A educação em saúde na prática do cuidar em psf

Publicado em: 24/07/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 349 |

O ensino é um instrumento integrante que todas as enfermeiras utilizam para cuidar dos pacientes e famílias no desenvolvimento de comportamentos de saúde efetivos e na modificação dos padrões de estilo de vida que predispõem as pessoas aos riscos de saúde. A educação da saúde é um fator influenciador diretamente relacionado com os resultados de cuidados positivos do paciente.

As alterações no atual ambiente de cuidados de saúde impõem a utilização de uma abordagem organizada para a educação da saúde, de modo que os pacientes possam satisfazer suas necessidades especificas de cuidados de saúde. Os fatores significantes para a consideração da enfermeira quando planeja a educação do paciente incluem a disponibilidade do cuidado de saúde fora do ambiente
convencional, o emprego de diversos profissionais de saúde para alcançar as metas do controle do cuidado e o uso aumentado de estratégias alternativas em lugar das condutas tradicionais para o cuidado.

A consideração cuidadosa desses fatores pode fornecer aos pacientes informações abrangentes, as quais são essenciais para tomar decisões informadas a respeito dos cuidados de saúde.

A enfermeira como professora é colocada à prova, não somente para fornecer a educação específica ao paciente e à família, como também para focalizar as necessidades educacionais das comunidades. A educação em saúde é importante para o cuidado de enfermagem, porque ela pode determinar de que forma os indivíduos e as famílias são capazes de realizar os comportamentos que levam ao autocuidado ótimo.

Todos os cuidados de enfermagem tem por fim promover, manter e restaurar a saúde; evitar a doença; e assistir as pessoas em sua adaptação aos efeitos residuais da doença. Muitas dessas atividades de enfermagem são realizadas através da educação da saúde ou ensino do paciente.

Embora a pessoa tenha o direito de decidir se deve aprender ou não, a enfermeira tem a responsabilidade de apresentar a informação que motivará a pessoa a reconhecer a necessidade de aprender. Portanto, a enfermeira deve aproveitar as oportunidades dos ambientes de cuidados de saúde internos e externos para facilitar o bem-estar. Os ambientes educacionais podem incluir casas,
hospitais, centros de saúde na comunidade, locais de trabalho, organizações de serviço, abrigos e grupos de apoio ou ação de consumidores.

A meta da educação da saúde consiste em ensinar as pessoas a viver a vida da forma mais saudável possível, isto é, esforçar-se no sentido de atingir o seu potencial de saúde máximo.

 

EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO PSF

A implementação integral dessas mudanças requer a integração entre os serviços de saúde, instituições formadoras, trabalhadores que atuam no sistema e usuários, para o estabelecimento de novos pactos de convivência e prática. Tais ações precisam investir na aproximação dos serviços de saúde aos princípios do SUS, dentre os quais o da integralidade, universalidade, eqüidade e qualidade em saúde. A educação é um dos caminhos para a efetivação dessas mudanças. Nessa perspectiva, o Ministério da Saúde (MS), com o objetivo de articular a educação com o mundo do trabalho de forma descentralizada, ascendente e transdisci- plinar, instituiu, através da Portaria nº 198/MS, de 13/02/2004, a Política Nacional de Educação Permanente para o SUS. Essa proposta de educação investe
na promoção de mudanças nos processos formativos, nas práticas pedagógicas de saúde e gerenciais, propiciando uma integração entre os diversos segmentos dos serviços de saúde.

É fundamental pensar que a prática do cuidar envolve e fundamenta a comunicação dialógica, e não visa mais mudar comportamentos, prescrever tratamentos, controle, modificar as pessoas, pensar só na doença. É preciso que o enfermeiro, ao ser o desencadeador de ações educativas, esteja disposto a dividir, trocar, ensinar e aprender com a família.

Para ser assim, o trabalho deve ser contínuo e intenso, porque é necessário: formar grupos, unindo famílias interessadas em discutir a saúde; escolher temas comum e de interesse dos grupos (família), dos quais profissionais serão os coordenadores; criar espaços para discussões, informações, reflexões e debates.

Educar é interagir em um determinado espaço (a família), para que se descubra como resolver problemas e/ou como encaminhá-los a outras instâncias. Não deve existir coerção, ordem, mas orientações com argumentações, com base teórica e prática; caso contrário, os profissionais de saúde criam barreiras intransponíveis.

Os enfermeiros devem agir como educadores e os familiares como co-educadores, pensando em problemas comuns como: medos, preconceitos, dúvidas, inseguranças, impotência, resistência e desesperança. Tudo isso visa captar mensagens, sinais, signos, gestos, jeitos, expressões do corpo. No campo biológico, é possível sentir a temperatura, a cor da pele, o ritmo da respiração; na
comunicação, entende-se o que estamos falando e se entendemos o que a família fala; se a pergunta ou resposta é clara ou confusa, se traz alguma preocupação não expressada claramente nas relações, é possível identificar se existe ou não confiança, se existe afeto ou não, como se tratam, como se cumprimentam.

Ao decidir sobre o acordo, ele deve ser escrito e assinado pelos interessados e tornar-se um instrumento legal, a fim de evitar problemas futuros para os envolvidos.

 

Estratégias para a educação

A investigação é exercitada com muita freqüência, sobretudo quando se ensina, pesquisa e quando se está em constante busca por uma outra pedagogia de liberdade, que se desenvolvem por meio de: jogos dramáticos para falar de imagem, dramatizações, criação de bonecos, sociopoética, cineclube e dinâmicas em grupo de diversas modalidades. As técnicas e métodos de ensino estimulam o
aprendizado desde que apropriadas para as necessidades do individuo.

Os membros da família devem estar envolvidos nas sessões de ensino sempre que possível. Eles fornecem outra fonte para o reforço do material e podem ajudar o aluno a lembrar as instruções mais adiante. Eles também podem fornecer informações de avaliação preciosas a respeito da situação de vida da pessoa e sobre as necessidades de aprendizado correlatas.

As parcerias com as sociedades científicas, outras entidades governamentais e não-governamentais e, especialmente, com lideranças comunitárias é indispensável para assegurar a operacionalidade dessas intervenções em âmbito estadual e municipal.

Ações educacionais devem ser dirigidas a

 profissionais de saúde.

 alunos de escolas profissionalizantes.

 alunos de primeiro e segundo graus.

 pessoal de instituições e empresas.

 comunidade em geral.

Ações de conscientização são desenvolvidas por

 campanhas de esclarecimento através da mídia.

 campanhas temáticas periódicas

 

CONCLUSÃO

O sucesso da enfermeira com a educação da saúde é determinado pela avaliação contínua das variáveis que afetam a capacidade do paciente para adotar comportamentos específicos, obter recursos e manter um ambiente social valioso. Como profissionais de saúde, as enfermeiras possuem uma responsabilidade de promover as atividades que formentam o bem-estar, autorealização e satisfação pessoal. Toda interação com os consumidores de cuidados de saúde deve ser visualizada como uma oportunidade para promover comportamentos e atitudes de saúde positivas.

Esse grupo de estudo deve ter a participação de um profissional de saúde, com a função de organizar as discussões e esclarecer dúvidas. No entanto, ele deve deixar que as discussões ocorram espontaneamente, orientando-as para um conteúdo mínimo.
Dessa forma, o processo educativo deixa de ser imposto e passa a ser persuasivo. Uma conversa clara é necessária para estabelecer uma parceria entre o profissional de saúde e o paciente e seus familiares para dar a esses uma compreensão básica dos mecanismos da doença e dos objetivos do tratamento.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/medicina-artigos/a-educacao-em-saude-na-pratica-do-cuidar-em-psf-5059349.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    comunidade

    ,

    psf

    Comentar sobre o artigo

    Hilsa Flávia A Coutinho

    Este trabalho tem o perfil de identificar fatores que traga uma qualidade de vida para a população, como objetivo principal à sistematização no cuidado da Assistência da Enfermagem para este grupo, descrever a qualidade de vida promovendo ações educativas com uma linguagem simples e de fácil compreensão.

    Por: Hilsa Flávia A Coutinhol Saúde e Bem Estarl 28/10/2011 lAcessos: 283
    Eduardo Marins do Nascimento

    O Estatuto do Idoso regula os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. É assegurado, seguindo o artigo 20, por leis e outros meios, todas as oportunidades e facilidades para preservação da saúde física, psíquica, moral, intelectual, espiritual e condições de liberdade e dignidade. É ainda, obrigação da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público assegurar ao idoso, direito a vida, saúde, alimentação, educação, cultura, esporte, lazer, trabalho

    Por: Eduardo Marins do Nascimentol Saúde e Bem Estarl 21/05/2009 lAcessos: 3,569 lComentário: 1
    Joselene Beatriz soares Silva

    RESUMO Enfermeiro atuante na comunidade desenvolver estratégias de ação além das atividades para a manutenção, promoção da saúde e prevenção de doenças. Este profissional possui a responsabilidade do diagnóstico, intervenções e assessoria para que as pessoas possam atingir seu potencial máximo de saúde (HORTA, 1979).

    Por: Joselene Beatriz soares Silval Saúde e Bem Estar> Medicinal 24/11/2010 lAcessos: 2,461 lComentário: 3
    Joselene Beatriz soares Silva

    RESUMO INTRODUÇÃO: As atuações do Enfermeiro (a) na promoção da saúde se dão segundo a carta de Ottawa, 1986 quando prediz que ‘A promoção da Saúde visa aumentar a capacidade dos indivíduos para controlarem melhor a sua saúde' . Segundo

    Por: Joselene Beatriz soares Silval Saúde e Bem Estar> Medicinal 03/09/2010 lAcessos: 2,131

    Dando continuidade a serie de artigos sobre o ato médico, nesse comentamos sobre a solicitação e interpretação, quando necessário, de exames complementares. Momento que pode encerrar o ato médico como geralmente acontece em unidades de pronto socorro. Ao contrário, em unidades ambulatoriais, principalmente naquelas que desenvolvem o Programa Saúde da Família a solicitação e interpretação de exames complementares faz parte de um acompanhamento médico continuado e programado que é inerente à concepção e prática do programa.

    Por: Caio Cesar Penna.l Saúde e Bem Estar> Medicinal 01/07/2008 lAcessos: 46,422
    Silvane dos Santos Matias

    INTRODUÇÃO: O presente artigo aborda sobre a Visita Domiciliar como um dos instrumentos que se constitui numa atividade básica a ser realizada em atenção primária à saúde.OBJETIVOS: Refletir acerca da Visita Domiciliar buscando compreender a sua prática desde seu surgimento e como esta se efetiva hoje diante dos princípios do SUS e da ESF. METODOLOGIA: Pesquisa bibliográfica, tendo como aporte teórico os autores: Kawamoto, Fallante&barreira;, Camarano, Lacerda, Mattos, Takahashi. RESULTADOS: Obs

    Por: Silvane dos Santos Matiasl Saúde e Bem Estarl 13/07/2010 lAcessos: 10,980 lComentário: 1

    Trata-se de um estudo de caráter descritivo com abordagem quantitativa, cujo objetivo geral foi investigar a Atenção Medicamentosa aos Idosos pelos profissionais Odontólogos (as), Médicos (as) e Enfermeiros (as) das Equipes Saúde da Família da Área Urbana do Município de Porto Velho-RO. A coleta de dados se deu através de questionários com perguntas fechadas e abertas a uma população de 48 profissionais das Equipe de Saúde da Família.

    Por: Josué da Silva Sicsúl Saúde e Bem Estarl 10/12/2008 lAcessos: 889 lComentário: 1

    O presente estudo buscou compreender o principio da subsidiariedade aplicado a saúde. O cuidado do Homem com a saúde remonta aos primitivos, quando usavam de sua própria saliva para curar suas feridas. Desde então, a saúde, no seu conceito e no seu tratamento, passou por constantes processos de transformação até que se chegasse aos métodos de tratamento atuais, bem como sua dimensão a partir do conceito dado pela Organização Mundial da Saúde..

    Por: Lucas Rafael Chaves Sampaiol Direito> Doutrinal 05/08/2014 lAcessos: 15
    MÔNICA PALITOT

    O pré-natal é um processo de extrema importância e deve ser encarado como um procedimento sine qua non para todas as gestantes independente de idade, classe social, raça ou região, pois somente a partir deste acompanhamento será possível detectar problemas tanto na mãe quanto no bebê. Devido a importância deste assunto resolvemos realizar na IV Mega-Ação social organizada pela FACENE/FAMENE, a coleta de dados através de questionário padronizado para a averiguação de informações junto às mulheres

    Por: MÔNICA PALITOTl Saúde e Bem Estarl 03/09/2010 lAcessos: 1,419

    Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 20 milhões de pessoas deixaram de enxergar por conta do problema. Tendência é a de que casos aumentem significativamente nos próximos anos.

    Por: Ricardo Machado Comunicaçãol Saúde e Bem Estar> Medicinal 10/10/2014

    A alergia ao pólen ou também chamada "polinose" é causada pelo contato dos polens de certas plantas com o desencadeamento de manifestações alérgicas.

    Por: Central Pressl Saúde e Bem Estar> Medicinal 03/10/2014

    ESTE TRABALHO FOI DESENVOLVIDO PARA A APLICAÇÃO DOS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS COM ALUNOS DOS 3º ANOS DO ENSINO MÉDIO. FOI BASTANTE GRATIFICANTE, POIS OS ALUNOS TIVERAM CONTATO COM OS CONTEÚDOS NA PRÁTICA E AINDA DESCOBRIRAM NOVAS INFORMAÇÕES.

    Por: Josimara L. Furtado dos Santosl Saúde e Bem Estar> Medicinal 02/10/2014

    Do ponto de vista do paciente, ficar internado num hospital não é nada agradável. Mas pode ser ainda pior quando outros problemas começam a surgir. Estudo divulgado no Journal of Clinical Periodontology (Estados Unidos) acompanhou 162 pacientes internados por quinze dias, desde a internação até a alta hospitalar. O que se descobriu é que os níveis de placas bacterianas e gengivite aumentaram consideravelmente no período.

    Por: Vítor Margatol Saúde e Bem Estar> Medicinal 30/09/2014

    Muito usada em consultórios, clínicas, hospitais, consultórios odontológicos e demais áreas da saúde, a mangueira de silicone é muito presente no cotidiano de pacientes. Por outro lado, ela por vezes acaba ficando desapercebida por não estar entre os principais e mais chamativos aparelhos médicos.

    Por: Thiago Castriottol Saúde e Bem Estar> Medicinal 30/09/2014

    Você perfurou algum local do corpo? Agora você precisa tomar todos os cuidados devidos! Saiba como fazer!

    Por: Andrél Saúde e Bem Estar> Medicinal 27/09/2014

    Apesar de a Anvisa ter liberado o uso de medicamentos para emagrecer que haviam sido banidos por oferecer algum risco à saúde dos pacientes, o ideal mesmo é emagrecer aos poucos e de forma natural – com exceção de casos mais severos de obesidade. Para grande parte das mulheres – principalmente aquelas que afirmam precisar perder ‘só mais três quilinhos' – é possível dar início ao "projeto verão" adotando um método de emagrecimento monitorado.

    Por: Vítor Margatol Saúde e Bem Estar> Medicinal 23/09/2014

    Plano de saúde é igual seguro de carro: os melhores são aqueles que você não precisa. Ao contratar um plano de saúde, é fundamental que o adquirente tome ciência de todos os termos do contrato, já que depois, quando se ver diante de uma situação de emergência que o plano de saúde [infelizmente] não cubra, não poderá fazer nada além de desembolar um dinheiro a mais para poder contornar a situação.

    Por: Julianal Saúde e Bem Estar> Medicinal 22/09/2014

    A candidíase congênita é uma doença rara, adquirida intra-útero, manifestada ao nascimento e não parece estar relacionada ao/à: nascimento por via vaginal; rotura prematura de membranas; duração do trabalho de parto; paridade materna; uso materno de antibióticos ou corticosteróides.

    Por: angela carreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 24/07/2011 lAcessos: 299

    Independentemente de sua natureza, padrão ou causa, a dor inadequadamente tratada apresenta efeitos lesivos, além do sofrimento que causa. Por exemplo, a dor não aliviada prejudica a capacidade pós-operatória do paciente para dormir

    Por: angela carreirol Saúde e Bem Estar> Medicinal 24/07/2011 lAcessos: 114
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast