Uma Abordagem Sobre As Obras E Os Poetas Da Escola Simbolista

Publicado em: 22/05/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 4,316 |

1.INTRODUÇÃO

     Os nomes de maior expressão no Simbolismo português são: Eugênio de Castro, Antônio Nobre e Camilo Pessanha. Esses poetas voltam-se à realidade subjetiva, às manifestações metafísicas e espirituais, abandonadas desde o Romantismo. Buscam a essência do ser humano, a alma; a oposição entre matéria e espírito, a purificação do espírito, a valorização do inconsciente e do subconsciente. Em suas obras encontram-se características e peculiaridades marcantes como: musicalidade, a mais importante de todas as artes. “A música antes de tudo”. Aliterações, assonâncias, onomatopéias, sinestesias. Linguagem vaga, imprecisa, sugestiva, não mostrava as coisas, apenas as sugeria. Negação do materialismo e do cientificismo realista. Retorno à mentalidade mística, comunhão com o cosmo, astros. Personificação, maiúsculas alegorizantes. Mergulho no Eu profundo, nefelibatismo – habitantes das nuvens. Todas essas particularidades e aspectos retratados nas poesias de Eugênio de Castro, Antônio Nobre e Camilo Pessanha consagram-lhes como os maiores poetas da geração simbolista.

2. AS PECULIARIDADES NAS OBRAS DOS POETAS SIMBOLISTAS

      As obras dos poetas simbolistas caracterizam-se por terem linguagem vaga, fluida, que prefere sugerir a nomear. Ornada, colorida, exótica, bem rebuscada e cheia de detalhes; as palavras são escolhidas pela sua sonoridade, num ritmo colorido, buscando a sugestão e não a narração. Utilização de substantivos abstratos, efêmeros, vagos e imprecisos; presença abundante de metáforas, comparações, aliterações, assonâncias, onomatopéias, sinestesias; subjetivismo e teorias que se voltam ao mundo interior. Antimaterialismo, anti-racionalismo em oposição ao positivismo; misticismo, religiosidade, valorização do espiritual para se chegar à paz interior.O pessimismo, dor de existir; desejo de transcendência, de integração cósmica, deixando a matéria e libertando o espírito. Interesse pelo noturno, pelo mistério e pela morte, assim como momentos de transição como o amanhecer e o crepúsculo; interesse pela exploração das zonas desconhecidas da mente humana (o inconsciente e o subconsciente) e pela loucura.

     Em Eugênio de Castro (1869-1944), a sua obra pode ser dividida em duas fases: simbolista e neoclássica. A simbolista corresponde aos poemas escritos já no século XX.

     Em suas produções literárias, o poeta ora segue as tendências do Barroco (pessimismo, culto à solidão, preocupação com a morte), ora segue as tendências do Parnasianismo (culto à frieza, descritividade), ora segue o neoclassicismo (temas da história greco-romana). Portanto, o poeta faz misturas de várias estéticas em suas produções. Entretanto, pode ser intitulado como poeta simbolista, pois, utiliza-se dos recursos formais, pertencentes a esta escola literária.

     As poesias de Eugênio de Castro são carregadas de novas rimas, novas métricas, aliterações, versos alexandrinos, vocabulário mais rico; ele expõe no prefácio – manifesto de Oaristos. Predominância do neoclassicismo, temas voltados à antiguidade clássica e ao passado português (profundamente saudosista). Poesia repleta de esteta voluptuosa de forma, cor, som e movimento. Também, a presença do vago, do onírico, da musicalidade; lirismo, pessimismo e espiritualismo sentimental. Figuras de linguagem como; aliterações, assonâncias, sinestesia e outras; linguagem dotada de recursos expressivos, que são características do poeta.

     Todas essas peculiaridades nas poesias de Eugênio de Castro tornaram-no um dos poetas mais expressivo da geração simbolista.

      Antônio Nobre (1867-1900). A poesia foi a sua grande paixão e nela se retratou e imprimiu sensações, cenas bucólicas, motivos de simplicidade popular, dores, martírios, idéias, novas rimas: um aglomerado de coisas novas que a sua sensibilidade soube burilar. À sua morte deixou-nos como legado, dois magníficos volumes em verso: "Só" e "Despedida".

     Os seus versos podem considerar-se do melhor que na nossa língua se escreveu e neles transluz o pressentimento melancólico e cruel da morte. Foi original em quase tudo o que produziu: nas imagens que empregou, na forma, nos pensamentos, nos ritmos novos, e incutiu nos seus versos uma sonoridade desconhecida, um vigor de expressão rara e imagens perfeitamente originais.

      O que escreveu é de uma singeleza adorável e é apontado como o poeta da saudade e da tristeza.

      Antônio nobre possuía um temperamento contemplativo e pessimista, e a sua obra integra-se na corrente decadentista-simbolista. Sua produção maior; “Só”, editada em 1892, mágoa, dor e saudade, esse sentimento tão português, está tudo nesses sonetos.

      A princípio, sua poesia mostra uma certa influência de Almeida Garret e de Júlio Dinis, porém, em uma segunda fase fica clara a influência do Simbolismo Francês.

      Antônio Nobre é um lírico cuja obra, por seus temas e por seus valores estéticos, harmoniosamente se entrosa no lirismo tradicional da literatura portuguesa. Dentro da mais recuada tendência estética da língua portuguesa situa-se essa preferência prosódica a que o poeta, como genuíno escritor, dos mais profundos sentimentos de sua raça, não se poderia esquivar.

      O regresso a um passado feliz, que transfigura a realidade, poetizando-a e aproximando-a da intimidade do poeta, foi acompanhado de alguma ironia amarga perante o que achava ser a agonia de Portugal e a sua própria, num sentimentalismo aparentemente simples que reflete uma dimensão mítica, por vezes um certo visionarismo, da sua vivência da saudade, do exílio, da pátria e da poesia, temas recorrentes da sua obra.

      O alternatismo do ‘A” e do “I’ das velhas cantigas paralelísticas estende-se por toda a sua produção literária, no ‘só” e ao longo da “Despedida”. Marcantes, ainda, na sua obra são o seu pessimismo e a obsessão da morte (como em Balada do Caixão, Ca(ro) Da(ta) Ver(mibus), Males de Anto ou Meses depois, num cemitério), o fatalismo com a sua predestinação para a infelicidade (como em Memória, Lusitânia No Bairro Latino ou D. Enguiço) e o apreço pela paisagem e pelos tipos pitorescos portugueses (como na segunda e terceira partes de António, Viagens na Minha Terra ou no soneto Poveirinhos! Meus velhos pescadores).

      António Nobre, recusando a elaboração convencional, oratória e elevada da linguagem, libertou-a, procurando um tom de coloquialidade, sensível mais que reflexivo, cheio de ritmos livres e musicais, afetivo, oral, precursor de muitos aspectos da modernidade e acompanhado de uma imagística rica e original. O seu único livro publicado em vida, “Só” (1892), que é o livro mais triste que há em Portugal, segundo palavras do próprio autor, foi um dos grandes marcos da poesia do século XIX. Na reedição de 1898, Nobre dividiu o livro em secções, construindo o percurso de vida de uma personagem. “Memória” abre a obra, marcando, desde o início, a ascendência mítica dessa personagem que, fadada para ser um “Príncipe” e um poeta, simbolicamente fica órfão e erra em busca da sua identidade – individual, de “Anto”, e coletiva, já que o eu simboliza Portugal e os portugueses na crise do fim do século.

      Os fatos marcantes e as peculiaridades encontradas na obra de Antônio Nobre conceberam-lhe o título de grande poeta da escola simbolista.

      Já, Camilo Pessanha (1867-1926) é considerado o mais simbolista dos poetas da época. Autor considerado de difícil leitura, pois trabalha bem a linguagem. No seu livro predomina o estranhamento entre o eu e o corpo; o eu e a existência e o mundo. Os seus poemas são repletos de musicalidade, sugestivos, simbólicos; o culto da dor, sentido abstrato, vago e difuso. Carregados de sentimentos, que constitui o pilar de sua poesia. Em sua obra, Clepsidra, por exemplo, o poeta distancia-se de uma situação concreta e pessoal, sua poesia é pura abstração.

      O desacordo, a ambigüidade, a oposição são constantes ao longo da Clepsydra, que tem quatro grandes temas: a Dor, a Solidão, a Morte, a Transitoriedade e a Fuga para o Nada. A par destes temas, característicos do Simbolismo, encontram-se inúmeras imagens, das quais salientam-se: a) imagens visuais que sugerem cor (vejam-se, por exemplo, os poemas: Branco e Vermelho; Final; Tatuagens complicadas do meu peito; À flor da vaga, o seu cabelo verde); b) imagens auditivas, a lembrar sons, melodias (poemas: Viola Chinesa; Ao longe os Barcos de Flores; Chorai, arcadas). A estas últimas correspondem algumas das linhas de força da poética de Pessanha:

- “a identificação (já verlainiana) entre poesia e música”;

- “a eurritmia e a valorização fono-simbólica do texto poético (em que o som alude, com o seu poder evocativo, a uma realidade externa não conhecida racionalmente)” (7).

3. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Sem dúvida que, todas as obras aqui citadas e referenciadas são de grande importância e relevância para o período simbolista. Mas, a Clepsydra é, pois, um marco do Simbolismo português. Reúne poemas compostos por Pessanha ao longo de vários anos, que o consagrou como o poeta mais autêntico da escola simbolista em Portugal.

 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MOISÉS, Massaud. A Literatura Portuguesa. 31. ed. São Paulo: Cultrix, 1997. GOLDSTEIN, Norma. Versos, Sons, Ritmos. 13. ed. São Paulo: Ática, 2004. MOISES, Massaud. Dicionário de termos literários. 4. ed. São Paulo: Cultrix, 1985.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/literatura-artigos/uma-abordagem-sobre-as-obras-e-os-poetas-da-escola-simbolista-931736.html

    Palavras-chave do artigo:

    palavras chave literatura

    ,

    escola simbolista

    ,

    poetas simbolistas

    Comentar sobre o artigo

    O presente texto pretende traçar um breve comentário a respeito da ressonância positiva da importante obra literária do escritor português contemporâneo Saramago que coloca a Literatura de Língua Portuguesa em destaque no cenário internacional da Literatura universal. Em segundo plano, o texto versa a respeito da necessidade de se pesquisar, ler e estudar novas figuras da literatura brasileira que podem vir a ser importantes ícones da literatura brasileira contemporânea.

    Por: Marco Antonio Frozi Filhol Literatural 05/08/2010 lAcessos: 448

    A política brasileira além de ferver virou um inferno. Um inferno com muitos diabos que não têm medo da cruz. Deus, o nosso Pai morreu e Jesus não estão mais em seus corações. A caridade, a fraternidade e os bons princípios não foram sublimados, e sim exterminados juntamente com a ética. No coração do brasileiro só resta esperança, as forças já estão combalidas, vítimas de uma politicagem escarnecida. O encanto do Brasil antigo evaporou-se diante das aberrações e das corrupções eleitorais.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 13/10/2014

    Pensei nas pessoas sofredoras e fui orando para as entidades protetoras. Vi no semblante de uma criança solitária, a fome que a consumia. Imantei o amor em prol de um pequeno ser. Vi no sol da primavera seus momentos bons e ruins, mas não almejamos sofrimentos, principalmente para os seres indefesos e inocentes. Como diria Cornélio Pires, sempre noto com reserva as dores que vêm do herdeiro; não sei se o choro é de mágoa ou de briga por dinheiro.

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 03/10/2014

    Lágrimas são emoções materializadas que romperam bandeiras do corpo físico. Em realidade, representam os excessos de energia que necessitamos extravasar. Nem sempre são as mesmas fontes que determinam as lágrimas, pois variadas são as nascentes geradoras que as expelem através dos olhos. Em épocas de política o Brasil se transforma, e denotamos como são grandes os aparatos, que os candidatos fazem para chamar a atenção do eleitor. Festival de publicidades, bandeirolas são tremuladas pelo vento d

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatural 24/09/2014

    Não temos como negar a influência da literatura da Idade Média, na literatura do cancioneiro popular da atualidade. Mesmo escritores eruditos, como Guimarães Rosa, Ariano Suassuna e outros, buscam fontes para suas obras, na literatura antiga.O cancioneiro popular adapta suas canções, sem negar o conhecimentos adquirido, ainda nos tempos de Carlos Magno, que forneceu assunto vasto para a poesia popular.

    Por: lúcia nobrel Literatural 19/09/2014

    Através do ensino de literatura estaremos levando aos nossos alunos ao conhecimento do fenômeno literário em seus aspectos: histórico-estético-cultural, através do contato com os artistas da palavra. Sendo a obra literária reflexo de vida, exteriorização verbal de uma experiência humana, nós, professores, evidentemente faremos uso dela para orientar a educação integral dos nossos alunos.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    Na poesia, o elemento diferenciador – o verso e tudo que nele se implica -, não deve ser tomado como recurso exclusivo e caracterizado da poesia, pois ela exprime-se por metáforas, tomadas no sentido genérico de figuras de linguagem, isto é, significantes carregados de mais de um sentido, ou conotação. a prosa é genericamente entendida com aposta ao verso.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014

    A literatura é uma forma de conhecimento da realidade que se serve da ficção e tem como meio de expressão a linguagem artisticamente elaborada. Esta nossa definição apresenta, de uma forma sucinta, a natureza e a função da literatura, bem como sua diferenciação das ciências e das outras artes.

    Por: Sandra da Silva Cavalaro Zagol Literatural 29/07/2014
    Jeferson Lopes Ribeiro

    Uma introdução ao conto. Uma espécie de continuação de contos de filhos de deuses, como hércules filho de Zeus e Percy Jackson filho de Posseidon.

    Por: Jeferson Lopes Ribeirol Literatural 25/06/2014 lAcessos: 17
    Ademar dos Santos Lima

    A obra "Odisseia Amazônica" narra sobre os grandes feitos dos deuses e heróis na Amazônia pré-colonial. Por isso, todas as personagens têm nomes indígenas. A história tem início no altiplano, Cordilheira dos Andes, mais precisamente na montanha Nevado Mismi, onde nasce o grande Rio Amazonas.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatura> Ficçãol 24/10/2010 lAcessos: 174
    Ademar dos Santos Lima

    Huck Finn é um adolescente de apenas treze anos, um garoto destemido e determinado, que resolve partir para novas descobertas da vida e assim, ele foge de casa e embarca numa aventura pelo rio Mississipi, juntamente com seu amigo Jim. Eles enfrentam perigos e adversidades no decorrer da viagem, mas no final, eles vencem os desafios com companheirismo e lealdade um ao outro.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatura> Ficçãol 25/07/2010 lAcessos: 575
    Ademar dos Santos Lima

    Este artigo faz uma breve abordagem sobre os filmes A megera domada e 10 coisas que eu odeio em você. Assunto este que faz parte da disciplina de Cultura de Expressão Inglesa.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatura> Ficçãol 25/07/2010 lAcessos: 2,932
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo analisa as implicações no processo de aprendizagem entre professor-aluno, a partir de observações das teorias da psicologia da aprendizagem. Assunto este que serviu de base para uma abordagem mais detalhada sobre o estudo e construção deste trabalho, o qual se espera que seja de utilidade para possíveis pesquisas futuras.

    Por: Ademar dos Santos Limal Psicologia&Auto-Ajudal 29/05/2009 lAcessos: 1,866
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este trabalho apresenta comentários sobre a obra de Alfredo Bosi, que tem por título: História Concisa da Literatura Brasileira. Analisa, em especial,o pitulo "Pressupostos Históricos", o qual destaca o reflexo de um momento histórico para a corrente literária da época.

    Por: Ademar dos Santos Limal Literatural 29/05/2009 lAcessos: 19,257 lComentário: 7
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo analisa o termo competência e seu significado no contexto do trabalho e das políticas educacionais. Assunto que será pesquisado no decorrer deste trabalho, com o objetivo de reforçar o grau de conhecimento sobre a palavra competência.

    Por: Ademar dos Santos Limal Educaçãol 29/05/2009 lAcessos: 1,354
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Este artigo faz uma abordagem sobre a prática da leitura no processo de ensino-aprendizagem no Brasil, que tem recebido recentemente uma crescente atenção por parte de grupos de investigadores das diferentes áreas do conhecimento, principalmente no campo da Pedagogia. Também há preocupações de várias instituições, quer pública, quer privada, com responsabilidades no plano da educação, que vem analisando através de pesquisas o desempenho de alunos na competência da leitura no pais. Assunto este que será o subsídio para o que se pretende expor detalhadamente neste trabalho.

    Por: Ademar dos Santos Limal Educaçãol 25/05/2009 lAcessos: 10,211
    Ademar dos Santos Lima

    RESUMO: Atualmente, quando se dialoga com professores sobre questões didático-metodológicas, percebe-se claramente que quase todos eles se consideram “construtivistas”. No entanto, ao presenciarem-se algumas atividades e exercícios executados pelos alunos em sala de aula fica visível a grande confusão que reina no entendimento do que seja uma postura construtivista pelos docentes. Na verdade, ainda pode ser encontrada uma postura para a qual SAVIANI (1984) já alertava, ou seja, na cabeça o professor é escolanovista na prática, porém permanece tradicional. Esta contraposição entre o ser (o que pensa ser) e o fazer (o que faz) será o eixo para o que pretendemos expor mais detalhadamente e que é fruto de uma pesquisa realizada em escolas de Manaus no ano de 2005, sem, no entanto, ter a preocupação de encerrar o assunto.

    Por: Ademar dos Santos Limal Educaçãol 21/05/2009 lAcessos: 10,405
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast