A Importanciada Leitura

Publicado em: 28/06/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 7,675 |

A leitura  é um grande mecanismo para se exercer plenamente  a cidadania pois  permite ao leitor  o raciocínio lógico, à reflexão crítica e a mudança de atitude porque ela é  uma porta aberta para compreendermos melhor o mundo e a nós mesmos e  se compreendermos melhor o mundo e a nós mesmos nós temos subsídios para nos transformarmos e transformamos o mundo a nossa volta.

Ler é o processo de construir um significado a partir do texto lido. Isso se torna possível pela interação entre os elementos textuais e os conhecimentos do leitor. Quanto maior for a concordância entre eles, maior a probabilidade de êxito na leitura  (NASPOLINI. 1996, p.25 )

A leitura é um ato de abertura para o mundo e se essa leitura for feita em livros de literatura dentro da escola ela propicia uma educação que forma a consciência estética, aprimorando a percepção humana, para que nas suas relações com o mundo, o sujeito busque sintonizar-se de forma harmônica e equilibrada  ( RESENDE. 1997, p. 164 )

  1. Com a leitura o leitor assume um papel atuante, deixa de ser mero decodificador ou receptor passivo  e o contexto geral em que ele atua, as pessoas com quem convive passam a ter influência apreciável em seu desempenho na leitura. Isso porque o dar sentido a um texto implica sempre levar em conta a situação desse texto e de seu leitor. (  MARTINS,   2006.  p 32-33 )

A leitura é importante porque é uma questão de sabedoria e de cidadania conforme  Cunha ( 200?, p. 10 )

Se estamos no mundo e ocupando certo espaço, somos cidadãos construtores da história sobretudo pela leitura, reconstruímos o passado, instituímos o presente e projetamos o futuro. Refletir sobre este estar no mundo, suas razões e conseqüências, estabelecer compromissos com seu espaço e com sua gente é sem dúvida um dos principais resultados da leitura , especialmente a leitura literária.

  1. A leitura de texto literário é fonte de prazer e precisa,  portanto  ser considerada como meio para garantir o direito  de lazer das crianças e dos adolescentes. No   entanto, sabemos que, em nosso país, nem todas as crianças e adolescentes têm a oportunidade de conviver com livros de literatura infantil e juvenil antes e fora da escola e, com isso destacamos a importância da escola garantir em sua  rotina pedagógica a prática de ler livros de literatura.

Segundo  Coimbra ( 2006, p.99 )” O privilégio que se costuma atribuir à leitura da literatura como o texto por excelência (porque, construindo um universo, mais do que qualquer outro tipo de texto) propicia a produção de significados sobre o mundo.”

A importância atribuída ao texto literário no processo de construção de  cidadãos críticos e conscientes vai alem das barreiras gramaticais ou das preocupações  com a norma culta porque:

No texto literário a qualidade maior não é de  forma alguma, aproximar-se da norma culta, registro mais formal da língua. As condições de  produção é que vão apontar para o uso desta ou daquela variante da língua. Em muitos casos o acerto da linguagem do texto literário está no aproveitamento dos dialetos populares, regionais e das várias idades. O compromisso da linguagem literária não é com a expressão de determinado nível da língua, mas com a melhor expressão da linguagem de seus personagens, ou do contexto criado. No texto literário cabe, por certo, a língua culta, tanto quanto a língua popular, tudo em função do clima do poema, ou da história com seu contexto e personagens ( CUNHA, 200? P. 27 )

Para Silva ( 1986, p. 26 )

Fruir texto literário e crescer pessoalmente ou transformar-se politicamente são partes de um mesmo ato. Ao leitor do texto literário cabe, então não só compreender, mas também imaginar como a realidade poderia ser diferente; não só compreender,  mas transformar e transformar-se; não só transformar, mas sentir o prazer de ser transformado.

Ainda falando sobre a importância da leitura e do trabalho com o texto literário Solé ( 1998, p. 22 ) dá a seguinte definição para  leitura.

A leitura é um processo de interação entre o texto e o leitor. Se a leitura é uma interação, convém lembrar que, só se interage com aquilo que se conhece. Portanto há a necessidade  de se aplicar no ato de ler uma variedade de textos para assim levá-los a compreender que a leitura é uma atividade complexa, mais além de uma decodificação, é uma compreensão do lido.

Se a leitura tem todo esse poder de transformação imagine  quando ela é feita  de forma prazerosa  e lúdica desde a  mais tenra infância iniciando pela família perpassando pela fase pré-escolar, ensino fundamental I e II,  indo  ao ensino médio e chegando no ensino superior. Se o individuo vive intensamente em um ambiente de leitores freqüentando escolas que motive o hábito de leitura ele tem tudo para chegar a fase adulta  um leitor assíduo.

O lamentável é que muitas escolas, de todos os níveis de ensino, ainda não estão trabalhando com a leitura  de  forma viva dinâmica. Isso só seria possível se as instituições de ensino saíssem da teoria e passassem a trabalhar com a mesma de forma prática, não com uma  leitura mecânica onde não há encontro entre o leitor e o texto lido.

  1. ( ANTUNES, 2003: p. 27,28 )

Para sair dessa triste realidade a escola precisa investir cada vez mais no trabalho com literatura.

A literatura  é capaz de criar tensões em nós mesmos e suscitar intuições acerca da vida humana. De repente, somos como que fisgados pelo texto e empaticamente acompanhamos as personagens no miolo da trama, enfrentando conflitos e superando obstáculos. No prazer gerado pela complexidade e oscilação dos significados – decorrência natural do movimento de nossa consciência no adentramento do texto literário – vamos conhecendo e compreendendo melhor o mundo e a nós mesmos. A leitura do texto literário pode se constituir num fator de liberdade e transformação dos homens. ( SILVA,  1986: p. 21)

Coimbra ( 2006.p52 ) ao falar sobre literatura afirma

  1. Ler literatura é preciso  para  reconhecer no texto lido sua leitura pessoal com ela organizando seu entendimento do texto confrontando-o com sua  experiência e suas leituras anteriores perguntando-se pelo que lhe ensina tal texto a respeito de sua vida nesta comunidade, neste país, neste mundo.

“ No texto literário há um trabalho estético com a linguagem, que suscita o imaginário, desperta emoções, possibilita a fruição de sentidos múltiplos.” ( MAIA, 2007: p.52 )

A literatura participa de um dialogo com todas as linguagens de arte, e os leitores transitam, naturalmente, de uma linguagem a outra, tanto na condição de receptores, que se modificam com todos os dados novos da criação do artista, como na condição de agentes que, pelo convívio com as artes e movidos também pela própria criatividade e pela sensibilidade, produzem, elaboram, reintegram, criam. (RESENDE. 1997, p. 100 )

O Brasil precisa  promover eventos e criar condições que venham a contribuir com o processo de democratização da leitura pois é essa prática que vai mudar a realidade  brasileira de uma sociedade acomodada e que não procura se libertar de bases colonizadora.

  1. Quando   se    trata    da   realidade   brasileira    percebe-se    a    importância de  uma  prática  libertária   em    que   a   leitura   pode   crescer.   E   é   neste  pais   de     base    colonizada que a leitura pode criar condições de defesa e de irreverência, sem  o que é impossível estabelecer a identidade nacional.  ( RESENDE, 1997.P, 300 )

Porém o trabalho com literatura nas escolas brasileira enfrenta muitas dificuldades dentre elas pode-se destacar as seguintes: ausência de bibliotecas de todos os tipos mais aqui será destacado apenas as bibliotecas públicas e escolares por serem as que mais auxiliam aos alunos do Ensino Fundamental de 5ª a 8ª série em seus trabalhos de pesquisa e em seus hábitos de leitura.

A biblioteca é por excelência o lugar de acesso a livros, coleções, periódicos, jornais, gibis. Enfim aos mais variados tipos  e alternativa de material impresso. Além disso, espaço com lápis e papel, para que um leitor inspirado tenha a chance de fazer os registros, copiar um poema que o fascinou, um título de romance para recomendar a um colega, ou simplesmente escrever algo interessante.  (VIEIRA,2007: p. 8)

Porém o que se vê no Brasil quanto às bibliotecas públicas municipais  é que os governantes, com algumas raras exceções, não acordaram para essa importante ferramenta no processo de formação de  uma sociedade mais democrática, justa e consciente de seus direitos e deveres. Presos à burocracia e a velha história de falta de verbas não buscam formas e nem recursos para implantarem bibliotecas, pagar profissionais capacitados. É comum se ver municípios onde seus governantes dizem   não terem recursos para investir em bibliotecas realizarem festas gigantescas, com bandas muito caras e distribuição de bebidas alcoólicas gratuitamente,  entre outros gastos exagerados. Não é que se deva tirar completamente tais atividades pois as mesmas proporcionam lazer e diversão às classes menos favorecidas, o recomendável é que os governantes direcionassem  uma parte dessa verba para investir na construção ou manutenção de bibliotecas públicas, na aquisição e manutenção do  acervo e em recursos materiais e humanos incluindo em  profissionais  habilitados para gerir as práticas das bibliotecas. Tais medidas ajudariam muito as escolas a trabalharem com a leitura e com isso desenvolvendo nos educandos o hábito de freqüentar bibliotecas e despertando o interesse por livros e conseqüentemente por literatura.

Ao falar da falta de interesse em criar bibliotecas e atualizar o acervo das já existentes  por falta de interesse dos governantes é bom ouvir o que afirma cunha ( 200?, p. 12)

Uma biblioteca vale muito mais do que pesa. Pouca gente  faz a conta desse custo, porque poucos estão interessados em escolher entre criar uma biblioteca e – digamos uma banda, ou o asfalto para a rua. Em geral, sem crise de consciência, sem dúvida impostas por corporações a, a verba vai para a outra coisa – e não para a biblioteca. No entanto criar uma biblioteca verdadeira e atuante  é muito mais barato  do que se pensa: custa tanto quanto um quarteirão de asfalto, segundo os entendidos em pavimentação de ruas.

Em alguns municípios até têm a biblioteca pública porém não oferece o serviço de empréstimo nem tão pouco os usuários podem se aproximar do acervo pois podem danificar os livros sendo necessário fazer um questionamento para que serve tal biblioteca se o usuário não pode  emprestar e  nem  tocar nos livros.

Foi-se o tempo em que a idéia de biblioteca era a de um lugar austero para se entrar e contemplar as capas  dos livros de longe, sem poder levá-los para casa emprestados ou escolhê-los livremente. É bem verdade que no passado, no tempo dos reis e rainhas, a biblioteca já foi pensada como uma redoma de vidro, a que só uns poucos iluminados – e alfabetizados- tinham  acesso. Se retornarmos  no tempo da Idade Média, por exemplo, era comum encontrarmos os livros manuscritos, de natureza religiosa, copiados e guardados pelos monges. Assim. O saber permanecia entesourado nas bibliotecas dos mosteiros e restrito a algumas pessoas. ( VIEIRA, 2007p.9 )

Porém essa prática é inviável hoje onde a sociedade precisa estar cada vez mais informada e a biblioteca pública deve ser a via dessa informação. Portanto alem de permitir que os usuários possam circular pela biblioteca eles precisam emprestar as obras, principalmente as obras literárias, e precisam ser auxiliados na busca de informação ou seja a biblioteca precisa oferecer ainda serviço de referência e equipamentos tais como televisão, rádio, DVD, computador, com acesso a Internet, entre outros canais de comunicação.

No que se refere às bibliotecas escolares a realidade não é diferente o Brasil vem ao longo de sua história negado esse direito aos estudantes pois as bibliotecas escolares praticamente não existem e não há políticas publicas para se reverter esse lamentável quadro.

Há uma grande necessidade de  se pensar na organização e no uso  da  biblioteca escolar e das salas de leituras. Afinal, grande parte das crianças brasileiras não tem como comprar livros e, como passa considerável tempo de sua vida na escola, esses espaços ganham importância duplamente. (VIEIRA, 2007 p. 8)

É essa biblioteca que ajuda o educando nos seus hábitos de leitura, no entanto é  raro ver o espaço físico para a biblioteca na planta oficial de uma instituição de ensino. Diante dessa realidade algumas escolas, com muita criatividade, resolvem criar esse espaço adequando uma sala de aula para esse fim, existem casos também da escola usar o pátio como biblioteca, às vezes a sala dos professores, parte da secretaria até mesmo banheiros têm escolas que utilizam como espaço de leitura. Tudo isso por falta de políticas públicas voltadas para incentivar e democratizar a leitura.

É pertinente lembrar ainda que esses espaços criados com tanta criatividade e disposição por parte de gestores educacionais, de professores, de alunos e comunidade não podem ser considerados como bibliotecas porque o acervo desses espaços não estão organizados de forma adequada a facilitar a pesquisa e os profissionais normalmente não são qualificados para trabalharem com acervos bibliográficos nem  como  mediadores entre o leitor e texto a ser lido. Em muitas escolas esses espaços são utilizados para impor algum tipo de castigo para os alunos “rebeldes”

“ Prevalece em muitas escolas brasileiras a lei da biblioteca como lugar onde se impõe a cultura do silencio.” ( MAIA, 2007: p. 39)

Podes-se afirmar ainda que muitas bibliotecas e sala de leituras funcionam como o cantinho do castigo sempre que o aluno está “aprontando”  na sala de aula é mandado para a biblioteca  e lá é obrigado a fazer alguma leitura ou escrever alguma coisa o  que faz com que o mesmo passe a ter ainda mais raiva da biblioteca e se afastar cada vez mais da mesma, ou seja esse tipo de pratica não ajuda de maneira alguma a formar leitores.

Mesmo com todos esses problemas é extremamente necessário que as escolas procurem reconhecer que a biblioteca é o âmbito mais importante em seu projeto pedagógico e que uma escola sem biblioteca é como um relógio sem ponteiro.

Outro aspecto a ser lembrando também quando se fala em leitura e literatura é a falta  de professores leitores pois geralmente o que acontece segundo  MAIA (,2007: p. 33) “Faz-se um discurso apologético sobre leitura, porém o professor não convence pelo exemplo, porque, ressalvadas as  exceções, ele próprio não é um leitor.”

Para que aconteça o trabalho efetivamente significativo com a leitura é indispensável que o educador seja um leitor potencial, pois cabe a ele proporcionar aos educandos um convívio estimulador para a leitura, tornando as atividades de leitura em aprendizagem significativas. ( OLIVEIRA, 2007. p. 10 )

Resende (997, p. 99) falando sobre a importância do educador leitor afirma que: “ Os educadores que cuidam em especial  de projetos de leitura incluem-se no projeto maior de valorização da arte na educação.”

REFERÊNCIAS

ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro e interação. São Paualo: Parábola ditorial, 2003

BRASIL. Ministério da Educação. Ensino fundamental em nove anos: orientações da criança de seis anos de idade. Brasília: FNDE, 2006

COIMBRA, Guedes Paulo. A formação do professor de português: que língua vamos ensinar. São Paulo: Editorial, 2006

COSTA, Martins  Morais da. Literatura e práticas escolares. Revista aprende Brasil.  Curitiba: Positivo, p. 38-39 Ano 3 n° 16.abril/maio de 2007

CUNHA, Maria Antonieta Antunes. Guia do livro: orientações básicas para aquisição de acervos públicos e privados. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, [ 200? ]

MAIA,  Joseane. Literatura na formação de leitores e professores. São Paulo: Paulinas,2007

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. São Paulo: brasiliense, 2006

NASPOLINI, Ana Tereza. Didática de português: tijolo por tijolo: leitura e escrita. São Paulo, FTD, 1996

OLIVEIRA, Fernanda Rodrigues. [et. al.]. A leitura no ensino médio: das dificuldades à formação integral dos alunos da rede pública de ensino. São Luis: FAMA, 2007

RESENDE, Vânia Maria. Literatura infantil e juvenil: vivências de leitura e expressão criadora. São Paulo: Saraiva, 1997

SILA. Ezequiel Theodoro. Leitura na escola e na biblioteca. Campinas – SP: Papirus, 1986

SOLÉ, Isabel. Estratégia de leitura. 6. Ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998

VIEIRA, Adriana Silene [et.al]:Alfabetização e linguagem: organização e uso da biblioteca escolar e das salas de leitura. Campinas: UNICAMP, 2007 formação continuada

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/a-importanciada-leitura-999067.html

    Palavras-chave do artigo:

    leitura

    ,

    literatura

    ,

    escola biblioteca

    Comentar sobre o artigo

    A pesquisa apresenta uma análise das dificuldades de aprendizagem na leitura no ensino fundamental. esta pesquisa serve para nos orientar para projeto de monografia do curso de pedagogia.

    Por: maria aparecidal Educação> Educação Infantill 12/12/2011 lAcessos: 4,371

    No contexto do estudo científico é verificável a importância da literatura para a construção da leitura na educação infantil. A princípio, os primeiros clássicos literários destinados ao público infantil atingiam apenas uma parcela da sociedade; aos poucos ela se expande e chega às escolas com intuito de despertar nas crianças o interesse pelas histórias infantis.

    Por: ocileide lopes da silval Literatura> Crônicasl 19/11/2011 lAcessos: 1,283

    Ler é essencial. Através da leitura, testa-se os próprios valores e experiências com as dos outros. No final da leitura de cada livro, fica-se enriquecido com novas experiências, novas idéias, novas pessoas. Eventualmente, fica-se conhecendo melhor o mundo, e um pouco mais de si mesmo.

    Por: Walderclaudio Nascimento Santosl Educaçãol 16/08/2009 lAcessos: 15,524 lComentário: 4
    Rubens

    Este artigo aborda concepções sobre a prática da leitura que devem ser realizadas na sala de aula e nas bibliotecas escolares.

    Por: Rubensl Educaçãol 28/03/2009 lAcessos: 6,570 lComentário: 1
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo faz uma abordagem sobre a prática da leitura no processo de ensino-aprendizagem no Brasil, que tem recebido recentemente uma crescente atenção por parte de grupos de investigadores das diferentes áreas do conhecimento, principalmente no campo da Pedagogia. Também há preocupações de várias instituições, quer pública, quer privada, com responsabilidades no plano da educação, que vem analisando através de pesquisas o desempenho de alunos na competência da leitura no pais. Assunto este que será o subsídio para o que se pretende expor detalhadamente neste trabalho.

    Por: Ademar dos Santos Limal Educaçãol 25/05/2009 lAcessos: 10,177

    A leitura é uma atividade permanente de condição humana, uma habilidade a ser adquirida desde cedo e treinada em várias formas. Lê-se para entender e conhecer, para sonhar, viajar na imaginação, por prazer ou curiosidade. Na sociedade moderna grande parte das atividades intelectuais profissionais gira em torno da língua escrita. Ter domínio da habilidade de leitura proficiente garante o exercício da cidadania, o acesso aos bens culturais e a inclusão social.

    Por: lucelia barretol Educação> Ensino Superiorl 05/09/2010 lAcessos: 1,919
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Ao ingressar na escola, a criança adquire novas experiências, novos valores, que irão enriquecer o aprendizado já estabelecido e trazido do seu convívio familiar, ou seja, do seu mundo. Já que, cada criança é um ser único com sua bagagem pessoal de vivências.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 15/02/2010 lAcessos: 5,237 lComentário: 3

    O projeto de leitura visou atender não só alunos das escolas trabalhadas, mas pessoas da comunidade, pais, etc. Ele não é interdisciplinar, mas pode vir a ser, dependendo de quem irá utilizá-lo. Foi bastante instigante e motivadora a aplicação desse projeto. Percebemos como a leitura de vários gêneros textuais e àquela que não fica atrelada à sala de aula torna-se prazerosa para os alunos.

    Por: IvySSal Educaçãol 01/11/2009 lAcessos: 44,440 lComentário: 15

    Através da leitura testamos nossos próprios valores e experiências com os outros, a leitura é um dos principais instrumentos para que o individuo construa seu conhecimento e aprenda a exercer cidadania, daí a importância de despertar o prazer pela leitura nas crianças das séries iniciais. Esse trabalho deve ser feito em conjunto, pais crianças e professores. cada um destes tem um papel fundamental na construção desse novo leitor.

    Por: Aurilene f. barros rodriguesl Educação> Educação Infantill 24/11/2011 lAcessos: 7,355

    Através do ensino de literatura estaremos levando aos nossos alunos ao conhecimento do fenômeno literário em seus aspectos: histórico-estético-cultural, através do contato com os artistas da palavra. Sendo a obra literária reflexo de vida, exteriorização verbal de uma experiência humana, nós, professores, evidentemente faremos uso dela para orientar a educação integral dos nossos alunos.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    Na poesia, o elemento diferenciador – o verso e tudo que nele se implica -, não deve ser tomado como recurso exclusivo e caracterizado da poesia, pois ela exprime-se por metáforas, tomadas no sentido genérico de figuras de linguagem, isto é, significantes carregados de mais de um sentido, ou conotação. a prosa é genericamente entendida com aposta ao verso.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    A literatura é uma forma de conhecimento da realidade que se serve da ficção e tem como meio de expressão a linguagem artisticamente elaborada. Esta nossa definição apresenta, de uma forma sucinta, a natureza e a função da literatura, bem como sua diferenciação das ciências e das outras artes.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014
    Jeferson Lopes Ribeiro

    Uma introdução ao conto. Uma espécie de continuação de contos de filhos de deuses, como hércules filho de Zeus e Percy Jackson filho de Posseidon.

    Por: Jeferson Lopes Ribeirol Literatural 25/06/2014 lAcessos: 14

    O lançamento da M.books deste mês examina as táticas de combate preferidas pelos alemães e pelos Aliados, em um trabalho conjunto de comando e controle da artilharia, dos tanques, da infantaria e da aviação, que atingiu um nível de sofisticação jamais visto naquela época.

    Por: Patricia Rosa da Silval Literatural 07/05/2014 lAcessos: 21
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Ficção, ficção. Pura ficção. Sem sedição. Como sinérese. Exatamente literária. Diria até delírio. Não existe sujeito. Na concordância nominal. Ausência de ótica.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatural 01/03/2014 lAcessos: 18

    Depoimento autobiográfico inspirado por uma das mais influentes figuras políticas de nosso país: Juscelino Kubitschek.

    Por: lachatrel Literatural 25/02/2014 lAcessos: 21
    Miriam de Sales

    Uma visita a velhos sebos é muito importante para o leitor;lá podemos descobrir até edições raras e livros perfeitos a custo baixo.Uma ideia jocosa sobre como livros vão parar nos sebos vvai diverti-lo,amigo leitor.

    Por: Miriam de Salesl Literatural 26/01/2014 lAcessos: 16
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast