Abordagens Da Obra Literária De Alfredo Bosi

Publicado em: 29/05/2009 |Comentário: 7 | Acessos: 19,267 |

 

 BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 32. ed. São Paulo: Cultrix, 1994.

 

 

            Resenha de  Ademar dos Santos Lima

 

1. PRESSUPOSTOS HISTÓRICOS

       Alfredo Bosi, nesse capítulo de “Pressupostos Históricos” busca destacar o reflexo de um momento histórico para a corrente literária da  época; os principais acontecimentos econômicos, políticos e sociais, bem como suas relações com a produção artística e literária; cria condições que possibilitam ao leitor fazer  reflexões do senso crítico através da leitura e análise de obras literárias e de autores que ressaltam a formação sócio-econômico-político-cultural da geração modernista. Bosi vai numa seqüência cronológica dos acontecimentos tecendo comentários sobre os principais fatos ocorridos, que marcaram a vida da sociedade brasileira desde o começo do século XX.

      No campo literário, segundo Bosi, as três escolas anteriormente estudadas continuam a ter adeptos, mesmo com certo esvaziamento. De qualquer modo, nas duas primeiras décadas do século XX, começa a formar-se uma nova consciência da realidade nacional, e novas manifestações artísticas, estéticas, ajudarão a compor o ideário modernista, justamente por isto é que ao período entre 1902 e 1922, deu-se o nome de Pré-moderismo, termo criado pelo crítico Alceu Amoroso Lima em 1939, no livro Contribuição à história do Modernismo.

       Segundo Alfredo Bosi, "a Semana de Arte Moderna foi, ao mesmo tempo, o ponto de encontro das várias tendências que desde a I Guerra vinham se firmando em São Paulo e no Rio, e a plataforma que permitiu a consolidação de grupos, a publicação de livros, revistas e manifestos, numa palavra, o seu desdobrar-se em viva realidade cultural”. A necessidade de consolidar a nova estética, de definir seus rumos, de romper com os padrões literários do passado conferiu ao Modernismo da primeira fase um alto grau de radicalismo. Mário de Andrade afirmou, a respeito da violência com que se processou a ruptura com o passado: "(...) se alastrou pelo Brasil o espírito destruidor do movimento modernista. Isto é, o seu sentido verdadeiramente específico. Porque, embora lançando inúmeros processos e idéias novas, o movimento modernista foi essencialmente destruidor".

       A "destruição" tinha como objetivo, em um primeiro momento, o rompimento com estéticas passadas, especialmente a parnasiana. A figura do poeta parnasiano, comparado a uma "máquina de fazer versos" no "Manifesto Antropófago" (1928) de Oswald de Andrade, foi ridicularizada e atacada em inúmeros artigos e poemas, como Os Sapos, de Manuel Bandeira, recitado por Ronald de Carvalho na segunda noite da Semana de Arte Moderna. Em oposição ao rigor gramatical e ao preciosismo lingüístico parnasianos, os poetas modernistas valorizaram a incorporação de gírias e de sintaxe irregular, e a aproximação da linguagem oral de vários segmentos da sociedade brasileira, como se pode observar no poema Pronominais, de Oswald de Andrade. Ainda no plano formal, o verso livre, a concisão e a objetividade são características marcantes do movimento. No poema de Manuel Bandeira, Poética, estão expressas as principais "palavras de ordem" da estética modernista.

 

1.1. Pré-modernismo

       Sobre o “Pré-modernismo”, de acordo com Alfredo Bosi, o que se pode considerar de “‘Pré-modernismo”, no século XX é “Tudo o que, nas primeiras décadas do século, problematizava a nossa realidade social e cultural”. Bosi faz uma abordagem sobre os escritores e suas obras: Lima Barreto, Graça Aranha, Alberto torres, Oliveira Viana, Manuel Bonfim e em especial a Euclides da Cunha, ao qual dedica um largo comentário, em torno de oito páginas sobre a biografia e obra do escritor, dando ênfase a obra “Os Sertões”. Retrata, inclusive o pensamento social do escritor. faz uma análise minuciosa da estrutura da obra, no sentido sintático, semântico, sociológico, ideológico e histórico-geográfico. Pormenoriza as peculiaridades de Euclides em nível cultural e científico. Segundo Alfredo Bosi “Os Sertões são obras de um escritor comprometido com a natureza, com o homem e com a sociedade”. Portanto, “Os Sertões são um livro de ciência e de paixão, de análise e de protesto”, ou seja, denuncia o crime que a carnificina de Canudos representou.

         Na página (314), Alfredo Bosi abre um parêntese para falar de um crítico independente: João Ribeiro, que segundo o autor representa um grande crítico literário, filólogo e historiador, tipo exemplar de humanista moderno; considerado o profeta do modernismo. De acordo com Bosi (P.315), alguns escritores o consideravam como “O verdadeiro precursor do Modernismo de 1922”.

          O romance social de Lima Barreto é outro enfoque que Alfredo Bosi comenta em seu livro, ao qual  ele dedicou nove páginas de sua obra (316 a 324). Faz uma abordagem completa da biografia do autor, suas relações sociais e ideologias; destaque especial para obra “Triste Fim de Policarpo Quaresma”, que segundo ele pode ser chamado de “Romance Social”.

          A obra focaliza fatos históricos e políticos ocorridos durante a fase de instalação da república, mais precisamente no governo de Floriano Peixoto (1891 - 1894). Seus ataques, sempre escrachados, derramam-se para todos os lados significativos da sociedade que contempla, a Primeira República, ou seja, as primeiras décadas desse regime aqui no Brasil.

          Assim, segundo Bosi (p. 318), Lima Barreto encaixa-se no Pré-Modernismo (1902-22), pois, respeita códigos literários antigos (principalmente o Naturalismo, conforme anteriormente apontado), mas já apresenta uma linguagem nova, mais arejada em relação ao momento anterior.

         A descrição da sociedade é outro ponto forte de Lima Barreto, diz Bosi (p.319), pois consegue muito bem criar personagens bastante significativas da classe média para baixo (daí uma certa aproximação com o Naturalismo). Na presente obra criou-se uma galeria valiosíssima de tipos sociais. Segundo Alfredo Bosi, podemos entender a obra como o desenvolvimento de três grandes núcleos: o retrato da personagem (primeira parte), a situação da agricultura (segunda parte) e o levante da Armada (terceira parte). O autor ainda faz alusão a outras obras, mas não tão relevantes quanto “Triste Fim de Policarpo Quaresma”.

           

1.2.  Modernismo

       Segundo Alfredo Bosi, o modernismo brasileiro, na sua fase heróica (1922-1930), fundamenta-se  numa proposta de ruptura com o academicismo e com as proposições artísticas e temáticas precedentes. O rompimento começa a se configurar já na conferência de abertura da Semana de Arte Moderna - A emoção estética na arte moderna - proferida por Graça Aranha, quando questiona a associação da arte com o Belo: “Onde repousa o critério infalível do belo”;  ou já na noite seguinte, com Menotti del Picchia na conferência Arte Moderna. Bosi afirma que Graça Aranha foi o  único intelectual da velha guarda que realmente conseguiu passar da esfera pré-modernista ao modernismo; e ainda, segundo ele “... nem tudo o que antecipa traços modernos (Lobato, Lima Barreto) será moderno; e nem tudo o que foi modernista (o decadentismo de Guilherme, de Menotti, de certo Oswaldo) parecerá, hoje, moderno”  (P. 331).

            Alfredo Bosi afirma que o Modernismo, como movimento ou como escola literária, apresenta diferentes facetas. Não se pode caracterizá-lo de maneira única, na medida em que havia grupos opostos que tentavam, cada qual, definir a arte moderna. No entanto, além da ampla possibilidade temática e da valorização nacional, os modernistas buscaram renovar esteticamente a arte, conferindo-lhe diversidade de ritmo e de criação:

             “Estou farto do lirismo comedido

              Do lirismo bem comportado

              Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo

              [e manifestações de apreço ao sr. Diretor”.

                                                                     ( Poética, Manuel Bandeira).

            A obra literária de Alfredo Bosi, “História Concisa da Literatura Brasileira”, tem sido um precioso livro de pesquisas na área de literatura, utilizado pelos os estudantes universitários e, em especial o capítulo que aborda sobre os pressupostos históricos do surgimento da escola do Modernismo no Brasil, o qual serviu de fonte de pesquisa para a produção desta resenha.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/abordagens-da-obra-literaria-de-alfredo-bosi-944141.html

    Palavras-chave do artigo:

    literatura brasileira

    ,

    pressupostos historicos

    ,

    pre modernismo

    Comentar sobre o artigo

    Gislaine Becker

    Várias são as críticas apontadas para nossas obras literárias. Partindo do pressuposto de que nada é absoluto e que uma crítica realizada de forma errônea pode afastar para sempre nosso leitor, buscamos entender alguns métodos utilizados por nossos críticos para avaliação das mesmas.

    Por: Gislaine Beckerl Educação> Ensino Superiorl 25/08/2009 lAcessos: 2,253

    Pretende tratar das experiências dos candangos em Brasília, fazendo uma análise através dos relatos do que vieram para nova capital em busca de melhores condições de vida ou da construção de seus sonhos entre as vigas de aço do projeto modernizante de Oscar Niemayer. Analisar o conteúdo dessas entrevistas é uma forma de desvendar as práticas sociais que foram comuns naquele período, já que a história raramente coloca em cena os outros sujeitos que não possuem influencia midiática.

    Por: LEIDIANE I. M. S. BRAGAl Educação> Ensino Superiorl 21/05/2011 lAcessos: 575
    Patricia Cassia Pereira Porto

    Nos dias de hoje, em que tudo nos parece "consumível" e "descartável", incluindo as relações entre as pessoas, significativo torna-se o papel de uma linguagem a favor da narrativa e de um rememorar que ao buscar diferenciadas feições para a construção do conhecimento torna-se também auto-conhecimento. Neste retorno ao que fomos, mesmo sem a exata dimensão do que "temos sido", novas interações comunicativas são criadas, (re)aproximando-nos, religando-nos em novas relações e conexões.

    Por: Patricia Cassia Pereira Portol Educação> Línguasl 23/02/2011 lAcessos: 946
    Jaconias Dias Rodrigues

    O presente artigo tem o objetivo de analisar o cotidiano das aulas de Artes numa Escola da na Rede Municipal de Serra. A pesquisa se constituiu na analise das atividades docentes e referências bibliográficas. No entanto possui caráter teórico –empírico com vistas a demonstrar e analisar a realidade do cotidiano das aulas de artes na escola.

    Por: Jaconias Dias Rodriguesl Educação> Educação Infantill 15/07/2011 lAcessos: 3,025
    MOISÉS PEIXOTO

    O que é isso: evangélico? A proposta desse artigo é refletir sobre a confusão que este adjetivo gera entre os cristianismos existente em nossa sociedade e , de modo geral, em todos seus segmentos. Uma coisa é certa: ser evangélico não tornou ninguém e nem a sociedade melhor até agora, tanto como as demais expressões da religiosidade humana.

    Por: MOISÉS PEIXOTOl Notícias & Sociedade> Cotidianol 23/07/2010 lAcessos: 298 lComentário: 1

    A política brasileira além de ferver virou um inferno. Um inferno com muitos diabos que não têm medo da cruz. Deus, o nosso Pai morreu e Jesus não estão mais em seus corações. A caridade, a fraternidade e os bons princípios não foram sublimados, e sim exterminados juntamente com a ética. No coração do brasileiro só resta esperança, as forças já estão combalidas, vítimas de uma politicagem escarnecida. O encanto do Brasil antigo evaporou-se diante das aberrações e das corrupções eleitorais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 13/10/2014

    Pensei nas pessoas sofredoras e fui orando para as entidades protetoras. Vi no semblante de uma criança solitária, a fome que a consumia. Imantei o amor em prol de um pequeno ser. Vi no sol da primavera seus momentos bons e ruins, mas não almejamos sofrimentos, principalmente para os seres indefesos e inocentes. Como diria Cornélio Pires, sempre noto com reserva as dores que vêm do herdeiro; não sei se o choro é de mágoa ou de briga por dinheiro.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 03/10/2014

    Lágrimas são emoções materializadas que romperam bandeiras do corpo físico. Em realidade, representam os excessos de energia que necessitamos extravasar. Nem sempre são as mesmas fontes que determinam as lágrimas, pois variadas são as nascentes geradoras que as expelem através dos olhos. Em épocas de política o Brasil se transforma, e denotamos como são grandes os aparatos, que os candidatos fazem para chamar a atenção do eleitor. Festival de publicidades, bandeirolas são tremuladas pelo vento d

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 24/09/2014

    Não temos como negar a influência da literatura da Idade Média, na literatura do cancioneiro popular da atualidade. Mesmo escritores eruditos, como Guimarães Rosa, Ariano Suassuna e outros, buscam fontes para suas obras, na literatura antiga.O cancioneiro popular adapta suas canções, sem negar o conhecimentos adquirido, ainda nos tempos de Carlos Magno, que forneceu assunto vasto para a poesia popular.

    Por: lúcia nobrel Literatural 19/09/2014

    Através do ensino de literatura estaremos levando aos nossos alunos ao conhecimento do fenômeno literário em seus aspectos: histórico-estético-cultural, através do contato com os artistas da palavra. Sendo a obra literária reflexo de vida, exteriorização verbal de uma experiência humana, nós, professores, evidentemente faremos uso dela para orientar a educação integral dos nossos alunos.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    Na poesia, o elemento diferenciador – o verso e tudo que nele se implica -, não deve ser tomado como recurso exclusivo e caracterizado da poesia, pois ela exprime-se por metáforas, tomadas no sentido genérico de figuras de linguagem, isto é, significantes carregados de mais de um sentido, ou conotação. a prosa é genericamente entendida com aposta ao verso.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    A literatura é uma forma de conhecimento da realidade que se serve da ficção e tem como meio de expressão a linguagem artisticamente elaborada. Esta nossa definição apresenta, de uma forma sucinta, a natureza e a função da literatura, bem como sua diferenciação das ciências e das outras artes.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014
    Jeferson Lopes Ribeiro

    Uma introdução ao conto. Uma espécie de continuação de contos de filhos de deuses, como hércules filho de Zeus e Percy Jackson filho de Posseidon.

    Por: Jeferson Lopes Ribeirol Literatural 25/06/2014 lAcessos: 17
    Ademar dos Santos Lima

    A obra "Odisseia Amazônica" narra sobre os grandes feitos dos deuses e heróis na Amazônia pré-colonial. Por isso, todas as personagens têm nomes indígenas. A história tem início no altiplano, Cordilheira dos Andes, mais precisamente na montanha Nevado Mismi, onde nasce o grande Rio Amazonas.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatura> Ficçãol 24/10/2010 lAcessos: 175
    Ademar dos Santos Lima

    Huck Finn é um adolescente de apenas treze anos, um garoto destemido e determinado, que resolve partir para novas descobertas da vida e assim, ele foge de casa e embarca numa aventura pelo rio Mississipi, juntamente com seu amigo Jim. Eles enfrentam perigos e adversidades no decorrer da viagem, mas no final, eles vencem os desafios com companheirismo e lealdade um ao outro.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatura> Ficçãol 25/07/2010 lAcessos: 575
    Ademar dos Santos Lima

    Este artigo faz uma breve abordagem sobre os filmes A megera domada e 10 coisas que eu odeio em você. Assunto este que faz parte da disciplina de Cultura de Expressão Inglesa.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatura> Ficçãol 25/07/2010 lAcessos: 2,937
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo analisa as implicações no processo de aprendizagem entre professor-aluno, a partir de observações das teorias da psicologia da aprendizagem. Assunto este que serviu de base para uma abordagem mais detalhada sobre o estudo e construção deste trabalho, o qual se espera que seja de utilidade para possíveis pesquisas futuras.

    Por: Ademar dos Santos Limal Psicologia&Auto-Ajudal 29/05/2009 lAcessos: 1,869
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo analisa o termo competência e seu significado no contexto do trabalho e das políticas educacionais. Assunto que será pesquisado no decorrer deste trabalho, com o objetivo de reforçar o grau de conhecimento sobre a palavra competência.

    Por: Ademar dos Santos Limal Educaçãol 29/05/2009 lAcessos: 1,355
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo faz uma abordagem sobre a prática da leitura no processo de ensino-aprendizagem no Brasil, que tem recebido recentemente uma crescente atenção por parte de grupos de investigadores das diferentes áreas do conhecimento, principalmente no campo da Pedagogia. Também há preocupações de várias instituições, quer pública, quer privada, com responsabilidades no plano da educação, que vem analisando através de pesquisas o desempenho de alunos na competência da leitura no pais. Assunto este que será o subsídio para o que se pretende expor detalhadamente neste trabalho.

    Por: Ademar dos Santos Limal Educaçãol 25/05/2009 lAcessos: 10,214
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo faz uma abordagem sobre as obras e os poetas da escola simbolista, que se originou na França com a publicação de “As flores do Mal”, de Baudelaire, em 1857. Nome inicial era “Decadentismo”. Em Portugal, o Simbolismo tem início em 1890, com o livro de poemas de Eugênio de Castro, “Oaristos”, e com revistas acadêmicas, “Os Insubmissos” e “Boêmia Nova”, cujos colaboradores eram Eugênio de Castro e Antônio Nobre. Assunto que, será o ponto de partida para uma análise sobre as obras simbolistas e seus autores.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatural 22/05/2009 lAcessos: 4,319
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Atualmente, quando se dialoga com professores sobre questões didático-metodológicas, percebe-se claramente que quase todos eles se consideram “construtivistas”. No entanto, ao presenciarem-se algumas atividades e exercícios executados pelos alunos em sala de aula fica visível a grande confusão que reina no entendimento do que seja uma postura construtivista pelos docentes. Na verdade, ainda pode ser encontrada uma postura para a qual SAVIANI (1984) já alertava, ou seja, na cabeça o professor é escolanovista na prática, porém permanece tradicional. Esta contraposição entre o ser (o que pensa ser) e o fazer (o que faz) será o eixo para o que pretendemos expor mais detalhadamente e que é fruto de uma pesquisa realizada em escolas de Manaus no ano de 2005, sem, no entanto, ter a preocupação de encerrar o assunto.

    Por: Ademar dos Santos Limal Educaçãol 21/05/2009 lAcessos: 10,409

    Comments on this article

    0
    louriane 06/10/2011
    Gostei desta resenha, pois tudo que diz respeito à literaura brasileira interassa-me muito, sou graduanda do curso de letras da Faculdade Santa Rita -Fasar, em Conselheiro Lafaiete.
    0
    jose pedro 19/05/2011
    quais as questoes sociais cilocadas no texto a arqueologia do estado providencia
    1
    Isabel Cilla 08/03/2010
    Olá Ademar, sabes que a vida de professor não é nada facil, o tempo é curto e nem sempre conseguimos ler tudo o que queremos ou que precisamos, sua resenha me ajudou, pois há muito estudei Alfredo Bosi e já não me lembrava de muitas coisas, obrigada!
    (Fui aluna de Viviana Bosi- ela é 'fera' assim como o pai)
    0
    Sílvia 27/01/2010
    Ademar, preciso do livro inteiro pra estudo... como consigo sem ser comprando? vc tem pra download? ou pode me mandar por e-mail?
    obrigada.
    0
    Antonio Celso 29/12/2009
    Gostei muito do artigo do prof.Ademar dos Santos Lima,sobre as caracteristicas do pre-modernismo e modernismo e do enfoque dado por BOSI com opinioes interessantes sobre a semana de arte moderna.Obrigado pela contribuição.!Prof.Antonio Celso de Toledo Cesar.
    0
    Antonio Celso 29/12/2009
    Gostei muito do artigo do prof.Ademar dos Santos Lima,sobre as caracteristicas do pre-modernismo e modernismo e do enfoque dado por BOSI com opinioes interessantes sobre a semana de arte moderna.Obrigado pela contribuição.!Prof.Antonio Celso de Toledo Cesar.
    0
    Marina Nascimento de Oliveira 13/12/2009
    Oi Ademar, adorei a sua resenha... ela me serviu como respaldo no estudo para o concurso.
    Abraços
    Marina
    marinanascoliveira@ig.com.br
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast