Análise de um livro didático de Língua Portuguesa: desafios da aplicação de conteúdo

07/07/2013 • Por • 81 Acessos

ABSTRACT: This text book's analysis should be promoted constantly by the teachers in order to, constantly, improve their teaching practice. Choose the best material to be applied in the classroom, more than that, to discern those that display the content in the best way possible. This study investigates the textbook Trajetórias da palavra, by Celina Diaféria and Mayra Pinto, Portuguese, 9th grade level. How this courseware is committed to the Portuguese language teaching   which undergoes updates over the years.

Keyword: Textbooks, Education, Teacher Training; Parsing

Fundamentação teórica

Na década de 80 o ensino da Língua Portuguesa começou a sofrer uma mudança na forma de se aplicar. A partir desta época começou-se a questionar o emprego da forma gramatical como único viés do ensino da língua materna.

Ensinar o Português utilizando apenas o método estruturalista de formação de frases isoladas, fazendo o aluno decorar nomenclaturas e regras, este tipo de atividade foi se tornando alvo de críticas.

Porém, se o ensino não deveria se dar desta forma, como fazê-lo? Qual seria a forma adequada para que os estudantes se apropriassem da norma culta da língua portuguesa, sem se basear nestes preceitos?

Segundo  Dolz & Schneuwly "Enfim, as estratégias de ensino supoem a busca de intervenções no meio escolar que favoreçam a mudança e a promoção dos alunos a uma maestria dos generos e das situações de comunicação que lhes correspondem. Trata-se, fundamentalmente de se fornecer aos alunos os intrumentos necessários para que progridam. "

A solução seria basear-se na análise linguística, para obter este resultado. Focado na leitura e interpretação textual, para que desta forma o ensino da gramática se tornasse o mais natural possível.

Como se dá, atualmente, esse desafio? Os livros didáticos de Língua Portuguesa vêm cumprindo este papel de forma satisfatória? De que forma os autores vem se adequando a esta nova realidade?

Não somente o conhecimento técnico é importante para análise de um livro didático. A capacidade de formação de um bom cidadão também deve ser levada em conta. Aspectos que incitem a reflexão do aluno.

Analise do Livro Didático

O material analisado será Trajetórias da palavra de Celina Diaféria e Mayra Pinto, Língua Portuguesa, do 9º ano do ensino fundamental. O livro é dividido em três unidades. Contos brasileiros, História e Sociedade e Literatura, pensamento e liberdade. Cada uma delas é fracionada em capítulos que tratam de diferentes gêneros.

A unidade II foi escolhida para a análise deste trabalho. Nela os seguintes gêneros estão inseridos, Resumo e Seminário 4, Romance autobiográfico 5, Entrevista 6 e Artigo de opinião 7. Serão analisados 4,5  e 6. Então ela será feita de acordo com o PNLD 2008. De acordo com critérios.

Relativos à Natureza do Material Textual

Conforme já abordado, não apenas o acesso a informação de técnicas da Língua Portuguesa devem ser privilegiados no material didático. Por isto o material deve trazer, de acordo com a idade, fragmentos de sociedade para que o aluno se insira nela.

Adequação do texto escolhido, gêneros, possibilidade de tornar o aprendizado daquele conteúdo, significativo para aquele estudante. Fomento de novas pesquisas, por ambos envolvidos, professor e aluno. Relevância e motivação, propostas.

Capítulo 4

Segundo estes requisitos este Livro didático tem grande capacidade suprir necessidades. A ativação do conhecimento prévio acontece com grandes fotos de fatos marcantes para a história da humanidade mundial.

Bomba de Hiroshima, Woodstock, Muro de Berlin, atentado ao  World Trade Center. São os assuntos tratados através de fotos e suas legendas.

É perguntado ao aluno o que ele sabe sobre cada situação retratada, e fornece dados que norteiam o aluno no entendimento deles. O tema dinheiro é abordado, em um texto que mais tarde eles resumirão. A ligação entre dinheiro, fatos, e motivações é feita.

Existem textos para Leitura e reflexão, conforme a sessão propõe.  O tema dinheiro continua a ser abordado, das mais diversas formas. Apresenta a situação nacional e até internacional do emprego do dinheiro e sua distribuição.

Esta variedade de situações permite ao aluno ter conhecimento global e desta forma não se restringir a opiniões que vê na televisão, ouve da família ou de amigos. Alguns experts ajudam a formar determinadas opiniões.

Indicações de filmes e leituras relacionadas a todos os outros textos, assuntos para discussão, também se tornam elementos importantes no reforço do aprendizado.

Capítulo 5

Mais uma vez uma boa forma de abordar o tema. Pertinência abordando temática histórica. Ativação do conhecimento através de fotos. Texto instigante sobre a proibição da livre expressão no Brasil nas décadas de 60 e 80.

Como no capítulo anterior, a presença de gêneros variados. Musica, resenha e charges também são usadas para facilitar a compreensão dos alunos e facilitar o contato deles com os tipos diversos.

Instiga a curiosidade, trazem significação, promovem a formação de um cidadão mais consciente.

Capítulo 6

Assim como nos capítulos anteriores, uma seleção de entrevistas com assuntos de interesse foi feita neste material. Existe riqueza de tipos, com a novidade de um poema de Fernando Pessoa.

Relativos ao Trabalho com Leitura

A capacidade de ler com autonomia, independência, reconhecimento das informações e saber como utilizá-las, são faculdades bastante importantes para os estudantes. É de extrema importância que o livro didático ajude no desenvolvimento delas.

Capítulo 4

A atividade proposta prevê uma busca as informações dadas pelo texto e sua transcrição para o caderno, porém, com as palavras do aluno. A interpretação é parte fundamental aqui, visto que o exercício pede, por parágrafos, a informação principal.

Capítulo 5

Os exercícios incentivam a busca de informações. A sessão  Linhas & Entrelinhas, da página 121, já não se destacou como antes. Porém a seguinte, pagina 122, exigiu maior capacidade de análise e interpretação do aluno.

O destaque para este capítulo está no incentivo a produção de um cartaz com um artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos, com uma figura que o ilustre bem.

Capítulo 6

Os exercícios propostos são bastante incentivadores. Levam a reflexão, de uma realidade que talvez não conheçam. Não exigem respostas exatas e às vezes solicita a opinião do aluno.

Relativos ao Trabalho de Produção de Texto

Este critério deve ser considerado aquele que promove a habilidade de escrever de forma eficaz.

Capítulo 4

Quando explicação do gênero de forma teórica e satisfatória, isto não acontece neste livro. Os tipos textuais são citados, solicitados produção, de forma interessante, porém, não existe facilidade para que o aluno conheça cada especificidade dos gêneros. Pelo menos não neste capítulo.

Apesar das atividades serem bem elaboradas na sessão Linhas & Entrelinhas, não existe suporte teórico para o aluno tirar dúvidas com relação à estrutura, ou até mesmo objetivo do  texto resumo.

Esta preocupação não é mais tão importante no gênero seminário, visto que já existem explicações pouco mais consistentes. Para a faixa etária, a explicação ainda não é o ideal, mas já deu um passo a frente do resumo, do mesmo capítulo.

Capítulo 5

Não há tão boa explicação teórica do texto, mas pede que o aluno produza um romance autobiográfico. Ponto positivo foi a reflexão que foi pedida acerca do texto produzido.

Capítulo 6

Desta vez o gênero entrevista é explanado além dos exemplos. Existe a incentivação para a produção de uma entrevista, e até a idealização e feitura de uma revista da sala. Ano passado, durante a realização do estágio, vimos o quanto isto motiva os alunos a produzir textos. A possibilidade de vê-los publicados os encanta. Portanto, conclui-se que esta é uma ótima forma de animá-los a escrever.

Relativos ao Trabalho com Linguagem Oral

Esta é a primeira língua do aluno. Isto não quer dizer que ela esteja de acordo com a norma culta da Língua Portuguesa. É através desta forma de comunicação, que chegará ao aluno a possibilidade de reconhecer os diversos gêneros.

Capítulo 4

As atividades deste capítulo privilegiam este tipo de uso da língua. As exposições orais são bastante comuns. Há inclusive a proposta de preparação e exposição de um seminário.

A cada final de leitura existe a possibilidade de compartilhar as informações obtidas com os textos, e também pessoais com o restante da sala. Geralmente para que sejam debatidas em grupo.

Capítulo 5

Fomentam o debate e depois dele a análise e reflexão da atividade realizada. Alguns dos exercícios pedem a discussão da leitura feita.

Capítulo 6

Pelo próprio gênero abordado existem diversas atividades de produção oral, neste capítulo. Existem momentos para que eles dividam experiência pessoais e até para que encenem um pedaço de reportagem para o restante da turma.

Relativos ao Trabalho com Conhecimentos lingüísticos

Este critério analisa a capacidade do livro de promover uma consciência lingüística no aluno para um bom uso da língua.

Capítulo 4

Essas atividades têm menor validade no livro. Porém, ainda são descontextualizadas. Não apresenta uma explicação gramatical a contento. Pois, já que está propondo exercícios gramaticais, deveria existir também uma explanação teórica.

Não são exercícios que promovem a reflexão do aluno. Alguns conceitos são postos, porem não são retomados. A maioria são  estruturais, ressaltam apenas a repetição.

Capítulo 5

Aparecem no quinto capítulo exercícios de melhor qualidade, que os anteriores. Que explicitam formas de uso, na fala e escrita das formas normativas do uso da língua. Não se prende mais tanto a denominações gramaticais.

Capítulo 6

Neste capítulo a análise lingüística é trabalhada de uma forma bem leve e natural. Ela se aplica quase na totalidade ao cotidiano do aluno. Tem uma sessão bastante interessante De Olho no Acordo, que fala sobe as mudanças que a língua teve após o novo acordo ortográfico.

Existe ainda o pecado da gramaticalização, porém dos três capítulos é o que se encaixa melhor na realidade do uso da língua.

Resultados

Conclui-se então que o material didático produzido porCelina Diaféria e Mayra Pinto cumpre seu papel em grande parte das atividades. Principalmente no que tange as escolhas textuais, atividades de leitura e produção de texto.

O grande desafio continua na aplicação da analise lingüística, como substituição da gramática tradicional. Conforme se encontra no PCN.

[...] não se deve sobrecarregar os alunos com um palavreado sem função, justificado exclusivamente pela tradição de ensiná-lo. O critério do que deve ser ou não ensinado é muito simples: apenas os termos que tenham utilidade para abordar os conteúdos e facilitar a comunicação nas atividades de reflexão sobre a língua excluindo-se tudo o que for desnecessário e costuma apenas confundir os alunos.

Precisamos, nós professores de Língua Portuguesa e estar em contato com os diferentes materiais didáticos para podermos avaliar qual promoverá maior sucesso com nossas turmas. O que se adapta melhor a realidade deles, idade e interesses.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação.  Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: MEC, 2000.

DOLZ J., SCHNEUWLY B, Generos Orais e Escritos na Escola. Mercado das Letras, 2004. Trad. Roxane Roxo e Gladis Sales Cordeiro.

Diaféria, C., PINTO, M. Trajetórias da palavra. Scipione. São Paulo. 2008.

PNLD : Língua Portuguesa / Ministério da Educação. —. Brasília : MEC, 2008. 152 p. — (Anos Finais do Ensino Fundamental).