os acontecimentos envolvendo a humanidade e a vida na Terra, em geral, não podem ser vistas de modo linear.

 

Ao longo da História, os acontecimentos nos mostraram, implacavelmente, que confiar em qualquer certeza e não contar com o acaso é um equívoco que pode custar caro. Poderíamos citar inúmeros exemplos, segundo Morin, para provar que a História da Humanidade está marcada por episódios onde a certeza falhou e praticamente foi como uma armadilha para quem a possuísse. A própria existência do homem é fruto de uma obra do acaso.

 

Impérios que pareciam indestrutíveis foram destruídos pelo fato do mundo não basear-se em certezas e linearidade. O próprio rumo da História é marcado pelo acaso e pelas incertezas. Os fundamentos da incerteza se mostram imprescindíveis na sala de aula. E eles sequer são mencionados.

 

Quando o homem pratica uma ação, ele projeta a reação que esta vai causar, porém a reação que ele imaginou não passa de uma mera probabilidade. A incerteza.  "Uma ação não obedece nunca às intenções daqueles que a fazem." (pág. 95) Essa afirmação, por si só, nos coloca no sensato dever de contarmos com o acaso.  No momento que uma palavra é dita, um ato é feito, ele já não nos pertence. Tem destino próprio. Vai penetrar no meio social e cultural, onde tomará um rumo diferente do imaginado por nós, pois há diversos fatores em jogo. As circunstâncias, o local, o momento, os imprevistos, tudo é indicio de que a certeza é uma coisa perigosa.

 

Por maiores que sejam os avanços tecnológicos alcançados pela ciência não se consegue prever nada para o futuro. O que vem aí é a mais pura e simples incerteza.

Nosso destino como indivíduos, como seres sociais e como animais é incerto. Já dizia, sabiamente, Sócrates: "Só sei que nada sei."  A única verdadeira certeza é a da incerteza

ela está presente quando o homem olha para o passado, para o presente e, principalmente, para o futuro. Tudo são hipóteses e conjecturas.

 

A filosofia nos elucida sobre os riscos de ignorarmos a incerteza. Todo conhecimento está sujeito a erros e ilusões, por mais precisos que possam parecer ser num determinado momento. O conhecimento só é possível no momento em que algumas certezas inexoráveis caírem por terra e o novo e a descoberta encontrarem lugar. Então o saber, o conhecimento se fará construir, esclarecedor e, do mesmo modo, suscetível a erros e mudanças.

 

Apesar da certeza que temos da existência e importância da incerteza, é fato que as escolas ignoram esse aspecto do saber abertamente. É surpreendente como a opinião do professor que está atuando ativamente na sala de aula sobre métodos de ensino e avaliação são baseados em coisas certas, como, por exemplo, um suposto (errôneo) potencial comum a todos os alunos. As informações que são "passadas" aos alunos são todas tidas como certas.

 

O professor, quando questionado acerca de seu conceito pessoal de conhecimento, elabora repostas nas quais não há margem de erro. "Conhecimento é capacidade de tomar atitudes corretas na vida diária." É uma resposta que nos leva a pensar que o conhecimento nada mais é do que um manual que nos fará, com certezasaber sempre o que fazer nos diversos momentos e impasses ao longo da vida. Opinião  simplista e perigosa para um educador.

 

A incerteza propriamente dita, para o professor, acontece quando o conteúdo aplicado em sala de aula não foi bem compreendido, fixado, vivenciado. Nada é mencionado sobre sua importância como introdução da construção do saber. Ignora-se que a incerteza é o principio de qualquer conhecimento. Se tivéssemos sempre certeza de tudo, as ciências exatas já teriam previsto muitos fenômenos e acontecimentos inesperados, transformando o rumo da história e deixando a vida na terra sem surpresas.

 

 

É necessário alertar o educador sobre os riscos de não se ensinar sobre os pressupostos e fundamentos da incerteza. É de suma importância mostrar ao aluno que a dúvida, a incerteza, são criadoras. Quando nos sentimos certos e seguros de tudo que nos rodeia alguma coisa está errada, não está na ordem natural das coisas, que são por natureza, incertas.

 

A sala de aula deve ser um espaço onde o professor construa saber inovador e transformador com seus alunos, auxiliando-lhes na obtenção de uma consciência clara sobre os riscos de não se contar com o acaso e não duvidar do que sabe e do que lhe é dito. O preço pode ser a falta de criticidade e capacidade de questionamento. O mundo é movido por perguntas e estas são movidas pelas incertezas.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/linguas-artigos/a-incerteza-e-a-pratica-escolar-3623817.html

    Palavras-chave do artigo:

    sete saberes educacao conhecimento

    Comentar sobre o artigo

    O presente artigo tem como objetivo analisar Os Sete Saberes, de Edgar Morin, tendo como principal objetivo abordar os aspectos utilizados na avaliação escolar.

    Por: Silvana Batista Maciell Educaçãol 22/06/2011 lAcessos: 253

    RESUMO: Este artigo apresenta um estudo sobre a avaliação escolar baseado na fundamentação teórica dos sete saberes de Edgar Morin.

    Por: Rosane Magalhães Martinsl Educação> Educação Onlinel 05/10/2010 lAcessos: 6,112

    Edgar Morin, em seu livro Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro, realizado a pedido da UNESCO, mais uma vez dá mostras do quão está atento às questões mais prementes da atualidade, propondo eixos para o ato de educar mulheres e homens para novos desafios contemporâneos, como sujeitos comprometidos na superação dos grandes problemas do nosso planeta e sociedade.

    Por: Leila Saldanhal Educaçãol 23/09/2010 lAcessos: 669
    Keila Soares de Quadros

    O presente artigo será baseado na análise dos critérios de avaliação de língua portuguesa e literatura. A metodologia adotada atende a perspectiva de Edgar Morin, presente na obra Educação e complexidade: Os sete saberes e outros ensaios, na qual o autor nos faz refletir acerca de sete lacunas presentes no sistema educacional.

    Por: Keila Soares de Quadrosl Educaçãol 01/02/2010 lAcessos: 2,543
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Mas a escola infelizmente não propõe uma reflexão coerente a respeito da condição humana, do mesmo modo as correntes pedagógicas modernas, isso no sentido mais global dessa condição.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 31/08/2013 lAcessos: 57

    Tem como base a idéia de uma reforma pedagógica de conteúdos onde a educação deve se aproximar mais das questões humanas, englobando cada vez mais aspectos do quotidiano e tomando o ser humano como principal referencial para o ensino.

    Por: Izabel Cristina Zanchi Klausl Educação> Ensino Superiorl 29/09/2010 lAcessos: 298
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Os erros de natureza intelectual, estruturas sistêmicas profusas e não evidentes no entendimento das teorias, doutrinas e ideologias, a própria mente estruturada erradamente protege os erros fundamentais de natureza intelectual.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/06/2013 lAcessos: 49
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Os sete saberes são fundamentais a pedagogia, tudo deve estar ligado politicamente, com a finalidade de permitir uma mudança epistemológica para construção de um novo pensamento, para superar a concepção da ideia de fragmento.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/06/2012 lAcessos: 170
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A grande questão que o imprevisto é absolutamente desconhecido, perigoso para a manipulação da cultura, apenas nesse momento da história da civilização humana que se admite que não se conheça o destino da aventura do homem.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 01/09/2013 lAcessos: 71

    O autor discorre sobre os fatores que levam a uma educação que não contempla uma aprendizagem significativa. O objetivo desta resenha é refletir sobre o texto e proporcionar um a leitura para aqueles que são estudiosos da área da educação.

    Por: Shirley S Zaccarol Educação> Ensino Superiorl 07/09/2012 lAcessos: 122

    Metanoia para humanizar a Gestão ! Um processo de educação amorosa, que realmente nos transforma. Faz com que a gente fique mais humano. Naquele sentido de ampliar a sensibilidade, ao mesmo tempo que as percepções.

    Por: Valter Bispo dos Santosl Educação> Línguasl 30/03/2015

    Esta pesquisa realizou-se pela curiosidade despertada em mim, a partir da leitura de uma reportagem publicada na revista "Escola", em novembro de 2007, que tinha o seguinte tema "Como o professor vê a educação",esta pesquisa aguçou em mim a curiosidade em identificar as crenças e representações dos professores de LP do município de Guia Lopes da Laguna, me colocando assim dentro do ambiente escolar, meu futuro ambiente de trabalho, me ajudando a conhecer melhor a realidade enfrentada pelos profe

    Por: Eliete Lopes Matricardil Educação> Línguasl 27/03/2015 lAcessos: 11
    junior amorim

    Hoje vim publicar algo diferente, ao invés de falar sobre algum fato histórico ou tecnologias do futuro, venho trazer ao conhecimento de todos, algumas dicas que tem me ajudando bastante na prática da língua inglesa. Estarei deixando alguns vídeos que achei interessantes e darei alguns macetes que também estão trazendo uma grande praticidade. Primeiramente gostaria de dizer que não sou um craque no idioma, mas sempre que tenho um tempinho sobrando, aproveito para praticar as técnicas

    Por: junior amoriml Educação> Línguasl 24/03/2015
    Luciana Virgília

    A língua escrita e falada pelos brasileiros é considerada esquizofrenia linguística, pois não corresponde à realidade vivida. Uma parcela ínfima da população brasileira detém a aquisição da norma-padrão enquanto a maioria da população só conhece e utiliza o vernáculo materno diferente dos padrões e rigores da Língua Portuguesa.

    Por: Luciana Virgílial Educação> Línguasl 23/03/2015 lAcessos: 12
    Luciana Virgília

    As línguas mudam a cada momento, o que se falava no século passado não são mais ditas, hoje em dia. As línguas nascem, crescem, reproduzem e morrem. Ao longo da história das línguas muitas já morreram e não existem mais, mas deixaram o seu legado, é o caso do latim.

    Por: Luciana Virgílial Educação> Línguasl 23/03/2015
    Luciana Virgília

    O trabalho tem como objetivo mostrar a linguagem e sua variação linguística dentro dos aspectos da língua que envolvem a norma culta, a norma padrão e a linguagem coloquial, passando a sofrer influência do estruturalismo, dos neogramáticos, da pragmática, da linguística textual, histórica e aplicada, e do próprio funcionalismo.

    Por: Luciana Virgílial Educação> Línguasl 23/03/2015 lAcessos: 17

    Em uma escola internacional, o som das conversas e das brincadeiras de crianças e adolescentes é ritmado pela diversidade: "learning", "aprendizaje" e "apprentissage" enriquecem os significados de "aprendizagem", em um ambiente no qual, de forma natural e espontânea, a interação em duas ou mais línguas é incentivada.

    Por: Central Pressl Educação> Línguasl 23/03/2015

    Muitas pessoas após chegarem à idade adulta vêm como desafio a necessidade de continuar evoluindo na aprendizagem de línguas a fim de conhecer novas culturas, fazer viagens ou simplesmente aprender um novo idioma. Tal tarefa tem se mostrado um verdadeiro desafio para os adultos, pois o processo de aprendizagem mostra-se lento, em virtude de diversos fatores como registrados neste trabalho. Neste artigo, apontamos alguns estudos sobre o tema, analisando os fatores que demonstram esta dificuldade

    Por: LUCÍDIO CARVALHOl Educação> Línguasl 21/03/2015
    Lucimar Hammes

    A observação escolar é de suma importância para saber quais são os métodos avaliativos mais adequados e eficazes para que no futuro, como docentes, possamos aprimorá-los e aplicá-los de uma forma verdadeiramente significativa. Tudo isso, tendo como base os Sete Saberes Necessários a Educação do Futuro de Edgar Morin.

    Por: Lucimar Hammesl Educação> Línguasl 09/11/2010 lAcessos: 560
    Lucimar Hammes

    O conceito de dialogismo surgiu através da obra do teórico russo Mikhail Bakhtin, o qual examina o dialogismo em diferentes ângulos e estuda detidamente as suas manifestações. Para Bakhtin, a língua em sua totalidade, no seu uso real, tem a propriedade de ser dialógica. Todos os enunciados no processo de comunicação são dialógicos.Neles existe uma dialogização interna da palavra, que é repassada pela palavra do outro, ou seja, todo enunciador para constituir um discurso,leva em conta o discurso.

    Por: Lucimar Hammesl Educação> Línguasl 09/11/2010 lAcessos: 3,028
    Lucimar Hammes

    Segundo Émile Benveniste, a linguística reconheceu que a linguagem devia ser descrita como uma estrutura formal. Seu objeto não devia ser separável do método que o define e seria necessário utilizar os mesmos conceitos e critérios para descrever fenômenos estudados.

    Por: Lucimar Hammesl Educação> Línguasl 07/11/2010 lAcessos: 1,572
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast