O Ensino de Língua Inglesa através dos Contos de Fadas e Atividades Lúdicas

Publicado em: 06/10/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 1,174 |

           

             A dificuldade de ensinar Língua Inglesa acontece quando o professor se depara com alunos desmotivados e com dificuldades de aprendizagem referente à matéria, sejam essas dificuldades por motivos pessoais, falta de recursos na escola ou até mesmo a falta de qualificação do professor, que muitas vezes usa métodos antigos que não se adaptam a realidade dos alunos.

 

            O ensino de língua inglesa não é apenas ensinar gramática e dar palavras para serem traduzidas, é muito mais do que isso. O ensino desta língua permite enriquecer a aprendizagem do aluno, pois este acaba por conhecer uma nova cultura, outros países, percebendo a diversidade de cultura que podemos encontrar no mundo, assim interando-se do que está a sua volta.

 

            Se não forem tomadas atitudes para melhorar o ensino de língua inglesa, o aluno além de não gostar da matéria, não levará nada de conhecimento para as séries seguintes e também para fora da escola.

 

            Sabendo hoje, que o inglês é uma língua universal, e o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo, o aluno deve sair da escola preparado para atuar em um mundo globalizado, onde terá mais chances de um lugar no mercado de trabalho, se caso as exigências deste forem correspondidas com as suas habilidades.

 

             Daí vem à importância de ensinar a língua inglesa, e nada melhor do que começar esse ensino durante a infância, já que durante esse período a linguagem se desenvolve com mais eficácia.

 

            Para possibilitar ao aluno um ensino de qualidade e que o prepare para o futuro, deve-se primeiramente verificar quais as maiores dificuldades de cada um, para aos poucos ir adequando atividades que melhor desenvolvam a capacidade de aprendizagem da classe.

 

            O professor deve apresentar a matéria de forma que desperte a curiosidade dos alunos, assim a aula vai se tornando divertida, ao mesmo tempo em que a matéria é ensinada.  Usar de materiais como jogos, vídeos e livros de histórias, são recursos que também ajudam a estimular a curiosidade e o aprendizado. Sabendo utiliza-los adequadamente para cada faixa etária e série, certamente a aula de língua inglesa se tornará mais interessante. Pois:

 

...percebe-se o quão é importante a ludicidade no contexto escolar, visto que ela proporciona uma maior interação entre o estudante e o aprendizado, fazendo com que os conteúdos fiquem mais fáceis aos olhos dos alunos, os quais ficam mais interessados em assistir a aula. (NUNES, 2004, ON-LINE)

           

            É analisando os contos de fadas, e atividades envolvendo esses contos que podemos aos poucos perceber as maiores dificuldades do aluno. Esses contos quando trabalhados de maneira correta podem detectar problemas físicos e psicológicos, pois enquanto os alunos fazem as atividades podemos perceber suas reações, que podem ser de timidez, agressividade, alegria, angústia entre outras. Segundo Bruno Bettelheim:

 

...os contos de fadas ensinam pouco sobre as condições específicas da vida na moderna sociedade de massa; estes contos foram inventados muito antes que ela existisse. Mas através deles pode-se aprender mais sobre os problemas interiores dos seres humanos, e sobre as soluções corretas para seus predicamentos em qualquer sociedade, do que com qualquer outro tipo de estória dentro de uma compreensão infantil. Como a criança em cada momento de sua vida está exposta à sociedade em que vive, certamente aprenderá a enfrentar as condições que lhe são próprias, desde que seus recursos interiores o permitam. (1980, p.13)

 

            Motivar os alunos a aprender inglês através de jogos e histórias que eles já conheçam, faz com que eles sintam-se desafiados a vencer seus obstáculos referentes à nova língua. Essas atividades aumentam a concentração para se chegar a uma resposta referente às brincadeiras, jogos ou histórias. Os alunos vão brincando e, sem perceberem, aprendem a matéria sem maiores dificuldades.

 

            O Lúdico no ambiente escolar se torna um facilitador na aprendizagem, como afirma Yogi Chizuko:

 

As atividades didáticas que fazem uso do lúdico ajudam a criança a organizar-se de forma prazerosa, proporcionando-lhe momentos de análise, de lógica, de percepção sensorial, dentre outros aspectos. O processo de aprender o mundo se dá pela curiosidade que impulsiona a pessoa para a descoberta e repetidas explorações. A educação pelo lúdico leva a uma aprendizagem espontânea, a um maior interesse e ao aumento da autoconfiança. (2003, p.5)

 

            Possibilitar ao aluno tais atividades depende do professor, que já conhecendo a turma, deve analisar e selecionar quais as melhores formas de ensinar a matéria. Pois nem todas as atividades poderão atender as dificuldades de todas as turmas. Cada atividade, como falada anteriormente, deve ser adequada para cada faixa etária e série.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/linguas-artigos/o-ensino-de-lingua-inglesa-atraves-dos-contos-de-fadas-e-atividades-ludicas-3414305.html

    Palavras-chave do artigo:

    contos de fadas

    ,

    atividades ludicas

    ,

    ensino de lingua inglesa

    Comentar sobre o artigo

    O inglês é uma das línguas que possui mais palavras de todos os idiomas. De acordo com a segunda edição do dicionário Oxford English Dictionary, a língua inglesa contém 171 476 palavras atualmente usadas. Apesar do grande número de palavras que possui a língua inglesa, não precisa se desanimar - os linguistas afirmam que para você entender 95% de um texto comum em inglês, precisa conhecer apenas 2500 palavras!

    Por: MariaSl Educação> Línguasl 15/12/2014

    O projeto surgiu da necessidade de encontrarmos uma possível solução para a reutilização de tambores de papelão que seriam descartados no meio ambiente e assim, reduzindo estes materiais e reaproveitando como lixeiras para a nossa escola.

    Por: Sortineide Navarro Segural Educação> Línguasl 04/12/2014

    Este artigo tem o objetivo de enfatizar sobre a importância da linguagem no contexto escolar e também na sociedade, a leitura como princípio de sobrevivência.

    Por: SIMONE BERWIANl Educação> Línguasl 03/12/2014 lAcessos: 11

    Esse artigo estabelece as relações gramaticais com as produções textuais, de que uma depende da outra para ocorrer a comunicação.

    Por: SIMONE BERWIANl Educação> Línguasl 30/11/2014 lAcessos: 11

    Como se sabe, os estudos labovianos procuram explicar uma estreita relação em língua e sociedade por meio de pesquisas sociolinguísticas.

    Por: Pollleyka Fraga dos Santosl Educação> Línguasl 30/11/2014

    Apesar de nenhum estudioso da linguagem desconsiderar a existência da variação linguística, foi Willian Labov que conseguiu criar um método que pudesse lidar com a variação, ou com o então chamado caos linguístico de uma forma científica. Esse ponto é claro para Labov, já que para ele "a língua é um conjunto estruturado de normas sociais" (LABOV, 2008, p. 19). Para Tarallo, foi Labov

    Por: Pollleyka Fraga dos Santosl Educação> Línguasl 30/11/2014

    Todas as línguas oficiais dos países da Europa ocidental, com exceção do basco, provêm, segundo os linguistas, de uma mesma língua de origem, o indo-europeu, da qual fazem parte, entre outras, as ramificações dos grupos helênico (grego), românico (português, italiano, francês, castelhano, etc.), germânico (inglês, alemão) e céltico (irlandês, gaélico).

    Por: Pollleyka Fraga dos Santosl Educação> Línguasl 30/11/2014

    Apesar de a disciplina Sociolinguística existir já há vários anos no curso de Licenciatura Plena em Letras e mesmo nos cursos de Especialização da Universidade do estado de Mato Grosso (UNEMAT), em Alto Araguaia, nos Trabalhos de Conclusão de Curso, ou seja, nas monografias finais, verificam-se poucos trabalhos que versam sobre tal tema.

    Por: Pollleyka Fraga dos Santosl Educação> Línguasl 30/11/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast