Como Conviver Com Os Problemas Da Alergia Cronica

27/11/2009 • Por • 4,603 Acessos

                                                            ALERGIA

A... a... atchim! Atchim! Essa minha alergia a pêlo de cachorro é incontrolável. O doutor me receitou umas gotas milagrosas, mas o cheiro de farma... ma... cia... atchim, ou será a poluição? Mudei de cidade, fui para Friburgo, onde aquele ar de montanha me deu uma erisipela ...
Beira de praia. Banho de mar pela manhã. Só que, ou a maresia, ou o contato com a areia, abriram rachaduras alérgicas nos meus pés. "O seu problema é de vista". Lógico, lógico. A visão ruim me deixa tensamente alérgico. Os óculos, porém, me deram uma vermelhidão no nariz e coriza contínua. Lente de contato? e ficar com os olhos congestionados? Eu estava cada vez mais nervoso e alérgico. Atchim!
Calmante me deu enjôo pela manhã e, ao me barbear, a pele ficava irritada. Deixei a barba crescer, peguei uma coceirada infernal. - É a alimentação. Nada de carne vermelha. De preferência, coma só grãos. Nada de frituras e sal. Foi eu entrar nos grãos e começar o maior funga-funga, uma espécie de constipação crônica. Ioga é a solução!
Seria, se não fosse o cheiro daqueles bastõezinhos. O rosto amanheceu todo inchado. Acupuntura me livraria de todos os males alérgicos, se as agulhadas não tivessem me provocado inúmeras bolhinhas vermelhas em volta da boca.
Análise, sim, mas o ambiente atapetado e o perfume da atendente me fizeram dar tamanho espirro que caí e torci o pé. Engessar? E eu consegui agüentar a comichão? O que fazer, meu Deus? Entrei para a igreja, quem sabe uma ajuda celestial, através de algum santo protetor dos pecadores alérgicos? Mas constatei que a hóstia me dava a maior reação... asia e má digestão, sem falar nas placas vermelhas pelo corpo. Eu era uma pessoa inconfessável, ou melhor, não podia comungar minhas penas (nem me fale em penas...) ou erros, sei lá se é assim que se fala, pois o cheiro de incenso me embrulhava o estômago, num mal-estar de fazer inveja aos assíduos penitentes. Atchim.
Só me matando, mas, ao empunhar o revólver, o aço fez surgir uma erupção nas mãos e uma crise de soluços que não me deixou mirar na própria cabeça. Mesmo assim puxei o gatilho. Na hora "h" tive um acesso de espirros, errei todos os tiros. Desisti. Até para morrer a alergia prejudicava. Prendi o choro. Sabe lá o que as lágrimas pode  riam desencadear?
A solução, por fim, foi o GAA - Grupo de Alérgicos Anônimos. Assumi minha condição de pessoa complicada, alergicamente falando. O método deles é concentrar toda a reação alérgica em sucessivos e ruidosos espirros profundos, por cinco minutos. Agora estou mais tranqüilo, mas um tanto preocupado. No campeonato nacional de espirros da GAA fiquei em terceiro lugar. Só que, ao receber a medalha no pescoço, começou a me dar uma coceirada maluca, não sei se devido ao contato da fitinha com a pele, ou ao bronze da... atchim... Parece que vai começar tudo de novo.

Perfil do Autor

Luiz Otavio D. Pinheiro

Carioca nascido e criado em Ipanema Engenheiro metalurgista com especialização em Business Ex faixa preta de judo e ex remador...