Franklin Távora

Publicado em: 04/09/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 4,880 |

FRANKLIN TÁVORA

Franklin Távora, um grande escritor cearense que escreveu uma obra importantíssima enfocando a vida dos índios brasileiros, e principalmente os silvícolas cearenses. Em sua obra “Os índios do Jaguaribe” ele conta detalhes e nuanças sobre os índios da região jaguaribana no hinterland cearense. Franklin Távora (João F. da Silveira T.), advogado, jornalista, político, romancista, teatrólogo, nasceu em Baturité, CE, em 13 de janeiro de 1842, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 18 de agosto de 1888. É o patrono da Cadeira n. 14, por escolha do fundador Clóvis Beviláqua. Franklin Távora migrou muito cedo para a cidade de Recife no vizinho estado de Pernambuco. Na segunda metade do século XIX, Franklin Távora sabe aproveitar-se da crise do Romantismo, inaugurando, na literatura e no pensamento brasileiros, novos caminhos em direção ao Realismo e ao Naturalismo.

Cumprindo esse movimento, ele encontra as contradições de quem vive uma época de transição. As obras de Franklin se dividem em duas etapas: as de recife e as cariocas (Rio de Janeiro). Na segunda metade do século XIX, Franklin Távora sabe aproveitar-se da crise do Romantismo, inaugurando, na literatura e no pensamento brasileiros, novos caminhos em direção ao Realismo e ao Naturalismo. Cumprindo esse movimento, ele encontra as contradições de quem vive uma época de transição. Na  fase literária recifense eatão as seguintes obras: Trindade maldita (contos, 1861); Os índios do Jaguaribe (romance, 1862); A casa de palha (romance, 1866); Um casamento no arrabalde (romance, 1869); Um mistério de família (drama, 1862) e Três lágrimas (drama, 1870). Existe em discussão de quem foi o primeira escritor indianista do Brasil.

A maioria afirma ter sido José de Alencar com o lançamento do livro Iracema. Três anos antes de Alencar lançar Iracema, Franklin Távora teria presenteado o conterrâneo com um volume do livro, Os índios do Jaguaribe, e José de Alencar teria dito que aquele livro ainda teria que ser bastante descascado. Por esse motivo, muitos estudiosos afirmam que Franklin Távora foi o primeiro romancista indianista do Brasil. “Por um lado, privilegiando uma observação direta da realidade, ele abdica do privilégio da sonhadora imaginação romântica para o processo criador”. Nesse sentido, ele incorpora a técnica cientificista como propiciadora de novas conquistas para a manifestação das percepções do mundo e sonhará com uma sociedade industrializada que venha transformar a natureza tão celebrada pelos românticos em uma onda progressista de novas tecnologias. Por outro lado, ele será o primeiro a dar voz teórica e prática a um regionalismo que vê no Nordeste e no Norte do Brasil, supostamente mais puro do que o Sul e o Sudeste, a possibilidade de alcançar uma literatura eminentemente nacional.

Com essa vidência, ele inaugura, precocemente, um movimento que, com Gilberto Freyre e muitos autores da geração de 30, terá toda a sua força. “João Franklin da Silveira Távora nasceu em Baturité, CE, em 1842 e morreu em 1888 no Rio de Janeiro”. Nas obras publicadas quando se mudou para o Rio de Janeiro podemos destacar as seguintes: “Cartas de Semprônio a Cincinato” (crítica, 1871); O Cabeleira (romance 1876); Considerado um dos melhores livros feito pelo propio; O matuto (crônica 1878); Lourenço (romance 1878); Lendas e tradições do norte (folclore, 1878); O sacrifício (romance 1879). Os livros de franklin Távora fizeram tanto sucesso que alguns já desapareceram do mercado. Índios do Jaguaribe é um deles. As editoras brasileiras deveriam voltar suas vistas para as obras desse grande cearense que se destacou em recife, no Rio de Janeiro e no Brasil inteiro. Completando a sua biografia queríamos citar novamente algumas nuanças sobre Franklin.

João Franklin da Silveira Távora, nasceu na cidade interiorana e serrana de (Baturité, 13 de janeiro de 1842— Rio de Janeiro, 18 de agosto de 1888) foi um advogado, jornalista, político, romancista e teatrólogo brasileiro. Já pelos meados de 1884 transferiu-se com os pais para Pernambuco. Fez preparatórios em Goiana e Recife, em cuja Faculdade de Direito matriculou-se em 185, formando-se em 1863. Lá viveu até 1874, tendo sido funcionário público, deputado provincial e advogado, com breve intervalo em 1873 no Pará, como secretário de governo. Em 1874, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi funcionário da Secretaria do Império. Vejam como é bastante rica e com muitos detalhes a vida desses escritor e romancista cearense.

Iniciou o romantismo de caráter regionalista no Nordeste. Uma de suas obras mais marcantes é O Cabeleira, romance passado em Pernambuco do século XVIII. Foi crítico ferrenho de outros grandes autores brasileiros, como José de Alencar. Essa briga se deu pelas afirmou de José de Alencar que estão nas entrelinhas desta matéria. Pelo seu grande valor literário foi justamente homenageado pela Academia Brasileira de Letras, é o patrono da cadeira de número 14, escolhido por Clóvis Beviláqua, outro cearense que se destacou nas ciências jurícas.

ANTONIO PAIVA RODRIGUES-MEMBRO DA ACI-ALOMERCE E AOUVIR/CE

 

 




 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 25 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/franklin-tavora-549252.html

    Palavras-chave do artigo:

    indianista grande escritor polemica com jose de alencar

    Comentar sobre o artigo

    A palavra do orador pode construir e elevar multidões. Porém, quando inconseqüente ou interesseira, pode levar à destruição e à cadência. Quem sabe, pode muito; quem ama pode mais. O escritor cearense Zelito Nunes Magalhães, conhecido pelo pseudônimo de Eça Queiroga concorreu ao Prêmio Osmundo Pontes de Literatura, ano 2002. Conquista - a vitória merecida do maior prêmio literário do norte e nordeste do Brasil, com a obra prima intitulada O ROMANCE CEARENSE Origem e Evolução

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 22/06/2008 lAcessos: 6,741

    Lágrimas são emoções materializadas que romperam bandeiras do corpo físico. Em realidade, representam os excessos de energia que necessitamos extravasar. Nem sempre são as mesmas fontes que determinam as lágrimas, pois variadas são as nascentes geradoras que as expelem através dos olhos. Em épocas de política o Brasil se transforma, e denotamos como são grandes os aparatos, que os candidatos fazem para chamar a atenção do eleitor. Festival de publicidades, bandeirolas são tremuladas pelo vento d

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 24/09/2014

    Não temos como negar a influência da literatura da Idade Média, na literatura do cancioneiro popular da atualidade. Mesmo escritores eruditos, como Guimarães Rosa, Ariano Suassuna e outros, buscam fontes para suas obras, na literatura antiga.O cancioneiro popular adapta suas canções, sem negar o conhecimentos adquirido, ainda nos tempos de Carlos Magno, que forneceu assunto vasto para a poesia popular.

    Por: lúcia nobrel Literatural 19/09/2014

    Através do ensino de literatura estaremos levando aos nossos alunos ao conhecimento do fenômeno literário em seus aspectos: histórico-estético-cultural, através do contato com os artistas da palavra. Sendo a obra literária reflexo de vida, exteriorização verbal de uma experiência humana, nós, professores, evidentemente faremos uso dela para orientar a educação integral dos nossos alunos.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    Na poesia, o elemento diferenciador – o verso e tudo que nele se implica -, não deve ser tomado como recurso exclusivo e caracterizado da poesia, pois ela exprime-se por metáforas, tomadas no sentido genérico de figuras de linguagem, isto é, significantes carregados de mais de um sentido, ou conotação. a prosa é genericamente entendida com aposta ao verso.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    A literatura é uma forma de conhecimento da realidade que se serve da ficção e tem como meio de expressão a linguagem artisticamente elaborada. Esta nossa definição apresenta, de uma forma sucinta, a natureza e a função da literatura, bem como sua diferenciação das ciências e das outras artes.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014
    Jeferson Lopes Ribeiro

    Uma introdução ao conto. Uma espécie de continuação de contos de filhos de deuses, como hércules filho de Zeus e Percy Jackson filho de Posseidon.

    Por: Jeferson Lopes Ribeirol Literatural 25/06/2014 lAcessos: 14

    O lançamento da M.books deste mês examina as táticas de combate preferidas pelos alemães e pelos Aliados, em um trabalho conjunto de comando e controle da artilharia, dos tanques, da infantaria e da aviação, que atingiu um nível de sofisticação jamais visto naquela época.

    Por: Patricia Rosa da Silval Literatural 07/05/2014 lAcessos: 22
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Ficção, ficção. Pura ficção. Sem sedição. Como sinérese. Exatamente literária. Diria até delírio. Não existe sujeito. Na concordância nominal. Ausência de ótica.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatural 01/03/2014 lAcessos: 20

    Segundo Hammed (por Francisco do Espírito Santo Neto) a rigor, família é uma instituição social que compreende indivíduos ligados entre si por laços consanguíneos. A formação do grupo familiar tem como finalidade a educação, implicando, porém, outros fatores como amor, atenção, compreensão, coerência e, sobretudo, respeito à individualidade de cada componente do instinto doméstico. Uma expressão belíssima, esclarecedora, no entanto, vem se deformando nos dias atuais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 25/09/2014

    Lágrimas são emoções materializadas que romperam bandeiras do corpo físico. Em realidade, representam os excessos de energia que necessitamos extravasar. Nem sempre são as mesmas fontes que determinam as lágrimas, pois variadas são as nascentes geradoras que as expelem através dos olhos. Em épocas de política o Brasil se transforma, e denotamos como são grandes os aparatos, que os candidatos fazem para chamar a atenção do eleitor. Festival de publicidades, bandeirolas são tremuladas pelo vento d

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 24/09/2014

    Ray Bradbury, escritor norte-americano, 1953 depois de Cristo, nos repassou essa lindeza, essa preciosidade que colocamos a disposição de quem gosta de auferir o que os grandes escritores colocam a nossa disposição. "O mundo está escuro e parece morto, feras e serpentes se escondem nas trevas… Então, tu apareces no horizonte… E a terra fica em festa. Os humanos se levantam do sono e partem para o trabalho. Ó sol, imagem do Criador, fogo inicial da Vida… Vamos colher, até o fim dos tempos,

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Ciênciasl 23/09/2014

    No suave mistério dos espaços, a Terra escura e triste se povoa e nos conduz. A esperança do homem que sofre todas as suas misérias, desesperanças e destemperanças, nos desertos de lágrimas da vida, desabafa, implora ao regaço divino de Jesus, que lhe dê mansuetude, alegria, prazer, trabalho e nada de ociosidade, e tão somente esperanças. Vislumbrando o exposto nas entrelinhas aprendemos que o ser humano por ser imperfeito, a cada dia que passa aumenta seu sofrimento no orbe terrestre.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 18/09/2014

    Por ser uma senhora de pura beleza só posso te enviar parabéns. A beleza está presente em muitas mulheres, no entanto, a beleza espiritual tem muito mais valia e engrandecem as aquinhoadas com esse dom. A beleza interior, aquela que vem do coração, vale mais do que a beleza conseguida através de produtos de beleza ou outros apetrechos para esse fim. Todas as flores do mundo valem menos do que a alegria de ter você a meu lado. Estou junto a ti, mas não por sua beleza externa, corporal ou facial

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 17/09/2014

    Alvitrei com meu amor para nós proclamarmos a felicidade, Explorei grandes atitudes de um ser Cireneico com paz e alegria, A bondade em meu coração seria como um bordão de raridade, Consciencialmente substanciado no amor ao próximo e não na revelia. Contributivo com amor a transmitir reguei tudo sem belicosidade… Deotropismo uma bela palavra que me imantou com imensa simpatia. Dileto amigo ajude-me a ultrapassar o caminho espinhoso com agilidade,

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 12/09/2014

    Encontrei meu amor mesmo com uma ânsia sem medidas. Na luta diária e nos entraves que nos envolvem esqueci que estava só… Nos olhares das pessoas indiscretas o mal se afigura como raios flamejantes. Não permita que o orgulho tome conta do seu ser, pois este mal afeta o amor e, consequentemente o coração. Eu posso afirmar de viva voz que ao te encontrar conheci por acaso, aliás, foi o acaso mais lindo da minha vida. Para se amar verdadeiramente hoje em dia, é preciso que o amor seja provado e sen

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Poesial 08/09/2014

    Antes mesmo do descobrimento do nosso país, ele já era habitado pelos silvícolas. Os estudiosos das civilizações antigas, pesquisadores, arqueólogos chegaram às descobertas pré-históricas, que foram executadas por meio de escavações e análises minuciosas, e, através, desses estudos calcularam que entre os anos 40 mil e 12 mil a.C., já existiam os povos nômades, caçadores e pescadores que usavam utensílios artesanais rudimentares, para as suas sobrevivências.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Crônicasl 25/08/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast