Literatura Infantil E Educação

Publicado em: 15/02/2010 |Comentário: 3 | Acessos: 5,127 |

Dentro do contexto da literatura infantil, a função pedagógica implica a ação educativa do livro sobre a criança. De um lado, relação comunicativa leitor-obra, tendo por intermédio o pedagógico, que dirige e orienta o uso da informação; de outro, a cadeia de mediadores que interceptam a relação livro-criança: família, escola, biblioteca e o próprio mercado editorial, agentes controladores de usos que dificultam à criança a decisão e a escolha do que e como ler. (OLIVEIRA, 1998, p. 13)

As literaturas Infantis nesse universo escolar, têm como finalidade reforçar esses conhecimentos adquiridos anteriormente, e dar novos conhecimentos à criança. Essa literatura é transmitida oralmente à criança através das histórias, e têm como objetivo conduzir a criança na arte da boa leitura, na compreensão daquilo que lê, da pronúncia e articulação, no enriquecimento do vocabulário e dar maior conhecimento à língua vernácula, facilitando com isso os meios de expressão falada e escrita, também proporcionar um crescimento cultural, despertar valores, éticos, morais e espirituais na criança.

Segundo Abramovich (1994, p. 17),

Ler histórias para crianças, sempre, sempre... É poder sorrir, rir, gargalhar com as situações vividas pelas personagens, com a idéia do conto ou com o jeito de escrever dum autor e, então, poder ser um pouco cúmplice desse momento de humor, de brincadeira, de divertimento...                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              

A autora ainda destaca que, é ouvindo histórias que se pode sentir (também) emoções importantes, como a tristeza, a raiva, a irritação, o bem-estar, o medo, a alegria, o pavor, a insegurança, a tranqüilidade, e tantas outras mais, e viver profundamente tudo o que as narrativas provocam em quem as ouve.

Paulo Freire (1996, p.28) declara que, “A leitura de mundo precede a leitura da palavra e a leitura desta implica a comunidade da leitura daquela”

A leitura nos dá condições para entendermos o mundo, ela nos decifra aquilo que está escrito, nos comunica ou informa sobre algo, e a leitura juntamente com as literaturas, ambas dão ao homem autonomia, pois amplia a visão holística do ser humano, dando-lhe o ato da reflexão, da análise, proporcionando-lhe um raciocínio mais claro e lógico, e na Educação Infantil melhora o desenvolvimento cognitivo da criança, que por sua vez torna-se capaz de opinar e decidir com segurança seus objetivos.

Abramovich (1994, p. 17) destaca que é através duma história que se podem descobrir outros lugares, outros tempos, outros jeitos de agir e de ser, outra ética, outra ótica.

É ficar sabendo História, Geografia, Filosofia, Política, Sociologia, sem precisar saber o nome disso tudo e muito menos achar que tem cara de aula... Porque, se tiver, deixa de ser literatura, deixa de ser prazer e passa a ser Didática, que é outro departamento (não tão preocupado em abrir as portas da compreensão do mundo. (ABRAMOVICH, 1994, p. 17)

Segundo Cunha (1988, p. 42) definido que a literatura deve ser “aprendida” pelo aluno, um silêncio total preenche o tempo entre a apresentação do título da obra a ser lida e a prova que comprove sua leitura.

Ensinar o “ato” de ler, por meio da Literatura Infantil, não é simplesmente ensinar a criança a ler o mundo, mas sim um “ato” de amor, uma vez que, “Literatura é arte. Foi a maneira mais bonita que a palavra encontrou para expressar-se verbalmente bela”.

Para Abramovich (1994, p. 23) o ouvir histórias pode estimular o desenhar, o musicar, o sair, o ficar, o pensar, o teatrar, o imaginar, o brincar, o ver o livro, o escrever, o querer ouvir de novo.

A literatura mexe com a imaginação, pensamento e ajuda na formulação de idéias, visto que, um homem evoluído tem mente evoluída, e esta é a tarefa principal da Literatura Infantil, formar cidadãos conscientes de seus direitos e deveres nesta sociedade.

Desta forma, cabe ao professor, rever a literatura utilizada na sua escola, afastando da sua prática a literatura de cunho pedagógico, pois ela tem a finalidade de ensinar mediante normas contidas em suas histórias, tendo sempre um final moralizante.

Essas histórias fazem o aluno perceber que devemos trabalhar, ficar contentes com o que possuímos, ajudar, ser bonzinhos..., contribuindo para formar crianças passivas, seguidoras de modelos e de normas, uma formação inadequada para nossa época.

Mas, “não basta colocar a criança em contato com o livro, na escola, para se conseguir formar um leitor. É preciso atentar para alguns detalhes extremamente importantes...”(COELHO, 2000, p. 27)

Então, se faz necessário, que o professor introduza na sua prática pedagógica a literatura de cunho formativo, que contribui para o crescimento e a identificação pessoal da criança, propiciando ao aluno, a percepção de diferentes resoluções de problemas, despertando a criatividade, a autonomia, a criticidade, que são elementos necessários na formação da criança de nossa sociedade atual.

Ouvir histórias é viver um momento de gostosura, de prazer, de divertimento dos melhores... è encantamento, maravilhamento, sedução... O livro da criança que ainda não lê é a história contada. E ela é (ou pode ser) ampliadora de referenciais, poetura colocada, inquietude provocada, emoção deflagrada, suspense a ser resolvido, torcida desenfreada, saudades sentidas, lembranças ressuscitadas, caminhos novos apontados, sorriso gargalhado, belezuras desfrutadas e as mil maravilhas mais que uma boa história provoca... (ABRAMOVICH, 1994, p. 24)

É necessário que o professor faça a seleção de livros de literatura que tenham boa estética, texto apropriado, uma ilustração motivadora, etc. É através da literatura infantil  que se pode fornecer condições da criança ter “conhecimento do mundo e do ser” por intermédio da realidade criada pela fantasia do escritor.

Como diz Louis Paswels (apud Abramovich , 1994, p. 24) quando uma criança escuta, a história que se lhe conta penetra nela simplesmente, como história. Mas existe uma orelha detrás da orelha que conserva a significação do conto e o revela muito mais tarde.

O ato de ouvir uma história não fica somente na audição das palavras, mas é fixado na mente da criança, fazendo com que ela possa interpretar o mundo social onde está inserida, transformando-se num sujeito ativo e participativo.

Segundo Abramovich (1994, p. 98) querer saber de todo o processo que acontece, do nascimento até a morte, faz parte da curiosidade natural da criança, pois se trata da vida em geral e da sua própria em particular...

Saber sobre seu corpo, sua sexualidade, seus problemas de crescimento, sua relação (fácil ou dificultosa) com os outros faz parte do se perguntar sobre si mesma e do precisar encontrar respostas... Querer discutir relações familiares fáceis/ difíceis/ conflituadas/ dispersivas/ gregárias/ simpationas etc., e até a nova estruturação das famílias – nestas décadas onde há tantos casamentos desfeitos e refeitos – faz partes do repertório indagativo e questionar de toda pessoa. (Abramovich, 1994 , p. 98)

Para a autora (p. 99) qualquer assunto pode ser importante, e isso não depende apenas da curiosidade da criança. Depende também do desenvolvimento do mundo, das contradições que a criança vive e encontra à frente.

A autora (p.120) ainda destaca:

Os contos de fadas mantêm uma estrutura fixa. Partem de um problema vinculado á realidade (como estado de penúria, carência afetiva, conflito entre mãe e filho), que desequilibra a tranqüilidade inicial. O desenvolvimento é uma busca de soluções, no plano de fantasia, com a introdução de elementos mágicos (fadas, bruxas, anões, duendes, gigantes, etc). A restauração da ordem acontece no desfecho da narrativa, quando há uma volta ao real. Valendo-se desta estrutura, os autores, de um lado, demonstram que aceitam o potencial imaginativo infantil e, de outro, transmitem à criança a idéia de que ela não pode viver indefinidamente no mundo da fantasia, sendo necessário assumir o real, no momento certo. (AGUIAR apud ABRAMOVICH, 1994, p. 120)

Os contos de fadas se envolvem num mundo maravilhoso, num universo que detona a fantasia, pois parte duma situação real, lidando com emoções que as crianças vivem em seu cotidiano.

Nos contos de fadas os personagens têm que procurar uma resposta para resolver o conflito que está envolvido, com isso a criança se coloca no lugar dos personagens, vive emoções e tenta resolver os conflitos existentes dentro de si.

Segundo Abramovich (1994, p. 121) os contos de fadas são tão ricos que têm sido fonte de estudo para psicanalistas, sociólogos, antropólogos, psicólogos, cada qual dando sua interpretação e se aprofundando no seu eixo de interesse.

A autora (p.122-123) destaca os autores mais famosos:

Perrault, um erudito e acadêmico francês, é autor de vários livros para adultos, tornando-se célebre e imortal por seu único volume de contos para crianças. São histórias recolhidas junto ao povo, respeitando o que tivessem de cruel, de moral própria e de poético.

Os irmãos Grimm, Jacob e Wilhelm, foram estudiosos, pesquisadores, que em 1800 viajaram por toda a Alemanha conversando com o povo, levantando suas lendas e sua linguagem e recolhendo um farto material oral que transcreviam á noite... Não pretendiam escrever para crianças, tanto que seu primeiro livro não se destinava a elas... Só em 1815 Wilhelm mostrou alguma preocupação de estilo, usando seu material fantástico de forma sensível e conservando a ingenuidade popular; a fantasia e o poético ao escrevê-lo.

Andersen é filho do povo, e seus contos brotam de sua própria infância. (ABRAMOVICH, 1994, p. 122-123)

 

Esses autores são muito importantes para a Literatura Infantil e são utilizados em sala de aula, com o intuito de promover o pleno desenvolvimento dos alunos.

Para Abramovich (1994, p. 143) ao ler uma história a criança também desenvolve todo um potencial crítico. A partir daí ela pode pensar, duvidar, se perguntar, questionar...

Pode se sentir inquietada, cutucada, querendo saber mais e melhor ou percebendo que se pode mudar de opinião... E isso não sendo feito um vez ao ano... mas fazendo parte da rotina escolar, sendo sistematizado, sempre presente – o que não significa trabalhar em cima dum esquema rígido e apenas repetitivo. (ABRAMOVICH, 1994, p. 143)

A literatura infantil desenvolve não só a imaginação das crianças, como também permite que elas se coloquem como personagens das histórias, das fábulas e dos contos de fada, além de facilitar a expressão de idéias.

Sendo assim, para que se consiga sucesso nesse sentido, pode-se           inventar e improvisar situações gostosas e significativas como trabalhos em grupos, debates, leitura crítica de jornais, dramatização de histórias, etc. É através de situações como estas que o aluno irá perceber-se como um sujeito atuante, que sente liberdade, prazer e gosto pela leitura e com certeza sentir-se-á também valorizado por participar desse processo.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/marketing-internacional-artigos/literatura-infantil-e-educacao-1863690.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao infancia literatura

    Comentar sobre o artigo

    Patricia Cassia Pereira Porto

    Todo discurso está impregnado de impressões muito pessoais, subjetivas; mas todo discurso também parte de uma cultura socializada, na qual, ideologicamente, as palavras simbolizam um universo coletivo. Os textos, principalmente os orais, estão marcados por valores éticos, estéticos, políticos, culturais, religiosos. Tanto nos estudos literários quanto nos estudos históricos notamos a crescente busca pelas marcas orais e sócio-temporais que não foram documentadas pelo registro da escrita.

    Por: Patricia Cassia Pereira Portol Educação> Línguasl 11/04/2011 lAcessos: 527
    Educa

    Atividades e sugestões para educação infantil, planejamento semanal para berçário, maternal I, maternal II, jardim I e jardim II. Material de Apoio para professores da educação infantil e mais 6 e-books grátis. Kit planejamento infantil mais pesquisa para educação infantil. Kit pesquisa para educação infantil. Plano para gestores - área administrativa pedagógica e comunitária. Planejamento a partir de projetos. Modelos de enfeites de natal

    Por: Educal Educação> Educação Infantill 05/12/2011 lAcessos: 964
    Nathália Alves de Oliveira

    A pesquisa monográfica tem como objetivo definir qual a importância da contação de histórias para a educação infantil através do estudo bibliográfico de teóricos sobre a literatura infantil. O estudo revela ainda a importância do professor ao inserir a literatura no seu planejamento para o processo de construção de competências, criatividade e criticidade, revelando histórias que despertam a imaginação, trabalham a concentração, ensinam princípios, o conceito entre o bem e o mal ...

    Por: Nathália Alves de Oliveiral Educação> Educação Infantill 08/02/2012 lAcessos: 3,903
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Literatura Infantil constitui-se como gênero durante o século XVII, época em que as mudanças na estrutura da sociedade desencadearam repercussões no âmbito artístico.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Literatural 15/02/2010 lAcessos: 8,192 lComentário: 2
    Patricia Cassia Pereira Porto

    O discurso oral é um tecido social coletivo. Somos herdeiros das tradições orais que formaram vários povos, herdamos das tradições simbólicas as histórias que tecem toda cultura oral nascida no seio da coletividade. As vozes que ecoam das classes populares, dos griôs, dos oprimidos, dos iletrados – é a voz da memória mítica que ao ressurgir como força motriz de uma memória coletiva nos faz mergulhar na nossa História brasileira feita de muitas histórias singulares.

    Por: Patricia Cassia Pereira Portol Educação> Línguasl 05/03/2011 lAcessos: 863

    No contexto do estudo científico é verificável a importância da literatura para a construção da leitura na educação infantil. A princípio, os primeiros clássicos literários destinados ao público infantil atingiam apenas uma parcela da sociedade; aos poucos ela se expande e chega às escolas com intuito de despertar nas crianças o interesse pelas histórias infantis.

    Por: ocileide lopes da silval Literatura> Crônicasl 19/11/2011 lAcessos: 1,069

    A pesquisa faz uma abordagem autobiográfica, aplicando a literatura infantil na sala de aula. Fundamenta-se em autores como Marisa Lajolo, Lígai Cadermatori e Regina Zilberman. O livro infantil na sala de aula proporciona à criança a educação, o desenvolvimento da imaginação, o incentivo á leitura de forma prazeirosa e a construção da sua identidade.

    Por: Geraldo Francisco dos Santosl Educação> Educação Infantill 22/04/2011 lAcessos: 8,484
    Alinne do Rosário Brito

    A função educativa por ter-se mostrado capaz, em diversos experimentos empíricos realizados, desenvolveM níveis diferentes de experiências pessoais e coletivas e a propiciar novas descobertas, além de contribuir na socialização. Neste trabalho, buscou-se aproximar as representações históricas do jogo, ás teorias que o balizam como atividade rica, prazerosa e motivadora da aprendizagem .

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 18/07/2012 lAcessos: 1,178
    Paulo Rogério Araújo

    O presente estudo, pela análise da obra literária de Bartolomeu Campos de Queirós, baseado em sua autobiografia – recortes de memórias de um menino – e dialogando com teóricos como Wallon e Vygotsky, traz uma pesquisa bibliográfica abordando elementos que auxiliam os professores em sala de aula, como a afetividade, o carinho e o respeito, visando trazer contribuições presentes na obra como um todo.

    Por: Paulo Rogério Araújol Educação> Ensino Superiorl 08/10/2011 lAcessos: 688
    Francisco Ronaldo

    Hoje um dos maiores geradores de tráfego para sites e todo negócio na internet se chama artigos ou posts, e dentro destes além de usar seo para os motores de busca uma das principais coisas que se conta para que o usuário abra para ler é criando conteúdos de qualidade

    Por: Francisco Ronaldol Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 21/03/2014
    Francisco Ronaldo

    Como você pode obter um melhor resultado dentro dessa rede de 140 carácteres e que não é tão valorizada quanto o Facebook, mas que pode fazer a diferença para pessoa se esta souber a maneira correta de como fazer um bom marketing no twitter.

    Por: Francisco Ronaldol Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 21/03/2014
    Maykon Ribeiro

    Marketing multinível é um negócio próprio? Quando deparamos na internet ou até mesmo com algumas pessoas que possuem a visão limitada para o que acontece no mundo, quase sempre quando tratamos a respeito do modelo de negócio multinível, sempre escutamos coisa negativas.

    Por: Maykon Ribeirol Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 21/03/2014
    Francisco Ronaldo

    Trabalhador na prática sempre foi segundo plano essa é a verdade aceite quem quiser aceitar. Digo com todas as letras o trabalhador que se presa tem que criar uma saída de emergência para essa situação e fazer isto enquanto ainda estiver empregado que a sua mente pensa melhor do que desempregado.

    Por: Francisco Ronaldol Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 25/02/2014
    Maykon Ribeiro

    A sua atitude só terá uma recompensa se o desejo de mudar partir primeiramente de você. Adiar o início de suas realizações, é contribuir com o início de seu fracasso. Lembre-se a maioria das pessoas que não iniciam um projeto por medo de fracassarem, inconscientemente assim já o fizeram, no exato momento que abriram mão de tentar.

    Por: Maykon Ribeirol Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 21/02/2014
    Francisco Ronaldo

    O WhatsApp ganhou milhões e milhões de adeptos muito rápido e tomou uma gana de simpatia e notoriedade enorme. Frente a isso não era à toa o interesse de Mark Zuckerberg por essa rede, tendo em vista que em 2012 já tinha observado a grande popularidade do Instagram e fechou sua compra em US$ 1 bilhão na época. Brian Acton um dos co fundadores do WhatsApp por ironia do destino até já se candidatou a uma vaga no Facebook mas foi rejeitado na entrevista pelo emprego

    Por: Francisco Ronaldol Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 21/02/2014
    Francisco Ronaldo

    Saber como vender bem hoje em dia estar sendo uma arte devido a grandes concorrências e diversificação de bons profissionais dessa área. Todo mundo quer ser bem atendido lógico, mas não tem coisa pior do que um vendedor mal preparado e que tem atitudes contrarias de um bom atendimento. Como por exemplo um que é bem conhecido ele é chamado de "vendedor sombra", que é aquele que a pessoa mal entra e ele já gruda nela, isso é insuportável e ninguém gosta.

    Por: Francisco Ronaldol Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 18/02/2014 lAcessos: 11

    Este artigo tratará de informar aos consumidores uma boa tática de como economizar dinheiro ao evitar comprar certos tipos de utensílios no Brasil, apostando nas exportações do mercado Chinês.

    Por: China Buyel Marketing e Publicidade> Marketing Internacionall 11/02/2014 lAcessos: 15
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Empreendedores são pessoas que desejam participar ativamente da construção de um mundo novo, não apenas como expectadores, mas como atores das mudanças globais da atualidade. De modo geral a pesquisa busca conhecer as ações dos empreendedores nas organizações e dessa forma, saber como eles podem e devem contribuir para o crescimento e desenvolvimento. Especificamente buscou-se: diagnosticar o perfil "empreendedor"; identificar os desafios que a administração propõe ao gestor público.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 20/08/2013 lAcessos: 57
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Educação Especial é uma modalidade da Educação Básica, fundamentada no princípio da atenção à diversidade. Integram-se o Ensino Regular e a Educação Especial numa concepção da Educação Inclusiva, buscando a participação e permanência de todos os alunos na escola, numa educação de qualidade, onde o atendimento as pessoas com necessidades especiais não requer um ambiente especifico e único, mas sim necessita de recursos físicos, humanos e materiais para que seja possível atender a todos, adaptan

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 2,184
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A Tecnologia Educacional é entendida como a área que estuda a aplicação das Tecnologias da Informação e Comunicação - TIC - na educação, a partir de um embasamento da didática, psicologia da aprendizagem e desenvolvimento tecnológico. Assim, as alterações no sistema educativo visam levar em conta as diferenças pessoais, estilos cognitivos, ritmos de aprendizagem, afinidades, áreas de interesse, estratégias de pensamento e motivação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 131
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Não existe uma única concepção sobre a EaD, pois o conceito evoluiu ao longo do tempo, influenciado pelo avanço das tecnologias da informação e da comunicação. Além disso, a concepção de educação a distância pode variar conforme o autor, sua base teórico-conceitual e sua concepção do que significam educação, ensino e aprendizagem.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 154
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A expectativa é ao mesmo tempo ligada a pessoa e ao interpessoal, também a expectativa se realiza no hoje, e futuro presente, voltado para o ainda-não, para o não experimentado, para o que apenas pode ser previsto. Assim, percebe-se que a expectativa é um sentimento que surge diante de novidades, do diferente.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 68
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Com os anos as análises históricas sofreram inúmeras mudanças, tendo historiadores como Jules Michelet que se preocupavam com histórias nacionais, espírito do povo, representando heróis. Tal autor chamou a atenção por identificar um agente sem rosto – o povo, as massas, como personagem da história e como protagonista dos acontecimentos.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 123
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Conforme o texto "Correntes, campos temáticos e fontes", a escrita e a leitura são indivisíveis e estão contidas no texto, permitindo a comunicação e veicula representações, onde o historiador pergunta sobre quem fala e de onde fala, discutindo sobre ela. As relações entre essas instancias não são diretas nem reflexas, mas sim intermediadas pelo discurso narrativo, e para o entendimento da História Cultural pode ser o da metáfora, pois o discurso explica, fala de algo que se percebe e se entende

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 157
    SANDRA VAZ DE LIMA

    Entende-se que a História é construída conforme as práticas, as culturas de um determinado povo, uma organização social, onde o habitus integra os espaços de experiências, funcionando a cada momento vivido como matriz de sensações.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 24/07/2012 lAcessos: 54

    Comments on this article

    1
    Isabel 16/02/2010
    Estou desenvolvendo um trabalho sobre literatura na Ed. inf, seu artigo foi de grande valia p mim... Obrigada
    1
    Miriam 16/02/2010
    Adorei o artigo, a literatura é mesmo fundamental p o desenvolvimento dos pequenos...
    -1
    Paula 16/02/2010
    Olá, meus alunos adoram ouvir histórias, isso pq eu tbem adoro. Concordo com vc que a literatura é fundamental para as crianças; Parabéns
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast