O Sentido Da Poesia

Publicado em: 29/11/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 701 |

Teorizar sobre Poesia é quase fazer um poema, mas sem rimas e repleto da natureza humana. A poesia é abstração do homem, que vem da criatividade instantânea, em prol ou na tentativa de autoconhecimento e conhecimento com objetivo maior de situar-se, enquanto homem, no mundo. Não há no poema uma busca de significados, mas sim de sentidos, que se formam com a intertextualização do leitor com outros textos, momentos passados , vividos ou não, e vão se acumulando na busca de sentidos, percepções no texto versado.

Como sentido depende dos diálogos que o leitor tem com os demais campos textuais linguistícos verbais e não-verbais, condiciona-se que a produção de sentido sempre estará condicionada a uma realidade do leitor, onde não é impessoal essa produção, texto e contexto são como indissociável (DEUSDARÁ:57). Todavia, podemos inserir na produção de sentido formas subjetivas que têm como objetivo construir ou desconstruir, pelo enunciado, sujeitos (OLIVEIRA: 15). Mas nem sempre o contexto é levado em consideração ou será o mais importante e sim outros recursos estilísticos que se fazem presentes na poesia que é a possibilidade de os sentidos se produzirem sempre em relação a outros sentidos. Então será através dessa circulação de sentidos, proporcionada pelo conhecimento e leitura de mundo do sujeito, que o leitor extrairá sentido(s) da poesia numa leitura verbal,e principalmente, não-verbal.

Dessa forma criamos a base do que chamamos de interdiscurso em que cria os efeitos de sentidos, pois nenhum poema ou texto qualquer está desprovido de ideologias, entretanto não é papel do leitor “procurar” estas ideologias, pois assim perderíamos o caráter de texto poético. Então, na função poética, mesmo provida de ideologias, não são ideias que sobressai, mas sim possibilidades que ganham forma quando o leitor faz seu discurso com os demais campos lingüísticos e pessoais.

Outra peça fundamental no estudo da poesia é o sujeito (leitor). O sujeito, como vimos até agora, cria sentido no poema através de fatos lingüísticos em que há conversação entre suas experiências e aquilo que ele “consome” textualmente ao longo da vida. Todo sujeito é criado e criador de opiniões, nada é, inteiramente, próprio do sujeito, sempre há mescla de ideias que formam o sujeito, o leitor. E como a produção de sentido está ligada a realidade do leitor, inferimos que sentido também é produzido sobre duas vertentes: a dos marxistas e a de Foucault, em que o primeiro se baseia na construção do sujeito a partir das práticas sociais e o segundo afirma que as práticas sociais não são dadas previamente.

O que nos importa é salientar, para o momento, que o sujeito é uma entidade produzida no discurso, organizada pela ideologia, conceituação marxista, e pelo inconsciente, conceituação foucaultiana. É, nesta segunda que reside o sujeito da poesia, no inconsciente, no diálogo com outros textos e no conhecimento e vivência de mundo.

 

REFERÊNCIAS

[1] DEUSDARÁ, Bruno. Imagens da alteridade no trabalho docente: enunciação e produção de subjetividade. Tese de Mestrado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2006. p. 57.

[2] OLIVEIRA, Francisco H. Arruda. Um Estudo Estilístico-discursivo de A Causa Secreta de Machado de Assis. Monografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2008. p.15.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/o-sentido-da-poesia-1518878.html

    Palavras-chave do artigo:

    poesia

    ,

    significado

    ,

    sentido

    Comentar sobre o artigo

    Este artigo trata-se da pluralidade e do hibridismo presentes na poesia de Paulo Lemisnki. Tamanha foi a pluralidade deste escritor, que conseguiu adensar em sua obra inspirações, temáticas, formas e fôrmas das mais diferentes culturas, períodos literários, etc. Neste artigo, debruço-me sobre a relação estreita mantida entre a poesia leminskiana e o concretismo.

    Por: Poliana Rodrigues de Carvalhol Literatura> Poesial 10/06/2011 lAcessos: 204
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Entendo a terra. Ela está cheia de nós. Do nosso gene. Vivo ou apodrecido. Somos ela. Ela é a constituição. Do nosso ser. Da nossa materialidade genética. Por isso que silenciosamente. Piso sobre a mesma. No mais absoluto. Estado contemplativo. Compreendendo a mim mesmo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/02/2014

    A literatura poética está em alta, apesar de muitos professores não terem confiança para desenvolver um trabalho dinâmico, criativo e capaz de envolver as crianças neste mundo fantástico da literatura. Hoje a Literatura é realizada de forma distinta entre Literatura para adulto e Literatura para a criança. Existe um grande valor para a dita Literatura Infantil, que através de projetos e itinerários são capazes de contribuir eficazmente na construção de novos saberes.

    Por: Doralice da Silva Marianol Educação> Educação Infantill 24/10/2013 lAcessos: 56
    SANDRA VAZ DE LIMA

    O aluno muitas vezes vai para a escola desinteressado, tendo a escola como algo de sacrifício diante de tantas coisas "mais agradáveis" que a vida oferece. Para que a aprendizagem seja mais proveitosa e a música seja significativa e vital para o crescimento do aluno, é necessário que o professor seja consciente dos seus objetivos na escolha da música que irá trabalhar, tornando-a significativa para o aluno.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educação> Educação Infantill 15/02/2010 lAcessos: 2,210

    Resumo: Neste breve artigo fazemos uma tentativa de análise do poema "A Obra de Arte na Época de suas Técnicas de Reprodução", poema de Jayro Luna que tem título homônimo ao texto de Walter Benjamin e tem declarada relação de conteúdo com o escrito do teórico alemão, além de fazer referência ao poeta português Antero de Quental.

    Por: Ludimila Baptista Novaesl Literatura> Poesial 30/03/2014 lAcessos: 17
    Tatiana Santos

    Florbela Espanca, poetiza portuguesa, incorporou em si o sentimento melancólico da falta e do vazio estrutural. Ao longo de uma vida em que sofreu algo maior do que ela própria, experimentou a sombra do objecto de amor perdido. O resultado foi a sua morte por suicídio no dia em que faria 36 anos, à hora precisa em que nasceu. A melancolia está patente em toda a obra de Florbela Espanca. Mas será que Portugal também é um país profundamente melancólico e saudosista?

    Por: Tatiana Santosl Literatura> Poesial 26/11/2011 lAcessos: 294
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Sinais dos tempos. Tem coisas não compreensíveis. A esse mundo invisível. Sinais os quais deveriam ser ditos. Mas o mundo esconde. Uma profunda intuição entende. A claridade obscura do mundo. Chegará o momento que em os olhos. Não poderão perceber os significados.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 04/07/2013 lAcessos: 27
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Legitimidade de Nietzsche. Olho e vejo a distância do sol. Como lagrimas de hidrogênio. Erguidas aos juncais da apostasia. O que deveria ser dito matinalmente. O orvalho efêmero do espectro. Das manifestações paradigmáticas. Qual seria então o vosso segredo. Do gesto perdido a harpa da indefinição. Um poeta cismado ao perfil da inércia.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 08/06/2013 lAcessos: 15
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Posteriormente parou. No silêncio de uma ocasião. Era tão profunda a ligação. Desse pensamento. Que nem mesmo o olhar. Saberia do seu entendimento. Variáveis intermináveis.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 18/09/2013 lAcessos: 23

    A política brasileira além de ferver virou um inferno. Um inferno com muitos diabos que não têm medo da cruz. Deus, o nosso Pai morreu e Jesus não estão mais em seus corações. A caridade, a fraternidade e os bons princípios não foram sublimados, e sim exterminados juntamente com a ética. No coração do brasileiro só resta esperança, as forças já estão combalidas, vítimas de uma politicagem escarnecida. O encanto do Brasil antigo evaporou-se diante das aberrações e das corrupções eleitorais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 13/10/2014

    Pensei nas pessoas sofredoras e fui orando para as entidades protetoras. Vi no semblante de uma criança solitária, a fome que a consumia. Imantei o amor em prol de um pequeno ser. Vi no sol da primavera seus momentos bons e ruins, mas não almejamos sofrimentos, principalmente para os seres indefesos e inocentes. Como diria Cornélio Pires, sempre noto com reserva as dores que vêm do herdeiro; não sei se o choro é de mágoa ou de briga por dinheiro.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 03/10/2014

    Lágrimas são emoções materializadas que romperam bandeiras do corpo físico. Em realidade, representam os excessos de energia que necessitamos extravasar. Nem sempre são as mesmas fontes que determinam as lágrimas, pois variadas são as nascentes geradoras que as expelem através dos olhos. Em épocas de política o Brasil se transforma, e denotamos como são grandes os aparatos, que os candidatos fazem para chamar a atenção do eleitor. Festival de publicidades, bandeirolas são tremuladas pelo vento d

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 24/09/2014

    Não temos como negar a influência da literatura da Idade Média, na literatura do cancioneiro popular da atualidade. Mesmo escritores eruditos, como Guimarães Rosa, Ariano Suassuna e outros, buscam fontes para suas obras, na literatura antiga.O cancioneiro popular adapta suas canções, sem negar o conhecimentos adquirido, ainda nos tempos de Carlos Magno, que forneceu assunto vasto para a poesia popular.

    Por: lúcia nobrel Literatural 19/09/2014

    Através do ensino de literatura estaremos levando aos nossos alunos ao conhecimento do fenômeno literário em seus aspectos: histórico-estético-cultural, através do contato com os artistas da palavra. Sendo a obra literária reflexo de vida, exteriorização verbal de uma experiência humana, nós, professores, evidentemente faremos uso dela para orientar a educação integral dos nossos alunos.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    Na poesia, o elemento diferenciador – o verso e tudo que nele se implica -, não deve ser tomado como recurso exclusivo e caracterizado da poesia, pois ela exprime-se por metáforas, tomadas no sentido genérico de figuras de linguagem, isto é, significantes carregados de mais de um sentido, ou conotação. a prosa é genericamente entendida com aposta ao verso.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    A literatura é uma forma de conhecimento da realidade que se serve da ficção e tem como meio de expressão a linguagem artisticamente elaborada. Esta nossa definição apresenta, de uma forma sucinta, a natureza e a função da literatura, bem como sua diferenciação das ciências e das outras artes.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014
    Jeferson Lopes Ribeiro

    Uma introdução ao conto. Uma espécie de continuação de contos de filhos de deuses, como hércules filho de Zeus e Percy Jackson filho de Posseidon.

    Por: Jeferson Lopes Ribeirol Literatural 25/06/2014 lAcessos: 17
    Chico Arruda

    A literatura de Afonso Henriques Lima Barreto abordou a periferia do capitalismo permeando as relações de ordem social, intelectual e cultural. No tempo em que ser intelectual era fazer parte das "elites" sociais e ser um porta-voz da periferia ao viés, Lima Barreto se tornou um intelectual pós-moderno no tempo da República Velha.

    Por: Chico Arrudal Literatura> Crônicasl 11/10/2010 lAcessos: 264
    Chico Arruda

    Está presente em livros didáticos é uma realidade que o Cordel só conseguiu recentemente já que era considerado uma literatura popular, portanto considerada de menor importância no contexto cultural elitizado do Brasil que considera Literatura somente os clássicos e os consagrados seja pela midía ou por critícos, mas nunca os escritos consagrados pelo povo. O Cordel na sala de aula é uma oportunidade de alunos terem contato com a escrita popular, cultura de massa, costumes e crenças de um povo.

    Por: Chico Arrudal Educaçãol 29/09/2009 lAcessos: 11,461 lComentário: 6
    Chico Arruda

    Discutir formação docente no Brasil implica numa escola de qualidade, conteúdos e métodos abrangentes a todos os níveis socioculturais, como um professor imparcial e consciente do multiculturalismo escolar, essa é uma realidade que desejamos, entretanto o que vamos questionar é como essa formação é realizada, se a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) é atual com o contexto e com as Instituições de Ensino Superior.

    Por: Chico Arrudal Educaçãol 23/09/2009 lAcessos: 1,998
    Chico Arruda

    Como na produção de textos não desprezamos os aspectos sociais, também não podemos relacionar competência textual somente ao domínio da gramática normativa, pois não basta escrever de acordo com as normas, é preciso saber extrair sentidos, para quem e como vai escrever, qual gênero usar e que nível de linguagem trabalhar no texto.

    Por: Chico Arrudal Educaçãol 22/09/2009 lAcessos: 1,945
    Chico Arruda

    Tratar do multiculturalismo presente na sala de aula, de como professores e alunos podem usar essa ferramenta a favor do ensino.

    Por: Chico Arrudal Educaçãol 22/09/2009 lAcessos: 5,028
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast