Consulta De Enfermagem No Ambulatório De Hanseníase

Publicado em: 09/03/2009 |Comentário: 1 | Acessos: 6,781 |

INTRODUÇÃO
Hanseníase, doença infecto-contagiosa causada pelo Mycobacterium Leprae, bacilo que tem a capacidade de infectar grande número de indivíduos, no entanto poucos adoecem. Propriedades estas que não são função apenas de suas características intrínsecas, mas que dependem, sobretudo, de sua relação com o hospedeiro, grau de edemicidade do meio, entre outros. O domicílio é fator de risco do ambiente social apontado como importante espaço de transmissão da doença (1,2).
A hanseníase, considerado grande problema de saúde pública no mundo e no Brasil, e apesar de todo empenho em eliminá-la, o Brasil continua sendo o 2o. país em número de casos no mundo, Segundo relatório da Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária. A prevalência de hanseníase no estado de Pernambuco, segundo fonte: SINAN/SUS/SES/IBGE de 31/03/2004 é muito alto: 10 a 20 casos por 10 mil habitantes, quando se objetiva alcançar o índice nacional de menos de um doente em cada 10 mil habitantes e, até 2010 sustentar os níveis de eliminação nos estados e conquistá-los em cada município (2).
O homem é reconhecido como única fonte de infecção, os doentes multibacilares sem tratamento virchowiana e dimorfa são capazes de eliminar grande quantidade de bacilos para o meio exterior por vias aéreas superior. Existe a possibilidade de eliminação do bacilo através de lesões de pele, e da penetração desses bacilos através da pele, quando esta não se apresenta íntegra (1,2).
Sendo os transmissíveis apenas aqueles que apresentam resultados de baciloscopia linfocutânea positiva. Os de baciloscopia negativas devem ser tratados.
O comprometimento dos nervos periféricos é a característica principal da doença e lhe dá um grande potencial para provocar incapacidades físicas, que podem evoluir para deformidades, acarretando problemas para o doente como: diminuição da capacidade de trabalho, limitação da vida social e problemas psicológicos, sendo responsáveis, também, pelo estigma e preconceito contra a doença (1).
O tratamento do paciente com hanseníase é indispensável para curá-lo e fechar a fonte de infecção, interrompendo assim a cadeia de transmissão da doença, sendo estratégico no controle da endemia e para eliminar a hanseníase. O tratamento é eminentemente ambulatorial com administração da poliquimioterapia (PQT/OMS), constituída pelos medicamentos: rifampicina,dapsona e clofazimina (2).
A hanseníase é doença de notificação compulsória em todo terrritório nacional, sendo objeto de atuação na saúde pública devida sua magnitude, e potencial incapacitante e por acometer a faixa etária economicamente ativa. A hanseníase ainda constitui problema de saúde pública que exige uma vigilância resolutiva (2).
Para saber se a pessoa tem hanseníase, basta observar: lesão de pele hipopigmentada ou avermelhada, com perda de sensibilidade bem definida; lesão de nervos periféricos demonstrada por perda de sensibilidade e força nos músculos das mãos, dos pés ou da face (3). O diagnóstico é baseado na anamnese e exame físico do cliente para detecção de lesões na pele e nervos periféricos, realizando testes de sensibilidades protetora, térmica e dolorosa e avaliando queixas como: formigamento, dormência e câimbras.
Frente ao problema de hanseníase a consulta de enfermagem deve atender as necessidades do cliente realizando diagnóstico e tratamento, estabelecendo vínculo enfermeira/cliente gerando uma necessidade social. Durante as consultas o enfermeiro deve oferecer apoio atendendo as ansiedades relacionadas ao impacto do diagnóstico de hanseníase.

O Enfermeiro pode atuar desde a prevenção da doença até a prevenção de incapacidades causadas pela hanseníase. Ações educativas de prevenção, diminuição do estigma e melhora da qualidade de vida são de fundamental importância para o controle da doença (3).
O enfermeiro deve estimular o cliente a busca de conhecimento sobre hanseníase,pois constitui um meio de aperfeiçoamento benéfico para o cliente durante o tratamento. As consultas de enfermagem deve ter enfoque para a valorização do cliente quanto ao aprendizado sobre sua patologia, fazendo com que o cliente torne-se agente multiplicador de ações de saúde junto com sua família e comunidade para que novos casos da doença sejam identificados precocemente na família e comunidade.
Para o cliente hansenico na unidade de saúde básica e em unidades de referencia a consulta de enfermagem deve constituir um espaço de expressão, captação e necessidade de resolução eficaz de atendimento a população que procura o serviço identificando e aplicando intervenções clínico-educativo individual, familiar e comunitário. Assim é fundamental adoção de elementos que tornem a prática da consulta de enfermagem um momento de troca e crescimento para o cliente e o profissional.
O enfermeiro é responsável pelo conjunto das ações assistenciais que competem à enfermagem, e o enfermeiro em saúde coletiva é o profissional que visa à saúde coletiva, subordinando-se às necessidades sociais dos indivíduos. "A concepção da doença não é o fenômeno individual centrado no corpo doente, mas um fenômeno coletivo, tendo a epidemiologia como um dos saberem fundamentais" (4).
As percepções (objetivos, necessidades e valores) do enfermeiro e do cliente influenciam o processo de interação que é dever do enfermeiro informar aos clientes quanto aos aspectos do cuidado à saúde, para ajudá-los a tomar decisões conscientes; os clientes têm o direito de receber informações sobre os cuidados de sua saúde e os serviços comunitários; que ocorram transações positivas a partir das expectativas de desempenho de papel, conforme a percepção do cliente e do enfermeiro e que deve haver coerência entre os objetivos dos enfermeiros e dos clientes, sendo direito desses aceitar ou rejeitar qualquer aspecto do cuidado a saúde (5).
O enfermeiro pode receber o cliente para efetuar a consulta de enfermagem com o objetivo de conhecer/intervir sobre os problemas e situação de saúde doença. Em detrimento desta consulta, o enfermeiro poderá diagnosticar e solucionar os problemas de saúde detectados, integrando as ações de enfermagem, às ações multiprofissionais regulamentado pela Lei Federal 7.498 de 25 de junho de 1986.
A consulta de enfermagem tem estrutura definida, tem alto padrão de eficiência se realizada por profissional competente e possibilidade de causar impacto na saúde da população no sentido de gerar mudanças no quadro epidemiológico (6).
A consulta de enfermagem é a atenção prestada ao indivíduo, à família e a comunidade de modo sistemático e contínuo com a finalidade de promover a saúde mediante o diagnóstico e tratamento precoce (6).
Para que a sociedade venha a adotar hábitos saudáveis em busca de qualidade de vida é fundamental qualificar profissionais que invistam em novas práticas sanitárias, com capacidade para intervir sobre os fatores de risco ao surgimento de problemas de saúde da população assistida e indo além dos procedimentos tecnológicos específicos do setor saúde, o que impõe mudança na postura dos já inseridos no mercado de trabalho ou ainda na graduação (7). Como é o caso do presente estudo no controle e diagnóstico precoce da hanseníase.
Os clientes em tratamentos e os que apresentam seqüelas por tratamentos em anos e décadas anteriores envolvendo ulceras neurotroficas e vascular ocasionadas pela hanseníase que foram tratados tardiamente, também são beneficiados com a consulta de Enfermagem, acompanhamentos e curativos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Podemos afirmar o Enfermeiro pode receber o cliente para efetuar a consulta de enfermagem com o objetivo de conhecer/intervir sobre os problemas e situação de saúde/doença, podendo diagnosticar e solucionar os problemas detectados. É essencial a presença desse profissional em serviços ambulatorial para atender o cliente, família e comunidade na prevenção, tratamento e reabilitação.
As unidades básicas de saúde devem acolher os clientes hansenianos para que os enfermeiros tenham condições de atender as normas preconizadas pelo ministério da saúde que inclui: consultas de enfermagem, administração mensal de dose supervionada do poliquimioterápico, exame físico dos comunicantes, imunização com BCG, localização e busca ativa dos casos em abandono do tratamento. Ficando a unidade de referencia como ponto de apoio para atendimento em casos de dúvidas de diagnósticos, complicações relacionadas aos quimioterápicos e reações hansenicas.
As unidades de referencias em hanseníase devem atender o cliente com consultas de Enfermagem, e de outros profissionais para que o mesmo resolva o problema solicitado. Resolvido o problema o cliente deve ser encaminhado para as unidades básicas de saúde e ou Unidade de Saude da Familia para dar continuidade ao tratamento recomendado pelo Ministério da saúde.
O cliente hanseniano necessita da consulta de enfermagem em todos os momentos, pois durante esta atividade ele é orientado para o autocuidado com a pele, ferimentos, visão, vias respiratórias, alimentação, hidratação e cuidados para a prevenção de acidentes e lesões.



REFERENCIAS
1- Ministério da saúde (BR) Secretaria de políticas de saúde; Área técnica de dermatologia sanitária; Hanseníase atividades de controle e manual de procedimentos. 2001.
2- Ministério da saúde (BR). Secretaria de vigilância em saúde; departamento de vigilância epidemiológica. Guia de vigilância epidemiológica, 6° edição; Brasília 2007.
3 - Figueiredo NMA Ensinando a cuidar em saúde Pública. São Caetano do Sul-SP; editora Yendis 2005.
4 - Almeida MCP, Rocha SMM. O trabalho de Enfermagem. São Paulo: Cortez, 1997.
5 - King I M. A theory for nursing: systems, concepts, process. New York: wiley medical publications; 1981.
6 - Vanzin, A.S Nery MES. Consulta de enfermagem: uma necessidade social? Porto Alegre: RM&L gráfica, l996.
7 - Brito CAA. Et. All. Condutas em Clinica médica, 3° ed. Rio de Janeiro, 2004.
8 - Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5ª edição, Atlas São Paulo, 1999.
9 - George, J.B Teorias de Enfermagem – Os fundamentos para a prática. Porto Alegre, Artes médicas, 1993.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/medicina-artigos/consulta-de-enfermagem-no-ambulatorio-de-hanseniase-809424.html

    Palavras-chave do artigo:

    palavras chaves consulta de enfermagem

    ,

    portadores de hanseniase

    ,

    condutas de enfermagem

    Comentar sobre o artigo

    Segundo a Organização Mundial de Saúde, aproximadamente 1.4 milhões de crianças perderam a visão

    Por: Ricardo Machado Comunicaçãol Saúde e Bem Estar> Medicinal 15/12/2014

    Plano de saúde é coisa séria pois lida com a saúde, por isso é importante você conversar com um corretor de planos para ele tirar todas as suas dúvidas e ajudar na escolha do plano ideal.

    Por: caetano caldasl Saúde e Bem Estar> Medicinal 13/12/2014

    O Acidente Vascular Encefálico AVE pode ser isquêmico (quando se falta sangue no local afetado) ou Hemorrágico (quando há um extravasamento de sangue no local afetado). O AVE é uma das principais causas de morte no Brasil tanto em homens quanto mulheres, segundo o Ministério da Saúde. Seus sintomas variam desde a dificuldade de falar até mesmo a perda da consciência. Os fatores de riscos estão relacionados a diabetes, hipertensão e etc.

    Por: ANDRÉ LUIS DE CAMPOSl Saúde e Bem Estar> Medicinal 12/12/2014

    Estima-se que aproximadamente 7 milhões de mulheres sofram com o problema no Brasil

    Por: Ricardo Machado Comunicaçãol Saúde e Bem Estar> Medicinal 11/12/2014

    O Hospital Regional Público do Sudeste do Pará (HRSP), administrado pela Pró-Saúde, e o Hemocentro Regional de Marabá (Hemopa) promoveram a 23ª edição da tradicional campanha voluntária para doação de sangue na região.

    Por: Aline Limal Saúde e Bem Estar> Medicinal 10/12/2014

    Com o acúmulo de atividades e responsabilidades, a boa memória se torna, cada vez mais, um artigo de luxo! De fato, a memória é uma das nossas funções cognitivas mais importantes e serve para arquivar experiências e informações adquiridas ao longo da vida

    Por: Flávia Ghiurghil Saúde e Bem Estar> Medicinal 09/12/2014

    As chances de um homem apresentar câncer de próstata aumentam na medida em que o nível do PSA (antígeno prostático específico) aumenta também – sendo considerados normais níveis inferiores a 2,5ng/ml. Por isso, é consenso na medicina alertar para a realização anual do exame em pacientes com idade entre 50 e 75 anos e até mesmo fora dessa faixa quando há risco aumentado para a doença.

    Por: Vítor Margatol Saúde e Bem Estar> Medicinal 08/12/2014

    Um dos grandes desafios das operadoras de planos de assistência à saúde é o efetivo gerenciamento dos riscos a que estão expostas estas organizações em um mercado cada vez mais competitivo, com investimentos internacionais se consolidando no país e o amadurecimento da regulamentação do setor através da Agência Nacional de Saúde Suplementar, a ANS.

    Por: douglas trindadel Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/12/2014 lAcessos: 11

    Feridas crônicas e/ou úlceras : um problema de saúde pública, em razão do grande número de pessoas com alterações na integridade da pele, sendo escassos os registros desses atendimentos por falta de profissionais Enfermeiros no atendimento a estes clientes, ausência de protocolos de curativos e padronização de coberturas adequada a cada estágio da ferida.

    Por: Sandra Ines Lins de Abreu Mendesl Saúde e Bem Estar> Medicina Alternatival 14/03/2010 lAcessos: 3,863

    O Paciente com necesidades de cuidados intensivos é reconhecido como grave e recuperável, com risco iminente de morte, sujeitos a instabilidades e ou perdas das funções vitais, requer cuidados de Enfermagem contínuo e especializado. É preciso desenvolver na equipe de Enfermagem a percepção do cliente frente a complexidade na atenção as suas necessidades e este atendimento deverá ser executado em qualquer ambiente que ele esteja.

    Por: Sandra Ines Lins de Abreu Mendesl Saúde e Bem Estarl 12/11/2009 lAcessos: 13,155 lComentário: 3

    O uso do cateter central de inserção periférica CCIP/PICC contribui para uma assistência de enfermagem humanizada, diminui o estresse, manipulação e trauma ao paciente desde o neonato até o idoso, melhorando a qualidade de vida durante prolongado tratamento com infusões endovenosa. Este trabalho objetiva divulgar relatos positivos de profissionais preocupados com a terapia infusional a clientes hospitalizados, ambulatório e home-care.

    Por: Sandra Ines Lins de Abreu Mendesl Saúde e Bem Estarl 25/10/2009 lAcessos: 13,504 lComentário: 2

    Comments on this article

    0
    ivani oliveira ferreira 16/08/2009
    Manda , pode mandar sempre eu mato o esses passaros e não consigo ganhar, olhe lá hein
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast