Origens da massagem como tratamento

25/06/2012 • Por • 208 Acessos

Lílian Brusque SMS133892

Existem registros antigos de em diversos países sobre a origem e história da massagem com a finalidade de preservar a saúde e tratar o corpo, a mente e o espírito. Em muitas culturas a massagem é usada como forma de comunicação, alívio da dor ou desconforto, cura, proteção ou melhora da saúde em geral. Era usada de forma instintiva ou intuitiva ao friccionar um ferimento, contusão ou área de desconforto no corpo. Nas civilizações primitivas era ritualística e combinada com misticismo, como todas as questões relacionadas a saúde/doença.

Na China Antiga, registros sobre massagem aparecem no livro Nei Ching que estabelece os fundamentos da medicina tradicional chinesa. Este livro foi escrito por volta de 2600 a. C. As técnicas de massagem passaram a ser chamadas Anma para pressionar e friccionar e Tui-na para empurrar e sustentar.

Da China, a manipulação corporal chegou ao Japão e serviu de fonte de emprego para os cegos. Com refinadas percepções táteis, os massoterapeutas cegos foram muito bem-sucedidos e conquistaram respeito. Os japoneses desenvolveram o Shiatsu, sua técnica mais conhecida.

Na Índia Antiga, existem quatro textos originais chamados Os Vedas. Um deles é o Atharva Veda e o livro Ayur Veda é seu complemento. O livro Ayur Veda discute farmacologia e saúde e seus ensinamentos são a base da medicina ayurvédica. As referências ayurvédicas feitas a massagem incluem samvahana (fricção manual) e mordan (friccionar).

Na Grécia Antiga, a massagem foi um dos principais tratamentos nos ginásios e banhos públicos. Os atletas recebiam tratamentos especiais de massagem para minimizar a exaustão e tonificar os músculos. Embora nos registros gregos não existam muitas informações específicas sobre massagem, seu uso era muito comum. O termo ginástica referia-se a uma combinação de exercícios, massagens e banhos oferecidos nos ginásios.

O médico grego Hipócrates (460 a 370 a.C.) foi o primeiro a considerar saúde e doença eram conseqüências de causa naturais não de misticismo. Os métodos de Hipócrates incluíam exercício, massagem, ar puro, repouso, dieta e higiene. A anatripsis (fricção para cima) foi desenvolvida como um método de fricção dirigida ao coração, da extremidade para o centro, para aumentar a circulação.

Os médicos gregos que levaram a massagem para a Roma Antiga. Aulo Cornélio Celso (25 a.C. a 57 d.C.) em seus textos chamados De Medicina fez numerosas referências à massagem ao longo do trabalho, indicando seu uso para diversos tratamentos. Claudio Galeno (130 a 201 d.C.) escreveu um livro chamado Hygiene que inclui uma discussão sobre massagem pela manhã e à noite, uma descrição de toques de massagem e fibras musculares sendo friccionadas em todas as direções além de uma explicação sobre a unção com óleo para a saúde e o bem-estar.

Durante a Idade Média (de 400 a 1400 d.C.), com o advento da era cristã, a massagem tornou-se sinônimo de bruxaria e a prática entrou em declínio na maior parte da Europa. Como a igreja passou a administrar os hospitais, as freiras é que tinham permissão para cuidar dos pacientes. Algumas mulheres se juntaram as freiras nesses cuidados e elas utilizavam de massagens e banhos como opção de tratamento de baixo custo.

Durante o Renascimento (1450 a 1600 d.C.) Leonardo da Vinci (1452-1519) desenvolveu ilustrações de anatomia humana, até hoje muito admiradas. Seus estudos eram realizados em segredo, pois a dissecação de cadáveres não era aceita. Andreas Vesalius (1514-1564) se dedicava ao estudo de anatomia, em especial os músculos, suas inserções e ações. Estes estudos foram de grande importância como contribuição para a massagem.

No século XVIII os dogmas e as tradições da Igreja começaram a ser colocados a prova, a razão passou a ter lugar de destaque na forma de pensamento da época. Em 1779, o jesuíta P. M. Cibot traduziu para o francês a obra chinesa Kong Fou. Esse texto recomendava controle da respiração e um sistema de exercícios e posições para o cuidado com a saúde e ganhou ilustrações na versão francesa. Essa obra serviu de inspiração para a ginástica sueca de Per Henrik Ling.

Per Henrik Ling (1776-1839) era um sueco que aprendeu esgrima em suas viagens pela Europa. Por ser uma atividade unilateral, ele sentiu a necessidade de ginástica para equilibrar a atividade física, o que contribuiu também para o alívio de dores crônicas no cotovelo. Per Henrik Ling se dedicou ao estudo de anatomia e fisiologia e criou a ginástica sueca, um sistema dividido em quatro categorias: estética, pedagógica, médica e militar. O sistema incluía movimentos ativos, passivos e resistidos. À medida que esta técnica ganhou popularidade na Europa e na Rússia, passou a ser chamada demovimentos suecos. O termo massagem sueca provavelmente derivou desta técnica.

Com a popularidade dos movimentos suecos, outras formas de terapia corporal foram desenvolvidas. Técnicas específicas de massagem e manipulação corporal foram criadas, promovidas e divulgadas na Europa e nos EUA durante o século XIX.

Na Europa, o médico da Holanda Johan George Mezger (1838-1909), desenvolveu alguns termos para técnicas de massagem que continuam em uso até hoje: effleurage (deslizamento), pétrissage(amassamento) e tapotement (percussão). Mezger foi o primeiro a identificar os toques clássicos da massagem e a diferenciá-los da ginástica e dos movimentos suecos. Ele reforçou e popularizou sua terminologia, até hoje usada como padrão no mundo todo.

Em 1888, o médico sueco Emil Kleen escreveu o Handbook of Massage, onde enfatizava a inclusão da massagem e terapia manual no tratamento médico. Salientou a importância dos conhecimentos de anatomia e fisiologia, das habilidades de apalpação, das técnicas manuais e do uso de instrumentos mecânicos como auxiliares em algumas situações.

Em 1894 oito mulheres fundaram a Society of Trained Masseuses (Sociedade de Massagistas Diplomadas) na Grã-Bretanha, na tentativa de estabelecer um padrão de alta qualidade para os profissionais da área. Em 1900, com 12 mil membros tornou-se a Chartered Society of Massage and Remedial Gymnastics (Sociedade de Massagem e Ginástica Terapêutica).

Nos EUA, George H. Taylor leva em 1850 os movimentos suecos para a comunidade médica norte-americana. O médico John Harvey Kellogg (1842-1953) fez contribuições importantes para a história da massagem. Ele realizou extensa pesquisa no centro médico, definindo e analisando os efeitos mecânicos, reflexos e metabólicos da massagem nos diversos sistemas corporais. Em 1895 ele escreveu A arte da massagem, um livro que possui uma riqueza de informações como aplicações terapêuticas, regras para a prática de massagem e terminologia correta, por exemplo.

No século XX, as técnicas de massagem continuaram crescendo. Associações foram criadas para conferir maior legitimidade à profissão. Atualmente ela continua crescendo e se desenvolvendo enquanto técnica e profissão.

Referências: 

CASSAR, Mario-Paul. Manual de massagem terapêutica: um guia completo de massoterapia para o estudante e para o terapeuta. São Paulo: Manole, 2001.

CLAY, James H.; POUNDS, David M. Massoterapia Clínica: integrando anatomia e tratamento.São Paulo: Manolé, 203.

DOMENICO, Giovanni de. Técnicas de massagem de Beard: Princípios e práticas de manipulação de tecidos moles. Tradução da 5ª Ed. , Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

Perfil do Autor

Lílian Brusque

Meu nome é Lílian Brusque, sou Terapeuta Holística e desenvolvo atendimentos terapêuticos para manutenção da saúde de meus clientes, atravé...