A educação em saúde na prática do cuidar em psf

Publicado em: 24/07/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 369 |

O ensino é um instrumento integrante que todas as enfermeiras utilizam para cuidar dos pacientes e famílias no desenvolvimento de comportamentos de saúde efetivos e na modificação dos padrões de estilo de vida que predispõem as pessoas aos riscos de saúde. A educação da saúde é um fator influenciador diretamente relacionado com os resultados de cuidados positivos do paciente.

As alterações no atual ambiente de cuidados de saúde impõem a utilização de uma abordagem organizada para a educação da saúde, de modo que os pacientes possam satisfazer suas necessidades especificas de cuidados de saúde. Os fatores significantes para a consideração da enfermeira quando planeja a educação do paciente incluem a disponibilidade do cuidado de saúde fora do ambiente
convencional, o emprego de diversos profissionais de saúde para alcançar as metas do controle do cuidado e o uso aumentado de estratégias alternativas em lugar das condutas tradicionais para o cuidado.

A consideração cuidadosa desses fatores pode fornecer aos pacientes informações abrangentes, as quais são essenciais para tomar decisões informadas a respeito dos cuidados de saúde.

A enfermeira como professora é colocada à prova, não somente para fornecer a educação específica ao paciente e à família, como também para focalizar as necessidades educacionais das comunidades. A educação em saúde é importante para o cuidado de enfermagem, porque ela pode determinar de que forma os indivíduos e as famílias são capazes de realizar os comportamentos que levam ao autocuidado ótimo.

Todos os cuidados de enfermagem tem por fim promover, manter e restaurar a saúde; evitar a doença; e assistir as pessoas em sua adaptação aos efeitos residuais da doença. Muitas dessas atividades de enfermagem são realizadas através da educação da saúde ou ensino do paciente.

Embora a pessoa tenha o direito de decidir se deve aprender ou não, a enfermeira tem a responsabilidade de apresentar a informação que motivará a pessoa a reconhecer a necessidade de aprender. Portanto, a enfermeira deve aproveitar as oportunidades dos ambientes de cuidados de saúde internos e externos para facilitar o bem-estar. Os ambientes educacionais podem incluir casas,
hospitais, centros de saúde na comunidade, locais de trabalho, organizações de serviço, abrigos e grupos de apoio ou ação de consumidores.

A meta da educação da saúde consiste em ensinar as pessoas a viver a vida da forma mais saudável possível, isto é, esforçar-se no sentido de atingir o seu potencial de saúde máximo.

 

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO PSF

A implementação integral dessas mudanças requer a integração entre os serviços de saúde, instituições formadoras, trabalhadores que atuam no sistema e usuários, para o estabelecimento de novos pactos de convivência e prática. Tais ações precisam investir na aproximação dos serviços de saúde aos princípios do SUS, dentre os quais o da integralidade, universalidade, eqüidade e qualidade em saúde. A educação é um dos caminhos para a efetivação dessas mudanças. Nessa perspectiva, o Ministério da Saúde (MS), com o objetivo de articular a educação com o mundo do trabalho de forma descentralizada, ascendente e transdisci- plinar, instituiu, através da Portaria nº 198/MS, de 13/02/2004, a Política Nacional de Educação Permanente para o SUS. Essa proposta de educação investe
na promoção de mudanças nos processos formativos, nas práticas pedagógicas de saúde e gerenciais, propiciando uma integração entre os diversos segmentos dos serviços de saúde.

É fundamental pensar que a prática do cuidar envolve e fundamenta a comunicação dialógica, e não visa mais mudar comportamentos, prescrever tratamentos, controle, modificar as pessoas, pensar só na doença. É preciso que o enfermeiro, ao ser o desencadeador de ações educativas, esteja disposto a dividir, trocar, ensinar e aprender com a família.

Para ser assim, o trabalho deve ser contínuo e intenso, porque é necessário: formar grupos, unindo famílias interessadas em discutir a saúde; escolher temas comum e de interesse dos grupos (família), dos quais profissionais serão os coordenadores; criar espaços para discussões, informações, reflexões e debates.

Educar é interagir em um determinado espaço (a família), para que se descubra como resolver problemas e/ou como encaminhá-los a outras instâncias. Não deve existir coerção, ordem, mas orientações com argumentações, com base teórica e prática; caso contrário, os profissionais de saúde criam barreiras intransponíveis.

Os enfermeiros devem agir como educadores e os familiares como co-educadores, pensando em problemas comuns como: medos, preconceitos, dúvidas, inseguranças, impotência, resistência e desesperança. Tudo isso visa captar mensagens, sinais, signos, gestos, jeitos, expressões do corpo. No campo biológico, é possível sentir a temperatura, a cor da pele, o ritmo da respiração; na
comunicação, entende-se o que estamos falando e se entendemos o que a família fala; se a pergunta ou resposta é clara ou confusa, se traz alguma preocupação não expressada claramente nas relações, é possível identificar se existe ou não confiança, se existe afeto ou não, como se tratam, como se cumprimentam.

Ao decidir sobre o acordo, ele deve ser escrito e assinado pelos interessados e tornar-se um instrumento legal, a fim de evitar problemas futuros para os envolvidos.

 

Estratégias para a educação

A investigação é exercitada com muita freqüência, sobretudo quando se ensina, pesquisa e quando se está em constante busca por uma outra pedagogia de liberdade, que se desenvolvem por meio de: jogos dramáticos para falar de imagem, dramatizações, criação de bonecos, sociopoética, cineclube e dinâmicas em grupo de diversas modalidades. As técnicas e métodos de ensino estimulam o
aprendizado desde que apropriadas para as necessidades do individuo.

Os membros da família devem estar envolvidos nas sessões de ensino sempre que possível. Eles fornecem outra fonte para o reforço do material e podem ajudar o aluno a lembrar as instruções mais adiante. Eles também podem fornecer informações de avaliação preciosas a respeito da situação de vida da pessoa e sobre as necessidades de aprendizado correlatas.

As parcerias com as sociedades científicas, outras entidades governamentais e não-governamentais e, especialmente, com lideranças comunitárias é indispensável para assegurar a operacionalidade dessas intervenções em âmbito estadual e municipal.

Ações educacionais devem ser dirigidas a

 profissionais de saúde.

 alunos de escolas profissionalizantes.

 alunos de primeiro e segundo graus.

 pessoal de instituições e empresas.

 comunidade em geral.

Ações de conscientização são desenvolvidas por

 campanhas de esclarecimento através da mídia.

 campanhas temáticas periódicas

 

CONCLUSÃO

O sucesso da enfermeira com a educação da saúde é determinado pela avaliação contínua das variáveis que afetam a capacidade do paciente para adotar comportamentos específicos, obter recursos e manter um ambiente social valioso. Como profissionais de saúde, as enfermeiras possuem uma responsabilidade de promover as atividades que formentam o bem-estar, autorealização e satisfação pessoal. Toda interação com os consumidores de cuidados de saúde deve ser visualizada como uma oportunidade para promover comportamentos e atitudes de saúde positivas.

Esse grupo de estudo deve ter a participação de um profissional de saúde, com a função de organizar as discussões e esclarecer dúvidas. No entanto, ele deve deixar que as discussões ocorram espontaneamente, orientando-as para um conteúdo mínimo.
Dessa forma, o processo educativo deixa de ser imposto e passa a ser persuasivo. Uma conversa clara é necessária para estabelecer uma parceria entre o profissional de saúde e o paciente e seus familiares para dar a esses uma compreensão básica dos mecanismos da doença e dos objetivos do tratamento.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/medicina-artigos/a-educacao-em-saude-na-pratica-do-cuidar-em-psf-5059349.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    comunidade

    ,

    psf

    Comentar sobre o artigo

    Hilsa Flávia A Coutinho

    Este trabalho tem o perfil de identificar fatores que traga uma qualidade de vida para a população, como objetivo principal à sistematização no cuidado da Assistência da Enfermagem para este grupo, descrever a qualidade de vida promovendo ações educativas com uma linguagem simples e de fácil compreensão.

    Por: Hilsa Flávia A Coutinhol Saúde e Bem Estarl 28/10/2011 lAcessos: 300
    Eduardo Marins do Nascimento

    O Estatuto do Idoso regula os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. É assegurado, seguindo o artigo 20, por leis e outros meios, todas as oportunidades e facilidades para preservação da saúde física, psíquica, moral, intelectual, espiritual e condições de liberdade e dignidade. É ainda, obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, direito a vida, saúde, alimentação, educação, cultura, esporte, lazer, trabalho

    Por: Eduardo Marins do Nascimentol Saúde e Bem Estarl 21/05/2009 lAcessos: 3,584 lComentário: 1
    Joselene Beatriz soares Silva

    RESUMO Enfermeiro atuante na comunidade desenvolver estratégias de ação além das atividades para a manutenção, promoção da saúde e prevenção de doenças. Este profissional possui a responsabilidade do diagnóstico, intervenções e assessoria para que as pessoas possam atingir seu potencial máximo de saúde (HORTA, 1979).

    Por: Joselene Beatriz soares Silval Saúde e Bem Estar> Medicinal 24/11/2010 lAcessos: 2,515 lComentário: 3
    Joselene Beatriz soares Silva

    RESUMO INTRODUÇÃO: As atuações do Enfermeiro (a) na promoção da saúde se dão segundo a carta de Ottawa, 1986 quando prediz que ‘A promoção da Saúde visa aumentar a capacidade dos indivíduos para controlarem melhor a sua saúde' . Segundo

    Por: Joselene Beatriz soares Silval Saúde e Bem Estar> Medicinal 03/09/2010 lAcessos: 2,151

    Dando continuidade a serie de artigos sobre o ato médico, nesse comentamos sobre a solicitação e interpretação, quando necessário, de exames complementares. Momento que pode encerrar o ato médico como geralmente acontece em unidades de pronto socorro. Ao contrário, em unidades ambulatoriais, principalmente naquelas que desenvolvem o Programa Saúde da Família a solicitação e interpretação de exames complementares faz parte de um acompanhamento médico continuado e programado que é inerente à concepção e prática do programa.

    Por: Caio Cesar Penna.l Saúde e Bem Estar> Medicinal 01/07/2008 lAcessos: 46,444
    Silvane dos Santos Matias

    INTRODUÇÃO: O presente artigo aborda sobre a Visita Domiciliar como um dos instrumentos que se constitui numa atividade básica a ser realizada em atenção primária à saúde.OBJETIVOS: Refletir acerca da Visita Domiciliar buscando compreender a sua prática desde seu surgimento e como esta se efetiva hoje diante dos princípios do SUS e da ESF. METODOLOGIA: Pesquisa bibliográfica, tendo como aporte teórico os autores: Kawamoto, Fallante&barreira;, Camarano, Lacerda, Mattos, Takahashi. RESULTADOS: Obs

    Por: Silvane dos Santos Matiasl Saúde e Bem Estarl 13/07/2010 lAcessos: 11,166 lComentário: 1

    Trata-se de um estudo de caráter descritivo com abordagem quantitativa, cujo objetivo geral foi investigar a Atenção Medicamentosa aos Idosos pelos profissionais Odontólogos (as), Médicos (as) e Enfermeiros (as) das Equipes Saúde da Família da Área Urbana do Município de Porto Velho-RO. A coleta de dados se deu através de questionários com perguntas fechadas e abertas a uma população de 48 profissionais das Equipe de Saúde da Família.

    Por: Josué da Silva Sicsúl Saúde e Bem Estarl 10/12/2008 lAcessos: 901 lComentário: 1

    O presente estudo buscou compreender o principio da subsidiariedade aplicado a saúde. O cuidado do Homem com a saúde remonta aos primitivos, quando usavam de sua própria saliva para curar suas feridas. Desde então, a saúde, no seu conceito e no seu tratamento, passou por constantes processos de transformação até que se chegasse aos métodos de tratamento atuais, bem como sua dimensão a partir do conceito dado pela Organização Mundial da Saúde..

    Por: Lucas Rafael Chaves Sampaiol Direito> Doutrinal 05/08/2014 lAcessos: 25
    MÔNICA PALITOT

    O pré-natal é um processo de extrema importância e deve ser encarado como um procedimento sine qua non para todas as gestantes independente de idade, classe social, raça ou região, pois somente a partir deste acompanhamento será possível detectar problemas tanto na mãe quanto no bebê. Devido a importância deste assunto resolvemos realizar na IV Mega-Ação social organizada pela FACENE/FAMENE, a coleta de dados através de questionário padronizado para a averiguação de informações junto às mulheres

    Por: MÔNICA PALITOTl Saúde e Bem Estarl 03/09/2010 lAcessos: 1,451
    Nilton Salvador

    Amor é o remédio Perguntei para duas amigas, ambas mães de autistas: qual a diferença ou ainda, a semelhança entre Alzheimer e Autismo? Uma delas me contou que sua mãe ficou órfã de pai ainda menina, e teve uma doença que por não ter identificação na época, e por esse fator prevalecer foi internada num manicômio pelo resto da vida.

    Por: Nilton Salvadorl Saúde e Bem Estar> Medicinal 24/01/2015

    A esclerose múltipla é uma doença com muitas peculiaridades e, cada vez mais, tem se abordado este tema. Apesar da maior difusão, ainda existem confusões com outras duas doenças, em relação ao nome. Os antigos chamavam as pessoas com pouca memória de esclerosadas. Apenas posteriormente, com os estudos, surgiu o termo Alzheimer. O outro equívoco é com a esclerose lateral amiotrófica (ELA), que também é uma doença grave e com sintomas um pouco semelhantes, porém que atingem populações diferentes.

    Por: Central Pressl Saúde e Bem Estar> Medicinal 22/01/2015

    De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), no ano passado surgiram mais de 30 mil novos casos de câncer colorretal (designação que envolve câncer de cólon, de reto e de intestino grosso). Anualmente, essa doença leva à morte cerca de 14 mil pessoas, embora possa ser tratada e curada quando identificada logo no início. Daí a importância cada vez maior do diagnóstico precoce, antes que o tumor possa se espalhar para outros órgãos.

    Por: Vítor Margatol Saúde e Bem Estar> Medicinal 14/01/2015 lAcessos: 14
    Bernardo Sobreiro

    Neste artigo é abordada a história do tratamento dos cálculos urinários, dos procedimentos realizados em 600 AC até a moderna litotripsia com uso de Holmium laser e endoscópios flexíveis.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015 lAcessos: 12
    Bernardo Sobreiro

    As margens cirúrgicas positivas ocorrem quando na análise patológica da peça cirúrgica se observa que o tumor maligno não foi retirado na sua totalidade. Neste artigo é abordada a frequência de margens cirúrgicas positivas na prostatectomia radical (tratamento curativo do câncer de próstata) e o impacto da sua ocorrência na recidiva e progressão da doença.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015
    Bernardo Sobreiro

    Neste artigo são abordados aspectos epidemiológicos do câncer de próstata, como as variações temporais na incidência, mortalidade, e fatores de risco como idade e raça.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015
    Bernardo Sobreiro

    Neste artigo é abordada a história do antígeno prostático específico (PSA), desde seu descobrimento até a sua aplicação clínica como principal ferramenta no diagnóstico precoce do câncer de próstata.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015
    Bernardo Sobreiro

    Neste artigo é discutido o papel do estudo urodinâmico na avaliação de disfunções miccionais como incontinência urinária e obstrução urinária.

    Por: Bernardo Sobreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/01/2015

    A candidíase congênita é uma doença rara, adquirida intra-útero, manifestada ao nascimento e não parece estar relacionada ao/à: nascimento por via vaginal; rotura prematura de membranas; duração do trabalho de parto; paridade materna; uso materno de antibióticos ou corticosteróides.

    Por: angela carreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 24/07/2011 lAcessos: 337

    Independentemente de sua natureza, padrão ou causa, a dor inadequadamente tratada apresenta efeitos lesivos, além do sofrimento que causa. Por exemplo, a dor não aliviada prejudica a capacidade pós-operatória do paciente para dormir

    Por: angela carreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 24/07/2011 lAcessos: 124
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast