Erótica é a alma

Publicado em: 30/09/2013 |Comentário: 0 | Acessos: 46 |

 Adélia Prado certa vez escreveu: "Erótica é a alma". Além de poética, a frase é redentora, pois alivia o peso da sensualidade a qualquer custo, a busca desenfreada pela juventude perdida, a corrida pelos últimos lançamentos da indústria cosmética.

 E nos autoriza a cuidar mais da alma, a viajar pro interior, a descobrir o que nos completa. Pois se os olhos são as janelas da alma, de que adianta levantar pálpebras se descortinam um olhar de súplica?

 Erótica é a alma que se diverte, que se perdoa, que ri de si mesma e faz as pazes com sua história. Que usa a espontaneidade pra ser sensual, que se despe de preconceitos, intolerâncias, desafetos. Erótica é a alma que aceita a passagem do tempo com leveza e conserva o bom humor apesar dos vincos em torno dos olhos e o código de barras acima dos lábios; erótica é a alma que não esconde seus defeitos, que não se culpa pela passagem do tempo. Erótica é a alma que aceita suas dores, atravessa seu deserto e ama sem pudores.

 Porque não adianta sex shop sem sex appeal; bisturi por fora sem plástica por dentro; lifting, botox, laser e preenchimento facial sem cuidado com aquilo que pensa, processa e fala; retoque de raiz sem reforma de pensamento; striptease sem ousadia ou espontaneidade.

 Querendo ou não, iremos todos envelhecer_faz parte da vida. As pernas irão pesar, a coluna doer, o colesterol aumentar. A imagem no espelho irá se alterar gradativamente e perderemos estatura, lábios e cabelos. A boa notícia é que a alma pode permanecer com o humor dos dez, o viço dos vinte e o erotismo dos trinta anos_ se você permitir.

 O segredo não é reformar por fora. É, acima de tudo, renovar a mobília interior_ tirar o pó, dar brilho, trocar o estofado, abrir as janelas, arejar o ambiente. Porque o tempo, invariavelmente, irá corroer o exterior. E quando ocorrer, o alicerce precisa estar forte pra suportar. Feito a casa dos três porquinhos, lembra?

 Não tem problema cuidar do corpo. É primordial ter saúde e faz bem dar um agrado à auto estima. O perigo é ficar refém do espelho, obcecado pelo bisturi, viciado em reduzir, esticar, acrescentar, modelar_ até plástica íntima andam fazendo!

 Aprenda: Bisturi algum vai dar conta do buraco de uma alma negligenciada anos a fio.

 Vivemos a era das emergências. De repente tudo tem conserto, tudo se resolve num piscar de olhos, há varinha de condão e tarja preta pra sanar dores do corpo, alma e coração. Como canta Nando Reis, "O mundo está ao contrário e ninguém reparou..." Desaprendemos a valorizar aquilo que é importante, o que é eterno, o que tem vocação de eternidade.

 E de tanto lustrar a carapaça, vivemos a "Síndrome da Maça do Amor": Brilhantes por fora e podres por dentro.

 O tempo tornou-se escasso, acreditamos que "perdemos tempo" quando lemos um livro inteiro, quando passamos horas com nossos filhos, quando oramos ou viajamos com a família. E nos iludimos achando que poderemos "segurar o tempo" cuidando da flacidez, esticando a pele, preenchendo espaços.

 Cuide do interior. Erotize a alma. Enriqueça seu tempo com uma nova receita culinária, boas conversas, um curso de canto ou dança. Leia, medite, cultive um jardim. Sinta o sol no rosto e por um instante não se preocupe com o envelhecimento cutâneo. Alongue-se, experimente o prazer que seu corpo ainda pode lhe proporcionar. Não se ressinta das novas dores, da pouca agilidade, dos novos vincos. Descubra enfim que a alegria pode rejuvenescer mais que o botox.

 E não se esqueça: em vez de se concentrar no lustre da maçã, trate de aproveitar o sabor que ela ainda é capaz de proporcionar...

 

                                                                                                 FABÍOLA SIMÕES

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/erotica-e-a-alma-6779268.html

    Palavras-chave do artigo:

    adelia prado

    ,

    audrey hepburn

    ,

    beleza

    Comentar sobre o artigo

    Tendo como ponto de partida um dos clássicos da literatura, me dediquei a elaborar uma analise do livro, expondo pontos importantes que não poderiam passar por despercebidos

    Por: Antonio Pedrol Literatural 03/12/2014

    Este artigo traz uma abordagem sobre a prática e a importância da leitura na vida do ser humano e da relação de interação entre o texto e o leitor. Apresenta o conceito de leitura e discute especificamente os benefícios garantidos pela leitura do texto literário. E enfoca a responsabilidade da comunidade escolar no desenvolvimento da prática leitora nos alunos.

    Por: jarcianal Literatural 23/11/2014

    Apresenta-se uma caracterização breve da prosa de Monteiro Lobato, Euclides da Cunha, Lima Barreto e Graça Aranha.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014

    Neste artigo, procede-se à análise literária do conto "Singularidades de uma rapariga loura", do escritor português Eça de Queirós.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014 lAcessos: 15

    Neste artigo, procede-se à análise literária do conto "Venha ver o pôr-do-sol", de Lygia Fagundes Telles.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014

    Texto sobre a Semana de Arte Moderna no Brasil, seus antecedentes e desdobramentos.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014

    A política brasileira além de ferver virou um inferno. Um inferno com muitos diabos que não têm medo da cruz. Deus, o nosso Pai morreu e Jesus não estão mais em seus corações. A caridade, a fraternidade e os bons princípios não foram sublimados, e sim exterminados juntamente com a ética. No coração do brasileiro só resta esperança, as forças já estão combalidas, vítimas de uma politicagem escarnecida. O encanto do Brasil antigo evaporou-se diante das aberrações e das corrupções eleitorais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 13/10/2014

    Pensei nas pessoas sofredoras e fui orando para as entidades protetoras. Vi no semblante de uma criança solitária, a fome que a consumia. Imantei o amor em prol de um pequeno ser. Vi no sol da primavera seus momentos bons e ruins, mas não almejamos sofrimentos, principalmente para os seres indefesos e inocentes. Como diria Cornélio Pires, sempre noto com reserva as dores que vêm do herdeiro; não sei se o choro é de mágoa ou de briga por dinheiro.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 03/10/2014 lAcessos: 13
    Fabíola Simões

    Uma hora talvez você descubra que os melhores tesouros são os mais difíceis de serem encontrados. Lembre-se disso quando sentir seu coração bater mais forte por alguém. Preserve-se, não vá com tanta sede ao pote. Caminhe sem pressa e valorize sua essência. Porém, quando chegar a hora, partilhe sua vida e alegre-se por ter chegado ao cume da montanha. Reconhecer suas dádivas é primordial para viver uma vida satisfatória.

    Por: Fabíola Simõesl Literatura> Crônicasl 20/06/2014
    Fabíola Simões

    Portanto, mesmo que discorde ou acredite conhecer aqueles que ama, entenda que jamais o saberá por completo, pois cada um carrega muito mais bagagem do que supomos desvendar.

    Por: Fabíola Simõesl Literatura> Crônicasl 20/06/2014
    Fabíola Simões

    São tempos difíceis. Todo mundo fala, todo mundo posta, todo mundo curte. Todo mundo aparece_ de frente, de perfil, de costas, sorrindo, triste, indignado. E então você percebe que ser #todomundo não é sua praia. E sente falta do tempo em que as coisas eram mais simples.

    Por: Fabíola Simõesl Literatural 02/09/2013 lAcessos: 40
    Fabíola Simões

    Só o tempo mostra que amor não cresce com o que é fácil. Geralmente é assim: fica um amor _em minúsculo_ sem conteúdo, quando ainda não viveu o suficiente para experimentar tudo aquilo que o padre diz e nos acostumamos a ouvir sem reparar: "alegria e tristeza, saúde e doença".

    Por: Fabíola Simõesl Literatura> Crônicasl 23/07/2013 lAcessos: 47
    Fabíola Simões

    De vez em quando é difícil sermos nós mesmos. Dá medo. Aterroriza feito noite escura. Ao contrário do que dizia Sartre, o inferno não são os outros, e sim nós mesmos. E nos assumirmos_ naqueles momentos em que ser nós mesmos é aterrorizante_ pode ser tarefa impossível. Por isso precisamos das fantasias...

    Por: Fabíola Simõesl Literatura> Crônicasl 23/07/2013 lAcessos: 20
    Fabíola Simões

    Todo mundo sabe que não adianta "chorar sobre o leite derramado", e que "vão-se os anéis, mas ficam-se os dedos...", mas mesmo assim não é simples aceitar que coisas, pessoas, relacionamentos, histórias, lugares, momentos...ou o que quer que seja, se vá. A gente teima em se fixar no que passou, no buraco que ficou, no vazio que deixou, na parte de nós que ainda está naquele lugar que não existe mais. Tanta louça brilhando na cristaleira e só queremos juntar os cacos daquela que espatifou.

    Por: Fabíola Simõesl Literatura> Crônicasl 23/07/2013 lAcessos: 39
    Fabíola Simões

    Por que é tão difícil sairmos de nossas zonas de conforto_ que podem nem ser tão confortáveis assim_ mesmo sob o sol quente rachando a pele, mesmo sabendo que logo ali à frente há promessa de mais alegria e menos frio? Porque ser livre é mérito dos que têm coragem. Uma conquista dos que rompem o vínculo com a culpa e experimentam suas próprias leis_ já que a liberdade é almejada mas também complicada. Difícil como ter o oceano à frente e não saber o que fazer com ele.

    Por: Fabíola Simõesl Literatura> Crônicasl 23/07/2013 lAcessos: 31
    Fabíola Simões

    Existem momentos em que é difícil reconhecermos nosso lugar. Parece que a vida dá e tira, coloca e pede de volta, estende a mão e puxa o tapete... mas com paciência, o tempo dirá. E então um dia, por algum motivo pequeno ou grandioso, você percebe que tem um bilhete autenticado em mãos. Um bilhete que lhe indica exatamente qual sua poltrona, sua janela_ por onde verá o mundo passar_, e sua companhia nessa viagem.

    Por: Fabíola Simõesl Literatura> Crônicasl 23/07/2013 lAcessos: 24
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast