Noções Básicas Sobre Fonética: Articulatória, Auditiva e Acústica

Publicado em: 25/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 6,016 |

1. Introdução:

Na lingüística, a fonética ocupa-se do estudo de quaisquer sons de uma determinada língua, o que significa admitir que ela se ocupa das diversas variantes de um mesmo som. Assim, por exemplo, pode-se dizer que ao fazer fonética da Língua Portuguesa, a preocupação é em estudar sons, as condições fisiológicas necessárias para a produção dos mesmos e a forma como estes são percebidos. Contudo, este breve artigo tem o objetivo de esclarecer alguns elementos de fonética importantes, mediante referência aos procedimentos que as pesquisas em suas três áreas de interesse compreendem: articulatória, acústica e auditiva.

2. Referencial Teórico:

Em se tratando de fonética, torna-se válido ressaltar CRYSTAL (1988), que diz que "Fonética é a ciência que estuda as características do som humano, quando utilizados na fala, e fornece métodos para sua descrição, classificação e transcrição e se opõe à fonologia cujo propósito é o de "mostrar os sons distintivos de uma língua e chegar a afirmações sobre a natureza dos sistemas de sons das línguas do mundo".

Segundo CRYSTAL, "a fonética divide-se em três grandes ramos de acordo com os estágios sucessivos que possibilitam a transmissão de uma mensagem de um locutor para um ouvinte num ato de comunicação oral. São eles: Fonética auditiva, acústica e Articulatória. Deste modo, numa primeira fase de elaboração da mensagem, irão intervir os mecanismos de produção da fala, ou seja, todas as estruturas anatômicas e as configurações articulatórias fundamentais para a produção de sons, processo este estudado pela fonética articulatória ou fisiológica. Numa segunda fase, será necessário analisar a natureza física dos sons produzidos pelo falante, aspecto de que se irá ocupar a fonética acústica. Finalmente numa última fase, há que ter em conta os mecanismos de percepção do ouvinte, cujo estudo se designa tradicionalmente como fonética perceptiva ou auditiva".

Assim, segundo a lingüista MATEUS (1990), "os objetivos da fonética enquanto disciplina lingüística passa não só pelo estabelecimento das propriedades acústicas, articulatórias e perceptivas que ocorrem nas línguas particulares, mas também pelo modo como aqueles se relacionam entre si, e pelo entendimento da natureza entre as representações lingüísticas e as representações sonoras"

Ainda, segundo MATEUS (1990), "a fonética articulatória tem contribuído fundamentalmente para a fundação da descrição lingüística permitindo a classificação dos sons da fala, de acordo com o contexto no qual os mesmos são articulados. A classificação mais importante é aquele que distingue as vogais das consoantes. A fonética acústica tem se dedicado essencialmente à análise das propriedades físicas dos sons da fala e às correspondências entre traços acústicos e elementos dos sistemas fonológicos das línguas. Relativamente ao estudo da percepção da fala, este tem sido desenvolvido com base em diversas técnicas de análise que envolve as respostas do ouvido, do nervo auditivo e do cérebro aos sons da fala".

Alvarez (1997), "chama a atenção para a compreensão de como o cérebro produz a marcante individualidade da ação humana. É uma rede precisa de mais de 100 bilhões de células nervosas interconectadas em sistemas que focalizam nossa atenção, produzem nossa percepção do meio externo e controlam a percepção de todos os nossos atos."

De acordo com Stevens & House (1993),"os sons da fala encadeada não são representados separadamente através de modelos de movimentos independentes dos articuladores; ao contrário, os movimentos e padrões sonoros de sons adjacentes se sobrepõem, resultando em uma combinação de efeitos. O fato de que o ouvinte é também alguém que fala e realiza os movimentos para fazê-lo, talvez contribua para fornecer informações prévias sobre as mudanças no mecanismo de fala e os meios através dos quais sons adjacentes interagem".

Alvarez; Caetano & Nastas (1997), definem o processamento auditivo central como: "uma série de operações que o sistema auditivo, como um todo, realiza para receber, detectar, atender, reconhecer, associar, integrar os estímulos acústicos e, a partir disso, resgatá-los para planejar e emitir respostas".

Assim, nesta perspectiva, na qual Keith (1982 ); Russo & Behlau (1993) "descrevem a percepção da fala em etapas, iniciando-se com a audibilidade isto é com a detecção do som. A partir da audibilidade temos a recepção da informação sonora, a discriminação entre os sons de diferentes espectros, o reconhecimento ou a comparação do que foi ouvido com experiências anteriores, a memória ou retenção de elementos da fala e, finalmente, a compreensão da mensagem falada".

3. Considerações Finais:

Conclui-se pelo exposto referencial, que a fonética ocupa-se das diversas variantes de um mesmo som. Na qual é dividida em três estágios: Fonética Auditiva, Articulatória e Acústica. Sendo a fonética Auditiva responsável pelos sons produzidos pelo falante, enquanto mediados pelo ouvido o nervo auditivo e o cérebro. A fonética articulatória responsável pela produção da fala, do ponto de vista da produção dos sons pelos órgãos vocais. E por fim, a fonética acústica responsável pelas propriedades físicas dos sons da fala e as correspondências entre traços acústicos e elementos dos sistemas fonológicos das línguas.

Referências:

CRYSTAL, D. Dicionário de Lingüística e Fonética. Jorge Zahar, 1988.

 MATEUS, Maria Helena Mira. Fonética, fonologia e morfologia do português. Lisboa: Universidade Aberta, 1990.

 Alvarez, A .; Caetano, A .;Nastas, S.: "Processamento Auditivo Central: Avaliação e diagnóstico"- Revista Fono Atual - vol. 2; 34 - 36 - 1997.

 Russo, I. C. P. & Behlau, M. S.- Percepção da Fala: Análise Acústica do Português Brasileiro. São Paulo- Lovise- 1993. 57p.

Carvalho,; Alvarez, A; Caetano, A: "Perfil de habilidades fonológicas"- Editora Via Lettera- São Paulo- 1998.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/linguas-artigos/nocoes-basicas-sobre-fonetica-articulatoria-auditiva-e-acustica-2728852.html

    Palavras-chave do artigo:

    fala

    ,

    sons

    ,

    lingua

    Comentar sobre o artigo

    O artigo trata do tema ALFABETIZAÇÃO, focando as dificuldades no aprendizado das letras e sons. Toma como referência as autoras Emília Ferreiro 2001) e Magda Soares (2003) que assinalam as dificuldades da criança em processo de alfabetização e propõem uma prática pedagógica consciente da realidade da criança. O estudo tem intenção autobiográfica peritindo uma reflexão sobre a prática do pesquisador-alfabetizador, garantindo a busca de novas abordagens e procedimentos.

    Por: Geraldo Francisco dos Santosl Educação> Educação Infantill 22/04/2011 lAcessos: 6,322

    O presente artigo terá por base o modo de entendermos linguagem e língua, que nomeiam objetos do estudo lingüístico, que não foram compreendidos do mesmo modo, porém o estudo de um é indispensável para o entendimento de outro. Haja vista que ao iniciarmos com este artigo deve-se ter noção de conceito de língua, seus tipos e suas variações. A língua humana tem a função de articulador de sons para a produção de sons na execução das palavras. É com as palavras que se faz a linguagem ou linguagens.

    Por: NADIA BETANIAl Educação> Ensino Superiorl 04/09/2010 lAcessos: 20,886

    RESUMO: O presente trabalho é um estudo sociolinguístico que tem por objetivo analisar e discutir as diferenças existentes entre a língua portuguesa e o vernáculo brasileiro, ou seja, trata-se de uma investigação das diferenças inerentes a língua falada e a língua escrita. Assim, espera-se que este trabalho contribua para uma melhor compreensão e elucidação das diferenças imanentes a língua tanto na modalidade escrita quanto na sua modalidade oral.

    Por: Lúcio Silval Educação> Línguasl 18/10/2012 lAcessos: 183
    Profª Bia Senday

    A língua portuguesa origina-se do latim, língua falada pelos romanos – povo ao qual invadiu a península ibérica no Século III a.C. Nesta época, povos como os fenícios e gregos ali habitavam. No século V d.C., povos germânicos (suevos, vândalos, alanos e visigodos) invadiram a Península Ibérica. Os visigodos passaram a dominar a região. Por fim, eles abandonaram sua língua e a adotaram o latim. No século VIII, a Península Ibérica sofreu a invasão dos árabes, ao qual dominaram-na por 700 anos.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Fonocenter

    Muitas crianças têm dificuldades com a comunicação em algum momento de suas vidas. Alguns conseguem melhorar e se desenvolver com ajuda dos pais e nas escolas. No entanto, outros vão continuar a ter problemas. Os distúrbios da comunicação incluem distúrbios da fala e distúrbios da linguagem. Vamos discutir alguns casos e passar diretrizes gerais. Isso vai ajudar você a decidir se o seu filho precisa ser avaliado por um fonoaudiólogo.

    Por: Fonocenterl Saúde e Bem Estar> Odontologial 03/02/2014 lAcessos: 40
    Profª Bia Senday

    Antes de falarmos da língua portuguesa propriamente dita, falaremos um pouco do indo-europeu. O indo-europeu não é uma língua, como podemos dizer, atestada, pois não existe nenhum documento escrito que prove que ele tenha existido.

    Por: Profª Bia Sendayl Literatural 10/02/2012 lAcessos: 105

    Este artigo tem como foco analisar qual visão do ensino de Língua portuguesa, da época, Monteiro Lobato deixa perpassar em sua obra "Emília no país da gramática" e o que ele considera como essencial no Ensino da língua.

    Por: Andréa Luzl Literatura> Ficçãol 13/05/2011 lAcessos: 961

    Neste artigo, apresentarei o resumo de algumas questões básicas sobre a aquisição da linguagem. Estas questões serão consideradas à luz das observações que têm sido feitas sobre as mudanças de comportamento do desenvolvimento lingüístico fisiológico e psicolingüístico da linguagem.

    Por: WALERIA CAMINHAl Educaçãol 29/11/2008 lAcessos: 10,408 lComentário: 4
    Silvia Garcia

    "Seu filho de 2 anos ainda não fala, só diz algumas palavras em comparação com seus amiguinhos, você acha que ele está atrasado. Esperando que ele se desenvolva, você adia a procura de um profissional especializado". Esta cena é comum entre os pais de crianças que demoram para começar a falar. A menos que sejam observadas dificuldades em outras áreas do desenvolvimento, os pais às vezes hesitam para buscar ajuda.

    Por: Silvia Garcial Saúde e Bem Estarl 18/05/2011 lAcessos: 496

    O presente artigo nos proporciona uma pequena dimensão da importância e da consciência do bom uso da língua materna. Pois é através dela que nos fazemos contextualizados com a realidade de vida que possuímos.

    Por: Reginaldo Posol Educação> Línguasl 27/08/2013 lAcessos: 58
    Curso de Idioma

    O que tem aprender um novo idioma a ver com sexo e chocolate? Segundo pesquisas, muita coisa! Todas são atividades que ativam o sistema de recompensa do cérebro.

    Por: Curso de Idiomal Educação> Línguasl 17/11/2014

    O processo de desenvolvimento ensino- aprendizagem é contínuo. Para tanto, precisamos ver a criança como um ser ativo na construção de seu conhecimento, que aprende a partir de ações, reflexões, interações com adultos, outras crianças e o ambiente em que está inserido. É por acreditarmos que através da leitura e escrita, que formamos homens de bem, cidadãos conscientes de seus direitos e deveres, assim desenvolveremos este projeto a fim de propiciar a criança as superações de suas dificuldades.

    Por: Luciane do Pradol Educação> Línguasl 15/11/2014

    A leitura e a escrita são fundamentos básicos para a formação de estudantes em fase inicial. O lúdico tem o poder de fazer com que a criança transponha barreiras de dificuldades que para eles inibe a sua criatividade, tanto em escrever quanto em expor em forma desenhos, pintura ou exposições orais. Portanto, o projeto visa em trabalhar o imaginário para que assim a criança possa interagir através da escrita espontânea, uma vez que o aluno precisa se sentir e ser o sujeito de suas próprias ações

    Por: Luciane do Pradol Educação> Línguasl 15/11/2014

    A leitura e a escrita são hoje um dos maiores desafios das escolas, visto que quando estimulada de forma criativa, possibilita a redescoberta e o prazer de ler, a utilização da escrita e a inserção do aluno no mundo letrado. Pensando nesse contexto, o projeto torna-se necessário e viável, pois pretende fomentar a leitura, interpretação e a escrita por meio da contação de história. Durante o desenvolvimento do projeto procuramos incentivar os alunos empréstimo de livros uma vez na semana.

    Por: Isaura do Prado Almeidal Educação> Línguasl 13/11/2014

    Este trabalho teve como objetivo pesquisar a prática pedagógica de professores da Educação Infantil acerca do uso da linguagem oral. Para a coleta de dados foram utilizados a observação e a entrevista. Quatro professoras que atuam na Educação Infantil participaram deste estudo. Os principais autores estudados foram: PCN' s (1997), Barbosa (1994), Cagliari (1990), RCNEI (1998), Ferreiro (1985).

    Por: Luciane do Pradol Educação> Línguasl 09/11/2014 lAcessos: 11

    O inglês é um idioma utilizado amplamente em todo o mundo, dito por isso como um idioma internacional. Isso foi determinado em um acordo para simplificar a comunicação entre os países sendo escolhido o inglês devido a quantidade de países que possuem falantes desta língua.

    Por: mattos andrecl Educação> Línguasl 06/11/2014

    Muitas vezes há dificuldade no aprendizado do inglês pelo fato de ser uma língua muito diferente da nossa. Isso deve-se ao fato da origem da língua inglesa ter uma origem diferente do latim.

    Por: mattos andrecl Educação> Línguasl 06/11/2014

    Você quer aprender espanhol, mas não sabe como. Abre o Google e nos resultados de pesquisa aparecem dezenas de anúncios de escolas de espanhol diferentes. Qual delas escolher? Fazer um curso de espanhol presencial ou estudar espanhol online? Atualmente se fala sempre mais sobre as escolas de idiomas online, mas será que vale mesmo a pena aprender desta maneira?

    Por: MariaSl Educação> Línguasl 27/10/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast