Comunicação Visual

16/04/2009 • Por • 5,854 Acessos

A Importância da Comunicação Visual em Eventos

Começamos falar em Estrutura Visual. O que podemos analisar é que se falando em estrutura visual engloba muita coisa.

Analisando do ponto de vista de um Publicitário, que trabalha em uma agência com suas normas e regras. É claro que se for trabalhar com um produto ou serviço irá pensar só da forma dele. Quais as ferramentas vai ter que utilizar, o que seu cliente pretende para com aquele anúncio, etc. O Publicitário até chega planejar algo para que aquele anúncio saia como ele queira (e que muitas vezes pode ser mudado por completo), mas sua execução de trabalho é rápida. Não como o caso do profissional de Relações Públicas, que têm uma tarefa muito diferente da que o publicitário têm.

Podemos ver muito breve, o que sempre faz os publicitários numa criação qualquer de produto/serviço. Para ele, as primeiras coisas a se fazer numa estrutura visual é: dar um nome a esse produto/serviço que é o principal para poder identificá-lo ( o que chamamos de, Marca), depois é necessário que se faça um símbolo, um signo para a fixação dessa marca (o símbolo significa o Logotipo) e logo após um lema, expressando uma qualidade ou uma vantagem do que está trabalhando (que é o chamado Slogan). Com base no livro Propaganda, Teoria, Técnica e Prática de Armando Sant'Anna..

Por isso é que quis chegar até este ponto. Para mostrar a todos como é importante unir trabalhos e que ao mesmo tempo dá prazer em fazê-los. É o caso de quem trabalha com Publicidade e Propaganda e quem trabalha com Relações Públicas.

Quando estruturei o título para este meu trabalho, logo pensei como seria gostoso unir duas coisas que me atraem ao "ver juntas".

Comunicação Visual, de um lado uma parceria me ajudando tanto na escolha de logomarca como para escolher tipos de mídias. E de outro, Eventos, um tópico que acho muito interessante, tanto em sua organização como na sua estrutura.

Daí então, Comunicação Visual em Eventos, uma combinação perfeita para quem gosta de computador, cores, contrastes, a forma, o tom, diferentes interpretações e claro sem esquecer, gostar de principalmente organizações de eventos.

Primeiramente é preciso entender que trabalhar com um evento ou campanha é preciso juntar uma profissão na outra, ou seja, relacionar Publicidade e Propaganda com Relações Públicas.

Começarei desenvolvendo o papel de um RP nesse tipo de trabalho.

Para a elaboração de eventos são muito importante as atividades principais de RP, que são: assessoria e consultoria; planejamento; execução e avaliação. Com base no livro Organização de Eventos de Cleuza Gimenes.

Em se falar de Eventos em geral, não podemos esquecer que ele nos remete  a um fato despertando muito a atenção de consumidores (sejam eles de onde for ).

Os Eventos podem ser classificados em: Institucionais ou Comerciais (promocionais).

Com base no livro Oraganização de Eventos de Cleuza Gimenes.

Depois de sabermos qual tipo de evento ou campanha que iremos trabalhar, seja promocional ou institucional, ficará mais fácil de se elaborar sua imagem visual.

Ao se elaborar qualquer tipo de campanha e iniciar seu planejamento é preciso acima de tudo saber quem é seu público-alvo, pois é depois de um grande estudo de pesquisa que sabemos qual tema utilizar e também quais peças publicitárias ou mídia deveremos melhor usufruir para que a mensagem seja bem aceita em qualquer espaço.

Nada mais suscinto, estrategicamente que para um bom trabalho, uma boa campanha a ser realizada sugerir a utilização dos melhores instrumentos de comunicação, investindo também na qualidade, na quantidade, na intensidade, na rapidez, etc.

Eis aqui, a classificação de alguns desses instrumentos midiáticos:

A) Veículos Visuais - Estes podem ser lidos ou vistos.

-          Imprensa: jornais, revistas e periódicos especializados.

-          Outdoor: cartazes, painéis e luminosos.

-          Publicidade direta: prospectos, folhetos, cartas, catálogos...

-          Exibições: displays, vitrinas e exposições.

B) Veículos auditivos - Estes para serem ouvidos.

-          Rádio e alto-falantes

C) Veículos Audiovisuais - Estes para serem ouvidos e vistos.

-          Televisão, Cinema e audiovisual (slides ou vt).

D) Veículos Funcionais - Estes para desempenhar uma dada função.

-          Amostras, Brindes e Concursos

Com base no livro Propaganda, Teoria, Técnica e Prática de Armando Sant'Anna.

Há ainda outros tipos de instrumentos que podemos utilizar para uma melhor identificação de nossa campanha. Tais como: Comunicação Eletrônica (intranet e e-mail), Manuais, os Folhetos Institucionais, Sociais, de Integração, de Produtos e Serviços, de Apoio ao Marketing e Promocionais; Relatórios Anuais, Newsletters, Volantes, malas-diretas; que são muito eficientes.

Além de tudo isso também temos o estudo de cores, bom design, contrastes, estas que hoje em dia são muito importantes para uma boa visualização da imagem a ser transmitida. Com base no livro Psicodinâmica das Cores de Modesto Farina.

As cores, por exemplo, têm significados em estudo de comunicação nos trazendo associações para com cada uma delas. Mas importante lembrar que isto varia de cultura para cultura e também com a relação de experiência que cada pessoa têm com cada cor.

Branco, por exemplo: Desejo de perfeição, de conhecimento integral, moral, pureza, integridade, castidade. Em decoração produz contraste, dá maior luminosidade aos ambientes.

Preto: Mistério, desejos secretos, protesto, sombra, obscuridade, conflitos, mudanças de estado. Em decoração ambiental ocasiona contrastes e realça cores quentes. Propicia elegância em quantidade equilibrada.

Cinza: Estado de alma duvidoso e neutro, medo, desânimo, negação da realidade, repressão das necessidades afetivas, convenções, formalidade, boa organização, persistência, precaução, compromisso, busca de equilíbrio, dedicação ao trabalho. Em decoração deve ser usado como detalhe para realçar outras cores. Em roupas demonstra a necessidade de formalidade, impessoalidade e formalismo.

Marrom: Necessidade de conforto, de segurança, de concentração e aquisição de conhecimento, trabalho cotidiano monótono, realismo, materialismo e desejo de dominar.

Vermelho: Extroversão, impulsividade, vigorosidade, vitalidade, natureza ativa, paixão, excitação, vontade, coragem, heroísmo, agressividade, gosto pelo perigo e pelo poder, ambição e materialismo. Em cromoterapia é indicado contra depressão, estimula os nervos e a circulação sanguínea.

Laranja: Excitação, alegria, divertimento, gosto pela vida social intensa, saúde, materialismo, vida mundana, egoísmo, orgulho, obstinação, vitalidade física, atividade intelectual, ambição, pensamento, ação, entusiasmo, juventude. Em cromoterapia é indicado para fortalecer o sistema respiratório, o aparelho digestivo e o tônus sexual. Em roupas, melhora o astral.

Amarelo: Intelectualidade , criatividade, uso da mente, sabedoria, expansividade, alegria, felicidade e auto-satisfação. Em decoração possui ótima influência psicológica, propiciando luminosidade, relaxamento e alegria nos ambientes. Em cromoterapia é indicado para o sistema nervoso. Em roupas é indicado para estimular o cérebro e ativar a memória.

Azul: Sociabilidade, confiabilidade, integridade, bondade, constância, calma, compaixão, serenidade, sobriedade, idealismo, dignidade, honestidade, afetividade, sentimentalismo, cautela. Em decoração propicia paz, relaxamento, descanso, repouso e harmonia. Em cromoterapia é indicado para acalmar o sistema nervoso. Favorece a meditação.

Verde: Espírito comunitário, franqueza, discrição, modéstia, paciência, adaptabilidade, versatilidade, equilíbrio, diplomacia, simpatia, frieza, desinteresse. Em decoração propicia relaxamento e reduz a tensão. Em cromoterapia contribui contra perturbações emocionais.

Rosa: Timidez, doçura, romance, gentileza, bondade. Representa a necessidade de afeto e de segurança. Indica período de regeneração.

Violeta: Busca de valores espirituais, mente livre de preconceitos, espiritualidade, saudade, dignidade, suntuosidade. Em cromoterapia acalma o coração e fortalece defesas. Diminui angústias e medos.

Verde azulado: Cor do ego. Reflete sofisticação, narcisismo, meticulosidade, necessidade de auto-afirmação, de equilíbrio e de afeição. Materialismo.

Não existe uma norma para determinar a utilização da cor, porém os conceitos sensitivos transmitidos em relação a alegria, tristeza, seriedade, agitação, movimento etc. produzem uma reação que deve ser perseguida quando elaboramos um projeto qualquer.

Cores quentes: vermelho, amarelo e laranja. Estimulam, agitam, aumentam a circulação sangüínea.

Cores frias: verde, azul e violeta. Acalmam, esfriam, tranqüilizam.

Outro fator muito importante também é a questão do desenho da imagem, se está bem enquadrado no contexto do tema a ser transmitido junto a ele. Uma coisa que acho até engraçado, e as vezes me pergunto, se as pessoas que olham essas inúmeras mensagens que nos circulam diariamente, entendem o que está sendo decifrado, pois no dia-a-dia vemos inúmeras linguagens visuais. Será que estamos já acostumados com essas mensagens ou precisamos saber de algo mais?

Com base no livro Propaganda, Teoria, Técnica e Prática de Armando Sant'Anna..

Por isso resolvi pesquisar mais sobre o assunto, e vi que têm outros aspectos sim que se englobam neste árduo trabalho.

Daí concluí como é importante a Comunicação Visual em qualquer parte de um evento ou campanha. Pois é a partir de cada cor, traço, ponto e signos que deciframos o que cada mensagem quer nos transmitir. Observando alguns princípios básicos da comunicação visual como por exemplo, o ponto, a linha, a forma, a direção, o tom, a cor, a textura, a dimensão, a escala e o movimento (que não vou citar todos, pois o texto se tornará muito longo). Com base no livro Direção de Arte em Propaganda de Cesar Newton.

Dando a isso, uma perfeita e bela apresentação de um Evento com uma excelente Comunicação Visual imbutida.

Perfil do Autor

Juliana de Ávila Ulguim

Graduada em Comunicação Social hebilitação em Publicidade e Propaganda e concluinte de Especialização de MBA em Recursos Humanos.