Franklin Távora

Publicado em: 04/09/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 4,908 |

FRANKLIN TÁVORA

Franklin Távora, um grande escritor cearense que escreveu uma obra importantíssima enfocando a vida dos índios brasileiros, e principalmente os silvícolas cearenses. Em sua obra “Os índios do Jaguaribe” ele conta detalhes e nuanças sobre os índios da região jaguaribana no hinterland cearense. Franklin Távora (João F. da Silveira T.), advogado, jornalista, político, romancista, teatrólogo, nasceu em Baturité, CE, em 13 de janeiro de 1842, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 18 de agosto de 1888. É o patrono da Cadeira n. 14, por escolha do fundador Clóvis Beviláqua. Franklin Távora migrou muito cedo para a cidade de Recife no vizinho estado de Pernambuco. Na segunda metade do século XIX, Franklin Távora sabe aproveitar-se da crise do Romantismo, inaugurando, na literatura e no pensamento brasileiros, novos caminhos em direção ao Realismo e ao Naturalismo.

Cumprindo esse movimento, ele encontra as contradições de quem vive uma época de transição. As obras de Franklin se dividem em duas etapas: as de recife e as cariocas (Rio de Janeiro). Na segunda metade do século XIX, Franklin Távora sabe aproveitar-se da crise do Romantismo, inaugurando, na literatura e no pensamento brasileiros, novos caminhos em direção ao Realismo e ao Naturalismo. Cumprindo esse movimento, ele encontra as contradições de quem vive uma época de transição. Na  fase literária recifense eatão as seguintes obras: Trindade maldita (contos, 1861); Os índios do Jaguaribe (romance, 1862); A casa de palha (romance, 1866); Um casamento no arrabalde (romance, 1869); Um mistério de família (drama, 1862) e Três lágrimas (drama, 1870). Existe em discussão de quem foi o primeira escritor indianista do Brasil.

A maioria afirma ter sido José de Alencar com o lançamento do livro Iracema. Três anos antes de Alencar lançar Iracema, Franklin Távora teria presenteado o conterrâneo com um volume do livro, Os índios do Jaguaribe, e José de Alencar teria dito que aquele livro ainda teria que ser bastante descascado. Por esse motivo, muitos estudiosos afirmam que Franklin Távora foi o primeiro romancista indianista do Brasil. “Por um lado, privilegiando uma observação direta da realidade, ele abdica do privilégio da sonhadora imaginação romântica para o processo criador”. Nesse sentido, ele incorpora a técnica cientificista como propiciadora de novas conquistas para a manifestação das percepções do mundo e sonhará com uma sociedade industrializada que venha transformar a natureza tão celebrada pelos românticos em uma onda progressista de novas tecnologias. Por outro lado, ele será o primeiro a dar voz teórica e prática a um regionalismo que vê no Nordeste e no Norte do Brasil, supostamente mais puro do que o Sul e o Sudeste, a possibilidade de alcançar uma literatura eminentemente nacional.

Com essa vidência, ele inaugura, precocemente, um movimento que, com Gilberto Freyre e muitos autores da geração de 30, terá toda a sua força. “João Franklin da Silveira Távora nasceu em Baturité, CE, em 1842 e morreu em 1888 no Rio de Janeiro”. Nas obras publicadas quando se mudou para o Rio de Janeiro podemos destacar as seguintes: “Cartas de Semprônio a Cincinato” (crítica, 1871); O Cabeleira (romance 1876); Considerado um dos melhores livros feito pelo propio; O matuto (crônica 1878); Lourenço (romance 1878); Lendas e tradições do norte (folclore, 1878); O sacrifício (romance 1879). Os livros de franklin Távora fizeram tanto sucesso que alguns já desapareceram do mercado. Índios do Jaguaribe é um deles. As editoras brasileiras deveriam voltar suas vistas para as obras desse grande cearense que se destacou em recife, no Rio de Janeiro e no Brasil inteiro. Completando a sua biografia queríamos citar novamente algumas nuanças sobre Franklin.

João Franklin da Silveira Távora, nasceu na cidade interiorana e serrana de (Baturité, 13 de janeiro de 1842— Rio de Janeiro, 18 de agosto de 1888) foi um advogado, jornalista, político, romancista e teatrólogo brasileiro. Já pelos meados de 1884 transferiu-se com os pais para Pernambuco. Fez preparatórios em Goiana e Recife, em cuja Faculdade de Direito matriculou-se em 185, formando-se em 1863. Lá viveu até 1874, tendo sido funcionário público, deputado provincial e advogado, com breve intervalo em 1873 no Pará, como secretário de governo. Em 1874, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi funcionário da Secretaria do Império. Vejam como é bastante rica e com muitos detalhes a vida desses escritor e romancista cearense.

Iniciou o romantismo de caráter regionalista no Nordeste. Uma de suas obras mais marcantes é O Cabeleira, romance passado em Pernambuco do século XVIII. Foi crítico ferrenho de outros grandes autores brasileiros, como José de Alencar. Essa briga se deu pelas afirmou de José de Alencar que estão nas entrelinhas desta matéria. Pelo seu grande valor literário foi justamente homenageado pela Academia Brasileira de Letras, é o patrono da cadeira de número 14, escolhido por Clóvis Beviláqua, outro cearense que se destacou nas ciências jurícas.

ANTONIO PAIVA RODRIGUES-MEMBRO DA ACI-ALOMERCE E AOUVIR/CE

 

 




 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 25 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/franklin-tavora-549252.html

    Palavras-chave do artigo:

    indianista grande escritor polemica com jose de alencar

    Comentar sobre o artigo

    A palavra do orador pode construir e elevar multidões. Porém, quando inconseqüente ou interesseira, pode levar à destruição e à cadência. Quem sabe, pode muito; quem ama pode mais. O escritor cearense Zelito Nunes Magalhães, conhecido pelo pseudônimo de Eça Queiroga concorreu ao Prêmio Osmundo Pontes de Literatura, ano 2002. Conquista - a vitória merecida do maior prêmio literário do norte e nordeste do Brasil, com a obra prima intitulada O ROMANCE CEARENSE Origem e Evolução

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 22/06/2008 lAcessos: 6,758

    Tendo como ponto de partida um dos clássicos da literatura, me dediquei a elaborar uma analise do livro, expondo pontos importantes que não poderiam passar por despercebidos

    Por: Antonio Pedrol Literatural 03/12/2014 lAcessos: 15

    Este artigo traz uma abordagem sobre a prática e a importância da leitura na vida do ser humano e da relação de interação entre o texto e o leitor. Apresenta o conceito de leitura e discute especificamente os benefícios garantidos pela leitura do texto literário. E enfoca a responsabilidade da comunidade escolar no desenvolvimento da prática leitora nos alunos.

    Por: jarcianal Literatural 23/11/2014

    Apresenta-se uma caracterização breve da prosa de Monteiro Lobato, Euclides da Cunha, Lima Barreto e Graça Aranha.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014 lAcessos: 16

    Neste artigo, procede-se à análise literária do conto "Singularidades de uma rapariga loura", do escritor português Eça de Queirós.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014 lAcessos: 22

    Neste artigo, procede-se à análise literária do conto "Venha ver o pôr-do-sol", de Lygia Fagundes Telles.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014

    Texto sobre a Semana de Arte Moderna no Brasil, seus antecedentes e desdobramentos.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014 lAcessos: 16

    A política brasileira além de ferver virou um inferno. Um inferno com muitos diabos que não têm medo da cruz. Deus, o nosso Pai morreu e Jesus não estão mais em seus corações. A caridade, a fraternidade e os bons princípios não foram sublimados, e sim exterminados juntamente com a ética. No coração do brasileiro só resta esperança, as forças já estão combalidas, vítimas de uma politicagem escarnecida. O encanto do Brasil antigo evaporou-se diante das aberrações e das corrupções eleitorais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 13/10/2014 lAcessos: 17

    Pensei nas pessoas sofredoras e fui orando para as entidades protetoras. Vi no semblante de uma criança solitária, a fome que a consumia. Imantei o amor em prol de um pequeno ser. Vi no sol da primavera seus momentos bons e ruins, mas não almejamos sofrimentos, principalmente para os seres indefesos e inocentes. Como diria Cornélio Pires, sempre noto com reserva as dores que vêm do herdeiro; não sei se o choro é de mágoa ou de briga por dinheiro.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 03/10/2014 lAcessos: 20

    Numa esplendorosa noite de lua cheia, vislumbrei o céu estrelado que nos convidava para uma bela noitada de amor. Olhei para o belo e delicado semblante de meu amor, pisquei os olhos, mas ela sem entender de que se tratava perguntou-me em tom suave, o que eu estaria almejando. Pensei em dizer-lhe que desejaria unir nossos corações naquela noite de luar convidativa para uma sessão de afagos e carinhos.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 19/02/2015

    Dentre os muitos escândalos surgidos no governo do Partido dos trabalhadores (PT), desde sua inserção na presidência da República, que os escândalos não param, pois assim que se chega ao fim uma investigação, começa outra. Mensalão, Propinoduto, Petrolão, BNDES e vem mais um o Eletrolão. São tantos escândalos que a Polícia Federal não terá condições de averiguar todos, visto que a demora em apontar nomes pode ser considerado o ponto fraco das investigações

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 19/02/2015

    Dizem alguns historiadores que uma grande maioria das festas cristãs tem um cunho pagão. Quem faz as afirmações baseia nas tradições dos povos antigos, pois os rituais eram mágicos religiosos e os religiosos usavam essa artimanha para controlar certos e determinados fatores que poderiam representar reveses em suas vidas. Com o passar do tempo tudo muda, no entanto, os desvios foram se sucedendo e nos dia de hoje esses rituais aparecem muito deturpados, nas mais diversas festividades cristãs.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 17/02/2015

    Segundo o dito popular amor de carnaval desaparece na fumaça. É igual a dor de cabeça, quando tomamos um comprimido, ela normalmente passa. Na vida tudo passa e o tempo se encarrega disso. Ao assistirmos os belos desfiles de carnaval pelo Brasil afora, denotamos que momentos de prazer se misturam a momentos dolorosos. Enquanto nosso País passa por momentos difíceis, o povo se esbalda, enche o papo de cachaça, cerveja e outras bebidas malfazejas.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 17/02/2015

    A palavra cidadania é a qualidade ou estado de cidadão. Já cidadão é o indivíduo no gozo dos direitos civis e políticos de um Estado, ou no desempenho de seus deveres para com este. Habitante de uma cidade, indivíduo, sujeito, homem, mas naturalmente um hominal de conduta ilibada. Cidadão do mundo é o homem que põe os interesses da humanidade acima da pátria; cidadão do Universo.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 14/02/2015

    Meu amigo você continua a não me entender. Você afirma que foram criados todos esses órgãos, mas os mesmos não funcionam. Por que o chefão da quadrilha (O Barba está solto?) não teve coragem de dar um depoimento para amenizar a situação dos seus companheiros de partido. Ficou ausente o tempo todo. O que adianta criar órgãos que os próprios petistas não obedecem? Eu nada tenho contra ou a favor do governo Fernando Henrique.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 10/02/2015

    O poder da palavra está na força do coração. A palavra simboliza a educação, a ética e a sabedoria… O poder da palavra está na vida e na dedicação. A palavra fortalece o poder e a sua força não negaria.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 08/02/2015

    Na minha vida compartilhei alegrias e tristezas, assim como nos céus brilham as estrelas, umas mais cintilantes, outras menos. Nos jardins brilham as flores e as rosas vertem perfumes, umas mais outras menos, mas são nos menores frascos que encontramos os melhores perfumes. Ouvi alguém afirmar: "No céu escolhi uma estrela de uma bela constelação, no jardim escolhi uma flor, para ser o meu grande amor e embelezar o meu coração".

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 04/02/2015
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast