A língua portuguesa e sua história

Publicado em: 10/02/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 105 |

A língua portuguesa e sua história

O Indo-europeu

Antes de falarmos da língua portuguesa propriamente dita, falaremos um pouco do indo-europeu.

O indo-europeu não é uma língua, como podemos dizer, atestada, pois não existe nenhum documento escrito que prove que ele tenha existido.

Assim, o indo-europeu dos linguistas é uma língua reconstituída da comparação de línguas realmente atestadas. São elas:

Mathir (velho irlandês – língua céltica)

Mothar (gótico)

Mother (língua inglesa moderna)

Mater (latim)

Mãe (língua portuguesa moderna

A língua portuguesa origina-se do latim, língua falada pelos romanos – povo ao qual invadiu a península ibérica no Século III a.C. Nesta época, povos como os fenícios e gregos ali habitavam.

Saussure

"A linguagem humana é uma abstração, uma capacidade: ela consiste na capacidade que o homem tem de comunicar-se com seus semelhantes através de signos verbais. A linguagem abrange, por isso, fatores físicos, fisiológicos e psíquicos (...). É um sistema de signos expressivos de ideias".

Desde Aristóteles (384 -322 a.C.) já se preocupava com a problemática da comunicação.

- a busca de todos os meios possíveis de comunicação implica a pessoa que fala (QUEM);

- o discurso que se pronuncia (O QUÊ);

- a pessoa que escuta (QUEM).

Outros teóricos modernos, também, preocupavam-se com tal problemática: Bülher (1934); Jakobson (1961); Dell Hynes (1968); John Lyons (1977); Brown e Yule (1983).

A linguagem é uma capacidade totalmente humana, fruto da elaboração de um pensamento lógico.

O que é a língua?

Um conjunto de signos e formas de combina-los pelos membros de uma comunidade.

E o que é signo?

É um elemento representativo; no caso do signo linguístico, é a união (a soma) de um significado a um significante. Por conseguinte, todo signo linguístico é uma palavra.

Assim temos:

Significado: ideia, conteúdo.

Significante (palavra): forma/imagem acústica

Distinção entre língua e fala

 

O homem, enquanto ser social, sente a necessidade de comunicar-se, isto é, de estabelecer relações com o mundo social em que vive. A língua (oral ou escrita) é o instrumento fundamental de comunicação. É através da língua que o ser humano exprime o que pensa, sente, o que quer. Embora se possa comunicar através de códigos não-verbais, a língua proporciona aos que dela se servem inúmeras possibilidades de transmissão e de interpretação de pensamento.

Mas para se comunicar através da palavra é preciso conhecer uma língua. Faz-se necessário distinguirmos bem, agora, duas realidades: língua e fala.

Língua: é o conjunto dos sons, das palavras possíveis que se podem associar segundo determinadas regras.

 

Fala: tem um caráter individual, particular, varia de pessoa para pessoa segundo o seu grau de cultura, a sua religião, a profissão, etc.

 

Assim, notamos que a língua é mais geral, constituindo-se num sistema abstrato e coletivo – sendo uma consequência da evolução da linguagem (A linguagem é uma capacidade totalmente humana, fruto da elaboração de um pensamento lógico). Já a fala é mais individual, aberto a criatividade e ao desenvolvimento da liberdade de compreensão e expressão, ou seja, é a realização concreta da língua pelo sujeito falante.

Origem

Ibérica

Céltica

Fenícia

Grega

barro, baía , bezerro, balsa, cama, esquerdo, garra, manto, sapo

bico, cabana, caminho, camisa, carro, cerveja, gato, gordo, lança, légua, peça, touca

Barca, mapa,

saco

Bolsa, cara, corda, calma, caixa, ermo, governar, golfo, órgão

O internetês é a linguagem utilizada no meio virtual, mais precisamente nas salas de bate papo como Orkut, Messenger, blogs e outros. Como foi se tornando uma prática na vida de todos, assim, as pessoas que utilizam esses serviços passaram a abreviar as palavras de forma que essas tornaram-se uma configuração padronizada. 
É uma prática comum entre os adolescentes que, acostumados com a rapidez do mundo dos instantâneos e dos descartáveis, utilizam como meio de agilizar e dinamizar as conversas. Como se não bastasse, criaram os bichinhos e palavras que piscam o tempo todo, chamados gifs, para os bate-papos tornarem-se mais atrativos.


Figuras virtuais que caracterizam expressões

Porém, para a linguagem escrita, essa não é uma prática vantajosa. Além dos jovens terem pouco contato com o mundo dos livros, justamente por estarem mais ligados às novidades virtuais, vão perdendo as formas padrões da ortografia, que podem ficar comprometidas pela falta de contato com a grafia correta.

As escolas devem trabalhar muito quanto a esse aspecto, pois não podemos permitir que a escrita correta das línguas sejam destruídas diante das banalidades virtuais.

As famílias também devem colocar limites para os jovens, estimulando os mesmos a outras práticas de diversão, bem como estimulando-os à leitura de livros e revistas, adequados à idade dos mesmos.

Quando a criança ou o adolescente convivem com exemplos dos pais, dentro de casa, eles não resistem à leitura, e sabemos que este é um fator que enriquece o vocabulário, oportuniza o aprendizado da gramática bem como da ortografia, além dos prazeres proporcionados pela leitura.

A existência de algumas expressões fica registrada da seguinte forma: :D é uma risada, B) são óculos escuros, :( significa triste, :* é o beijo, :x caracteriza boca fechada, dentre várias outras.

Algumas palavras foram abreviadas de forma incorreta, comprometendo a ortografia como vc – você, blz – beleza, naum – não, cmg – comigo, neh – não é ou né, kd – cadê, etc.


Flw – falou, blza – beleza, kdê - cadê

Dessa forma tão esdrúxula de se escrever, costumamos nos deparar com textos escritos totalmente errados, que chocam as pessoas que preservam a forma padrão da escrita. A frase a seguir, encontrada na internet, é um exemplo disso: "naum eskreva feitu retardadu na net pq tem jenti lendu o q vc escrevi".

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/a-lingua-portuguesa-e-sua-historia-5650166.html

    Palavras-chave do artigo:

    a lingua portuguesa e sua historia

    Comentar sobre o artigo

    Profª Bia Senday

    A língua portuguesa origina-se do latim, língua falada pelos romanos – povo ao qual invadiu a península ibérica no Século III a.C. Nesta época, povos como os fenícios e gregos ali habitavam. No século V d.C., povos germânicos (suevos, vândalos, alanos e visigodos) invadiram a Península Ibérica. Os visigodos passaram a dominar a região. Por fim, eles abandonaram sua língua e a adotaram o latim. No século VIII, a Península Ibérica sofreu a invasão dos árabes, ao qual dominaram-na por 700 anos.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Milena Queiróz Gonçalves

    Como o professor pode influenciar na formação de caráter de um indivíduo, e como fazer isso através do ensino de Português e Inglês.

    Por: Milena Queiróz Gonçalvesl Educação> Línguasl 03/01/2009 lAcessos: 5,226
    Daniel Verneque Dias

    As Literaturas Africanas de Língua Portuguesa é uma das disciplinas que compõem o quadro curricular do PPGEL - Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da UNEMAT – Universidade do Estado de Mato – Campus Universitário de Tangará da Serra. O programa está dividido em duas linhas de pesquisa, sendo esta disciplina uma das que compõem a linha de pesquisa "Literatura e vida social nos países de língua portuguesa". A mesma está sob a regência da professora Dra. Vera Lúcia da Rocha Maquêa que o

    Por: Daniel Verneque Diasl Literatura> Ficçãol 18/12/2013 lAcessos: 112
    Cristiane Cardoso da Silva

    Este artigo tem como eixo temático as "Perspectivas Históricas do Livro Didático de Língua Portuguesa", e como objetivo geral: investigar como o livro didático de língua portuguesa se constituiu como o principal instrumento de ensino-aprendizagem no Brasil. Nessa perspectiva, como aporte, adotamos a pesquisa bibliográfica sem o propósito majoritário de fazer inferências comparativas ou críticas, mas sim de fazer com que a teoria de um autor pudesse desfechar-se na teoria do outro.

    Por: Cristiane Cardoso da Silval Educação> Línguasl 09/04/2011 lAcessos: 884

    Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância do latim na formação das palavras em pEste artigo tem por objetivo ressaltar a importância do latim na formação das palavras em português; a herança do latim ainda é visível nos vocabulários que usamos no nosso dia-a-dia, sendo que a língua latina nasceu na península Itálica, região na qual mais tarde fundar-se-ia a cidade de Roma (sobre o mito de Remo e Rômulo). Por ocasião de expansão marítima de Roma o latim também espalhou-se de leste

    Por: Shirleyl Educação> Línguasl 05/06/2010 lAcessos: 9,421

    Ensinar é algo que deve ser fruto de contínuas reflexões é por isso que esse artigo se desdobra na busca em analisar as carências do ensino de Gramática e Língua Portuguesa no nosso País e percorre o trajeto que vai desde o surgimento da primeira gramática na Grécia Antiga e da constituição do nosso idioma até o cenário atual, no contexto nacional. Pretende-se mostrar quão relevante é para o sistema educacional brasileiro que as aulas dessas disciplinas transformem-se em ensinamentos úteis e pra

    Por: Carla Cunhal Educação> Línguasl 28/02/2014 lAcessos: 117

    Observamos que o horário escolar referente à disciplina Língua Portuguesa das turmas do segundo segmento do Ensino Fundamental e do Ensino Médio compreende quatro horas por semana. A justificativa da extensa carga horária se deve a importância que tais conhecimentos representam para a cultura e a vida dos alunos e também por possuir uma imensa gama de conteúdos. O estudo da Língua Portuguesa envolve muitas habilidades: leitura, interpretação, escrita, etc.

    Por: Aline Garcial Educação> Línguasl 06/06/2011 lAcessos: 115

    O trabalho a seguir discuti a origem da língua latina, sua importância e evolução. Sendo esta uma língua pertencente ao grupo itálico da grande família das línguas indo-européias. Falado na cidade de Roma e na província do Lácio, no século I a.C. estendeu-se a toda a Itália e seguidamente à parte ocidental da Europa, desde o atual Romênia até Portugal, vindo dar origem às línguas latinas. Foi língua de literatura e língua franca na Europa inteira durante a antiguidade romana e a idade média.

    Por: Neiva Teles da Silval Educação> Línguasl 12/04/2010 lAcessos: 887
    NÚBIA DA SILVA CRUZ

    O presente artigo objetiva fortalecer e ampliar as discussões relacionadas à inserção da Língua Espanhola, em caráter obrigatório, no currículo do Ensino Médio, em cumprimento à lei 11. 161 de cinco de agosto de 2005. O debate que se propõe, neste trabalho, compreende tal iniciativa como instrumento de democratização do ensino de línguas na Escola Pública, além de nos conduzir, ainda que de forma inicial, à reflexão acerca da real função social do ensino/aprendizagem de idiomas neste contexto es

    Por: NÚBIA DA SILVA CRUZl Educação> Línguasl 09/03/2010 lAcessos: 1,743

    Apresenta-se uma caracterização breve da prosa de Monteiro Lobato, Euclides da Cunha, Lima Barreto e Graça Aranha.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014

    Neste artigo, procede-se à análise literária do conto "Singularidades de uma rapariga loura", do escritor português Eça de Queirós.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014 lAcessos: 11

    Texto sobre a Semana de Arte Moderna no Brasil, seus antecedentes e desdobramentos.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014

    A política brasileira além de ferver virou um inferno. Um inferno com muitos diabos que não têm medo da cruz. Deus, o nosso Pai morreu e Jesus não estão mais em seus corações. A caridade, a fraternidade e os bons princípios não foram sublimados, e sim exterminados juntamente com a ética. No coração do brasileiro só resta esperança, as forças já estão combalidas, vítimas de uma politicagem escarnecida. O encanto do Brasil antigo evaporou-se diante das aberrações e das corrupções eleitorais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 13/10/2014

    Pensei nas pessoas sofredoras e fui orando para as entidades protetoras. Vi no semblante de uma criança solitária, a fome que a consumia. Imantei o amor em prol de um pequeno ser. Vi no sol da primavera seus momentos bons e ruins, mas não almejamos sofrimentos, principalmente para os seres indefesos e inocentes. Como diria Cornélio Pires, sempre noto com reserva as dores que vêm do herdeiro; não sei se o choro é de mágoa ou de briga por dinheiro.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 03/10/2014 lAcessos: 11

    Lágrimas são emoções materializadas que romperam bandeiras do corpo físico. Em realidade, representam os excessos de energia que necessitamos extravasar. Nem sempre são as mesmas fontes que determinam as lágrimas, pois variadas são as nascentes geradoras que as expelem através dos olhos. Em épocas de política o Brasil se transforma, e denotamos como são grandes os aparatos, que os candidatos fazem para chamar a atenção do eleitor. Festival de publicidades, bandeirolas são tremuladas pelo vento d

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 24/09/2014

    Não temos como negar a influência da literatura da Idade Média, na literatura do cancioneiro popular da atualidade. Mesmo escritores eruditos, como Guimarães Rosa, Ariano Suassuna e outros, buscam fontes para suas obras, na literatura antiga.O cancioneiro popular adapta suas canções, sem negar o conhecimentos adquirido, ainda nos tempos de Carlos Magno, que forneceu assunto vasto para a poesia popular.

    Por: lúcia nobrel Literatural 19/09/2014 lAcessos: 11

    Através do ensino de literatura estaremos levando aos nossos alunos ao conhecimento do fenômeno literário em seus aspectos: histórico-estético-cultural, através do contato com os artistas da palavra. Sendo a obra literária reflexo de vida, exteriorização verbal de uma experiência humana, nós, professores, evidentemente faremos uso dela para orientar a educação integral dos nossos alunos.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014 lAcessos: 12
    Profª Bia Senday

    Os períodos da educação brasileira, desde o jesuítico até a atualidade., de forma resumida e direta.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014 lAcessos: 33
    Profª Bia Senday

    Também chamada de Fonoestilística, trata dos valores expressivos de natureza sonora observáveis nas palavras e nos enunciados. Fonemas e prosodemas (acento, entoação, altura e ritmo) constituem um complexo sonoro de extraordinária importância na função emotiva e poética, segundo Martins (2000).

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Profª Bia Senday

    FRASE: veicula os valores expressivos em potencial nas palavras, as quais, somente nela, têm o seu sentido explicitado e adquirem seu tom particular – neutro ou afetivo.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Profª Bia Senday

    Na sintaxe, quem fala ou escreve escolhe entre os tipos de frase, de acordo com as regras gramaticais, mas esse processo é, sobretudo, uma atividade criadora e, portanto, pertence tanto ao domínio gramatical quanto ao domínio estilístico. A frase veicula valores expressivos em potencial nas palavras, que adquirem seu sentido explicitado e o seu tom particular – neutro ou afetivo.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Profª Bia Senday

    A língua portuguesa origina-se do latim, língua falada pelos romanos – povo ao qual invadiu a península ibérica no Século III a.C. Nesta época, povos como os fenícios e gregos ali habitavam. No século V d.C., povos germânicos (suevos, vândalos, alanos e visigodos) invadiram a Península Ibérica. Os visigodos passaram a dominar a região. Por fim, eles abandonaram sua língua e a adotaram o latim. No século VIII, a Península Ibérica sofreu a invasão dos árabes, ao qual dominaram-na por 700 anos.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Profª Bia Senday

    Fonologia, palavra que reúne dois radicais gregos significando "som" e "estudo", significa, portanto, "estudo do som". É a parte da gramática que se ocupa não de qualquer tipo de som, mas do som como elemento distintivo na língua, do som como fonema.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 10/02/2012 lAcessos: 586
    Profª Bia Senday

    Polêmicas divulgadas na imprensa no decorrer do ano de 1922, quando um pequeno grupo de artistas e escritores, liderados por Oswald de Andrade e Mário de Andrade, difamava as nossas glórias artísticas ditas de "praça pública", em razão da imitação servil, ou, como era alardeado, da "cópia sem coragem e sem talento".

    Por: Profª Bia Sendayl Literatural 10/02/2012 lAcessos: 430
    Profª Bia Senday

    "Desistindo de montar um enredo em função de pessoas, Aluísio atinou com a fórmula que se ajustava ao seu talento: ateve-se à seqüência de descrições muito precisas, onde cenas coletivas e tipos psicologicamente primários fazem, no conjunto, do cortiço a personagem mais convincente do nosso romance naturalista." (Cf. Prof. Alfredo Bosi).

    Por: Profª Bia Sendayl Literatural 10/02/2012 lAcessos: 206
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast