Acupuntura: Pontos E Meridianos

08/01/2010 • Por • 3,781 Acessos

A acupuntura chinesa é uma técnica complexa de tratamento da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), que consiste no estímulo de pontos determinados da superfície da pele, nos denominados “meridianos” (canais onde se localizam “pontos” que deverão ser estimulados tanto para redução, como para reforço, com o objetivo de regular as funções vitais do corpo).  Para a acupuntura chinesa importa não apenas a localização dos pontos, mas também uma série de detalhes, como a profundidade, o ângulo de inserção da agulha, o direcionamento da agulha, e a obtenção de certas sensações por parte do paciente durante a inserção da agulha nos pontos.

Atualmente a acupuntura é praticada em todo o continente americano, Europa e Austrália, além da Ásia centro-meridional, onde é majoritária, e em alguns países africanos em escala reduzida. No ocidente, a acupuntura é conhecida como recurso para aliviar dores, no entanto a MTC é mais ampla, podendo tratar todas as doenças, exceto os casos com indicação cirúrgica.

Os pontos e os meridianos

O método da acupuntura consiste no emprego de agulhas muito finas que, introduzidas em pontos específicos do corpo (acupontos ou pontos de acupuntura), provocam reforço (quando existir deficiência de substâncias vitais) ou redução (se houver fatores patogênicos), para obter efeito terapêutico em diversas condições e normalizar as funções corporais.

Através do posicionamento dessas agulhas especiais nos acupontos, são gerados estímulos que levam ao equilíbrio da circulação das substâncias vitais nos meridianos, proporcionando ação anti-inflamatória, analgésica, relaxamento muscular, etc.  Os pontos de acupuntura podem ser ativados por estímulos tais como: massagens e técnicas de manipulação, esferas metálicas, aplicação de calor, eletroestimulação, magnetismo, uso de cor e de raio laser, esparadrapos, ultrassom, injeção de substâncias e inserção de agulhas, que ainda são os instrumentos mais conhecidos, simples, práticos e quase indolor, visto que as agulhas de acupuntura são muito finas e a introdução na pele é feita mediante técnicas especiais, permanecendo no corpo por um período médio de 20 a 40 minutos.


Além do corpo físico, os acupunturistas consideram a existência do qi (elemento básico invisível que constitui o corpo e sustenta suas atividades vitais), o qual circula através dos meridianos (também invisíveis), que formam uma rede que interliga os pontos de acupuntura, os órgãos e os tecidos.  O uso das agulhas para estimular os pontos é o jeito específico de tratar da acupuntura, atingindo assim diversos órgãos, tecidos e funções.  

O mais antigo estudo sobre os meridianos, pontos de acupuntura e metodologia da aplicação de acupuntura é encontrada no Nei Ching - Tratado de Medicina Interna do Imperador Amarelo (séculos III-V a.C.).

Conclusões

A visão tradicional da medicina chinesa está profundamente ligada a teorias baseadas no Taoísmo, sobre a dualidade Yin/Yang, sobre meridianos e outros conceitos bastantes "exóticos" para a ciência médica ocidental.  Embora muitas pessoas associem acupuntura com controle da dor, e ela é realmente muito efetiva nesses casos, existem muitas outras doenças em que ela pode agir.  

Entre as doenças tratáveis pela acupuntura estão: dores em geral, especialmente do aparelho musculoesquelético, gastrite, estresse, distúrbios hormonais, insônia, asma, distúrbios menstruais, paralisia facial, sinusite, incontinência urinária.  De acordo com estudos recentes, a acupuntura está se tornando uma opção favorável para uma variedade de propósitos, que vão desde melhorar a fertilidade à redução da dor pós-operatória, porque as pessoas experimentam significativamente menos efeitos colaterais e ela pode ser uma opção menos cara do que as outras.

Perfil do Autor

Pedro Pablo Arias Capdet

Pedro Pablo Arias Capdet é Doutor em Medicina pela Universidade de Havana, Cuba e Doutor em Acupuntura pela World Federation of Chinese...