Linguagem Verbal

Publicado em: 13/03/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 9,129 |

Linguagem Verbal

 

 

Existem várias formas de comunicação. Quando o homem se utiliza da palavra, ou seja, da linguagem oral ou escrita, dizemos que ele está utilizando uma linguagem verbal, pois o código usado é a palavra. Tal código está presente, quando falamos com alguém, quando lemos, quando escrevemos. A linguagem verbal é a forma de comunicação mais presente em nosso cotidiano. Mediante a palavra falada ou escrita, expomos aos outros as nossas idéias e pensamentos, comunicando-nos por meio desse código verbal imprescindível em nossas vidas. Ela está presente em textos e propagandas:

  1. em reportagens (jornais, revistas, etc.);
  2. em obras literárias e científicas;
  3. na comunicação entre as pessoas;
  4.  em discursos (Presidente da República, representantes de classe, candidatos a cargos públicos, etc.);
  5.  e em várias outras situações.

O termo "verbal" tem origem no latim "verbale", proveniente de "verbu", que quer dizer palavra. Linguagem verbal é, portanto, aquela que utiliza palavras - o signo lingüístico - na comunicação.

A linguagem verbal tem duas modalidades: a língua escrita e a língua oral. Linguagem oral é a que se usa quando o interlocutor está frente a frente conosco e justamente podemos falar com ele. Já a escrita, em tese, é usada quando o interlocutor está ausente. Entre a linguagem oral e a escrita há muitas diferenças, mas não uma oposição rígida.

Na linguagem oral, o ambiente é comum a ambos os falantes. Por isso, quando usam "eu", "aqui", "hoje", não precisam explicitar do que se trata. Além disso, os gestos, expressões faciais, altura do tom da voz, contribuem para a clareza da comunicação. Nesse sentido, a linguagem oral usa recursos diferentes daqueles usados na linguagem escrita. Veja a frase "João comeu o bolo". Podemos dizê-la:

  1. Colocando ênfase na palavra João, em João comeu o bolo. Então, essa frase poderia estar respondendo a uma pergunta como "Quem comeu o bolo?".
  2. Falando de maneira mais forte a palavra comeu, em João comeu o bolo. Nesse caso, poderíamos estar respondendo a algo como "Que fez João?".
  3. Colocando o acento na expressão o bolo, em João comeu o bolo, o que poderia ser a resposta de "O que comeu João?".

 

Recursos da escrita

 

Na linguagem escrita, precisamos explicitar quase tudo que queremos que o nosso interlocutor entenda. A frase acima precisaria vir acompanhada de uma informação a respeito do ambiente onde se encontram João e o bolo (uma festa, o trabalho, a cozinha etc..), explicitação de quem participa do diálogo, introdução de um verbo dicendi (fulano/a falou, disse, perguntou, gritou, murmurou, cochichou, berrou, por exemplo), o sinal gráfico que indica a introdução da fala de alguém: o travessão ou aspas.

Mas nem por isso a escrita é mais complexa e a fala mais simples. O grau de formalidade no uso da linguagem oral depende do ambiente em que se encontra o falante, do objetivo a atingir, de quem são os ouvintes.

Há situações que exigem falas elaboradas, isto é, com vocabulário e organização mais próxima da escrita, mas na maior parte do tempo nós usamos a chamada linguagem coloquial, a linguagem do dia-a-dia. Por outro lado, há situações em que convém o uso de uma escrita mais pessoal, como no caso de um bilhete ou em uma lista, como há ocasiões, precisamos organizar um texto formal, de acordo com a norma culta da língua.

  

A escrita alfabética

 

 

Em linhas gerais, o alfabeto é um sistema de sinais, as letras, que representam os sons da fala. A palavra vem do latim alphabetum, formada por duas outras palavras alpha e beta, as duas primeiras letras do alfabeto grego.

Sabe-se que o alfabeto grego veio de adaptação da escrita dos fenícios. Os estudos da escrita antiga são realizados geralmente a partir de inscrições de vasos e outros objetos, encontrados por arqueólogos. No caso da cultura grega, existem inscrições em cerâmicas no século 8 a.C.

O uso da escrita marcou a civilização moderna, principalmente a partir da invenção da imprensa, por volta de 1450, por Gutemberg, que pelo uso das letras móveis tornou possível a reprodução rápida de textos escritos, anteriormente copiados à mão. Como consequência, a civilização moderna pôde se organizar em torno da transmissão da informação pela escrita: jornais, revistas, livros... 

Associar a imagem acima ao título do texto é uma forma bem humorada de chamar atenção para algo que todos nós vivenciamos, mas não paramos para analisar.
No nosso dia-a-dia estamos em constante diálogo, seja com outras pessoas ou até individualmente, com nossos botões. Porém, a parte mais interessante disso tudo é que nem sempre precisamos falar para manter uma comunicação com alguém, até mesmo uma troca de olhares ou um sorriso no canto dos lábios podem dizer muita coisa.

O texto, seja ele escrito ou uma imagem, também é uma forma de diálogo entre alguém que deseja transmitir uma informação para outro alguém.
Podemos concluir que Linguagem Verbal é tudo que pode ser falado.

 

Clichê, uma forma de Linguagem Verbal

 

Você, com certeza, já ouviu, muitas e muitas vezes, as expressões abaixo:

 

"Minha vida é um livro aberto."

"Vivendo e aprendendo."

Pelo fato de serem expressões utilizadas em excesso, tornaram-se desgastadas. São os chamados clichês.  O clichê é conhecido como "chavão" e "lugar-comum".

Como vício de linguagem, deve ser evitado. Procure sempre uma outra expressão ou frase para substituir o clichê que você utilizaria.

1. Alguns provérbios são considerados clichês porque são usados com tal frequência que acabam por expressar falta de inventividade do emissor da mensagem. Isto não significa que você não deva usar provérbios, mas evitar aqueles que já foram citados em excesso.

Exemplos de provérbios considerados clichês:

 

Clichês (provérbios)

Deus escreve certo por linhas tortas.
Em casa de ferreiro, espeto de pau.
Filho de peixe peixinho é.
Não cuspa no prato em que comeu.
Não cuspa para cima que cai na cara.
Quem ama o feio bonito lhe parece.
Quem vê cara não vê coração.

2. Mas não é só na linguagem popular que ocorrem clichês. Há pessoas que gostam de usar citações de frases alheias, mas o fazem erroneamente ao mencionar um autor que não proferiu a frase citada ou, pior, desconhecem a autoria da citação. Erram, também, ao mencionar a frase de forma diferente da original – isso tem ocorrido muito em mensagens transmitidas via Internet. Além disso, mesmo citadas corretamente, algumas frases já ficaram desgastadas com o tempo.

Atenção: você não deve deixar de usar citações, mas evitar aquelas que, de tanto serem utilizadas, perderam seu significado. E, quando fizer citações, faça-as corretamente e informe quem é seu autor.

 

Clichês (citações)

"Só sei que nada sei." (Sócrates)
"Tudo vale a pena quando a alma não é pequena." (Fernando Pessoa)
"Há algo de podre no reino da Dinamarca." (Shakespeare)
"Há mais mistérios entre o céu e a terra do que supõe nossa vã filosofia." (Shakespeare)
"Penso, logo existo." (Descartes)
"Ser ou não ser, eis a questão." (Shakespeare)

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 7 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/linguagem-verbal-1983489.html

    Palavras-chave do artigo:

    linguagem verbal

    Comentar sobre o artigo

    Isaias Francisco da Silva

    Este texto justifica-se pelo fato de que o conceito de mídias na educação (educação multimeios ou educação multimídia) pode passar a ser melhor entendido se também tivermos conhecimento sobre as linguagens não-verbais.

    Por: Isaias Francisco da Silval Educação> Línguasl 17/10/2011 lAcessos: 376
    Diógenes de Oliveira

    O linguista Mattoso Câmara definiu a ambiguidade como sendo a "circunstância de uma comunicação linguística se prestar a mais de uma interpretação" [1]. Diz, ainda, Mattoso Câmara que esse fenômeno é consequência da homonímia, polissemia e deficiência dos padrões sintáticos. A ambiguidade seria, de um modo mais amplo possível, a construção de mensagens em que se verifica dupla possibilidade interpretativa decorrente de vários fatores.

    Por: Diógenes de Oliveiral Educação> Línguasl 13/03/2011 lAcessos: 1,851
    EDUARDA CAVALCANTI VALENÇA

    Este artigo trata-se da análise do discurso da Polishop. Será abordado os aspectos gerais da linguagem, enfatizando a linguagem publicitária. Outro ponto de análise é o discurso televisivo, fazendo referência ao formato dos infomerciais como sendo um tipo de comercial com diálogo cotidiano, ou seja, um novo estilo de venda, a interatividade na TV. Para compor a análise, dentre outros fatores, também será explanada a construção de sentido dos infomerciais, através da ideologia.

    Por: EDUARDA CAVALCANTI VALENÇAl Marketing e Publicidadel 09/11/2010 lAcessos: 1,414

    O presente artigo terá por base o modo de entendermos linguagem e língua, que nomeiam objetos do estudo lingüístico, que não foram compreendidos do mesmo modo, porém o estudo de um é indispensável para o entendimento de outro. Haja vista que ao iniciarmos com este artigo deve-se ter noção de conceito de língua, seus tipos e suas variações. A língua humana tem a função de articulador de sons para a produção de sons na execução das palavras. É com as palavras que se faz a linguagem ou linguagens.

    Por: NADIA BETANIAl Educação> Ensino Superiorl 04/09/2010 lAcessos: 20,884

    A linguagem oral deve ser estimulada ao longo da vida escolar de várias formas, através de apresentações de trabalhos orais, recitação de poemas, na leitura de textos e discussões em grupo sobre determinados temas propostos pelo professor. Esse tipo de trabalho estimula a oralidade, fazendo com que o aluno se expresse sem compromisso, sendo o mais espontâneo possível, mas nunca se esquecendo de contextualizar a linguagem com a situação da fala.

    Por: Maria Zilda da Silva Barbosal Educação> Educação Infantill 20/07/2014 lAcessos: 103
    Patricia Cassia Pereira Porto

    O discurso oral é um tecido social coletivo. Somos herdeiros das tradições orais que formaram vários povos, herdamos das tradições simbólicas as histórias que tecem toda cultura oral nascida no seio da coletividade. As vozes que ecoam das classes populares, dos griôs, dos oprimidos, dos iletrados – é a voz da memória mítica que ao ressurgir como força motriz de uma memória coletiva nos faz mergulhar na nossa História brasileira feita de muitas histórias singulares.

    Por: Patricia Cassia Pereira Portol Educação> Línguasl 05/03/2011 lAcessos: 933

    Vejamos, entre tantos possíveis, três modelos para a transferência dos elétrons de um ponto A (de um nível de energia A) para um ponto B (para um nível de energia B). O princípio da incerteza de Heisenberg nos impede de pensarmos em um simples deslocamento, bem definido, pelo tecido do espaço-tempo. É impossível sabermos com precisão a trajetória do elétron, sem tornarmos completamente incerta a sua velocidade.

    Por: Vinicius C. da Silval Ciênciasl 21/09/2009 lAcessos: 845 lComentário: 1

    RESUMO Este texto enfatiza os níveis de linguagens. É preciso conhecer o padrão formal de uma língua, saber adequar o uso da linguagem ao contexto discursivo. Pois, falar bem e escrever corretamente a linguagem, é uma arte. Hoje entende-se que o uso que cada individuo faz da língua depende de varias circunstâncias, isto é, do que vai ser falado e de que forma.Qual o contexto trabalhado. No nível social e cultural de quem fala e para quem se fala. Isso significa que a linguagem do texto deve e

    Por: Anital Educação> Ensino Superiorl 04/09/2010 lAcessos: 2,130

    Com a inclusão de deficientes auditivos nas escolas regulares, põe-se a questionar sobre a qualificação dos profissionais da educação em letras, sabendo-se que a língua portuguesa, por ser a língua pátria, e a de maior importância para a vivência, é uma forma de uma melhor inserção de conhecimentos e de adaptação. Buscam-se assim formas de melhor preparar estes profissionais para o convívio e o ensino qualificados destes cidadãos.

    Por: JAQUELINE BERNARDI TRENTINIl Educação> Ensino Superiorl 09/10/2012 lAcessos: 214

    Apresenta-se uma caracterização breve da prosa de Monteiro Lobato, Euclides da Cunha, Lima Barreto e Graça Aranha.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014

    Neste artigo, procede-se à análise literária do conto "Singularidades de uma rapariga loura", do escritor português Eça de Queirós.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014

    Texto sobre a Semana de Arte Moderna no Brasil, seus antecedentes e desdobramentos.

    Por: Gustavo H. de Toledo Ferreiral Literatural 17/11/2014

    A política brasileira além de ferver virou um inferno. Um inferno com muitos diabos que não têm medo da cruz. Deus, o nosso Pai morreu e Jesus não estão mais em seus corações. A caridade, a fraternidade e os bons princípios não foram sublimados, e sim exterminados juntamente com a ética. No coração do brasileiro só resta esperança, as forças já estão combalidas, vítimas de uma politicagem escarnecida. O encanto do Brasil antigo evaporou-se diante das aberrações e das corrupções eleitorais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 13/10/2014

    Pensei nas pessoas sofredoras e fui orando para as entidades protetoras. Vi no semblante de uma criança solitária, a fome que a consumia. Imantei o amor em prol de um pequeno ser. Vi no sol da primavera seus momentos bons e ruins, mas não almejamos sofrimentos, principalmente para os seres indefesos e inocentes. Como diria Cornélio Pires, sempre noto com reserva as dores que vêm do herdeiro; não sei se o choro é de mágoa ou de briga por dinheiro.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 03/10/2014 lAcessos: 11

    Lágrimas são emoções materializadas que romperam bandeiras do corpo físico. Em realidade, representam os excessos de energia que necessitamos extravasar. Nem sempre são as mesmas fontes que determinam as lágrimas, pois variadas são as nascentes geradoras que as expelem através dos olhos. Em épocas de política o Brasil se transforma, e denotamos como são grandes os aparatos, que os candidatos fazem para chamar a atenção do eleitor. Festival de publicidades, bandeirolas são tremuladas pelo vento d

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 24/09/2014

    Não temos como negar a influência da literatura da Idade Média, na literatura do cancioneiro popular da atualidade. Mesmo escritores eruditos, como Guimarães Rosa, Ariano Suassuna e outros, buscam fontes para suas obras, na literatura antiga.O cancioneiro popular adapta suas canções, sem negar o conhecimentos adquirido, ainda nos tempos de Carlos Magno, que forneceu assunto vasto para a poesia popular.

    Por: lúcia nobrel Literatural 19/09/2014 lAcessos: 11

    Através do ensino de literatura estaremos levando aos nossos alunos ao conhecimento do fenômeno literário em seus aspectos: histórico-estético-cultural, através do contato com os artistas da palavra. Sendo a obra literária reflexo de vida, exteriorização verbal de uma experiência humana, nós, professores, evidentemente faremos uso dela para orientar a educação integral dos nossos alunos.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014 lAcessos: 11
    Profª Bia Senday

    Os períodos da educação brasileira, desde o jesuítico até a atualidade., de forma resumida e direta.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014 lAcessos: 30
    Profª Bia Senday

    Também chamada de Fonoestilística, trata dos valores expressivos de natureza sonora observáveis nas palavras e nos enunciados. Fonemas e prosodemas (acento, entoação, altura e ritmo) constituem um complexo sonoro de extraordinária importância na função emotiva e poética, segundo Martins (2000).

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Profª Bia Senday

    FRASE: veicula os valores expressivos em potencial nas palavras, as quais, somente nela, têm o seu sentido explicitado e adquirem seu tom particular – neutro ou afetivo.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Profª Bia Senday

    Na sintaxe, quem fala ou escreve escolhe entre os tipos de frase, de acordo com as regras gramaticais, mas esse processo é, sobretudo, uma atividade criadora e, portanto, pertence tanto ao domínio gramatical quanto ao domínio estilístico. A frase veicula valores expressivos em potencial nas palavras, que adquirem seu sentido explicitado e o seu tom particular – neutro ou afetivo.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Profª Bia Senday

    A língua portuguesa origina-se do latim, língua falada pelos romanos – povo ao qual invadiu a península ibérica no Século III a.C. Nesta época, povos como os fenícios e gregos ali habitavam. No século V d.C., povos germânicos (suevos, vândalos, alanos e visigodos) invadiram a Península Ibérica. Os visigodos passaram a dominar a região. Por fim, eles abandonaram sua língua e a adotaram o latim. No século VIII, a Península Ibérica sofreu a invasão dos árabes, ao qual dominaram-na por 700 anos.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Profª Bia Senday

    Fonologia, palavra que reúne dois radicais gregos significando "som" e "estudo", significa, portanto, "estudo do som". É a parte da gramática que se ocupa não de qualquer tipo de som, mas do som como elemento distintivo na língua, do som como fonema.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 10/02/2012 lAcessos: 581
    Profª Bia Senday

    Antes de falarmos da língua portuguesa propriamente dita, falaremos um pouco do indo-europeu. O indo-europeu não é uma língua, como podemos dizer, atestada, pois não existe nenhum documento escrito que prove que ele tenha existido.

    Por: Profª Bia Sendayl Literatural 10/02/2012 lAcessos: 105
    Profª Bia Senday

    Polêmicas divulgadas na imprensa no decorrer do ano de 1922, quando um pequeno grupo de artistas e escritores, liderados por Oswald de Andrade e Mário de Andrade, difamava as nossas glórias artísticas ditas de "praça pública", em razão da imitação servil, ou, como era alardeado, da "cópia sem coragem e sem talento".

    Por: Profª Bia Sendayl Literatural 10/02/2012 lAcessos: 426

    Comments on this article

    3
    aline beatriz 06/06/2011
    adorei conhecer um tanto a mais de portugues com vcs!
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast