ESTRUTURA GRAMATICAL DE LIBRAS

Publicado em: 19/01/2011 |Comentário: 1 | Acessos: 13,093 |

INTRODUÇÃO

As Línguas de Sinais (LS) são as línguas naturais das comunidades surdas. Ao contrário do que muitos imaginam as Línguas de Sinais não são simplesmente mímicas e gestos soltos, utilizados pelos surdos para facilitar a comunicação. São línguas com estruturas gramaticais próprias.

Atribui-se às Línguas de Sinais o status de língua, porque elas também são compostas pelos níveis lingüísticos: o fonológico, o morfológico, o sintático e o semântico. O que é denominado de palavra ou item lexical nas línguas oral-auditivas é denominado sinais, nas línguas de sinais. O que diferencia as Línguas de Sinais das demais línguas é a sua modalidade visual-espacial (RODIGUES, 2007).

REVISÃO DE LITERATURA

2.1. Estrutura Gramatical

A Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS é uma língua de modalidade gestual - visual: possui uma estrutura lingüística semelhante as das diversas línguas de modalidade oral auditiva;

Segundo Coneglian (2005), todas as línguas orais - auditivas possui uma gramática própria, definida pelos sistemas:

=> Fonológico (línguas orais - auditivas) ou quirológico (língua de sinais - arte de conversar por meio de sinais feitos com as mãos);

=> Morfológico: palavra/ sinal ou item lexical;

=> Sintático: frase;

=> Semântico: significado;

=> Pragmático: uso do significado - sentido.

2.2 Aspectos Estruturais

A LIBRAS têm sua estrutura gramatical organizada a partir de alguns parâmetros que estruturam sua formação nos diferentes níveis lingüísticos. Três são seus parâmetros principais ou maiores: a Configuração das mãos-(CM) é caracterizado como a forma que a mão assume durante a realização de um sinal; o Movimento - (M) é o deslocamento da mão no espaço, durante a realização do sinal, e o Ponto de Articulação - (PA) é caracterizado pelo lugar do corpo onde será realizado o sinal; e outros três constituem seus parâmetros menores: Região de Contato, Orientação das mãos e Disposição das mãos (STROBEL & FERNANDES,1998).

2.3 Línguas Portuguesa X LIBRAS

A Língua Portuguesa tem por principal característica a linearidade, ou seja, os ouvintes produzem os fonemas (oraliza) um de cada vez. Por outro lado, a Língua de Sinais tem como característica a simultaneidade, os parâmetros primários realizados ao mesmo tempo, com expressões faciais (CONEGLIAN, 2005).

CONCLUSÃO

A LIBRAS veio para tonar-se a principal lingua de diálogo entre surdos - surdos, e surdos - ouvintes, evidente que para uma compreensão rápida tem-se que estudar e aprimorar os conhecimentos, não somente da estrutura gramatical, como de tudo ao que diz respeito a LIBRAS. Após a criação da lingua gestual, também é assim que chama-se LIBRAS, a assimilação, conversação e comunicação entre os individuos foi muito beneficiada.

Assim, concluí-se que a LIBRAS é uma língua e não simplesmente uma linguagem. A LIBRAS tem uma estrutura, uma gramática, como as outras línguas.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/linguas-artigos/estrutura-gramatical-de-libras-4068843.html

    Palavras-chave do artigo:

    libras

    ,

    estrutura gramatical

    Comentar sobre o artigo

    SANDRA VAZ DE LIMA

    A proposta do presente trabalho é analisar alguns aspectos referentes às políticas públicas de inclusão de crianças especiais, mais especificamente de crianças surdas. Pretende-se oferecer subsídios para um olhar diferenciado sobre a questão da inclusão dos surdos no ensino regular, mostrando a importância do processo de inclusão e da utilização da Libras no processo educativo e ainda que os professores utilizem de tal recurso como medida necessária para facilitar o processo de aprendizagem.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 15/02/2010 lAcessos: 3,371 lComentário: 3
    Profº Raul Cuore

    A importância de conhecer a estrutura da Libras para o educador busca uma nova abordagem sobre o estudo inclusivo, este trabalho propõe compreender o uso da LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), aplicado para alunos com necessidades auditivas específicas. Será analisado o papel do aluno, do interprete de Libras e do professor no contexto de sala de aula, o entendimento do português como fonte de alfabetização e letramento que serão de grande importância na discussão do ensino inclusivo dos deficientes auditivos em escolas regulares.

    Por: Profº Raul Cuorel Educaçãol 30/05/2009 lAcessos: 30,248 lComentário: 5
    Inez Kwiecinski

    A ação docente para trabalhar com os surdos deve ser criativa, responsável e interativa. O Decreto º 5626 de 22/12/05, trata da inclusão da LIBRAS como disciplina curricular nos cursos de formação de professores, entretanto grande número de professores se mostram inadequadamente preparados para absorver esta preparação, seja por desconhecem ou por não se considerarem com habilidades adequadas para o uso desta língua.

    Por: Inez Kwiecinskil Educação> Línguasl 24/10/2010 lAcessos: 1,087 lComentário: 1
    Nassiff e Cintia

    E reconhecida a partir da lei 10.436 de 24 de abril de 2002 como meio legal de comunicação da Língua Brasileira de Sinais e outros recursos de expressão, devendo ter garantia por parte do poder público em empresas em geral formas para apoiar o uso da Libras como uma comunicação objetiva. O serviço público principalmente os de assistência à saúde, devem garantir tratamento adequado a esses portadores auditivos reconhecidos por lei.

    Por: Nassiff e Cintial Educação> Línguasl 13/10/2009 lAcessos: 2,121 lComentário: 1

    O presente artigo tem como proposta trazer temas questionadores e atualizados com relação á Deficiência Auditiva. No passado, costumava-se achar que a surdez era acompanhada por algum tipo de déficit de inteligência. Entretanto, com a inclusão dos surdos no processo educativo, compreendeu-se que eles, em sua maioria, não tinham a possibilidade de desenvolver a inteligência em virtude dos poucos estímulos que recebiam e que isto era devido à dificuldade de comunicação entre surdos e ouvintes.

    Por: LUCIANA DE SOUSA SANTOSl Educação> Ensino Superiorl 01/11/2012 lAcessos: 246
    Fábia Utsch

    A inclusão de surdos em escola regular é um assunto muito complexo, onde a situação deve ser pensada como um todo, a partir da realidade de cada local. Para conseguir analisar a situação amplamente, necessita-se conhecer melhor sobre o surdo, sua situação cotidiana de inclusão/exclusão na sociedade como um todo, discutir práticas e teorias partindo de uma questão sociocultural (não apenas audiológica), onde o surdo é um sujeito que possui uma língua natural, a Língua de Sinais.

    Por: Fábia Utschl Educação> Educação Infantill 28/09/2011 lAcessos: 319 lComentário: 3
    Laine Reis Araújo

    Reflexão sobre as contribuições da Lei 10.436 de LIBRAS é o tema de pesquisa deste artigo. Buscou-se, com base nos preceitos constitucionais e legais atinentes à matéria, elucidar o que a lei 10.436 representa contribuindo para que o tema seja conhecido e entendido, especialmente, dentro do contexto em que se inserem os surdos na sociedade atual. A lei 10.436 contribui diretamente para a fomentação de politicas de inclusão do surdo ao observar suas necessidades especiais.

    Por: Laine Reis Araújol Direito> Legislaçãol 04/03/2012 lAcessos: 8,556
    Amanda Mª B. de S. Carvalho

    O presente estudo tece algumas considerações relevantes que envolvem a teoria bilíngüe na educação do sujeito surdo, levando em consideração que a criança surda que nasce em uma família de pessoas ouvintes, as mesmas crescem sem uma língua constituída de fato e direito. Nestas circunstancias observa-se que sendo

    Por: Amanda Mª B. de S. Carvalhol Educação> Línguasl 17/07/2012 lAcessos: 533

    História, Sociedade e Pensamento Educacional – Pedagogia Hospitalar: um breve histórico. Muito se tem falado sobre qualidade de vida. A Pedagogia Hospitalar vem se expandindo no atendimento à criança hospitalizada em uma visão humanística. O nosso trabalho deve estar voltado ao ser global. A Classe Escolar Hospitalar foi implantada no auxílio do tratamento de crianças e adolescentes.

    Por: JEANE PEREIRA MACEDOl Educação> Educação Infantill 13/10/2012 lAcessos: 167

    O inglês é uma das línguas que possui mais palavras de todos os idiomas. De acordo com a segunda edição do dicionário Oxford English Dictionary, a língua inglesa contém 171 476 palavras atualmente usadas. Apesar do grande número de palavras que possui a língua inglesa, não precisa se desanimar - os linguistas afirmam que para você entender 95% de um texto comum em inglês, precisa conhecer apenas 2500 palavras!

    Por: MariaSl Educação> Línguasl 15/12/2014

    O projeto surgiu da necessidade de encontrarmos uma possível solução para a reutilização de tambores de papelão que seriam descartados no meio ambiente e assim, reduzindo estes materiais e reaproveitando como lixeiras para a nossa escola.

    Por: Sortineide Navarro Segural Educação> Línguasl 04/12/2014

    Este artigo tem o objetivo de enfatizar sobre a importância da linguagem no contexto escolar e também na sociedade, a leitura como princípio de sobrevivência.

    Por: SIMONE BERWIANl Educação> Línguasl 03/12/2014 lAcessos: 11

    Esse artigo estabelece as relações gramaticais com as produções textuais, de que uma depende da outra para ocorrer a comunicação.

    Por: SIMONE BERWIANl Educação> Línguasl 30/11/2014

    Como se sabe, os estudos labovianos procuram explicar uma estreita relação em língua e sociedade por meio de pesquisas sociolinguísticas.

    Por: Pollleyka Fraga dos Santosl Educação> Línguasl 30/11/2014

    Apesar de nenhum estudioso da linguagem desconsiderar a existência da variação linguística, foi Willian Labov que conseguiu criar um método que pudesse lidar com a variação, ou com o então chamado caos linguístico de uma forma científica. Esse ponto é claro para Labov, já que para ele "a língua é um conjunto estruturado de normas sociais" (LABOV, 2008, p. 19). Para Tarallo, foi Labov

    Por: Pollleyka Fraga dos Santosl Educação> Línguasl 30/11/2014

    Todas as línguas oficiais dos países da Europa ocidental, com exceção do basco, provêm, segundo os linguistas, de uma mesma língua de origem, o indo-europeu, da qual fazem parte, entre outras, as ramificações dos grupos helênico (grego), românico (português, italiano, francês, castelhano, etc.), germânico (inglês, alemão) e céltico (irlandês, gaélico).

    Por: Pollleyka Fraga dos Santosl Educação> Línguasl 30/11/2014

    Apesar de a disciplina Sociolinguística existir já há vários anos no curso de Licenciatura Plena em Letras e mesmo nos cursos de Especialização da Universidade do estado de Mato Grosso (UNEMAT), em Alto Araguaia, nos Trabalhos de Conclusão de Curso, ou seja, nas monografias finais, verificam-se poucos trabalhos que versam sobre tal tema.

    Por: Pollleyka Fraga dos Santosl Educação> Línguasl 30/11/2014
    Virginia Iop

    Conforme a sociedade está evoluindo e mudando começam a surgir novas preocupações, necessidades e interesses. Desperta temas relacionados ao cuidado com o corpo, qualidade de vida, e estilo de vida. Qualidade de vida é definida como a condição humana resultante de um conjunto de parâmetros individuais e sócio-ambientais, modificáveis ou não, que caracterizam as condições em que vive o ser humano.

    Por: Virginia Iopl Saúde e Bem Estarl 02/04/2011 lAcessos: 369

    Comments on this article

    0
    Graça 01/04/2011
    No moment,estou estudando Libras é muito importante. Gostariade ter contato com professores de Libras.
    Abraços para todos.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast