Tradição Gramatical E Ensino De Língua Portuguesa: Desafios E Perspectivas

Publicado em: 03/02/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 1,506 |

Sabemos que muitas práticas de ensino de Língua Portuguesa têm sido insuficientes e falhas, fato que tem sido amplamente debatido nos centros acadêmicos de todo país. Na verdade estamos assistindo à ultrapassagem dos limites de uma realidade em que a gramática era - e ainda é, em muitos casos - prescrita de forma unilateral e autoritária.

Esta prática exige dos alunos a memorização e o labor por meio de exaustivos exercícios de fixação; de maneira que, no ano seguinte, já nem suspeitam sobre as regras aprendidas na série anterior. Em analogia propícia, comparamos o fato ao rompimento devastador, mas já previsto, de uma grande represa. Imagine as conseqüências para os que "dela" necessitam!

A iminência dos estudos lingüísticos tem nos proporcionado uma reflexão complexa e inovadora acerca das práticas educacionais. As propostas de discussão sobre algumas mudanças essenciais estão amparadas no debate ora travado pela sociolingüística, que atesta a relação indissociável da sociedade com a língua.

Em seu Ensino de português: do primeiro grau à universidade Muriee (2001) discute as práticas de ensino até então levadas a caba, bem como, os conceitos desta disciplina em uso na sociedade. No capítulo Reflexões sobre o ensino/aprendizagem de gramática, inicia o texto falando sobre a regra gramatical, que os alunos apreendem no dia-a-dia, em contato com um conjunto de imposições e um conjunto de liberdades.

Assim, observando-se a necessidade de uma aprendizagem significativa e contextualizada, a autora discute a necessidade do ensino da gramática. Para ela, existem distinções entre a língua oral e a escrita, lembrando que a oralidade é precedente, já que é contextualizada e instantânea, ao contrário da escrita, que é mais organizada, polida e elaborada, mesmo que seja uma transcrição da fala.

Muriee enxerga uma necessidade explícita de criação de uma gramática da oralidade, que leve em consideração os processos de interlocução, o contexto situacional e a essência fundamentalmente dialógica da comunicação verbal. Tudo isto, com vistas a uma aproximação entre a fala e a escrita, possibilitando a construção de textos escritos e orais nos mais diversos gêneros.

Acerca dos tipos de gramática, a autora enumera as seguintes:

1)     Gramática normativa, que pressupõe uma forma correta, única, que deve ser seguida, sem questionamento da realidade do educando, seu contexto sociocultural, valorizando o acerto e repudiando o"erro" etc.;

2)     Gramática descritiva, que pressupões a regra que é seguida, isto é, o trabalho é feito com base na língua como ela realmente é usada pelos escritores e falantes. Assim, o que era "errado" passa a ser considerado diferente; e

3)     Gramática internalizada, aquela que admite que as regras e estruturas básicas da língua estão na cabeça do indivíduo e que, portanto, ele já sabe, restando-lhe apenas descrer e sistematiza-los.

Com relação às metodologias, Muriee diz que é necessário aprender o sistema como ele se realiza, como funciona, conhecer o uso efetivo da linguagem e estimular a pesquisa, a análise e a síntese do material utilizado. Mas é preciso levar em conta, ainda, as necessidades diagnosticadas e aquilo que é relevante ou não para o aluno.

Ela também aborda a questão dos resultados contrários obtido pelos profissionais ao utilizarem uma metodologia antiquada e tradicional, baseada na utilização exclusiva da nomenclatura, na esperança de formar bons usuários da língua nas suas instâncias de comunicação (oral, escrita).

Com efeito, deve-se procurar levar o aluno a compreender a complexidade e a funcionalidade da Língua Portuguesa em qualquer das variantes que ela possa se manifestar. Enfim, o monopólio estabelecido pela tradição pedagógica acaba comprometendo as relações semânticas e pragmáticas da língua, causando distorção em relação ao que é e ao que não é relevante e significativo para os educandos. Panorama este que deve ser transformado com urgência, a fim de cumprir a verdadeira finalidade do ensino da Língua Portuguesa.

Referência

MURRIE, Zuleika de Felice (org). O ensino de português: do primeiro grau à universidade. São Paulo: Contexto, 2001.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/linguas-artigos/tradicao-gramatical-e-ensino-de-lingua-portuguesa-desafios-e-perspectivas-1817863.html

    Palavras-chave do artigo:

    ensino de lingua materna

    ,

    linguistica

    ,

    tipos de gramatica

    Comentar sobre o artigo

    Cristiane Cardoso da Silva

    Esse artigo discute o papel da escola no ensino da língua portuguesa e as dificuldades de aprendizagem, na qual, o professor ao ministrar suas aulas trabalha de formas descontextualizadas com a realidade do aluno, dificultando sua compreensão da norma culta e, passam a temer as aulas. Sendo que, os maiores problemas encontrados pelos alunos são a escrita e a interpretação de texto por falta da leitura.

    Por: Cristiane Cardoso da Silval Educação> Línguasl 02/06/2009 lAcessos: 15,242 lComentário: 2
    Carmem Lúcia C. V.de Oliveira

    O objetivo principal é abordar as quatro habilidades comunicativas, enfocando principalmente a leitura e a escrita como implicações para o ensino-aprendizagem de Língua Inglesa. Tendo como relevância à aptidão dos alunos em produção escrita, no qual focamos em prática os conteúdos gramaticais ampliando e aprimorando os conhecimentos no ensino-aprendizagem da Língua Inglesa, através da leitura, estudo do vocabulário e consequentemente na produção textual.

    Por: Carmem Lúcia C. V.de Oliveiral Educação> Línguasl 24/01/2015 lAcessos: 32

    Visando uma didática eficaz e que desperte o interesse do alunado do ensino médio noturno, esta pesquisa discutirá formas para se trabalhar com esta clientela sob a perspectiva sociointeracionista de Bakhtin, pois o processo de ensino/aprendizagem se dá na interação aluno/professor e aluno/sociedade, na assimilação das práticas sociais. Uma vez que o ensino não se faz e nem se dá na homogeneidade.

    Por: elizandral Educação> Línguasl 03/12/2010 lAcessos: 567
    Ribamar Pinho

    Língua Portuguesa: O Ensino de Gramática em uma perspectiva Textual, aborda a importância do papel da gramática, em especial na escola, a qual tem sido, muitas das vezes, apegado às regras da gramática normativa. O ensino da gramática apresenta constante problemas, tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio, por se tratar de um ensino muito complexo, que visa o desenvolvimento do educando. A gramática é considerada para os brasileiros, o manual da Língua Portuguesa.

    Por: Ribamar Pinhol Educação> Línguasl 05/07/2011 lAcessos: 4,290

    Essa pesquisa pretende analisar as dificuldades enfrentadas pelos alunos na aplicação da gramática na produção textual e descrever a aplicação da norma culta por parte dos alunos. Verificou-se que o ensino de português está voltado para regras gramaticais ultrapassadas e não tem desenvolvido nos alunos a habilidade comunicativa em todas as suas nuances. Pretende-se assim, subsidiar os professores que desejam pautar sua atuação pedagógica numa proposta efetivamente funcional da língua.

    Por: islene dos santos roquel Educação> Línguasl 06/10/2013 lAcessos: 71
    Madah Costa

    O artigo perpassa pelas causas que dificultam o relacionamento entre o saber acadêmico - científico e a prática diária nas escolas, visando justamente refletir sobre essas dificuldades, discutindo à luz de Bagno, Travaglia e outros estudiosos o tema proposto, sob uma perspectiva mais ampla, bem como todos os aspectos que consolidam a importância deste estudo.

    Por: Madah Costal Educação> Ensino Superiorl 30/01/2013 lAcessos: 233
    Luciana Virgília

    A língua escrita e falada pelos brasileiros é considerada esquizofrenia linguística, pois não corresponde à realidade vivida. Uma parcela ínfima da população brasileira detém a aquisição da norma-padrão enquanto a maioria da população só conhece e utiliza o vernáculo materno diferente dos padrões e rigores da Língua Portuguesa.

    Por: Luciana Virgílial Educação> Línguasl 23/03/2015
    Zilda Ap. S. Guerrero

    Este artigo surgiu da necessidade de se trabalhar as variações da língua sem preconceito linguístico, pois em uma sociedade como a nossa não há como negar a influência de vários povos na constituição da Língua Portuguesa. Dessa forma acreditamos que a divulgação desse material muito será útil para disseminar a inexistência da cultura do certo ou errado dentro da LP, pois somos milhões de brasileiros compartilhando a mesma língua e com toda certeza ela apresenta muitas variações.

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Educação> Línguasl 08/09/2012 lAcessos: 146
    Paulo Roberto Frantz Bonilla

    O presente trabalho tem por objetivo oferecer uma contribuição para o desenvolvimento da prática da leitura de textos, em especial propagandas televisivas, nas aulas de Língua Portuguesa dos ensinos fundamental e médio, uma vez que a leitura é condição básica para acesso à cultura e à participação do indivíduo nos diferentes espaços sociais.

    Por: Paulo Roberto Frantz Bonillal Educação> Línguasl 13/09/2009 lAcessos: 3,428
    junior amorim

    Hoje vim publicar algo diferente, ao invés de falar sobre algum fato histórico ou tecnologias do futuro, venho trazer ao conhecimento de todos, algumas dicas que tem me ajudando bastante na prática da língua inglesa. Estarei deixando alguns vídeos que achei interessantes e darei alguns macetes que também estão trazendo uma grande praticidade. Primeiramente gostaria de dizer que não sou um craque no idioma, mas sempre que tenho um tempinho sobrando, aproveito para praticar as técnicas

    Por: junior amoriml Educação> Línguasl 24/03/2015
    Luciana Virgília

    A língua escrita e falada pelos brasileiros é considerada esquizofrenia linguística, pois não corresponde à realidade vivida. Uma parcela ínfima da população brasileira detém a aquisição da norma-padrão enquanto a maioria da população só conhece e utiliza o vernáculo materno diferente dos padrões e rigores da Língua Portuguesa.

    Por: Luciana Virgílial Educação> Línguasl 23/03/2015
    Luciana Virgília

    As línguas mudam a cada momento, o que se falava no século passado não são mais ditas, hoje em dia. As línguas nascem, crescem, reproduzem e morrem. Ao longo da história das línguas muitas já morreram e não existem mais, mas deixaram o seu legado, é o caso do latim.

    Por: Luciana Virgílial Educação> Línguasl 23/03/2015
    Luciana Virgília

    O trabalho tem como objetivo mostrar a linguagem e sua variação linguística dentro dos aspectos da língua que envolvem a norma culta, a norma padrão e a linguagem coloquial, passando a sofrer influência do estruturalismo, dos neogramáticos, da pragmática, da linguística textual, histórica e aplicada, e do próprio funcionalismo.

    Por: Luciana Virgílial Educação> Línguasl 23/03/2015

    Em uma escola internacional, o som das conversas e das brincadeiras de crianças e adolescentes é ritmado pela diversidade: "learning", "aprendizaje" e "apprentissage" enriquecem os significados de "aprendizagem", em um ambiente no qual, de forma natural e espontânea, a interação em duas ou mais línguas é incentivada.

    Por: Central Pressl Educação> Línguasl 23/03/2015

    Muitas pessoas após chegarem à idade adulta vêm como desafio a necessidade de continuar evoluindo na aprendizagem de línguas a fim de conhecer novas culturas, fazer viagens ou simplesmente aprender um novo idioma. Tal tarefa tem se mostrado um verdadeiro desafio para os adultos, pois o processo de aprendizagem mostra-se lento, em virtude de diversos fatores como registrados neste trabalho. Neste artigo, apontamos alguns estudos sobre o tema, analisando os fatores que demonstram esta dificuldade

    Por: LUCÍDIO CARVALHOl Educação> Línguasl 21/03/2015
    Edson Luis Rezende Junior

    O artigo aqui apresentado consiste em um fragmento de uma iniciação científica (Apoio: PIBIC – Processo 20337) - EXPERIÊNCIAS DE APRENDIZAGEM DE ESPANHOL/LÍNGUA ESTRANGEIRA MEDIADAS PELO TELETANDEM, desenvolvida durante os anos de 2012 e 2013. Seu objetivo é descrever as reais contribuições do projeto Teletandem à discentes do curso de letras, alunos do grupo de espanhol como língua estrangeira, da UNESP / ASSIS.

    Por: Edson Luis Rezende Juniorl Educação> Línguasl 07/03/2015 lAcessos: 20

    O Ielts e o Toefl são exames internacionais de proficiência em inglês, isto é, eles servem para determinar o quanto você é capacitado para ingressar em uma faculdade em outro país. Para se preparar para esses exames os alunos devem fazer um curso de inglês para aprimorar cada vez mais seu inglês e chegar ao ponto de conseguir realizar estes exames internacionais.

    Por: mattos andrecl Educação> Línguasl 04/03/2015

    Trata-se de uma Atividade Avaliativa elaborada para os alunos do Curso de Cadista, oferecido em Nanuque-MG. O trabalho torna-se relevante, uma vez que possibilita a reflexão das pessoas que atuam na área de Gestão de Recursos Humanos, sobre as estratégias relacionadas à Motivação e à Qualidade de Vida no Trabalho – QVT.

    Por: RENATO PEREIRA AURÉLIOl Negócios> Administraçãol 28/02/2014 lAcessos: 56

    A atual situação em que se encontra a educação no país revela a ineficiência claramente constatada em relação à formação de leitores e escritores efetivos, capazes de compreender não apenas os enunciados escritos, mas também outros de natureza não-verbal. Nesta perspectiva, tona-se necessário que a escola promova ações capazes de colaborar para a redução deste problema. Com efeito, o Projeto Viva Linguagem! torna-se relevante quando se pensa que os indivíduos necessitam cada vez mais, utilizar

    Por: RENATO PEREIRA AURÉLIOl Educação> Línguasl 18/05/2011 lAcessos: 393

    Comments on this article

    0
    thaina 06/10/2010
    oi eu sou soudeira e quero aruma um namorado !!! e eu tenho 10 anos .
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast