Análise Da Obra 'Raízes Do Brasil', De Sérgio Buarque De Holanda

Publicado em: 01/05/2009 |Comentário: 2 | Acessos: 54,211 |

1. Resumo da obra

Raízes do Brasil, obra símbolo de uma época, foi publicada em 1936 sob a autoria de Sérgio Buarque de Holanda, quando ainda não era o “pai do Chico”. O livro, curto, claro, discreto e objetivo, divide-se em sete capítulos que, juntos, teorizam sobre nossa formação histórica e social.

O capítulo 1 caracteriza a Península Ibérica assinalando que o seu desenvolvimento, por se dar em um território fronteiriço, não ocorreu da mesma forma que em outros países europeus. Esse fato deu à região uma série de características peculiares, que seriam trazidas ao Brasil no bojo das grandes conquistas marítimas. Entre esses aspectos singulares estava a cultura da personalidade, na qual o apego pelo prestígio pessoal resultava na ausência de uma moral de culto ao trabalho, diferente dos países protestantes. Daí teria origem uma outra característica importante: a fraqueza das instituições e falta de organização social. Em contrapartida, o fato de os hispânicos não conceberem uma disciplina baseada em consentimento coletivo, gerava entre eles um paradoxal senso de obediência.

No capítulo 2, seguindo o paradigma das tipologias weberianas, são construídos os modelos do trabalhador e do aventureiro. O primeiro, único que poderia colonizar o Brasil justamente por possuir uma excepcional adaptabilidade, caracterizava-se por buscar novas experiências, ignorar fronteiras e viver de horizontes distantes. Já o segundo era marcado pelo esforço persistente, por conseguir tirar proveito das insignificâncias e ver antes a parte que o todo. A grande lavoura, principal unidade produtiva da colônia, se constituiu não com base em um plano preconcebido pelos portugueses, mas sim ao sabor das condições primitivas do meio. O uso de escravos foi a forma escolhida para o trabalho, o que também se adequava à repulsa lusitana pela atividade manual e contribuía para diminuir ainda mais a necessidade de cooperação entre os conquistadores.

Herança colonial, o capítulo 3, tematiza a estrutura rural da sociedade colonial. O declínio da mesma se deu a partir de 1850 em função do fim do tráfico escravo, que era sua base de sustentação desde o século XVI. Nesse contexto, se estabelece uma nova dicotomia, a relação rural-urbano, que se manifesta igualmente no universo mental, onde a visão de mundo tradicional entra em conflito com valores modernos. O malogro de Mauá, em tempos onde o patriarcalismo e o personalismo eram hegemônicos, aponta para a incompatibilidade das estruturas nacionais com as práticas mais “industrializantes”. Aqui, a fazenda, vinculada a uma idéia de nobreza, ainda predomina sobre a cidade.

Estreitamente ligado ao capítulo anterior, “O semeador e o ladrilhador”, um dos mais brilhantes do livro, estabelece uma nova oposição. O espanhol, ou o ladrilhador, se caracterizava por tornar suas cidades um exemplo de racionalidade, onde a linha reta obtinha o triunfo. O semeador, ao contrário, representava o português, aferrado ao litoral, que construía cidades irregulares, nascidas e crescidas sem o mínimo planejamento. A origem desses traços lusitanos era explicada pelo seu desejo de fazer fortuna rápida, dispensando o trabalho regular.

O quinto capítulo, um dos mais discutidos, aborda alguns elementos que definiriam (não de forma absoluta) a identidade nacional. Apropriando-se de um conceito de Ribeiro Couto[1], Sérgio Buarque afirma que o "homem cordial" é resultado da cultura patrimonialista e personalista própria da sociedade brasileira. A nossa cordialidade enfatizava o predomínio de relações humanas mais simples e diretas que rejeitavam a polidez e a padronização, características da civilidade. A dificuldade de constituição de um Estado “civil” brasileiro se expressava no fato de que essa instituição não era (e não é) um prolongamento da família. A hegemonia de valores familiares e patriarcais, vinculadas também ao homem cordial, impedem uma distinção clara entre a noção de público e privado.

O sexto capítulo debate as consequências da presença lusitana na configuração da sociedade brasileira, a partir da vinda da família real para o Brasil. Apesar do choque causado aos velhos padrões coloniais, a permanência do personalismo português determina alguns traços da nossa intelectualidade, ou seja, o conhecimento (superficial) era importante apenas na medida em que dava prestígio e diferenciação. O apego às idéias fixas e simplórias facilitava o trânsito do positivismo entre nossos pensadores. A decorrência disso na vida política correspondeu à ausência de um espírito democrático, demonstrando a necessidade de transformar o paradigma dos movimentos reformistas, feitos, até então, somente de cima pra baixo.

O sentido marcadamente político da obra aparece em “Nossa revolução”, onde o autor demonstra a diferença das revoluções ocorridas aqui na América em comparação com os movimentos europeus. E no caso brasileiro, apesar do urbano ir assumindo a sua independência em face do rural, esse processo ainda não está completo. Somente quando aniquilarmos as raízes ibéricas de nossa cultura e propiciarmos a emergência das outras camadas sociais, aí sim teríamos finalmente concluído a nossa “revolução”. É evidente, nos alerta Sérgio Buarque, que ao ocorrer esse processo, as resistências conservadoras poderão surgir, no entanto, ainda podemos acreditar que uma democracia efetiva se concretize na América Latina. E é pela defesa desse ideal que o caráter político de Raízes do Brasil salta aos olhos em seu último capítulo, finalizando um trabalho de peso na nossa historiografia.


2. Biobibliografia

Nascido em 11 de julho de 1902, em São Paulo, Sérgio Buarque de Holanda viveu sua infância e uma parte de sua juventude nessa cidade. Seus pais eram Cristóvão Buarque de Holanda, funcionário público, e Heloísa Gonçalves Moreira.

Desde muito cedo, apaixonado pela leitura, adquiriu o hábito de anotar suas impressões daquilo que lia. Ainda jovem estudante tomou contato com os escritos dos velhos cronistas portugueses, que o fascinavam principalmente pela linguagem bonita, exata e incisiva.[2] Essa seria, mais tarde, uma das características da sua própria produção. Além dos clássicos portugueses, vai se aproximar de autores estrangeiros, enriquecendo ainda mais seu universo verbal. De acordo com depoimentos de personagens do movimento modernista, Sérgio, apesar de ser um dos mais novos, era um dos mais informados entre todos..

Afonso de Taunay, seu professor, ao ter acesso a alguns escritos do aluno, abriu espaço para a publicação de um artigo seu no jornal Correio Paulistano, quando ele tinha apenas dezoito anos. Defendia, já nesse artigo, dando eco ao nacionalismo que repercutia no clima de pós-guerra, a necessidade de uma literatura verdadeiramente nacional. Entre seus amigos em São Paulo destacavam-se Guilherme de Almeida, Sérgio Millet, Mario de Andrade e Oswald de Andrade.

O ano de 1921 foi marcante. Sérgio mudou-se com a família para o Rio de Janeiro e ingressou na Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais, onde se formou em 1925. Dessa época nascem outras duas grandes amizades: Prudente de Moraes, neto, e Afonso Arinos de Melo Franco. Conheceu também Graça Aranha, idealizador da Semana da Arte Moderna, Manuel Bandeira, Di Cavalcanti e Ronald de Carvalho. A convivência de Sérgio com esses artistas, poetas e intelectuais foi fundamental para entendermos a sua relação com o movimento modernista. Nesses tempos iniciou sua colaboração ao Rio-Jornal com crônicas e entrevistas. Também passou a publicar na Revista do Brasil, dirigida por Monteiro Lobato, e em O Jornal. A essa altura, o curso de direito pouco o interessava. Como forma de conquistar estabilidade financeira, ingressou na Agência Havas, sob o comando de Assis Chateaubriand, como tradutor de telegramas em inglês.

Em 1922, ano de intensa agitação representada pela organização da Semana da Arte Moderna, a fundação do PCB, o centenário da independência e a sucessão presidencial, Sérgio assume sua identidade modernista ao dirigir no Rio de Janeiro a primeira revista ligada ao movimento, intitulada Klaxon (1922-1923). O objetivo geral desse grupo era lutar contra o academicismo da nossa literatura, ainda muito ligada aos padrões europeus, e construir no Brasil uma nova identidade nacional.

Em 1924, ao lado do amigo Prudente de Moraes neto, fundou a revista modernista Estética, que também teve vida breve (1924-1925). Após conflitos internos dentro do movimento, Sérgio partiu, em 1926, para uma temporada no Espírito Santo para dirigir o jornal O Progresso. Na volta, retomou o trabalho na United Press e no Jornal do Brasil. Em 1929, atendendo a um convite de Chateaubriand, transferiu-se para o continente europeu com o propósito de visitar Alemanha, Polônia e Rússia, e escrever sobre a situação daquele continente para o Diário de São Paulo, O Jornal e Agência Internacional de Notícias.

Fixado em Berlim, teve a oportunidade de assistir aulas do historiador Friedrich Meinecke[3] e ler Weber e Rilke[4]. Esse fato foi de suma importância na escrita de Raízes do Brasil, que já vinha sendo pensado antes da ida à Europa e possuía o nome de Teoria da América. Na Alemanha colaborou com a revista Duco, da embaixada brasileira, e traduziu roteiros de filmes, um deles estrelados por Marlene Dietrich. Sua estada também lhe permitiu entrevistar Thomas Mann e testemunhar o surgimento do nazismo. Com o fechamento da revista Duco, voltou ao Brasil em 1930.

Os anos trinta, marcados pelo movimento liderado por Getúlio, pela ascensão dos regimes totalitários, pela expansão do comunismo e pela Revolta Constitucionalista, também são significativos na vida de Sérgio Buarque. Depois de publicar seu primeiro conto em 1931, é preso em 1932 pelo governo por defender São Paulo na questão da constituição. Nessa época passa a dar maior interesse à história em detrimento da ficção e da poesia, fato que certamente tem relações com o seu tempo na Alemanha. De lá trouxe dois capítulos de Raízes do Brasil, afirmando que os escreveu sob forte influência do sociólogo alemão Max Weber. A publicação da obra data do ano de 1936, momento posterior ao levante de 1935, e a criação de uma série de medidas governamentais que atendiam a algumas demandas das classes populares. O livro, de certa forma, reflete esse aparecimento das classes sociais, pois nele há um claro combate às velhas oligarquias e o desejo de ver o Brasil organizado em novas estruturas. Além disso, também estabelece uma crítica objetiva à democracia liberal, questionada mundialmente depois de 1929. É dentro desse panorama que Raízes do Brasil deve ser contextualizado.

Ainda nesse ano passa a dar aulas na universidade do Distrito Federal até 1939. Depois das aulas, passou a dirigir, durante o Estado Novo, o Instituto Nacional do Livro e a fazer suas críticas literárias no Diário de Notícias e no Diário Carioca. Em 1944, os ensaios escritos para esses veículos foram reunidos e publicados sob o título de Cobra de Vidro.

Com o fim do regime varguista, atuou na fundação da Esquerda Democrática, mais tarde Partido Socialista, e foi eleito presidente da seção do Distrito Federal da Associação Brasileira de Escritores. Em 1946, voltando à cidade de origem, foi designado para o cargo de Diretor do Museu Paulista, atividade que desenvolveu até 1956. Ainda em 1949 esteve novamente na Europa, com palestras sobre o Brasil na Sorbonne. Em 1952 seguiu com a família para a Itália por dois anos para atuar como professor na Universidade de Roma. Voltou em 1957, ano da publicação de Caminhos e Fronteiras. Em 1958 assumiu a cátedra de História da Civilização Brasileira, na USP, defendendo a tese que logo adiante se tornaria um novo livro: Visão do Paraíso, visto por alguns como obra precursora da história cultural no Brasil.[5]

De 1963 a 1966 vai ao Chile, EUA, Peru e Costa Rica, sempre na qualidade de professor convidado. Em função do AI-5, em 1969, deixa a USP em solidariedade a alguns de seus colegas exilados. Mais tarde, como bom modernista, recusou o convite para fazer parte da Academia Brasileira de Letras, pois dizia que não tinha a ver com sua personalidade. Durante os anos setenta, ganhou alguns prêmios literários e ajudou a fundar, ao lado de Oscar Niemayer o Centro Brasil Democrático, na linha de combate à ditadura. No fim da vida publicou Tentativas de Mitologia, em 1979. O seu ato derradeiro foi tornar-se membro fundador do PT em 1980. Antes de completar 80 anos, falece em 24 de abril de 1982, em São Paulo. Por fim, cabe concluir que certamente Sérgio Buarque de Holanda não foi uma figura humana qualquer, pois, além de ter levado uma vida cosmopolita e de ser um erudito no melhor sentido da palavra, também era o “pai do Chico”.


Obras: Antologia dos poetas brasileiros da fase colonial. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1952; Caminhos e fronteiras. Rio de Janeiro: José Olympio, 1957; Cobra de vidro. São Paulo: Martins Editora, 1944; Elementos básicos da nacionalidade. Rio de Janeiro: Escola Superior de Guerra, 1967; Expansão paulista em fins do século XVI e princípio do século XVII. São Paulo: Instituto da Administração da USP, 1948; O extremo Oeste. São Paulo: Brasiliense, 1986; Monções. Rio de Janeiro: Caso do Estudante do Brasil, 1945; Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936; Tentativas de mitologia. São Paulo: Perspectiva, 1979; Visão do Paraíso. Os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil.Rio de Janeiro: José Olympio, 1959.


3. Problematização

Delimitar as grandes questões levantadas por uma obra do porte de Raízes do Brasil é um exercício de difícil concretização. Deixando de lado os resmungos, entendo que, dentro dos marcos da historiografia contemporânea, a obra antecipa, centrada em outros conceitos como patriarcalismo e personalismo, uma discussão fundamental sobre o que hoje se compreende como clientelismo. Atualmente o brasilianista Richard Graham tem se debruçado sobre a questão, que tratou mais detidamente em Clientelismo e política no Brasil do século XIX. Nela, o clientelismo surge como um sistema que tende a consolidar a supremacia dos proprietários de terra articulada ao poder central através das eleições fundadas nas relações pessoais (entre o patrão e o cliente) que tornam nublados as diferenças entre o “público” e o “privado”. Para Graham, o clientelismo tinha suas origens ainda no período colonial.

A teorização de Sérgio Buarque de Holanda, iniciada a partir das relações personalistas que caracterizam a presença lusitana no Brasil, reflete exatamente sobre essas origens. Como ele mesmo afirma: “o tipo primitivo de família patriarcal existente no Brasil tornava difícil aos detentores das posições públicas, formados em tal ambiente, compreenderem a distinção fundamental entre os domínios do privado e do público” (p. 145).

Tais traços, afirma Sérgio, ainda não foram superados, pois essas “sobrevivências arcaicas, o nosso estatuto de país independente até hoje não conseguiu extirpar” (p. 180). A argúcia dessa percepção pode ser utilizada até o presente, pois certamente ainda convivemos com essa realidade. O que dizer de casos de nepotismo ou de uso de dinheiro público em benefício pessoal, tão banais na nossa política?

No campo da historiografia, apesar de empreender uma análise histórico-psicológica, o autor consegue captar um aspecto típico da chamada história das mentalidades, que ganhará destaque nos anos sessenta, ou seja, um elemento que pertence ao campo do estrutural, da longa duração: “A influencia dessa colonização litorânea, que praticavam, de preferência, os portugueses, ainda persiste até nossos dias. Quando hoje se fala em “interior”, pensa-se, como no século XVI, em região escassamente povoada e apenas atingida pela cultura urbana” (p. 101).

Um segundo ponto que considero de extrema relevância na obra é a utilização do conceito weberiano de tipo ideal, que, de forma geral, seria a construção ideal de como se desenvolveria uma forma particular de ação social se ela fosse feita racionalmente em direção a um fim. Nesse sentido, o tipo ideal é um conceito vazio de conteúdo real que procura servir de horizonte para uma comparação com os fenômenos históricos. Em Raízes do Brasil, Sérgio Buarque traduz essa metodologia através de um mapeamento dos pares antagônicos como, por exemplo, o trabalhador e o aventureiro, o rural e o urbano, o impessoal e o afetivo, etc. Como foi afirmado, essas tipificações são ideais. O autor nos alerta que elas não “possuem existência real fora do mundo das idéias” (p. 44/45).

Outro elemento levantado, ainda dentro da ótica weberiana, é a utilização, por meio de uma metodologia comparativa, dos conceitos de patrimonialismo e burocracia para analisar o Estado brasileiro e constatar que este não se enquadra no modelo estatal elaborado pelo sociólogo alemão: “para o funcionário patrimonial, a própria gestão política apresenta-se como assunto de seu interesse particular; as funções, os empregos e os benefícios que deles aufere-se relacionam-se a direitos pessoais do funcionário e não a interesses objetivos, como sucede no verdadeiro Estado burocrático, em que prevalecem as especializações das funções e o esforço para se assegurarem garantias jurídicas aos cidadãos” (p. 146).

Ao que parece, muito mais inovador que o uso desses instrumentos para a análise de nossa formação histórica e social, é o fato de, até os anos trinta, Sérgio Buarque ter sido o primeiro a empreender uma tentativa de aplicar os conceitos de Max Weber dentro da historiografia brasileira.

Mais uma grande questão que se evidencia em Raízes do Brasil é a presença de elementos modernistas na obra. A crítica ferrenha elaborada por Sérgio à intelectualidade brasileira, é produto do contexto literário modernista em que estava inserido. Quando ele afirma que: “é freqüente, entre os brasileiros que se presumem intelectuais, a facilidade com que se alimentam, ao mesmo tempo, de doutrinas dos mais variados matizes e com que sustentam, simultaneamente, as convicções mais díspares” (p. 155), coloca em questão o próprio exercício da atividade intelectual, que até então se preocupava apenas com as reflexões vindas de fora, sem pensar o Brasil a partir da sua própria cultura. E essa aproximação com a nossa nacionalidade, exigência dos “modernos”, estava relacionada com a busca por uma identificação do novo intelectual com a cultura popular.[6] No que tange à necessidade moderna de construir um sentimento de brasilidade, desligado da visão de mundo puramente européia, Sérgio Buarque foi um dos primeiros a dizer claramente que “o próprio povo brasileiro tinha de assumir as rédeas do seu destino”,[7] aniquilando as suas raízes ibéricas, exacerbando assim um claro traço nacionalista.

Até então, mesmo os pensadores mais abertos e avançados viam a solução na liderança esclarecida das elites, que seriam as únicas em condições de orientar e guiar um povo pobre, ignorante, oprimido, incapaz de se dirigir. Raízes do Brasil rompia as ilusões liberais, atribuindo à massa do povo a capacidade de iniciativa e criatividade política. Por isso, a sua leitura correta mostra que além de ser uma teoria geral do Brasil, ele é um momento alto do nosso pensamento radical.[8]

O caráter histórico e não absoluto de algumas de suas afirmações também chamam a atenção. A influência recebida pela Escola Histórica Alemã, enquanto esteve na Europa, repercutem na obra em contraposição às visões positivistas sobre ciência. Para o historicismo, a relação entre as palavras e a realidade era uma questão de interpretação e não de dedução, daí o cuidado de Sérgio com a utilização dos conceitos. Como ele mesmo afirma: “a história digna de tal nome, justamente porque quer exprimir a verdade, requer acurado trabalho de redação e elaboração, que dificilmente admite linguagem desleixada”. Para ele, “mais valia a empatia do que a exorbitância de um raciocínio discursivo, intelectualismos, critérios puramente abstratos, tendências esquematizadoras. Como instrumento de conhecimento do historiador era preciso a todo o custo nuançar conceitos, ajustar palavras; mais do que o rigor analítico, cabia ao historiador cultivar certa inteligência da sensibilidade”.[9] E esse dado realmente é patente em sua obra, e salta aos olhos quando comparados com o livro anterior, de Caio Prado Jr.

Outra parte da argumentação de Sérgio Buarque está direcionada contra alguns preceitos da ciência positiva, ainda dominante nos anos trinta. Nesse caso, o nosso autor, contrariando determinadas explicações “históricas”, valoriza o cultural no seu sentido social em detrimento das explicações biológicas: “se semelhantes características predominaram com notável constância entre os povos ibéricos, não vale isso dizer que provenham de alguma inelutável fatalidade biológica ou que, como as estrelas do céu, pudessem subsistir à margem e à distancia das condições de vida terrena” (p. 36). Sobre isso, é importante ressaltar que o seu respaldo teórico também passava pelo conhecimento da nova história social francesa[10], que, no Brasil, iria ganhar maior visibilidade apenas nos anos oitenta! Talvez, por isso, Sérgio seja visto como precursor da nossa história cultural.

Outro ponto importante refere-se à valorização do indígena como elemento constituinte de nossa cultura, e não como uma deformação ou problema. A sua descrição sobre as trilhas terrestres construídas pelos indígenas, aponta para a contribuição decisiva desses na expansão das bandeiras ao interior do país. Além desse fator, também é destacado o uso da linguagem tupi como forma de comunicação, da qual os traços ainda persistem nos dias de hoje em nosso vocabulário. Evidencia-se, desse modo, a grande porta que Sérgio Buarque, ao lado de Gilberto Freyre, abre aos estudos da cultura no Brasil.

Para finalizar, talvez um dos temas mais discutidos, não tanto no campo da história mas no das ciências sociais em geral, ou mais especificamente da antropologia, é a tese sobre o homem cordial. Formado dentro dos quadros de uma estrutura familiar de herança lusitana, o brasileiro teria se caracterizado pelo desapego com aquilo que é formal, pela dificuldade em cumprir os ritos sociais que não sejam pessoais e afetivos, e de separar racionalmente as diferenças entre o público e o privado. Afirma Sérgio Buarque: “a lhaneza no trato, a hospitalidade, e generosidade, virtudes tão gabadas por estrangeiros que nos visitam, representam, com efeito, um traço definido do caráter brasileiro, na medida, ao menos, em que permanece ativa e fecunda a influência ancestral dos padrões de convívio humano, informados no meio rural e patriarcal. Seria engano supor que essas virtudes possam significar “boas maneiras”, civilidade. São antes de tudo expressões legítimas de um fundo emotivo extremamente rico e transbordante. Na civilidade há qualquer coisa de coercitivo – ela pode exprimir-se em mandamentos e sentenças” (p. 147). Entende-se, então, essa cordialidade não como concórdia, subserviência ou bondade, como pretendeu interpretar Cassiano Ricardo, mas talvez como uma certa passionalidade, como predomínio de uma ação menos polida, menos racionalizada e mais próxima do emocional. Esses traços se manifestam de outras formas, como afirma o próprio autor: o nosso vocabulário é inundado pelo emprego de palavras no diminutivo. Isso também se exemplifica na religião. O brasileiro possui uma relação profundamente pessoal com os seus santos, para o qual pede proteção e benefícios individuais. Portanto, é um equívoco compreender esse homem cordial como indivíduo bondoso ou algo semelhante.

Convém dizer também que esse traço não é absoluto. Em resposta à Cassiano Ricardo, um dos próceres do governo varguista, que procurava alimentar uma imagem positiva do brasileiro, Sérgio Buarque afirma, em 1948, que: "quero frisar, ainda uma vez, que a própria cordialidade não me parece virtude definitiva e cabal que tenha de prevalecer independentemente das circunstâncias mutáveis de nossa existência. Acredito que ao menos na segunda edição do meu livro, tenha deixado esse ponto bastante claro. Associo-a antes a condições particulares de nossa vida rural e colonial, que vamos rapidamente superando. Com a progressiva urbanização, que não consiste apenas no desenvolvimento das metrópoles, mas ainda e sobretudo na incorporação de áreas cada vez mais extensas à esfera da influência metropolitana, o homem cordial se acha fadado provavelmente a desaparecer, onde ainda não desapareceu de todo". Como é possível perceber, a cordialidade, apesar de ser um forte elemento do caráter nacional, não é a-histórico e pode se modificar de acordo com as circunstâncias.[11]

Nos anos oitenta, Roberta da Matta, importante antropólogo brasileiro, retoma as reflexões de Sérgio Buarque de Holanda em seu ensaio O que faz o Brasil, Brasil?, de 1984. Na sua análise da rua como espaço público e impessoal, da Matta recoloca a questão da casa como espaço privado por excelência em contraposição a essa rua, que é de todos e ao mesmo tempo de ninguém, portanto, espaço de desiguais. O fato é que tanto historiadores quanto antropólogos criticaram Sérgio Buarque e o próprio da Matta. Atualmente, compreender o “caráter” de um povo nos parece um tanto inadequado. Entretanto, entendo que as críticas devem ser feitas respeitando o contexto em que cada obra se coloca. No caso de Sérgio, a sociologia dos anos trinta ainda estava amplamente referenciada nas noções mais generalizantes, e esse dado tem que ser levado em conta para a sua análise. Erra Voltaire Schilling[12] ao afirmar que a cordialidade, para o nosso autor, é inata ao homem brasileiro. Anteriormente já foi possível observar que Sérgio Buarque trata do conceito como algo mutável, e não eterno, denotando a historicidade da sua reflexão.

Agora, efetivamente encerrando, saliento que em nenhum momento se desejou aqui dar conta de todas as questões levantadas por Raízes do Brasil, que como vimos, ultrapassam a simples discussão historiográfica. O que fiz foi trazer elementos que interpretei como importantes a partir do meu ponto de vista, e que entendi serem significativos para o presente trabalho. Espero, realmente, que este esforço sirva não só para clarificar o debate sobre Raízes do Brasil, mas sim incentivar outros a tomar contato com a obra e produzirem a sua própria crítica a esse marco da historiografia brasileira.


4. Avaliação pessoal da obra

Prazer. Essa é a palavra que expressa meu sentimento ao terminar a leitura Raízes do Brasil. Há tempos ouvia falar dela, mas, por um ou outro motivo, não a lia. O trabalho estético da escrita de Sérgio Buarque certamente chama a atenção em meio a tantos historiadores que não sabem produzir um bom texto.

Para além dessa impressão puramente subjetiva, avalio que o autor se destaca pela capacidade de estabelecer relações significativas entre o passado e o presente. A atualidade da obra é impressionante. A democracia no Brasil, depois de longos setenta anos, continua sendo um “lamentável mal-entendido” (p. 160). O país ainda reclama da “ausência de verdadeiros partidos políticos” (p. 183). A produção anual de toneladas de leis, mostra de forma cabal que grande parte de nossos políticos ainda acredita que “a letra morta pode influir por si só e de modo enérgico sobre o destino de um povo” (p. 178). Essas referências só me levam a concordar com o que disse Antônio Cândido: “Raízes do Brasil é um dos momentos mais importantes do pensamento radical no Brasil”.[13] Como sugestão, indicaria a nossos representantes darem uma folheada nessa obra.

Confesso que minha crítica mais contundente não é tão contundente assim. Apenas interpreto que, nos poucos momentos que o autor se refere aos negros escravos, ainda os apresenta de uma forma estereotipada, realçando características como “suavidade dengosa e açucarada”. Menos mal que não os apresenta como seres inferiores, tão comum a determinadas teorias da época que viam no europeu uma raça “superior”.

Também tenho minhas restrições ao autor quando ele procura justificativas para afirmar que pode haver compatibilidade entre o Brasil e os ideais democráticos. Uma dessas justificativas está no fato de que, no país, há uma “relativa inconsistência dos preconceitos de raça e cor”. Sabemos nós dessa falácia. O racismo no Brasil existe e talvez seja muito mais sutil do que conseguimos perceber. Talvez por isso alguns interpretem que aqui exista um preconceito mais “abrandado” contra o negro.

Obviamente que, levando em conta as muitas idéias que se apresentavam nos anos trinta, as minhas críticas tem que ser relativizadas e colocadas no seu próprio tempo, isto é, século XXI. Naquele momento, a negação das idéias de inferioridade do negro aparecia como um grande avanço, mesmo que hoje elas ainda nos pareçam transmitir uma certa idealização da imagem negra. Talvez seja por isso que comentei antes que a minha crítica não pode ser vista como tão contundente.

Outro aspecto fundamental da obra refere-se ao seu caráter profundamente político, em especial o seu último capítulo. Nele, Sérgio Buarque se posiciona contra inúmeras situações. Contra aqueles que vêem as saídas de nossos problemas em idéias vindas de fora. Contra o aparelho político que nega a espontaneidade nacional. Contra a ilusão liberal democrática de simples substituição dos detentores do poder. Contra as constituições não cumpridas e as leis violadas para beneficiar indivíduos e oligarquias. Enfim, ele se posiciona. E posicionamento é uma coisa que uma boa parte de nossos intelectuais ainda desconhece. Mas para finalizar, Sérgio Buarque não se coloca apenas contra tudo. Ele clama para que o Brasil olhe para si mesmo e finalmente se torne o ator de sua própria história: “as formas superiores da sociedade devem ser como um contorno congênito a ela e dela inseparável: emergem continuamente das suas necessidades específicas e jamais das escolhas caprichosas” (p. 188).

Raciocínios profundos, densidade e objetividade na escrita, reflexões baseadas em elementos concretos e um posicionamento político bem definido. Está aí a reposta que darei àqueles que vierem me perguntar sobre por que ler Raízes da Brasil? E acrescentarei: “além de tudo, Sérgio Buarque também é o pai do Chico”.

5. Referências bibliográficas

DIAS, Maria Odila da Silva. Estilo e método na obra de Sérgio Buarque de Holanda. IN: NOGUEIRA, Arlinda Rocha; PACHECO, Floripes de Moura; PILNIK, Márcia; HORCH, Rosemarie Érika. Sérgio Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria do Estado da Cultura/Arquivo do Estado/USP/Instituto de Estudos Brasileiros, 1988.

GOLDMAN, Elisa. A Cultura Personalista como Herança Colonial em Raízes do Brasil. Disponível em: http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/historia/hist02a.htm. Acesso em: 20. abr. 2008.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26ª ed. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

SCHILLING, Voltaire. BSérgio Buarque, o explicador dorasil. Educaterra. Disponível em: http://educaterra.terra.com.br/voltaire/brasil/2002/07/03/001.htm. Acesso em: 18. abr. 2008.

SOUZA, Antônio Candido de Mello e. Sérgio, o radical. IN: NOGUEIRA, Arlinda Rocha; PACHECO, Floripes de Moura; PILNIK, Márcia; HORCH, Rosemarie Érika. Sérgio Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria do Estado da Cultura/Arquivo do Estado/USP/Instituto de Estudos Brasileiros, 1988.

VAINFAS, Ronaldo. História das mentalidades e história cultural. In: CARDOSO, Ciro Flamarion. Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

VELLOSO, Mônica Pimenta. O modernismo e a questão nacional. In: DELGADO, Lucilia de Almeida Neves; FERREIRA, Jorge. O Brasil republicano I. O tempo do liberalismo excludente: da proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.


6. Bibliografia complementar

BEUTTENMÜLLER, Alberto. Sérgio Buarque de Holanda: o homem cordial. Digestivo Cultural. Disponível em: http://www.digestivocultural.com/ensaios/ensaio.asp?codigo=18. Acesso em: 23. abr. 2008.

SILVEIRA, Éder. Notas sobre Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda e Teoria do Medalhão, de Machado de Assis. Disponível em: www.unicamp.br/siarq/sbh/Silveria_Eder-Raizes_do_Brasil-e-Teoria_do_Medalhao.pdf. Acesso em: 22. abr. 2008.

[1] Ribeiro Couto, modernista, conhecido como o penumbrista por dizer que preferia as tardes de garoa às manhãs de sol, foi contista, romancista, jornalista, magistrado e diplomata. Nasceu em Santos, em 1898. Faleceu em Paris, em 1963.

[2] NOGUEIRA, Arlinda Rocha; PACHECO, Floripes de Moura; PILNIK, Márcia; HORCH, Rosemarie Érika. Sérgio Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria do Estado da Cultura/Arquivo do Estado/USP/Instituto de Estudos Brasileiros, 1988. p. 30.

[3] Historiador alemão nascido em Salzwedel (1862-1954), considerado um dos fundadores da historiografia moderna, junto com seu mestre Wilhelm Dilthey.

[4] Rainer Maria Rilke nasceu em Praga em 4 de dezembro de 1875. É considerado como um dos mais importantes poetas modernos da literatura e língua alemã, por sua obra inovadora e seu incomparável estilo lírico. Faleceu em 1926.

[5] VAINFAS, Ronaldo. História das mentalidades e história cultural. In: CARDOSO, Ciro Flamarion. Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997; p. 59.

[6] VELLOSO, Mônica Pimenta. O modernismo e a questão nacional. In: DELGADO, Lucilia de Almeida Neves; FERREIRA, Jorge. O Brasil republicano I. O tempo do liberalismo excludente: da proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p. 320.

[7] SOUZA, Antônio Candido de Mello e. Sérgio, o radical. In: NOGUEIRA, Arlinda Rocha; PACHECO, Floripes de Moura; PILNIK, Márcia; HORCH, Rosemarie Érika. Sérgio Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria do Estado da Cultura/Arquivo do Estado/USP/Instituto de Estudos Brasileiros, 1988. p. 65.

[8] Ibid., p. 66.

[9] DIAS, Maria Odila da Silva. Estilo e método na obra de Sérgio Buarque de Holanda. IN: NOGUEIRA, Arlinda Rocha; PACHECO, Floripes de Moura; PILNIK, Márcia; HORCH, Rosemarie Érika. Sérgio Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo: Secretaria do Estado da Cultura/Arquivo do Estado/USP/Instituto de Estudos Brasileiros, 1988. p. 75.

[10] Essa afirmação pertence ao texto “O significado de Raízes do Brasil”, de Antônio Candido, apresentado como prefácio da última edição de Raízes do Brasil. Ver: p.10.

[11] GOLDMAN, Elisa. A Cultura Personalista como Herança Colonial em Raízes do Brasil. Disponível em: http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/historia/hist02a.htm. Acesso em: 20. abr. 2008.

[12] No espaço do seu site, Schilling assim escreve: “O próprio Sérgio Buarque, cujo centenário de nascimento comemora-se no dia 11 de julho, divertia-se com aquilo, comprovando assim a eficácia de uma das suas teses famosas: a da inata cordialidade do homem brasileiro”. Para o texto na íntegra, acessar: http://educaterra.terra.com.br/voltaire/brasil/2002/07/03/001.htm.

[13] SOUZA, loc. cit.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 12 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/analise-da-obra-raizes-do-brasil-de-sergio-buarque-de-holanda-896189.html

    Palavras-chave do artigo:

    sergio buarque de holanda

    ,

    raizes do brasil

    ,

    obras classicas

    Comentar sobre o artigo

    A qualidade de vida muitas vezes é medida pelos serviços públicos oferecidos pelo município ou pelo estado, bem como alimentação, moradia, renda e problemas com a violência (segurança). O World development report 1997: the state in a changing world (4), destacou o papel do Estado como ator principal do desenvolvimento, bem como, que a falta de participação da comunidade poderia ser uma das principais causas dos fracasso das políticas públicas.

    Por: Rócio Stefson Neiva Barretol Notícias & Sociedade> Polítical 12/03/2008 lAcessos: 15,499 lComentário: 6

    A política brasileira além de ferver virou um inferno. Um inferno com muitos diabos que não têm medo da cruz. Deus, o nosso Pai morreu e Jesus não estão mais em seus corações. A caridade, a fraternidade e os bons princípios não foram sublimados, e sim exterminados juntamente com a ética. No coração do brasileiro só resta esperança, as forças já estão combalidas, vítimas de uma politicagem escarnecida. O encanto do Brasil antigo evaporou-se diante das aberrações e das corrupções eleitorais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 13/10/2014

    Pensei nas pessoas sofredoras e fui orando para as entidades protetoras. Vi no semblante de uma criança solitária, a fome que a consumia. Imantei o amor em prol de um pequeno ser. Vi no sol da primavera seus momentos bons e ruins, mas não almejamos sofrimentos, principalmente para os seres indefesos e inocentes. Como diria Cornélio Pires, sempre noto com reserva as dores que vêm do herdeiro; não sei se o choro é de mágoa ou de briga por dinheiro.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 03/10/2014

    Lágrimas são emoções materializadas que romperam bandeiras do corpo físico. Em realidade, representam os excessos de energia que necessitamos extravasar. Nem sempre são as mesmas fontes que determinam as lágrimas, pois variadas são as nascentes geradoras que as expelem através dos olhos. Em épocas de política o Brasil se transforma, e denotamos como são grandes os aparatos, que os candidatos fazem para chamar a atenção do eleitor. Festival de publicidades, bandeirolas são tremuladas pelo vento d

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 24/09/2014

    Não temos como negar a influência da literatura da Idade Média, na literatura do cancioneiro popular da atualidade. Mesmo escritores eruditos, como Guimarães Rosa, Ariano Suassuna e outros, buscam fontes para suas obras, na literatura antiga.O cancioneiro popular adapta suas canções, sem negar o conhecimentos adquirido, ainda nos tempos de Carlos Magno, que forneceu assunto vasto para a poesia popular.

    Por: lúcia nobrel Literatural 19/09/2014

    Através do ensino de literatura estaremos levando aos nossos alunos ao conhecimento do fenômeno literário em seus aspectos: histórico-estético-cultural, através do contato com os artistas da palavra. Sendo a obra literária reflexo de vida, exteriorização verbal de uma experiência humana, nós, professores, evidentemente faremos uso dela para orientar a educação integral dos nossos alunos.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    Na poesia, o elemento diferenciador – o verso e tudo que nele se implica -, não deve ser tomado como recurso exclusivo e caracterizado da poesia, pois ela exprime-se por metáforas, tomadas no sentido genérico de figuras de linguagem, isto é, significantes carregados de mais de um sentido, ou conotação. a prosa é genericamente entendida com aposta ao verso.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    A literatura é uma forma de conhecimento da realidade que se serve da ficção e tem como meio de expressão a linguagem artisticamente elaborada. Esta nossa definição apresenta, de uma forma sucinta, a natureza e a função da literatura, bem como sua diferenciação das ciências e das outras artes.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014
    Jeferson Lopes Ribeiro

    Uma introdução ao conto. Uma espécie de continuação de contos de filhos de deuses, como hércules filho de Zeus e Percy Jackson filho de Posseidon.

    Por: Jeferson Lopes Ribeirol Literatural 25/06/2014 lAcessos: 17

    Este trabalho busca investigar, a partir do contexto musical brasileiro, os reflexos do movimento de contracultura, originário dos Estados Unidos ao longo dos anos sessenta. A palavra "reflexos" foi utilizada inicialmente para enfatizar a incidência dos princípios contraculturais que se propagaram sob variadas formas aqui no Brasil. Um destas foi através da música.

    Por: André Vinicius Mossate Jobiml Educação> Ensino Superiorl 02/07/2011 lAcessos: 2,310

    Comments on this article

    4
    marcia 22/11/2010
    gostei muito do que li e será que você poderia me ajudar?
    No trecho do capitulo 7 "Desejamos ser o povo mais brando e o mais comportado do mundo. Pugnamos constantemente pelos principios tidos universalmente como os mais moderados e os mais racionais.", esse trecho possui alguma relaçao com a ideia do homem cordial?
    2
    WILLNEY 26/08/2010
    Quero agradeçer pois esta resenha muito me serviu como base para o assunto que estou estudando que é sobre realidades brasileiras. valeu.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast